Arquivo da tag: Facebook

Wagner Moura de volta em novo filme

A Busca estreia em março e já tem site oficial

 A Busca 1

O filme A Busca, protagonizado por Wagner Moura, ganhou um site oficial incomum. Utilizando uma nova forma de navegação (chamada de parallax), o site apresenta os elementos da identidade visual do cartaz se desconstruindo na navegação de múltiplos backgrounds que parecem se mover, em velocidades diferentes ao conteúdo, numa linguagem não linear de ação e movimento que remete ao conceito do filme. Por ser desenvolvida em HTML5, a navegação diferenciada continuará idêntica em tablets e smartphones, e o conteúdo não será prejudicado em nenhuma dessas plataformas. Esse tipo de experimentação digital é inédito entre os sites de filmes nacionais.

A Busca 2

A Busca já marca presença na internet desde o final do ano passado –  quando participou do Festival do Rio (eleito Melhor Filme pelo Júri Popular) e Mostra São Paulo – contando com redes sociais como o Facebook, o Tumblr e o Youtube. Também será disponibilizado um aplicativo social onde, conectado pelo Facebook, o visitante poderá deixar recados para um amigo no site oficial, integrando um grande mural público de recados.

A Busca 3

O filme é uma produção da O2 Filmes, com coprodução da Globo Filmes, dirigido por Luciano Moura e tem distribuição pela parceria Downtown Filmes, Paris Filmes e RioFilme. Além de Wagner Moura, o elenco conta com Mariana Lima, Brás Moreau Antunes e participação especial de Lima Duarte. A estreia está agendada para 15 de março.
Trailer do filme: http://youtu.be/CX-hyid1ENQ
Site oficial: http://abuscaofilme.com.br

Fan page: http://facebook.com/filmeabusca

Youtube: http://youtube.com/filmeabusca

Tumblr do Pedro: http://pedrogadelha.tumblr.com

Santa Maria Vídeo e Cinema começa segunda

SMVC_cartaz_sem_marcas

Quem idealizou, comanda e comunica é o cineasta, professor e cineclubista gaúcho Luiz Alberto Cassol

**Cineclube: ViVer Cinema**

O tema da 11ª edição do Santa Maria Vídeo e Cinema é uma saudação, uma afirmação, uma abertura de tela. Impossível não dizer: despertar, fruir, sentir. Somos a mesma experiência, de compartilhar o cinema e viver o cineclubismo. Ou seria o contrário?”

Realização: Santa Maria Vídeo e Cinema Promoção: Prefeitura Municipal e RBS TV Co-promoção: CESMA e UFSM / Pró Reitoria de Extensão Incentivo: Ministério da Cultura / Lei Rouanet e LIC-SM
11º Santa Maria Vídeo e Cinema Cineclube: viVER Cinema 28 de janeiro a 02 de fevereiro de 2013 (55) 3021-0181 – das 14h às 19h / de segunda à sexta. http://www.smvc.org.br festivalsantamaria@yahoo.com.br Twitter: @Festival_SMVC Facebook: @SMVC-Festival de cinema

FESTin na reta final de inscrições

Terminam no último dia do ano as inscrições à quarta edição do FESTinFestival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa.

Cineastas e produtoras de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste estão na reta final para inscrever seus filmes no concorrido festival lusófono, nas categorias de curtas e longas-metragens.

Os filmes deverão ser exclusivamente de expressão portuguesa e ter sido finalizados entre janeiro de 2011 e dezembro de 2012, com a duração mínima de 70 minutos no caso dos longas-metragens e a duração máxima de 25 minutos no caso dos curtas-metragens.

A 4ª edição do FESTin acontecerá de 3 a 10 de abril de 2013, no Cinema São Jorge, em Lisboa. Nesta próxima edição, o FESTin dará destaque ao cinema angolano, depois de ter homenageado Moçambique (2010), Portugal (2011) e Brasil (2012).

O FESTin surgiu em 2010 objetivando celebrar a cultura lusófona através do cinema, num ambiente de partilha, intercâmbio e inclusão social, proporcionando o acesso do público a filmes que dificilmente chegam aos circuitos comerciais.

Mais informações: www.festin-festival.com e www.facebook.com/festin.festival?ref=h.

FECIM: este Festival nasceu com fôlego de gigante

AURORA DE CINEMA direto do FECIM-Muqui

Estar na edição inaugural do Festival de TV e Cinema Independente de Muqui – adorável cidade do sul capixaba – foi uma das mais felizes experiências desta nossa vida de repórter, sempre em busca dos lugares e fatos onde o Cinema Brasileiro é destaque ou possa ser sublinhado.

O FECIM ganhou meu interesse desde que soube que o festival era ideia de um grupo de jovens que trabalham com teatro, audiovisual, música, dança e outras artes, e cujo foco irmanava, numa mesma pulsação, os meandros da Sétima Arte e também os da Televisão – sobretudo no tocante à Telenovela.

Sempre achei: quem gosta de contar e ouvir histórias e, portanto, é um apreciador de Dramaturgia (ainda que não tenha consciência disso), não pode desprezar nenhum tipo de espaço ou veículo onde isso se dá. Afinal, os pilares das três principais artes onde isso acontece são o Teatro, o Cinema e a TV. Em todos esses, as histórias contadas, encenadas, exibidas, veiculadas são DRAMATURGIA. Cada meio tem sua especificidade, óbvio, mas a força motriz é a mesma.

Thelma Guedes e Duca Rachid: contribuição relevante ao FECIM…

Sou uma apaixonada por Dramaturgia, irremediavelmente levada pelo Teatro – a Arte Milenar -, o Cinema e as Telenovelas. Daí, quando descobri o FECIM (através da página da escritora Duca Rachid no Facebook), não pensei duas vezes: “Vou saber quem organiza este festival e vou tentar ir”. E assim o fiz.

Entrei rapidamente em contato com Léo Alves, o idealizador e coordenador-geral, e me apresentei, dizendo que queria muito estar em Muqui para o FECIM. A partir daí, nossa troca de conversas fluiu célere e sempre conectada. Foi mais de um mês trocando e-ms e tentando falar com Léo pelo telefone, o que acabei só conseguindo quando já estava na capital capixaba – nossa agendas não se encontravam nunca. Mas um dia recebi uma mensagem super carinhosa e estimulante de Léo Alves: “Aurora, engraçado, tenho cada vez mais a sensação de já te conhecer há muito tempo”. E essa  sensação passou a nos guiar…

Léo Alves no centro e seus renomados convidados: tudo fluiu em perfeita sintonia no FECIM…

Conhecer Léo Alves foi uma gratíssima satisfação. Nós temos mesmo tudo a ver. Léo possui uma energia vibradora que realiza, e caminha rumo aos objetivos traçados com determinação, sensibilidade e serenidade que cativam à primeira vista. Logo, nas primeiras trocas de e-ms, Léo Alves já tinha me ganhado. E quando ele foi me receber na rodoviária de Cachoeiro do Itapemirim, na véspera da abertura do FECIM, foi como o encontro de dois amigos, que apenas não se viam há alguns meses.

Teatro Neném Paiva lotou todas as noites para ver CINEMA de graça no FECIM…

Cheguei em Muqui na noite de quarta, 31 de outubro, e fiquei surpresa ao ver tudo já em clima de festival, e com ares de grande evento. Na praça principal da bela cidade histórica, epicentro do FECIM, tendas estavam armadas, bem decoradas e iluminadas. Cartazes espalhados nos postes, banners pelas tendas e no Teatro Neném Paiva – QG da Produção (montado na Escola de Música contígua ao teatro) -, e funcionários trabalhando como se o festival já tivesse começado, tudo causava positivo impacto diante de um evento que iria acontecer numa cidade interiorana, em ritmo de estreia.

Desde o início percebi: o FECIM chegava muito bem estruturado e os organizadores tinham pensado o festival como um evento para nascer forte, se firmar e evoluir. Havia, no íntimo de cada um que circulava ali nas tendas e entorno do QG do FECIM, uma vontade de acertar e a certeza de estar no caminho certo, cujos fluidos me alcançaram rapidamente.

E a partir da minha chegada ao ponto central do FECIM – onde Simone Marçal ultimava detalhes da produção em conversas com uma grande equipe, formada em sua maioria por voluntários -, senti que o festival idealizado por Léo Alves seria um sucesso.

Aliás, a criativa logomarca – criação do artista Wilson Ferreira – e a graça de garota encontrada por Léo para protagonizar todo o material de divulgação do FECIM, já trazia embutido um certo condão de ludicidade e beleza, capazes de conquistar de imediato.

A vinheta criada por Léo Alves como principal peça audiovisual publicitária do FECIM é de uma plasticidade singela e cativante.

Com a jornalista Aurora Miranda Leão, a graciosa empatia de Duda Teixeira, a cativante ‘mascote’, mais um trunfo do FECIM

A menina Maria Eduarda (Duda) Teixeira tem uma docilidade e empatia que a câmera captou e o coração do público aderiu prontamente com o maior afeto, conectando instantaneamente ao chamado do Cinema na Cidade Menina

As irmãs Fernanda e Simone Marçal, tocando o FECIM, festival que foi uma sucessão de acertos…

Esta primeira impressão teve chance de se confirmar todos os dias: em cada atividade da programação, afirmava-se o acerto de um projeto bem pensado, feito coletivamente, com um plano de trabalho bem elaborado, debatido, e absorvido por toda a equipe.

Turma preparada para o belo cortejo que abriu lindamente a programação do FECIM…

Essa sintonia que houve (e há) entre os que realizaram o I FECIM é o grande trunfo deste festival, que, nem bem terminou, e já emana novas e boas vibrações através de reuniões virtuais e troca de ideias entre os muitos que pensaram o FECIM, e agora orquestram um festival ainda melhor para 2013, ancorados e estimulados (com todo merecimento) por nomes de envergadura que participaram de sua programação, e hoje derramam-se em elogios para este Festival na Cidade Menina, o qual, de caçula, só tem o fato de estar na pioneira edição.

Parte da equipe que tocou o FECIM e a jornalista Aurora Miranda Leão…

Mas o FECIM que eu vi nascer em postagens via web é um festival da maior importância, nascido com energia e estrutura suficiente para alçar grandes voos e prospectar grandes ações na seara da dramaturgia e do audiovisual, a partir de MUQUI.

Cavi Borges, Aurora Miranda Leão e Claudia Puget: sintonia artística no FECIM…

Anotem o que este AURORA DE CINEMA vem dizendo desde que começamos a postar informações sobre o FECIM: este Festival ainda vai ser tão concorrido que vai chegar o dia em que hotéis e estabelecimentos ‘Cama & Café’ de Muqui e cidades vizinhas não vão conseguir abrigar todos os interessados em participar in loco de sua programação.

Que deve ser maior a cada edição. O que este AURORA DE CINEMA viu e ouviu de gente elogiando o FECIM fez esta redatora ficar de dedo cansado de tanto teclar.

Desde o mais pacato morador de Muqui até nomes como os da escritora e Doutora em Cinema, Bernadette Lyra; passando pelo do cineasta/produtor Cavi Borges; o do escritor Eduardo Nassife; o do ator Mouhamed Harfouch; as cineastas Luíza Lubiana e Ceci Alves; até as escritoras Thelma Guedes e Duca Rachid; todas as falas, como em uníssono, davam conta das mesmas impressões: o FECIM foi uma sucessão de acertos, seus ‘maestros’ (encarnados em Léo Alves, Jussan Silva, e Simone Marçal) estão de PARABÉNS, Muqui é uma cidade adorável, a equipe trabalhou com competência e disposição, e o Festival chegou com  porte de Leão.

Desde o lúdico cortejo inaugural, passando pelas exibições lotadas, a roda de samba debaixo de chuva na praça principal de Muqui, os almoços e jantares adoráveis no belo casario da artista Cláudia Puget, a programação paralela na antiga estação ferroviária, até o adorável bicicletaço com chuva de poesias no último dia do Festival, tudo no FECIM foi bonito, funcionou, e só merece PARABÉNSSSSSS !!!

O artista Wander Polatti, a escritora Bernadette Lyra,  o produtor Jussan Silva e Silva, e a jornalista Aurora Miranda Leão celebram o êxito do FECIM…

Em breve, novo post sobre o FECIM. Aguardem !

A Igreja Matriz, cenário imponente de Muqui, a cidade do FECIM… Até 2013 !

O Rio e o Amor, temas de Cinema

Diretores e produtores cinematográficos nacionais e estrangeiros podem se inscrever até março de 2013 no concurso que vai escolher um curta-metragem com o tema O Rio e o Amor para o projeto Rio, Eu te Amo, da franquia internacional Cities of Love.

O curta selecionado será incluído como extra no  DVD oficial do filme, que vai reunir grandes diretores nacionais e internacionais, cada um contando uma história de amor numa locação da cidade.

O projeto é um movimento de amor à capital, que já conta com mais de 40 mil seguidores no Facebook e promove ações nas redes sociais e nas ruas do Rio.  Numa dessas ações, foram espalhados balões de gás em 30 pontos turísticos da cidade, com mensagens incentivando as pessoas a fazer o bem ao próximo.

O filme, cujo lançamento está previsto para 2014, será a versão brasileira da Cities of Love, uma franquia internacional que já teve como cidades homenageadas Paris, com o filmeParis Je T’Aime (2006) e Nova York, com  New York, I Love You, em 2009. Além do Rio, estão em fase de produção filmes que homenageiam Xangai, na China, e Jerusalém, em Israel.

“Achamos importante fazer o concurso como oportunidade de também revelar um novo talento cinematográfico, aproveitando um projeto dessa visibilidade”, afirma Pedro Buarque, presidente da Conspiração Filmes, produtora de “Rio, Eu te Amo”. Segundo ele, a produção é 100% nacional, com recursos levantados no país, e os diretores, sejam brasileiros ou estrangeiros, trabalharão ao lado das equipes brasileiras. “É uma grande produção que terá repercussão internacional, projetando o nome da cidade e do país”, destaca.

Já estão confirmados para dirigir episódios, os cineastas Fernando MeirellesJosé Padilha, Andrucha WaddingtonCarlos Saldanha. Ao todo, serão dez diretores, entre nacionais e estrangeiros, e as filmagens começarão em julho de 2013.

A escolha do curta a ser incluído no DVD será feita em duas etapas. Na primeira, três filmes serão selecionados por um júri formado por Ilda Santiago, do               Festival do Rio, Julio Worcman, do portal Porta-Curtas, Ailton Franco, da Mostra de Curtas, e Leonardo Monteiro de Barros, da Conspiração. Na segunda fase, os três filmes serão postados na página do movimento no Facebook, para a escolha final pelos seguidores. As inscrições podem ser feitas no site               www.rioeuteamo.net/concursos/curta.

RIO de JANEIRO: História de Amor com a cidade para ganhar as telas do mundo…

Festival de Araxá: Troféu Araxá Terra do Sol e prêmio Dona Beja para o Cinema

O burburinho na cidade já começou: Araxá se prepara em ritmo acelerado para receber artistas, realizadores, cineastas, produtores, jornalistas, e diversos profissionais da área do Cinema. Na web, o festival vem mobilizando sites, blogs, twitter e Facebook.

O I Araxá Cine Festival foi idealizado pela cineasta e produtora Débora Torres, que também é sua Coordenadora-Geral e Produtora Executiva.Tem Curadoria do festejado Rubens Ewald Filho e será realizado de 10 a 16 de setembro.

Débora Torres conta: “O curador do Festival, Rubens Ewald Filho, já definiu os filmes de longa-metragem que vão concorrer aos prêmios da Mostra de Araxá. O regulamento do Festival está no site, assim como os prêmios Dona Beja e Troféu Araxá Terra do Sol, os quais serão distribuídos para os vencedores do festival.” 

A promotora do Araxá Cine Festival está entusiasmada e diz que fazer um festival em Araxá era um desejo antigo, ressaltando dois outros destaques: a mostra Curta Minas, na qual concorrerão filmes de curtas-metragens produzidos em Minas Gerais, com Curadoria do diretor Guido Pádua, de BH; e o Curta Araxá, modalidade exclusiva para produções genuinamente araxaenses.

As inscrições para os filmes de curta-metragem produzidos em Araxá podem ser feitas através do site até dia 25 de agosto. Os cineastras araxaenses serão submetidos à avaliação de Rubens Ewald Filho, que fará a seleção dos participantes: “A premiação a ser distribuída no Araxá Cine Festival é muito boa e bastante interessante. São R$ 130 mil em prêmios, com destaque para o vencedor do Curta Araxá, que receberá a melhor premiação, ou seja, R$ 40 mil para ser investido na produção de um novo curta-metragem, que vai abrir a segunda edição do Festival, em 2013. O Curta Minas terá um prêmio de R$ 10 mil para o vencedor, e os filmes de longa-metragem de ficção brasileiros concorrerão a R$ 80 mil”, diz a incansável Débora Torres.

Débora Torres apresenta a programação visual do Festival à imprensa…

O Araxá Cine Festival vai exibir em sua noite de abertura o longa-metragem  O Mineiro e o Queijo, do premiado cineasta mineiro Helvécio Raton. Na mostra competitiva, o primeiro dia terá como atração O Contador de Histórias, do diretor Luiz Villaça. Dia 12 será a vez de O Palhaço, filme do ator Selton Mello. Em seguida, vem o filme Não se preocupe, nada vai dar certo, de Hugo Carvana, estrelado por Mariana Rios. E tem ainda Olhos Azuis, de José Joffily; e o filme de Carlos Alberto Riccelli e Bruna Lombardi, Onde Está a Felicidade ?

 Com apoio principal da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), a organização captou R$ 600 mil dos R$ 980 mil totais do projeto e planeja a participação de artistas conhecidos do grande público e cineastas renomados.

A ideia de Débora Torres e sua equipe é fomentar o gosto pel oaudiovisual em crianças, adolescentes e jovens de todas as idades, uma vez que o acesso às novas mídias est´possibilitando que cada vez mais um número maior de pessoas se expresse através das imagens. Para tanto, o festival vai realziar um “Festivalzinho” pela manhã, oficinas, workshops, lançamentos de livros e DVDs, debates sobre os filmes exibidos, além das mostras competitivas de longas-metragens de ficção e de curtas-metragens araxaenses.

Coletiva de lançamento do site e programação do Araxá Cine aconteceu no Teatro Municipal, a ser inaugurado com o Festival…

A secretária Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Parcerias, Alda Sandra Barbosa Marques, garante a abertura do novo Teatro Municipal para a estreia do Araxá Cine Festival: “ Nosso teatro vai estar em condições de sediar o Festival de Cinema de Araxá. As obras se encontram em fase de acabamento e o cronograma tem sido cumprido”, destaca.


Débora Torres, Alda Sandra e Débora Afonso unidas em torno do Araxá Cine

Segundo Alda Sandra Marques, há uma grande expectativa em torno do sucesso do Araxá Cine Festival. “Este evento vai divulgar o nome de Araxá, através de mídia espontânea em todo o Brasil. A nossa cidade estará recebendo muitos artistas e centenas de visitantes. Isto representa mais crescimento turístico e cultural para Araxá”, avalia a secretária.

O festival vai ser o  primeiro evento realizado dentro do Teatro Municipal de Araxá, que só será  inaugurado oficialmente após as eleições, devido à proibição da legislação eleitoral.

Saiba mais: http://www.araxacinefestival.com.br/

O Grande Hotel de Araxá, construção dos anos de 1940: Patrimônio que atrai turistas do mundo inteiro…

Antonio Quinet e Sérgio Britto, Histeria e Teatro

Recebo precioso material do psicanalista e homem de Teatro, Antonio Quinet, e tenho o prazer de dividi-lo com você, amigo leitor:
 
Acompanhe nos links abaixo entrevista de Sergio Britto com Antonio Quinet sobre histeria e teatro quando do lançamento do livro da peça de teatro “A lição de Charcot” (Editora Zahar), incluindo anexos sobre a história das concepções de histeria do antigo Egito até Lacan. 
 
 
Uma adaptação da peça com o nome “Abram-se os histéricos!” está sendo montada pela Cia. Inconsciente em Cena,  com direção de Regina Miranda, e música original de José Eduardo Costa Silva.
 
 
O psicanalista Antonio Quinet disponibiliza material sobre Teatro e Psicanálise na web
 
    A peça leva ao palco o teatro da histeria e sua descoberta por Freud. Inspira-se no ambiente em torno das aulas públicas de Jean-Martin Charcot, no Hospital La Salpêtrière,  no final do século XIX em Paris, quando a grande novidade médica, literária, e até mesmo mundana, era a histeria.    Nesta entrevista  – em 3 partes – o psicanalista Quinet conversa com Sergio Britto sobre a peça A lição de Charcot, a história da histeria, e as relações estruturais entre o teatro e a histeria.  Um elogio da histeria. 

PARTE 1 – A história da histeria: o ùtero saltitante, as possessões demoníacas, verdade ou encenação?; O teatro histérico de Charcot em Paris.


PARTE 2 – Freud e a histeria como encenação de uma fantasia sexual, histeria de hospital e histeria de salão; “Isso é piti!”, diz Babinski.


PARTE 3 –  Cenas do caso de Blanche lidas por Sergio Britto e Quinet.

Charcot

 
Quadro de Brouillet “A lição de Charcot”, onde se vê o professor
apresentando Blanche Wittman hipnotizada nos braços de Babinski.