Arquivo da tag: FELIZ NATAL !

Um Feliz NATAL pelos versos do poeta Miguel Jorge…

 O Aurora de Cinema deseja um feliz natal a seus amigos e fiéis leitores, “pegando carona” na sensibilidade do Poeta Miguel Jorge …

 

                     Natal Sobre a Mesa

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   O  Natal é mais do que a casa.

                            Não. O Natal é menos que a casa.

                            Apenas um ato. Um fato. Uma barganha.

                            A paz desejada por uma noite, um tempo.

                            Investigação de espírito sobre as mais

                            Tenras mentiras. A alma posta, nua, sobre

                            A mesa que abriga tantos e passados vendavais.

                           Imagino outros Natais. O corpo ainda pequeno

                            Povoado de estrelas. Imagino os cantos, as vozes

                            Enormes impressas na memória. Difícil, agora, não

                            Estar ferido pelas sutilezas dos sonhos. Dormindo,

                            Vejo mais. O Natal sobre a mesa, como pequena massa

                            Do mundo ao alcance das mãos. Dormindo, vejo mais.

                            Sonhos sobre escombros. Imagino a leveza de outrora.

                           Flores, balões, a mesa posta: arroz, trigo e um velho Papai-Noel  acordado em mentiras.

                            Imagino o Natal sobre a mesa iluminado

                           Entre cabeças e vísceras. Joga-se o jogo da vida.

                          A sombra das palavras benditas.

                         Natalinfância adormecido em lembranças.

                        Os espelhos, não, estes lutam contra o tempo,

                        Simplesmente levam de volta nossas esperanças.

                        Tudo se abrasa dentro das casas, às escuras,

                        Crispam-se as belezas das imagens. Rodam os

                      Natais sobre as mesas, champanhe e nozes prenunciam

                      Felicidades. Mas o amor em sua realeza pesa sobre

                       Os corpos. Os copos. O vinho profundamente vivo,

                       A  estremecer bocas. O rigor do momento rapidamente

                        Se esvai ao sabor das carnes inscritas de véspera.  

                     Mãos se tocam de leve em profundas orações.

                    Pedaços de misericórdia, feito côdeas de pão saltam

                    Dos olhos acesos de glória. Agora, as palavras. As

                    Jamais pronunciadas. A língua sobre fios tristes da

                    Linguagem. Para se amar é preciso muita força nas

                   Palavras. Para se amar somam-se os mergulhos do

                 Mundo. Há precipícios no meio das estradas. O amor

                Sobe pelas paredes, igual aos rumores da tempestade.

                Levanta abraços e a delicadeza de se pensar em beijos.

               Por cima de tudo, sobre a mesa, a melancolia de Mais um Natal. A fuga das estrelas assombra a noite.

              Talvez uma tristeza contínua tocada pela ausência dos

             Que partiram. Há sempre um grito, um despertar de Vozes em meio aos sonhos enlouquecidos. Num Instante, a noite se dissolve. Abre-se o canto de

            Um novo dia.

 

              Há perfume de tédio no ar.

             Os pensamentos se extinguem

             Feito fogo, gestos perdidos

             Entre dedos. A mão do sol desce

             Sobre as sobras da mesa. Tudo ficará

             Renovado no próximo Natal, entre uma

              E outra floração de estrelas. 

                – Os olhos mortos do peru olham

                 De dentro da caixa repleta de lixo.

                Depois tudo voltará à normalidade.                                           Natal de 2011.

POEMA DE NATAL com ÁGUA

 

 Os votos do AURORA DE CINEMA para que o CLIMA de PAZ & FRATERNIDADE do NATAL se propague por todos os dias do NOVO ANO que se avizinha, através das belas palavras do poeta de Goiânia, MIGUEL JORGE:

        POEMA DE NATAL COM ÁGUA

Do menino se via os pezinhos cruzados,

o sol, nas águas do seu corpo,

secava os cabelos prateados.

 

Em meus olhos, outro menino

na Manjedoura, talhado em ternura,

nada sabe do mundo.

E se fosse somente pelos pés, um menino

seria o outro, afora a costura do tempo.

As alucinações do mundo, as mesmas,

a desorganizar sonhos em imagens

pelo planeta. 

Que fosse por este Natal, o encontro das raças.

De alguém a atar abraços, os dedos assim,

entrelaçados ao acaso. A vitória do Amor, na

leveza do silêncio que o alimenta.

 

Entre um céu e outro, o sol enche de luz

os objetos. Bichos e santos num instante

de eternidade a se renovar naquela noite.

 A chama da beleza rudemente acesa floresce

 as distantes manhãs: e que nada se diga dos

mistérios dos corações, as águas dos rios

a destrançar hemisférios.

É Natal! Deito-me e o nome continua

a ecoar enorme dentro de minha infância:

                        É Natal !

 

Um breve rumor de palavras escritas

na alma e, outras tantas, que mudas,

ficaram por se dizer.

É Natal ! Precisamos justificar

o peso do tempo que passa,

pesa e nos enlaça.