Arquivo da tag: Festival de Cinema CineAmor

CINE AMOR Começa Amanhã

Começa amanhã em Nova Friburgo, na serra fluminense, a primeira edição do Festival CineAMOR, que vai reunir um pacote de 40 produções – entre longas e curtas-metragens – sobre histórias de amor. A programação, dividida em mostras temáticas, promete três títulos ainda inéditos no circuito comercial brasileiro: Brilho de uma paixão, de Jane Campion, cinebiografia do poeta britânico John Keats, que participou da competição do Festival de Cannes ano passado; Coco Chanel e Igor Stravinsky, de Jan Kounen; e Cartas para Julieta, de Gary Winick.

Cena do antológico FILME DE AMOR, de Júlio Bressane

Os quinze curtas da seleção serão exibidos em mostra competitiva, cujo vencedor será eleito por voto popular. Entre estes estão três filmes selecionados por concurso promovido pelo festival, escolhidos entre 120 roteiros enviados de todo o país. Os vencedores receberam R$ 60 de prêmio; em contrapartida, se comprometeram a filmá-lo na cidade e a exibi-los em primeira mão durante o evento.

São eles: A florista do outro lado da praça, de Guga Caldas; Um outro ensaio, de Natara Ney; e Love express, de Patrícia Lopes e André Pellenz.

Escrito em 2004, o roteiro do curta de Guga Caldas foi adaptado para a paisagem de Nova Friburgo.

Quando soube do concurso, decidi pesquisar sobre a cidade ver se dava pra ambientar o filme lá. Descobri em Nova Friburgo o cenário ideal, principalmente por causa da relação da cidade com o cultivo de flores, as quais ocupam, como o título do curta sugere, papel importante na trama – explica Caldas. – Curiosamente, alguns problemas do roteiro original acabaram solucionados nessa adaptação de cenário. O roteiro é uma versão melhorada do inicial.

André Pellenz, que rodou na região o curta Que horas são ?, em 2006, viu no concurso uma nova oportunidade para voltar à cidade. Love express fala sobre duas pessoas que se conhecem em um serviço de encontros para solteiros.

Os dois protagonistas de certa forma se acham, e passam a justificar sua presença ali – conta o diretor. O filme procura mexer com esse preconceito, pois é normal pensar que quem vai a um lugar desses tem algum problema.