Arquivo da tag: festival de cinema de Anápolis

Anápolis prepara terceira edição do Festival de Cinema

Anápolis, uma das cidades mais importantes de Goiás, faz um dos melhores festivais de Cinema do país. Edição 2013 será em maio…

Idealizado e coordenado pela cineasta e produtora-executiva Débora Torres, festival será em maio…

I- As inscrições dos curtas do Centro-Oeste e dos curtas anapolinos estarão abertas de 25 de março a 9 de abril de 2013, podendo a ficha de inscrição ser encontrada no site www.anapolisfestivaldecinema.com.br

Para inscrever-se, o realizador tem de preencher a ficha, imprimi-la e enviá-la, juntamente com o  material descrito no item 6-IV e V para a Coordenação Geral do Festival, na sede da Secretaria Municipal de Cultura de Anápolis, situada na Praça Bom Jesus, nº 101, Centro, Anápolis-GO – 75025 – 050.

II- A ficha de inscrição (ANEXO I), Termo de Cessão de Direitos Autorais (Anexo II) e o Regulamento (ANEXO III) do Edital n° 003/2013, estarão disponíveis no Site: www.anapolisfestivaldecinema.com.br

???????????????????????????????David Cardoso, Carlos Alberto Riccelli e Rubens Ewald Filho na edição 2012…

b)– Filme de curta-metragem do Centro-Oeste de todos os gêneros:

– Melhor curta-metragem do Centro-Oeste –– R$ 7.500,00 (sete mil e quinhentos reais) mais troféu.

c) – Filme de curta-metragem anapolino de todos os gêneros:

– Melhor curta-metragem Anapolino – Prêmio Incentivar Secretaria Municipal de Cultura à Produção de curta-metragem que será destinado à produção de um novo curta-metragem a ser produzido na região de Anápolis e exibido na abertura do 4º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA – R$ 30.000,00 (trinta mil reais) mais troféu;– Melhor Roteiro – R$ 7.500,00 (sete mil e quinhentos reais) mais troféu;

– Melhor Direção – R$ 7.500,00 (sete mil e quinhentos reais) mais troféu.

A, Webb e Deb em AnapAurora Miranda Leão, Walter Webb e Débora Torres na primeira edição do concorrido Festival de Cinema de Anápolis…

Anápolis encerra Festival de Cinema com fôlego de gigante…

Festival idealizado por Débora Torres e realizado pela Prefeitura Municipal reúne grandes filmes e expressivos nomes, provando que veio para ficar e demarcar importante espaço no cenário audiovisual

A segunda edição do Festival de Cinema de Anápolis consagrou como grandes vencedores os filmes Estômago, Olhos Azuis e Como Esquecer.

Realizado de 19 a 26 de março, o festival foi idealizado pela produtora e cineasta Débora Torres, e possível graças à Prefeitura Municipal (através da Secretaria de Cultura), que tem como diretriz básica investir em Cultura e Educação. Único festival a homenagear o pioneiro Adhemar Gonzaga (jornalista fundador da revista Cinearte e da Cinédia) com o nome de uma mostra, o Festival de Cinema de Anápolis reuniu importantes nomes da cinematografia brasileira, de diversas regiões, numa semana de muita troca de experiências, debates, oficinas, homenagens, e exibições gratuitas, no teatro municipal e em diversas praças de comunidades da periferia anapolina.

Rubens Ewald Filho assinou a Curadoria da Mostra Adhemar Gonzaga de Longas-Metragens, na qual concorreram os seguintes filmes: Onde está a felicidade ?; As melhores coisas do mundo; Estômago; Como esquecer; O Palhaço; e Olhos azuis – todos os filmes contaram com pelo menos um representante presente ao festival, que teve ainda mostra de curtas anapolinos e mostra de documentários do centro-oeste.

A abertura foi com o documentário Bokemboka – a trajetória de ‘Seu Menino’ (vencedor do Prêmio Incentivar, concedido pela Prefeitura Municipal de Anápolis, na primeira edição do Festival), seguindo-se Rock Brasília – Era de Ouro, de Vladimir Carvalho.

Entre os muitos homenageados, Zózimo Bulbul, João Batista de Andrade, Embaixador Lauro Moreira, Vantoen Pereira Jr., Hermes Leal, André Moraes, Oscar Magrini, David Cardoso e Bete Mendes (a única que não pôde comparecer devido a compromissos por conta da novela Gabriela). Todos estes receberam o Troféu Anápolis, criação do artista anapolino Napefi.

David Cardoso também recebeu o troféu Anápolis e lançou livro no Festival…

Betina Vianny lançou livro com a obra do pai, e recebeu cumprimentos de Aurora Miranda Leão…

O festival também contou com lançamentos dos seguintes livros: ‘Davi Cardoso – O Rei da Pornochanchada’, autobiografia do ator; Acervo de Alex Vianny, de autoria da atriz Betina Vianny; Ensaios de Cinema, do crítico L.G. de Miranda Leão; Dicionário de Filmes Brasileiros – Curtas e Médias, por Antônio Leão; Cinema (d) e Horror: ensaios críticos, por Carolina Sartomen; além do lançamento do Box Mulheres que fazem cinema, reunindo 10 curtas de cineastas goianas – lançamento da Associação de Cinema Independente de Goiás (Acine).

No palco, convidados recebem box Mulheres de Cinema, lançado pela ACINE…

O Festival de Anápolis contou ainda com uma mostra paralela de filmes do cineasta João Batista de Andrade, e outra com curtas-metragens do ator e cineasta Zózimo Bulbul, que também participou (e foi muito aplaudido) de debate promovido pelo Cineclube Xícara da Silva, co-realizador do Festival. Aliás, cineclubistas do centro-oeste estiveram reunidos ali também por conta do I Encontro Anápolis de Cineclubes. E teve ainda o Festivalzinho, de 20 a 25 de março, com a exibição do filme Pequenas Histórias, de Helvécio Ratton, ofertado às crianças das escolas municipais mas com entrada franca a toda a comunidade.

Zózimo Bulbul e Vladimir Carvalho em foto de Aurora Miranda Leão…

Germano Pereira mostrou que além de ótimo ator, também canta e toca com simpatia e competência… a noite foi no Pub 767 e a platéia quase não deixa ele sair do palco… Saravá !

A comissão julgadora, coordenada pelo produtor Delvo Simões, foi formada por Rosamaria Murtinho, Alice Gonzaga, Leandro Firmino da Hora, Walter Webb, Ingra Liberato, o embaixador Lauro Moreira, Germano Pereira, Vladimir Carvalho e Jarleo Barbosa. Dentre as oficinas, Cinema e Filosofia com a socióloga gaúcha Ada Kroef, e Produção de curta digital de baixo custo, com o dramaturgo e roteirista Alex Moletta.

Alice Gonzaga, David Cardoso e Aurora Miranda Leão no hall do Teatro Municipal…

Murilo Rosa e Elisa Tolomelli no debate sobre o longa Como esquecer

Além de todos os nomes já citados, circularam em Anápolis na semana do Festival, os seguintes atores, atrizes e produtores: Carlos Alberto Riccelli, Murilo Rosa, Fernando Alves Pinto, Irandhir Santos, Erom Cordeiro, Gustavo Machado, Babu Santana, Bruna Barros, Elisa Tolomelli, Cláudia Natividade, Mallu Moraes, Ana Carolina Machado (do filme O Carteiro), Wandi Doratiotto, Flávia Rodrigues, Ângelo Lima, e as belas atrizes Gisella Motta e Bruna Chiaradia (do filme O Palhaço).

Gisella Motta, Flávia Rodrigues, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão…

Wandi Doratiotto, Aurora Miranda Leão e Fernando Alves Pinto: curtição na noite anapolina…

Carlos Alberto Riccelli também curtiu a noite anapolina e distribuiu simpatia…

De quebra, a organização do Festival ofereceu alguns passeios prá lá de especiais, entre esses uma visita à Base Aérea de Anápolis, ao Porto Seco, e um passeio à Pirenópolis, onde um grupo, liderado pelo produtor Walter Webb, foi fazer uma visita à atriz Eliane Lage (Diva do cinema brasileiro dos anos 50, estrela dos filmes Sinhá Moça e Ravina).

Walter Web, Eliane Lage, Lucília e Vladimir Carvalho, e Lauro Moreira…

Confira os vencedores:

1.1 – Melhor Filme de Ficção  – ESTÔMAGO-de Marcos Jorge-R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) mais troféu;

1.2 – Melhor Direção-OLHOS AZUIS-de José Joffily – R$ 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais) mais troféu;

1.3 – Melhor Ator-OLHOS AZUIS-Irandhir Santos –R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.4 – Melhor Atriz-COMO ESQUECER-Ana Paula Arósio –R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.5 – Melhor Ator Coadjuvante-ESTÔMAGO-Babú Santana – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.6 – Melhor Atriz Coadjuvante-ESTÔMAGO-Fabíula Nascimento – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.7 – Melhor Roteiro-OLHOS AZUIS- Paulo Halm e Melanie Dimantas – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.8 – Melhor Fotografia-AS MELHORES COISAS DO MUNDO- Mauro Pinheiro Jr. – R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.9- Melhor direção de Arte-O PALHAÇO- CLAUDIO AMARAL PEIXOTO-

R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.10-Melhor Montagem-OLHOS AZUIS- Pedro Bronz- R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.11-Melhor Som-ONDE ESTÁ A FELICIDADE?- Miriam  Biderman, ABC, e Ricardo Reis

 R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

1.12Melhor trilha Sonora-AS MELHORES COISAS DO MUNDO-BiD- R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu; 

A produtora e roteirista Cláudsa Natividade com Babu Santana: prêmios para Estômago

1.13- – Melhor curta-metragem documentário do Centro-Oeste-DIGA 33-de Angelo Lima –– R$ 6.250,00 (seis mil duzentos e cinquenta reais) mais troféu;

 

David Cardoso, Carlos Alberto Riccelli e Rubens Ewald Filho: feliz reencontro de amigos…

1.14 – Melhor curta-metragem Anapolino-O GIRO DA CAPELINHA-de Arnaldo Salustiano de Moura – Prêmio Incentivar- Secretaria Municipal da Cultura à Produção de curta-metragem que será destinado à produção de um novo curta-metragem a ser produzido na região de Anápolis e exibido na abertura do 3º ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA – R$ 37.500,00 (trinta e sete mil e quinhentos reais) mais troféu;

 

Débora Torres e Alice Gonzaga: amizade acalentada pela Sétima Arte…

Anápolis vai consolidando Festival de Cinema com competência e profissionalismo

AURORA DE CINEMA, DIRETO DO FESTIVAL DE ANÁPOLIS

É estimulante perceber as importantes melhoras no Festival de Cinema de Anápolis…

Estive aqui na primeira edição e por isso posso afirmar com conhecimento de causa: o Festival de Cinema de Anápolis cresceu consideravelmente nesta segunda edição e já é um dos mais fortes do primeiro semestre no circuito de festivais de cinema brasileiro.

Débora Torres e sua competente equipe estão de Parabéns !

Erom Cordeiro, Bruna Chiaradia, Giselle Mattos e a videasta goiana Flávia no debate pós-sessão de O Palhaço

Público participou ativamente dos debates no festival de Anápolis…

Antônio Leão autografa Dicionário de Curtas e Médias para a cineclubista Carol Paraguassu, uma querida…

Betina Vianny autografa livro sobre o pai para a atriz Ingra Liberato…

Cinema por mulheres: Gisella Motta, Flávia, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão

Murilo Rosa e Elisa Tolomelli apresentam filme Como Esquecer

Ingra Liberato concede entrevista para o videomaker Carlos César…

O Sumiço de Alice será atração na festa de encerramento do Festival de Anápolis

 

O Sumiço de Alice, mais recente curta-metragem Aurora de Cinema Produções, foi escolhido para abrir a solenidade de encerramento da segunda edição do Festival de Cinema de Anápolis, que começa no próximo dia 19 e prossegue até dia 26.

Alice Gonzaga, grande inspiradora e homenageada com o curta de Anápolis…

Rodado em Anápolis (GO), durante o I Festival de Cinema de Anápolis (idealizado e coordenado pela cineasta Débora Torres), realizado em abril de 2011 no município goiano, o curta é um trabalho experimental que agrega diversos nomes importantes do cinema nacional. 

A inspiração veio numa visita à bucólica cidade de Pirenópolis, em passeio proporcionado pela organização do festival, reunindo diversos realizadores, produtores e artistas. 

Berço de tantos filmes brasileiros (como “Simeão, o boêmio”, primeiro filme dirigido pelo goiano João Bennio; O Tronco, de João Batista de Andrade; O Leão do Norte, de Carlos Del Pino; e o curta Borralho, do maranhense Arturo Sabóia de Almada), Pirenópolis é um município tombado pelo Patrimônio Histórico, a atrair, durante todo o ano, um enorme fluxo de turistas por conta de suas belezas naturais, sua tranqüilidade e suas festas populares, como as tradicionais Cavalhadas.

 

Selva Aretuza estreia como atriz em atuação descontraída…

Gravado em formato digital, com imagens captadas em mini DV, o curta O Sumiço de Alice é mais uma produção Aurora de Cinema, finalizada em parceria com a Cabeça de Cuia Filmes (da fotógrafa e cineasta cearense Lília Moema). 

Guido Campos, ator goiano, tem participação destacada em O Sumiço de Alice…

O processo de produção resume-se a 3 dias de filmagens no circuito Teatro Municipal-Estância Park de Anápolis, mas, apesar do pouco tempo, o filme conta com elenco estelar, onde despontam o talento vibrante de Zezeh Barbosa, a criatividade singular dos goianos Deborah Torres e Guido Campos, a expressividade da atriz Dila Guerra, a criatividade do escritor Miguel Jorge, a descontração do cineasta e produtor Walter Webb, a simpatia de Alice Gonzaga, o tom descontraído de Mallu Moraes, a seriedade na estréia de Selva Aretuza e Manaíra Carneiro, além da inteligente participação dos jornalistas Cid Nader e Felipe Brida.

 

Mallu Moraes, Guido Campos e Dila Guerra: trio é pura descontração …

Um belo plano-seqüência gravado em Pirenópolis responde pela abertura de O Sumiço de Alice. O filme vai-se desenvolvendo e, ao longo de seus 20 minutos, uma sucessão de imagens e depoimentos insólitos vão mapeando a intrincada história do inopinado e misterioso sumiço de Alice.

 

Débora Torres: produtora revela dimensão de seu talento como atriz…

Até o final, paira no ar a pergunta que não quer calar: como e porquê Alice sumiu  

* O Sumiço de Alice terá sua  exibição pública no II ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA, às 19h, abrindo a solenidade de encerramento. 

A  ótima Zezeh Barbosa é destaque com participação cativante e bem humorada…

FICHA TÉCNICA 

Argumento, Roteiro, Fotografia e Direção: Aurora Miranda Leão

Produção: Aurora de Cinema e Cabeça de Cuia Filmes

Apoio de Set: Pedro Pinheiro e Ângela Torres

Assistente de produção: Itamar Borges, Mallu Moraes e Luziany Gomes

Direção de Platô: Laura Pires

Trilha sonora  – Carmina Burana, de Mozart (versão remix)

                                 Capricho, de Villa Lobos

 (Antônio Meneses, violoncelo – Cristina Ortiz, piano)

                            

Edição: Aurora M. Leão e Lília Moema

Still: Edvaldo Cajazeira e Laura Pires

Elenco:  ALICE GONZAGA

                ZEZEH BARBOSA

                DÉBORA TORRES

                GUIDO CAMPOS

                WALTER WEBB

                MIGUEL JORGE

                SELVA ARETUZA               

                DILA GUERRA

                MALLU MORAES

                JOÃO BATISTA DE ANDRADE

                MANAÍRA CARNEIRO

                CID NADER

                FELIPE BRIDA

                SERINA RARUÁ

                ITAMAR BORGES

                LAURA PIRES

                ED CAJAZEIRA

 

Débora Torres entre Vazio Coração e Festival de Cinema de Araxá

Terminaram as filmagens do filme Vazio Coração, longa de estréia do cineasta mineiro Alberto Araújo.

Jornalista, ele conta: “Primeiro procurei o Othon Bastos, que trouxe o Murilo Rosa e chegaram os outros que foram atraídos pelo roteiro. Este filme é o sonho de uma vida toda”.

Alberto e Débora: trabalho árduo para conseguir finalizar Vazio Coração

Uberlândia foi a primeira locação do filme, previsto para ser lançado no primeiro semestre de 2012. As primeiras cenas foram rodadas durante a 48ª edição da Feira Agropecuária de Uberlândia (Camaru), quando o protagonista, o ator Murilo Rosa, subiu ao palco do parque de exposições, interpretando o cantor Hugo Kari.

Murilo Rosa como Hugo Kari, papel que fez o ator voltar a cantar…

De Uberlândia, o elenco seguiu para Araxá, Patrocínio e Brasília. Murilo Rosa cntou a música Ouça Bem, um pop sertanejo, de autoria de Willian Borjazz e do próprio diretor, Alberto Araújo. Mas cantar não foi novidade para o ator, que iniciou carreira em 1993, no teatro, com o musical A Gente Não Tem Cara de Babaca, sobre a vida de Gonzaguinha. “Eu canto sempre e tenho uma voz razoável. Mas lá no palco estarei protegido pelo meu personagem. Estarei como ator, não como cantor”, disse Murilo Rosa.

Lima Duarte e Alberto Araújo durante filmagens de Vazio Coração, produção da aguerrida produtora goiana, Débora Torres…

O filme Vazio Coração é também uma espécie de retorno às origens do elenco. Murilo Rosa retorna a Brasília, Mariana Rios a Araxá, e Patrícia Naves a Patrocínio. O diretor Alberto Araújo, natural de Coromandel, mas radicado em Goiânia, diz ter uma relação forte com a região, onde há 20 anos gravou o curta Minha Senhora Solidão, vencedor do 1º Festival Latino Americano de Florianópolis: “Este é meu segundo filme e coincidentemente em Araxá. Quando pensei na cena do show, não tive dúvida que seria em Uberlândia”.

Segundo Débora Torres, produtora-executiva do longa,  80% do filme acontece em Araxá, passando pelo Grande Hotel, Museu da Dona Beja e pelas paisagens do Horizonte Perdido.“Foi lindo lá, com imagens de parapentes, asas deltas”.

Segundo Murilo Rosa, que não esconde a satisfação por protagonizar mais um longa, “É um filme familiar e fala dessa liberdade em escolher o que se quer ser. Nunca vivi isso… meu pai, Odair, é meu empresário e sempre me apoiou”. 


Vazio Coração  conta a história de Hugo Kari, um cantor brasileiro de renome nacional que resolve fazer uma pausa em sua atribulada agenda para se encontrar com o pai, o embaixador Mário Meneses, no Grande Hotel Termas de Araxá, onde a família passava férias, quando Hugo era criança. Ali, naquele cenário bucólico, de boas recordações para ambos, filho e pai  tentam colar os cacos de uma relação, quebrada por desencontros de sonhos, ideais e uma tragédia que os marcou para sempre. Mas Hugo não imagina o quanto precisará  cavar para reabrir o túnel sob essa montanha de sentimentos que os separa.  Vazio Coração é uma reflexão sobre os laços de família.

O filme tem produção-executiva da nossa querida amiga Débora Torres, cineasta e profissional das mais aguerridas, enquanto Alberto Araújo assina roteiro e direção.

 Filmagens de Vazio Coração mobilizaram população nas cidades mineiras…
 
Vazio Coração conta a história de Hugo Kari, um cantor brasileiro de renome nacional que resolve fazer uma pausa em sua atribulada agenda para se encontrar com o pai, o embaixador Mário Meneses, no Grande Hotel Termas de Araxá, onde a família passava férias no tempo em que Hugo era criança. Ali, naquele cenário bucólico, de boas recordações para ambos,   filho e pai  tentam colar os cacos de uma relação quebrada por desencontros de sonhos, ideais e uma tragédia que os marcou para sempre. Mas Hugo não imagina o quanto precisará  cavar para reabrir o túnel sob essa montanha de sentimentos que os separa.  Vazio Coração é uma reflexão sobre os laços de família.

O Tauá Grande Hotel e  Termas de Araxá, um dos belos cenários do filme Vazio Coração
 
 
ELENCO-PERSONAGENS PRINCIPAIS
 
 
MURILO ROSA-Hugo Kari- Filho único do Embaixador Mário Meneses e Carolina Meneses. Cantor brasileiro de renome internacional, carismático, talentoso e muito bem sucedido. Casado com a artista plástica Mariana… No passado Hugo se preparava para seguir os passos do pai na carreira diplomática quando resolveu abandonar tudo e voltar para o Brasil em busca do sonho de se tornar cantor profissional. Logo no início da nova trajetória, conhece o empresário Júlio Avelar que o lançou em caráter definitivo no patamar dos grandes ídolos da música.

OTHON BASTOS-Mário Menezes– Embaixador de carreira brilhante, Mário Menezes tem o perfil da maioria dos diplomatas da velha guarda, ou seja, cultos e empolados, tornando-se cada vez mais híbridos culturalmente, pois ao invés de divulgar a cultura brasileira lá fora, acabam assimilando   a  cultura dos países onde atuam, renegando cada vez mais nossos  costumes  e tradições. Desde muito cedo  Mário Menezes preparou o filho para seguir seus passos no Itamaraty, sonho que , virou  quase um pesadelo, quando o filho resolveu abandonar a carreira diplomática e se tornar cantor de pop rock.  Depois do falecimento da esposa em um acidente de avião, Mário retornou para o Brasil, onde não vê  a hora de se aposentar.  Apesar de abatido, aparentando mais velho que sua idade real, Mário Menezes não perdeu a elegância. Homem de fino trato, sempre muito bem vestido, ele  demonstra  sua postura de quase lorde  nos gestos mais sutis.


 
 LARISSA MACIEL-Mariana Menezes- linda e jovem, a esposa de Hugo Kari  está grávida de 5 meses.  Artista plástica em início de carreira, adora poesia e literatura. Consciente de quanto pesa nos ombros do marido o conflito que ele tem com o pai, Mariana é o grande incentivo para Hugo marcar o encontro em Araxá.
 
 OSCAR MAGRINI-Júlio Avelar- empresário renomado, uma espécie de Nelson Motta,  responsável pelo lançamento de grandes nomes da MPB, Júlio   apostou no talento de Hugo assim que o conheceu.  Com o sucesso repentino de Hugo, passou a se dedicar exclusivamente à carreira de seu novo artista.  Com o porte  natural dos homens bem sucedidos, Júlio Avelar tem por Hugo uma afinidade de irmão mais velho. Depois de quatro anos de parceria, Hugo ocupa hoje o topo da listas dos cantores que mais vendem discos e fazem shows no Brasil.
 
 
EMBAIXADOR LAURO MOREIRA by Embaixador  Lauro  Moreira-  colega e amigo  de longa data do Embaixador Mário Menezes, fazendo parte da seletíssima  lista de amigos que sempre   freqüentou  a casa do “sistemático” pai de Hugo. Diplomata de carreira brilhante, Lauro Moreira praticamente viu Hugo crescer e testemunhou a decepção do amigo e companheiro de Itamaraty, Mário Menezes, quando o filho resolveu abandonar a carreira diplomática, tão sonhada pelo pai, para dedicar-se à carreira artística. Durante a morte da mãe de Hugo, Lauro foi um ombro amigo para o desolado embaixador Mário Menezes.

Lima Duarte, Bete Mendes e Murilo Rosa na nova produção de Débora Torres…

LIMA DUARTE-Jorge Gusmão- avô materno de Hugo, é um velho forte, com   uma vitalidade que disfarça muito bem seus  80 anos. Mineiro de Belo Horizonte, Jorge Gusmão Cardoso é formado em agronomia e  mudou-se para  Patrocínio  na década de 70, quando as terras do cerrado  mineiro passaram  a ser utilizadas para o plantio de café. Mas foi ainda  na  capital  mineira que  Jorge conheceu, namorou e casou-se com  Luiza Alves.


 
BETE MENDES-Luiza Alves- avó materna de Hugo, Luíza ainda trás o perfil de mulher bonita e  elegante.  Apaixonada por  música e literatura, com predileção para a poesia,  a professora Luíza  conheceu, se apaixonou e casou-se com   Jorge  em Belo Horizonte, sob a romântica aura do final da década de cinqüenta. Logo em seguida, o casal teve a filha Carolina.

PATRÍCIA NAVES-Carolina Menezes- Linda, culta e elegante, Carolina,  que herdou a suavidade  da  mãe e a determinação  do pai, mudou-se para Brasília para  dar sequência aos  estudos.  Na  capital federal  conheceu  o embaixador Mário Menezes, com quem se casou, apesar da diferença de idade. Tiveram  o filho  Hugo de Oliveira Menezes, que depois que optou pela carreira musical ficou nacionalmente  conhecido como  Hugo Kari. No início do conflito entre o marido e o filho, Carolina fazia questão de apoiar os passos do filho, mesmo que  de forma discreta para não contrariar o Embaixador.  

 Murilo Rosa e Patrícia Naves comemoram atuação no longa Vazio Coração

Segundo o cineasta Alberto Araújo, a cidade de Araxá é um cenário que retrata o Brasil de forma completa: “Araxá é um patrimônio histórico, cultural e turístico do Brasil que precisa ser divulgado em âmbito nacional e internacional e o filme Vazio Coração tem o objetivo de contar uma bela história e também promover este lugar”, afirma.

A produtora-executiva Débora Torres – idealizadora e produtora também do I Festival de Cinema de Araxá (que deve ser realizado em janeiro) – afirma:”Araxá é uma cidade acolhedora e linda, de parabéns pela limpeza de suas ruas e a beleza de suas paisagens, através da ação de seus administradores: “Os araxaenses são trabalhadores, prestativos, alegres e bem humorados. Vejo paz, serenidade e amor no olhar das pessoas que se aproximam de nós e tentam de alguma forma dar a sua contribuição para o filme ajudando a nossa produção de todas as formas possíveis, ora indicando pessoas para compor a nossa equipe técnica ora indicando artistas do lugar, cantores e atores locais. Com certeza trabalharemos também para mostrar os artistas da terra ao lado de grandes estrelas da TV e do cinema que aqui estarão morando por quase dois meses neste paraíso, durante o período das filmagens.”

Murilo Rosa, Débora Torres e Alberto Araújo no estúdio gravando tema do personagem principal de Vazio Coração

* Tenho a alegria de conhecer Débora Torres há muitos anos, e a honra de partilhar de sua amizade.

Débora é uma pessoa especial, profissional dedicada que se esmera em fazer sempre o melhor, amiga leal, prestativa, solidária. para Débora, não há tempo ruim nem cansaço que esmoreça sua vibração e vontade de construir o melhor para o conjunto das pessoas que lhe cercam.

Acompanhei anos a fio sua trajetória junto ao Festival de Cinema de Goiânia, que idealizou e coordendou por 6 anos, sempre com o maior empenho, garra e competência. Este ano, ela criou e coordenou o I Festival de Cinema de Anápolis, um sucesso de público e digno dos melhores aplausos, da classe e da crítica.

Agora, como fosse pouco produzir e finalizar o longa Vazio Coração, Débora Torres ainda tem fôlego bastante para tornar realidade outro ousado projeto: a realização do I Festival de Cinema de Araxá, mais um festival idealizado por sua visão de longa alcance, sua perspicácia singular de produtora, sua vocação para construir novos cenários de Cinema e Cultura. Por certo, mais um festival ao qual ela vai dedicar sangue, energia, amor e capacidade criativa, juntando um naipe de nomes consagrados para fazer crescer bonito e forte o mapa da produção audiovisual, e apto a colocar Araxá na rota dos grandes festivais de cinema do país.

Salve, Débora Torres ! Que Deus te guie e ilumine, sempre mais.

Você tem, e terá sempre, o apoio e o aplauso deste Aurora de Cinema.

Saravá !!!

ARRASTÃO ANÁPOLIS !

Aurora de Cinema na cobertura do Festival 

 Bela Semente em Prol do Cinema Brasileiro

 

Anápolis, o segundo mais desenvolvido e promissor município de Goiás, bem próximo à bela e hospitaleira Goiânia, acolheu em abril passado um bom bocado do cinema brasileiro. A prefeitura deu chance e Débora Torres, uma mulher aguerrida, dedicada às produções que assina, competente, forte, solidária e disposta, semeou mais um terreno em Goiás, que deverá gerar belos e imponentes galhos para açambarcar todo o variado painel que, cada vez mais, o cinema brasileiro descortina.

Aurora Miranda Leão, Débora Torres, Ed Cafezeira e Almir Torres no resort ESTÂNCIA

O I Festival de Cinema de Anápolis, de 12 a 18 de abril, foi um momento precioso de encontro entre gente que faz cinema – nos bastidores, nos palcos, nas platéias, por trás das câmaras e nas telas dos quatro cantos do mundo.  Estive por lá, com muita honra, como jornalista convidada, e fiquei encantada.

Desde a acolhida no aeroporto, onde três jovens da equipe de Débora já me esperavam há algum tempo – Pedro Pinheiro, Tatiana Lopes e a bela Jéssica – . Ali, reencontrei o simpático casal Laura Pires e Edvaldo Cafezeira, dois queridos de longa data. Assim, tudo foi muito convidativo, desde o início.

Aurora recebe caloroso abraço de Débora Torres na chegada a Anápolis…

O trajeto Goiânia-Anápolis é feito em estrada com boa manutenção e se faz ligeiro. Chegar e dar de cara com o precioso espaço do resort Estância Park foi outra boa surpresa. Foi lá que revi minha querida amiga Débora, idealizadora e coordenadora-geral do Festival que seria aberto àquela noite. Ela vinha acompanhada do irmão Almir, outro que deu a maior força para o êxito do Festival.

Fomos almoçar no amplo e vem servido resto da Estância e lá reencontrei o colega de batente, Cid Nader, outro cujo astral sempre favorece momentos aprazíveis.

Quando a noite começou a se insinuar, nos trouxe junto o abraço da querida Alice Gonzaga, grande baluarte do nosso Cinema, feliz por estar acompanhando a meritório Homenagem ao pai, que nomina a mostra competitiva de longas-metragens.

Aurora Miranda, Selva Aretuza e Alice Gonzaga: companheiras de cinema em Anápolis

A abertura foi no Teatro Municipal: noite festiva, platéia lotada e a primeira exibição pública do filme Hollywood no Cerrado, de Tânia Montoro e Armando Bulcão, um documentário revelador para o quão Anápolis tem a ver com parte da história do cinema, sobretudo o de Hollywood: afinal, no município goiano que agora envereda pelas trilhas do audiovisual, viveu e floresceu muita gente de prestígio no cinema norte-americano, como Joan Lowell, Mary Martin, Larry Hagman, Gilbert Adrian.

Nesta noite, a atriz francesa Eliane Lage – grande diva do cinema brasileiro nos anos 50 (há três décadas, feliz moradora de Pirenópolis), reencontrou-se, depois de tantos anos, com os amigos Walter Webb e Alice Gonzaga. Um belo encontro, abonado em frente ao palco do Teatro Municipal de Goiânia.

Débora Torres, cineasta Alberto Araújo e Tânia Montoro em noite de cinema em Anápolis

A platéia anapolina adorou se ver na tela: suas reações de aprovo eram indisfarçáveis, e ouviam-se muitos risos durante algumas passagens. Oxalá o filme tenha boa visibilidade pelas telas do país e chegue também em solo americano. A comunidade anapolina merece.

O festival teve duas mostras competitivas: a de Longa-Metragem de Ficção Brasileiro, adequadamente chamada Adhemar Gonzaga, num justo e belo preito ao jornalista pioneiro da indústria cinematográfica no Brasil, e a mostra Curta Anápolis, para dar visibilidade à produção anapolina, de todos os gêneros. O Troféu Anápolis, criado pelo artista plástico Napefi, foi entregue a personalidades como Vladimir Carvalho, Miguel Jorge, Tizuka Yamazaki, Ingra Liberato, Murilo Rosa, Luiz Carlos Vasconcellos e Mallu Moraes, além de ter sido entregue aos representantes dos filmes vencedores.

A programação também disponibilizou seu foco para as crianças da rede municipal de ensino – tendo sessões super concorridas – e proporcionou o I Encontro de Cineclubes do Centro-Oeste – com direito à oficina cineclubista coordenada por Carol Paraguassu, e a presença muito intensa de cineclubistas da região.

Edvaldo Cafezeira, Aurora Miranda, Walter Webb e Débora Torres…

Em Anápolis também aconteceram diversas oficinas – alvitres da agilidade mental e disposição para o trabalho que Débora Torres demonstra a todo momento, mesmo quando não se dá conta disso – com aulas de roteiro, produção e direção ministradas pelo baluarte Walter Webb.

Walter Webb distribui simpatia entre Eliane Lage e Alice Gonzaga: trio-Patrimônio

Aliás, sobre esta figura é preciso um parêntese especial: Walter Webb foi presença das mais solicitadas e encantadoras em Anápolis, a todos dedicando uma palavra especial, uma atenção calorosa, um bom fio de enriquecedora conversa, em qualquer direção. Uma enorme alegria conhecê-lo e privar de seu convívio.

Aurora Miranda Leão e a alegria de reencontrar ator Guido Campos

Falando nisso, o que não faltou em Anápolis foi a convivência  com pessoas do mais significativo quilate… ainda estou por descobrir se isso é fruto da energia revitalizante que emanava da acolhedora Estância Park (o belo resort que nos serviu de cenário e aconchego por uma semana) ou se esses “presentes” se configuram no espaço a cada vez que minha irmã querida Débora Torres toma a colcheia e toca pra frente uma enorme caravana de holofotes em direção aos artistas do Cinema e ao cinema dos Artistas Brasileiros.

Serina Raruá e Aurora Miranda Leão: Sétima Arte acontecendo em Anápolis

Desta vez, ela nos trouxe a delicadeza e prestatividade de Serina Raruá, além da disponibilidade sempre atenta de Ângela Torres e a presença sempre benfazeja de Guido Campos e Rubens Ewald Filho, este Homem-Cinema sempre a encantar com sua simplicidade, simpatia, riqueza de memória e conhecimento abalizado sobre tantos temas, um mestre na arte de seduzir e encantar porque nele notoriedade, prestígio, desafetação, riqueza espiritual e carisma são um só trevo de cinco folhas.

E por falar nele, Rubens destacou o quanto a história de Anápolis revela uma espécie de predestinação para o cinema, uma vez que ali viveram, entre os anos 40 e 50, Janet Ganyor – atriz principal do grande clássico do cinema, o filme Aurora, de Murnau -, e seu marido Gilbert Adrian (um dos grandes estilistas de Hollywood). E citou também a presença de Mary Martin, atriz de grandes musicais da Broadway, em cuja biografia há uma marcante passagem pela cidade. “Com uma história dessas, com certeza já estava escrito nas estrelas que Anápolis está diretamente ligada ao cinema”

Secretário Augusto César, Débora Torres, Rubens Ewald Filho e o prefeito Gomide

E assim, divididos entre ricos papos sobre a Sétima Arte, piadas e generosos encontros nos espaços da Estância Park, de dia, e filmes, debates e fartos churrascos noturnos, transcorreu aquele adorável período do festival de cinema de Anápolis.

Neusa Borges, Aurora Miranda Leão e Felipe Brida: respirando cinema em Anápolis

Churrascaria Los Pampas foi ponto de encontro todas as noites… Haja churrasco !

A cada noite, um debate após os filmes, comandados ora por Débora ora por Guido, reunia público e realizadores num importante intercâmbio de idéias artísticas e disponibilidade para a informação. Toda noite também o entorno do Teatro Municipal acolhia o público, imprensa e convidados com um barzinho agradável e de preços convidativos, aliado a um bom momento musical com artistas da cidade.

Aurora Miranda Leão e Laura Pires na noite-lançamento biografia Roberto Pires

Em Anápolis, também havia uma janela para livros sobre cinema: ali foram lançados o ótimo livro do amigo Alex Moletta – “Criação de Curta-Metragem em Vídeo Dgital” -, o histórico livro de Beto Leão sobre os 100 Anos do Cinema Goiano, e a biografia do cineasta baiano Roberto Pires, que sua viúva Laura Pires autografava emocionada, junto ao lançamento da cópia restaurada do filme Redenção, título iniciático da carreira de Roberto e primeiro longa-metragem baiano.

O festival possibilitou também que, a cada noite, os filmes exibidos no dia anterior pudessem ser vistos por maior número de pessoas, sendo então ofertados em algumas praças de Anápolis, e a equipe comandada pelo elétrico Itamar Borges registrava tudo em making-of.

Débora Torres e o Secretário Augusto César abraçam necessidade do Festival

Os filmes concorrentes eram: Orquestra de Meninos, representado por Murilo Rosa (homenageado com o Troféu Anápolis) – seguido por uma legião de fãs que o acompanhou o dia inteiro em Anápolis: o ator arrebatou uma multidão ao belo parque Ypiranga numa tarde em que diversas orquestras da cidade tocaram em sua homenagem.

Aurora M. Leão e Felipe Brida: jornalistas também tietaram o premiado Murilo Rosa

Murilo foi atencioso e simpático com todos, não se furtando a posar para fotos, dar autógrafos e espalhar beijinhos e abraços entre as tietes. Na visita ao parque municipal, Murilo Rosa (sempre acompanhado dos pais) foi recebido pelo prefeito Antônio Gomide, o secretário de Cultura, Augusto César de Almeida, a diretora municipal de Políticas Públicas, Agueda Maria Zimmer, a coordenadora do programa Criar e Tocar, Marisa Espíndola, e por professores da rede municipal de ensino.

Ator, que passou infância em Anápolis, recebeu bela homenagem do Festival

Dila Guerra e Manaíra Carneiro apresentam o premiado  Cinco Vezes Favela…

Cinco Vezes Favela, o emblemático filme produzido por Cacá Diegues, foi representado por uma das diretoras do primeiro episódio, a pulcra e simpática Manaíra Carneiro, e por Dila Guerra, atriz do último episódio do filme – que Rubens me avisou logo tratar-se de “grande atriz”. As duas foram iluminadas presenças no festival e participaram ativamente do debate pós-exibição.

Darlene Glória em cena de Feliz Natal, longa de Selton Mello

Feliz Natal, o impactante filme de Selton Mello, foi representado por sua mãe, a elegante Selva Aretuza, e pelo ator Leonardo Medeiros. Obra colecionadora de prêmios em festivais pelos quatro cantos, o filme de estréia de Selton é ainda melhor do que esperava, digno mesmo de todas as honrarias: aponta um diretor vigoroso, criador de um roteiro instigante (parceria com Marcelo Vindicatto), enriquecido por uma fotografia (Lula Carvalho) em plena sintonia com o leitmotiv do argumento, com enquadramentos belos e inusitados – há pelos menos três momentos em que isso é patente: na vertigem de Mércia (personagem de Darlene) rodando entre luzinhas decorativas do Natal; na cena do personagem Caio (Leo Medeiros) deitado em posição fetal no meio da rua; e na cidade que nos é dada ver se descortinando em seu anoitecer por trás de um muro alto, branco – lindo a mais não poder…

Leonardo Medeiros e Selva Aretuza apresentando Feliz Natal, de Selton Mello

Selton é dono de invejável sensibilidade, evidenciada sobretudo pelos artistas que convoca para trabalhar com ele, dando qualificado destaque ao trabalho de artistas como Darlene Glória, Lúcio Mauro, Emiliano Queiroz, e Paulo Guarnieri. Supimpa este Selton ! Exponencial ator e um diretor de envergadura.

A cineasta Anna Luíza Azevedo entre Eduardo Cardoso e Bianca Menti

Dia seguinte, a cineasta Anna Luíza Azevedo, e os jovens atores gaúchos Eduardo Cardoso e Bianca Menti representaram o filme Antes que o Mundo Acabe, título que fez daquela a noite mais positivamente energizada do festival.

Bianca Menti e Pedro Tergolina em Antes que o mundo acabe

Filme sensível, onde desponta o talento promissor de Pedro Tergolina (de rara beleza), muito bem aproveitado em cenas ao lado de Eduardo e Bianca, Elisa Volpatto e Murilo Grossi. Roteiro caprichado, assinado a quatro mãos por Paulo Halm, Jorge Furtado, Giba Assis Brasil e a própria Anna Azevedo.  Antes que o Mundo Acabe findou por sagrar-se vencedor em diversas categorias e na mais importante delas, Melhor Filme. Um justo reconhecimento a uma obra eivada de méritos, pronta para ser vista, revista e sair encantando, a cada vez em que for exibida.

Já na madruga, Aurora, Eduardo Cardoso, Bianca Menti e Cid Nader em papo de cinema

Fiquei fascinantemente impressionada com mais este belo exemplar do cinema gaúcho e me enchi de saudades de Porto Alegre (o filme tem ademais este mérito, de mostrar a capital gaúcha como uma cidade que precisa ser visitada, fartamente cultural, tranqüila e acolhedora).

Ana Carbatti: mais um prêmio ao talento, premiada por Os Inquilinos

O último filme em competição, Os Inquilinos, do sempre polêmico Sérgio Bianchi, também recebeu vários troféus, incluindo Melhor Atriz e Atriz Coadjuvante (respectivamente, Ana Carbatti e Cássia Kiss).

 

Murilo Rosa (ao lado de Débora Torres) cumprimenta prefeito Antônio Gomide

Necessário salientar: merece parabéns o prefeito Antônio Gomide e a equipe de sua Secretaria de Cultura (na pessoa do secretário Augusto César de Almeida), que apostaram num projeto de suma relevância, não só para a cidade de Anápolis mas pra todo o estado goiano e para os muitos que, diariamente, precisam acordar com a certeza de que vale a pena investir no sonho de fazer Arte no Brasil e prosseguir criando, construindo um cinema que, a par de todas as dificuldades, se mantém ativo e pulsante, cotidianamente.

Murilo Rosa encantou Anápolis e contribuiu com brilhantismo para sucesso do Festival

Idealizado pela cineasta e produtora-executiva Débora Tôrres, o I Festival de Cinema de Anápolis foi organizado pela Secretaria Municipal de Cultura/Prefeitura Municipal de Anápolis em parceria com a ACAA – Associação Cultural e Artistica de Anápolis – , o Cineclube Xícara da Silva, e o Pontão de Cultura Tenda Jovem.

E pra encerrar, vou tentar lembrar de todos com quem estive nestes tão agradáveis dias em Anápolis. É difícil mas vou tentar não esquecer ninguém.

Murilo Rosa foi Melhor Ator por Orquestra de Meninos e encantou em Anápolis

Primeiro a alegria de reencontrar Rubens Ewald Filho e Alice Gonzaga, além de Laura Pires, Edvaldo Cafezeira, Ângela Torres e Itamar Borges. Na última noite, o abraço que não podia faltar, no querido escritor Miguel Jorge, poeta de aguçada sensibilidade. Depois a beleza e simpatia de Manaíra Carneiro, carioca estreando muito bem na direção de longa com Cinco Vezes Favela, acompanhada de outra carioca que também se tornou querida: a super simpática Dila Guerra, participante antenada de debates e conversas sobre cinema.

Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Itamar Borges, Mallu Moraes, Felipe Brida, Aurora Miranda Leão e Alice Gonzaga em noite de confraternização em Anápolis

Escritor Miguel Jorge e roteirista Alex Moletta também abrilhantaram festival

E ainda a tranqüilidade pacificadora de Cid Nader e o jeito bem-vindamente  solícito de Felipe Brida, boa-praça de carteirinha.  Sem esquecer de Mallu Moraes, João Batista de Andrade, o embaixador Lauro Medeiros, além de Neusa Borges, Umberto Magnani, Sérgio Bianchi, Selva Aretuza, os atores Leonardo Medeiros, Guido Campos, Eduardo Cardoso e Bianca Menti;  o casal Lucília e Vladimir Carvalho, e a presença sempre bem-vinda de Walter Webb e do querido amigo Alex Moletta.

Documentarista paraibano de Brasília, Vladimir Carvalho, homenageado com Troféu Anápolis, fez contundente discurso ao recebê-lo

E teve ainda o Paulo e o Marcos, conduzindo com simpatia e bom humor todo mundo pra qualquer lugar, e a Serina Raruá, misto de elegância, pragmatismo e disponibilidade. Ficando pro final quem chegou por último: o charme alegremente cativante da esplendorosa Zezeh Barbosa, que chegou no finalzinho mas não precisou nem de cinco minutos pra conquistar a simpatia e adesão de todos. E ainda gravou eloqüente participação no curta O Sumiço de Alice, que virá na seqüência, fruto dos dias ensolarados e prolíficos em solo anapolino.

E para celebrar a última noite do I Festival de Cinema de Anápolis, não podia faltar uma animada festa, que aconteceu na boate Nobel, onde dancei à beça, ao lado de curtidores da noite – como Débora, Serina, Mallu, Itamar, Ângela, Guido e Zezeh –, e na qual precisei “assumir” as pick-ups várias vezes pois o DJ (o simpático Nelsinho) não tinha sequer uma música do “trio fantástico” (Paralamas), nem tampouco uma faixa dos Beatles… a noitada foi inesquecível mas resolvi, a partir de então, assumir meu lado DJ.

Vencedores da mostra de curtas: ator Marcus Annoli e equipe do filme “Entre”

Que venha o Anápólis 2012 !

Dila, Laurita, Mallu Moraes, Aurora Miranda e Zezeh Barbosa: noite final em Anápolis

Um beijo carinhoso a todos que desfrutaram comigo estes divertidos dias em Anápolis e um agradecimento muito forte e sincero a Débora Torres e toda a sua equipe.

* Fotos de Anápolis são de Ed Cafezeira, Aurora Miranda Leão e Felipe Brida

SARAVÁ !!!

Até 2012, se Deus quiser !

Como e Por Que Alice Sumiu ?

Pirenópolis, bucólico município goiano onde nasceu a idéia de O Sumiço de Alice…

O Sumiço de Alice é o novo curta-metragem da jornalista Aurora Miranda Leão. Rodado em Anápolis, durante o I Festival de Cinema de Anápolis, realizado no município goiano de 12 a 18 de abril passados, o curta é um trabalho experimental que nasceu de uma visita à bucólica região de Pirenópolis, berço de tantos filmes brasileiros (como “Simeão, o boêmio”, primeiro filme dirigido pelo pioneiro goiano João Bennio; O Tronco, de João Batista de Andrade; O Leão do Norte, de Carlos Del Pino; e o curta Borralho, do maranhense Arturo Sabóia de Almada).

Gravado em formato digital, com imagens captadas em mini DV, O Sumiço de Alice é mais uma produção Aurora de Cinema, a ser finalizada em parceria com a Cabeça de Cuia Filmes (da videasta cearense Lília Moema).

turma reunida 2

Elenco do curta ‘O Sumiço de Alice’, rodado no eixo Anápolis-Pirenópolis

O processo de produção resume-se a 3 dias de gravações no circuito Pirenópolis-Teatro Municipal-Estância Park de Anápolis, mas, apesar do pouco tempo, o curta conta com elenco estelar, onde despontam o talento vibrante de Zezeh Barbosa, a criatividade singular dos goianos Deborah Torres e Guido Campos, a expressividade da atriz Dila Guerra, a criatividade do escritor Miguel Jorge, a descontração de Walter Webb, Alice Gonzaga e Mallu Moraes, a seriedade na estréia de Selva Aretuza e Manaíra Carneiro, além da inteligente participação dos jornalistas Cid Nader e Felipe Brida.

Aurora anota idéias para incluir no roteiro de O Sumiço de Alice

Eduardo Cardoso, Dila Guerra, Bianca Menti e Aurora: em busca de Alice…

Um belo plano-seqüência gravado em Pirenópolis responde pela abertura de O Sumiço de Alice. O filme vai-se desenvolvendo e, ao longo de seus 15 minutos, uma sucessão de imagens e depoimentos insólitos vão mapeando a intrincada história do inopinado e misterioso sumiço de Alice.

Alice Gonzaga, Mulher Patrimônio do Cinema, que inspirou o curta O Sumiço de Alice

Até o final, paira no ar a pergunta que não quer calar: como e porquê Alice sumiu ?

FICHA TÉCNICA

Roteiro e Direção: Aurora Miranda Leão

Produção: Aurora Leão e Ângela Torres

Assistente de produção: Itamar Borges e Mallu Moraes

Direção de Platô: Laura Pires

Edição: Aurora M. Leão e Lília Moema

Still: Ed Cafezeira e Laura Pires

Dila Guerra, Laura Carneiro, Mallu Moraes, Aurora Miranda Leão e Zezeh Barbosa: descontração imperou nas gravações de O Sumiço de Alice

Encontro feliz em Anápolis: Aurora Miranda Leão, Walter Webb e Débora Torres

Elenco: 

                   ALICE GONZAGA

                    ZEZEH BARBOSA

                    DÉBORA TORRES

                    WALTER WEBB

                    MIGUEL JORGE

                    SELVA ARETUZA, gentilmente cedida por Danton e Selton Mello

                    GUIDO CAMPOS

                    DILA GUERRA

                   MALLU MORAES

                   JOÃO BATISTA DE ANDRADE

                    MANAÍRA CARNEIRO

                    CID NADER

                    FELIPE BRIDA

                     SERINA RARUÁ

                    ITAMAR BORGES

                    LAURA PIRES

                    ED CAJAZEIRA

Zezeh Barbosa e Guido Campos curtindo a noite anapolina: brinde ao Cinema !

Murilo Rosa é Melhor Ator em Goiânia

Ator mobilizou público e comissão julgadora vivendo personagem de maestro pernambucano, enquanto longa gaúcho ANTES QUE O MUNDO ACABE sagrou-se MELHOR FILME… 

Aurora Miranda Leão, Murilo Rosa, Alice Gonzaga e Débora Torres: talento e simpatia do ator brasiliense contagiaram em Anápolis 

Confira os vencedores do I Festival de Cinema de Anápolis  

Mostra Competitiva Adhemar Gonzaga-Filme Longa-metragem de ficção

 1.1 – Melhor Filme de Ficção  – ANTES QUE O MUNDO ACABE-Ana Luiza Azevedo- R$ 24.000,00 (vinte e quatro mil reais) mais troféu;

1.2 – Melhor Direção –SÉRGIO BIANCHI- do filme OS INQUILINOS R$ 12.000,00 (doze mil reais)  mais troféu;

1.3-Melhor Ator –MURILO ROSA- pelo  filme  ORQUESTRA DE MENINOS-R$ 12.000,00 (doze mil reais)  mais troféu;

1.4 – Melhor Atriz –ANA GARBATTI- DE OS INQUILINOS-R$ 12.000,00 (doze mil reais)  mais troféu;

1.5 – Melhor Ator Coadjuvante –MURILO GROSSI- do filme ANTES QUE O MUNDO ACABE-R$ 6.000,00 (seis mil reais)  mais troféu;

1.6 – Melhor Atriz CoadjuvanteCÁSSIA KISS-DE OS INQUILINOS-R$ 6.000,00 (seis mil reais)  mais troféu;

1.7 – Melhor Roteiro – PAULO HALM, ANALUIZA AZEVEDO, JORGE FURTADO E GIBA ASSIS BRASIL-ANTES QUE O MUNDO ACABE- R$ 6.000,00 (seis mil reais)  mais troféu;

1.8 – Melhor Fotografia –ALEXANDRE RAMOS-5XFAVELA- R$ 6.000,00 (seis mil reais)  mais troféu; 

 

Pedro Tergolina ganhou MENÇÃO HONROSA como Ator Revelação 

Mostra Competitiva Curta Anápolis – Filme de curtas-metragens Anapolino de todos os gêneros

 

2)  PRÊMIO BETO LEÃO

 

2.1 – Melhor Curta Metragem Anapolino –-(Entre)Direção: Carlos César e Wanessa Prêmio Incentivar- Secretaria Municipal da Cultura à Produção de Curta-Metragem que será destinado à produção de um curta metragem a ser produzido na região de Anápolis e exibido na abertura do II Anápolis Festival de Cinema/2012 – R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais) mais troféu;

Ator MARCUS ANOLI vive diferentes papéis no curta vencedor em Anápolis

O SUMIÇO DE ALICE…

Atrizes, cineastas e jornalistas reunidos no município goiano participam de novo curta-metragem

A promissora realização do I Festival de Cinema de Anápolis, que será encerrada esta noite na agradável cidade goiana, reúne atores e atrizes, jovens realizadores e renomados cineastas, além de cineclubistas e jornalistas. Durante uma semana, o encontro dessa eclética turma tem gerado uma saudável troca afetiva e encontros valorosos, bem como um convívio que agora já começa a ganhar o sobrenome de saudade…

Em Anápolis, onde Débora Torres é aclamada como uma autêntica guerreira – possibilitadora do sonho – em prol do Cinema Brasileiro, nomes como o do produtor Walter Webb, o da pesquisadora Alice Gonzaga e o do crítico Rubens Ewald Filho aliam-se aos do embaixador Lauro Moreira, os das atrizes Neusa Borges e Zezeh Barbosa, João Batista de Andrade, Vladimir Carvalho, Leonardo Medeiros, Mallu Moraes, Anna Luíza Azevedo, Sérgio Bianchi, passando por Laura Pires e a elegante Selva Aretuza, e conduzindo a uma fonte de vigorosa energia que vem de  Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Felipe Brida e Cid Nader, e chegando aos jovens gaúchos Eduardo Cardoso e Bianca Menti, formando um painel autenticamente digno de registro e que somente a magia do cinema é capaz de conduzir.

Dos dias ensolarados, tranqüilos e intensos vividos em Anápolis, na enorme e acolhedora Estância Park, é preciso destacar, primeiro, a acolhida carinhosa da turma da produção – Almir e Ângela Torres, Serina Raruá, Tatiana e Jéssica, e Pedro Pinheiro, sempre dispostos a  atender com um sorriso e um abraço de coração. Tudo, simples fruto da disponibilidade indormida de Débora Torres, sempre a promover encontros cujos frutos fazem fronteira muito além dos limites de Goiás.

E como vir a Anápolis é um convite inspirador a uma visita a Pirenópolis, lá fomos nós na ensolarada quinta-feira, conhecer a terra das famosas Cavalhadas e da Fé no Divino Espírito Santo, berço seminal de O Sumiço de Alice.

Mas antes de nos deter na fonte que fez brotar o curta O Sumiço de Alice, vale ainda contar da alegria de rever amigos goianos como Guido Campos, Carol Paraguassu, Itamar Borges e Ângelo Lima… porque dos dias em Anápolis, tem mais, muito mais, que eu conto pra vocês brevemente, em novos posts…

Vamos a O Sumiço de  Alice

A idéia nasceu quando os ponteiros quase encostavam no horário combinado pro regresso a Anápolis, e faltava Mallu Moraes no lugar combinado, hora acertada no restaurante onde dissemos não à fome. Sabido que Mallu gosta de se “energizar’ e faz das cachoeiras um de seus cenários preferidos, o motorista Paulo toca pra primeira cachoeira onde o sol diz bom dia e enche de luz e sombra o centro da bela Pirenópolis, repleta de lojinhas e mimos que fazem a delícia dos olhos de quem gosta de se encantar com o supérfluo, logo ele, tão permanente porque tão necessário.

Alguns resolvemos descer da van e saímos à procura de Mallu. Câmeras a mão, corremos pra registrar a natureza gentil a nos oferecer suas cores e encantos. Quando menos esperei, havia gravado um belo plano-seqüência… e foi Alice Gonzaga quem eu logo avistei ao voltar pro carro ao lado do agora querido Felipe Brida.

E junto veio a indagação imaginária: E se o sumiço fosse de Alice ?

De imediato então, surgiu-me o título O Sumiço de Alice, e desde sexta gravamos em Anápolis as imagens de mais um curta que vai ganhar a assinatura Aurora de Cinema, com precioso still de Edvaldo Cafezeira.

O roteiro eu conto depois, porque ele é de somenos importância. Essencial é saber que já podemos pensar na ficha técnica, que terá desde a própria Alice Gonzaga e Walter Webb até os seguintes companheiros de jornada anapolina:

Manaíra Carneiro – diretora do primeiro episódio de Cinco Vezes Favela

Selva Aretuzaestilista, mãe dos atores Dantonm e Selton Mello

Dila Guerra – atriz premiada de Cinco Vezes Favela

Guido Campos – ator goiano e apresentador oficial do Festival de Anápolis

Cid Nader – jornalista, redator do site Cinequanon

Felipe Brida – professor universitário e crítico de cinema

E mais: Zezeh Barbosa, Débora Torres, João Batista de Andrade, Itamar Borges, Mallu Moraes, Laura Pires, e a promessa de registros com Vladimir Carvalho, Sérgio Bianchi e Marat Descartes.

Vamos às gravações finais de… O Sumiço de Alice

 

Cinema na Tela de Anápolis

É assim o belo cenário que nos alcança a visão no entorno de Anápolis, município goiano onde acontece a primeria edição do Festival Anápolis de Cinema.

Hóspedes da enorme e aconchegante Estância Park, cineastas, jovens realizadores, atores e atrizes, e jornalistas, contribuindo para a implantação de mais um festival para promover o Cinema Brasileiro.

Desde a chegada ao aeroporto de Goiânia, onde fomos recepcionados com carinho e atenção pela gentil equipe de Débora Torres – composta por sua mana Ângela Torres, Serina Raruá, e os jovens Pedro Pinheiro, Tatiana e Jéssica -, estar em Anápolis tem sido um misto de descanso, curtição, muito aprendizado de cinema (embarcando nas prodigiosas memórias de Walter Webb e Alice Gonzaga), e um diversificado intercâmbio de idéias de todos os matizes.

 

Esta primeira edição do Festival de Cinema de Anápolis começa marcada pelo impacto da quantia em prêmios: são R$ 130 mil reais, a serem divididos entre longas convidados e curtas feitos pelos próprios cidadãos de Anápolis, uma cifra bem polpuda dentre tantos festivais realizados no país, o que por si só já torna o festival bastante atraente para os concorrentes.

                        Atriz Eliane Lage, cineasta Walter Webb e homenageada Alice Gonzaga

 Jornalista e crítico de Cinema dos mais requisitados do país, RUBENS EWALD FILHO assina a curadoria da Mostra Adhemar Gonzaga de Longas Metragens

 Atriz carioca Dila Guerra e diretora Manaíra Carneiro: CINCO VEZES FAVELA

Murilo Rosa esteve em Anápolis por conta de ORQUESTRA DE MENINOS e recebeu afeto de Aurora Miranda Leão, Alice Gonzaga e Débora Torres

Ed Cafezeira, Neuza Borges, Laura Pires, Felipe Brida, Malu Moraes, Walter Webb, Alice Gonzaga, Manaíra Carneiro e Selva Aretuza (foto Aurora MLeão)

Débora Torres coordena debate após exibição de FELIZ NATAL, de Selton Mello, um dos fortes concorrentes do Festival de Anápolis

Laura Pires autografa biografia do saudoso Roberto Pires, cineasta baiano, em noite repleta de amigos e público

Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Itamar Borges, Mallu Moraes, Felipe Brida, Aurora Miranda Leão e Alice Gonzaga (fotos de Edvaldo Cafezeira)

* Aguardem novos posts sobre a primeira edição do Festival de Cinema Brasileiro de Anápolis