Arquivo da tag: filme O Palhaço

A esperança e o sonho no circo de Selton Mello

Selton Mello faz comédia refinada, de imensa beleza e sensibilidade, para falar de afeto, respeito, sintonias…

Penso que quase tudo já se escreveu sobre O Palhaço, a segunda incursão do ator Selton Mello na direção de um longa-metragem. Mas creio que algumas coisas muito singelas e precípuas no filme, precisam ficar mais explícitas. Ou melhor: o filme de Selton me falou, de forma tão profunda e delicada, sobre alguns sentimentos, que gostaria de dividir minhas impressões com você, amigo leitor.

Confesso: como a maioria, já gostava do filme antes de vê-lo. Não só por admirar muito Selton Mello e reconhecer nele um Artista profundo, relevante e necessário, como por todas as críticas favoráveis que li sobre O Palhaço.

Não pretendo dirigir olhares, apontar caminhos ou determinar o lado pelo qual o filme deve conduzir sua emoção. Mas há aspectos essenciais pelos quais seus sentimentos devem ser tocados. E o principal: O Palhaço é um filme que transpõe o espectador a um universo onírico, um oásis para ressaltar e incentivar sentimentos nobres.

Escrevo porque penso que posso contribuir jogando uma pequena semente na busca de uma provável imersão afetiva e mergulho sensorial num dos filmes mais tocantes e profundos dessas últimas décadas. Há tempos não via um filme como O Palhaço: inteligente, sensível, engraçado sem apelação, terno sem pieguice, intenso sem machucar. Um filme brasileiro do terceiro milênio cujo foco não é a pobreza, misérias cotidianas, brigas, preconceitos, racismo, questões de gênero, drogas e afins.

Ou por outra, um filme que revela dimensões importantes e cogentes da psique humana, sobretudo daqueles que fazem arte e carregam, no mais fundo de seu íntimo, uma intrincada certeza dos caminhos incertos e dolorosos, frágeis e muitas vezes solitários, de uma profissão cercada de dúvidas e constantes incertezas, ademais aqui quando está em foco um artista tímido, temeroso e inseguro da sua própria grandeza. Ao mesmo tempo, um filme que aponta para um artista em constante questionamento, parecendo concentrar em si toda a dor da carência e da solitude, que por vezes irá afetar, em maior ou menor escala, cada um de nós, encantados com as tentações da paixão e espicaçados por qualquer suposta rejeição ou desafeto, qual garimpeiros nos escaninhos do afeto.

Selton Mello é uma espécie de mensageiro – sutil, instigante e profético – de idéias que nos perpassam o âmago, sorrateiramente, ainda que não as percebamos de imediato. Às vezes, é preciso que algum arcano, do quilate dele, se embrenhe nas quase sempre difíceis e sinuosas vias de acesso aos recônditos da emoção, para que possamos nos dar conta de certos sinais tão óbvios, tão incrustados, mas quase nunca de fácil aceitação ou tradução.

Com uma simplicidade comovente, e a ternura que desabrocha com assombrosa força de sua interpretação visceral, Selton Mello nos comunica aspectos fundamentais de seu itinerário artístico e suas implicações com o sensório que lhe arrebata a alma. Por tão intrínsecos de seu ser, esses aspectos nos empatizam de imediato e nos fazem enveredar pelas trilhas emocionais que ele tece com profundo cuidado e corajosa imersão para expressar – através da composição invejável de um personagem aparentemente corriqueiro e sem nenhum atrativo especial -, nichos profundos de sua visão de mundo, suas impressões a respeito das relações humanas, e os muitos matizes de que é composta a sua (nossa) tessitura humana: frágil e corajosa, serena e aguerrida, sensível e sensata. Assim, Selton revela-se mais maduro a cada obra, embora mas sofrido (caminho natural para onde nos conduz a maturidade), e cada vê mais verdadeiro, tocante, profundo, essencial e necessário.

Uma das cenas mais tocantes é o reencontro dos palhaços. A cena está encharcada da alma do próprio Selton e é, sobretudo, ele que vemos na troca de olhares e sintonias com o magnânimo Paulo José. Quando os palhaços – Pangaré e Puro Sangue, filho e pai – se reencontram e se entreolham entre felizes e reflexivos – ali está o encontro de dois grandes símbolos do Cinema Brasileiro: o Ator maduro que é também roteirista e diretor, o Ator que descortinou caminhos e é uma das grandes inspirações do outro. O encontro de Pangaré (Benjamim) e Puro Sangue é o encontro do inspirado artista Selton Mello com o magnânimo artista Paulo José, como se um estivesse a dizer ao outro ‘Eu sigo este caminho porque você veio antes e iluminou’; o outro interagindo ‘Prossiga nesta trilha porque você faz como eu faria’.

Ver Selton Mello atuando é um bálsamo para os olhos, os ouvidos, a alma. Mas vê-lo atuando neste O Palhaço (criação sua, com roteiro dividido com Marcelo Vindicatto) é deleitar-se numa criação soberba, irretocável, de um Artista que tem a ousada coragem de fazer um mergulho profundo em seus escaninhos emocionais e submergir deles cada vez mais forte, sereno, estraçalhado muitas vezes, mas possante e determinado por força desta coragem, suprema e catártica.

Ressalte-se: o filme é mais uma parceria Selton Mello-MondoCane e Vânia Catani-Bananeira Filmes. Um acerto auspicioso. E faz-se necessário ao menos um parágrafo para falar no elenco, este encontro feliz que Selton Mello gerou, proporcionando à platéia conhecer novos atores e rever alguns outros de quem tínhamos até saudade e não sabíamos.

Porque não bastaria apenas a proficiência do roteiro, a habilidade da direção, nem a qualidade técnica da atuação de Selton para ofertar ao filme o êxito de público e crítica que alcançou: a excelência de toda a equipe técnica de O Palhaço é fundamental para o sucesso da obra.  

Giselle Motta, a bela morena que faz a partner do palhaço Puro Sange, dançarina do Circo Esperança, é uma gratíssima revelação. Dona de visível sensualidade, Giselle é também bailarina e emprestou ao filme seus dotes de coreógrafa, tendo ela própria criado a bela coreografia com a qual entra em cena no filme. Sua personagem exige nuances expressivas, as quais Giselle alcança com competência e sensibilidade. Uma atriz de teatro que Selton revela para a telona, e que ainda há de merecer vários outros papéis no cinema. Um brinde à descoberta de Giselle Motta !

Teuda Bara, atriz de sólida presença no grupo de teatro mineiro Galpão, é um tipo perfeito para assumir as pegadas do roteiro. Delícia acompanhar sua atuação. Ótimas as participações de Moacyr Franco, Jorge Loredo, Ferrugem, Tonico Pereira, Jackson Antunes, Fabiana Carla, Erom Cordeiro, Emílio Orciollo Netto, Alex Sander, Phil Miller e Larissa Manoela. Toda essa trupe ajuda a compor um painel imagético-interpretativo primordial para o êxito do filme. Dentre esses, considero estupendo o ‘achado’ do ator Renato Macedo, que compõe com galhardia, espontaneidade e pungente alegria um dos tipos mais expressivos da obra.

Renato Macedo em expressiva participação em O Palhaço

Quem também aparece, qual mineiro anjinho barroco, para enfeitar a tela e resplandecer esperança é a bela Bruna Chiaradia, mais uma oportuna descoberta de Selton. Ela faz Justine, após ter feito testes, e revela fazer um personagem que ajudou a criar: “Selton é generoso e deixa espaço aberto para o ator. Ele gosta de chamar o roteiro pelo nome espanhol, guión, que não é um roteiro e, sim, um guia para o ator”. Assim, Bruna conta que, durante um ensaio, improvisou ao esquecer o texto e esse improviso acabou virando parte do filme: “Os atores dão opinião e isso é tão bonito, porque a gente constrói junto e se sente parte”, diz Bruna, emocionada.

Imagem Filmes/Divulgação
 Bruna Chiaradia tem atuação destacada em O Palhaço

Bruna fez o teste, passou e entrou para o elenco como Justine, personagem que ajudou a criar. “Selton é generoso e deixa espaço aberto para o ator. Ele gosta de chamar o roteiro pelo nome espanhol, guión, que não é um roteiro e, sim, um guia para o ator”, conta Bruna. Ela diz que, durante um ensaio, improvisou ao esquecer o texto. O improviso acabou virando parte do filme. “Os atores dão opinião e isso é tão bonito, porque a gente constrói junto e se sente parte”, conclui a atriz.

E um destaque todo especial para a ótima atuação de Danton Mello, que ‘duela’ com o irmão em pé de igualdade e compõe com ele uma das cenas mais engraçadas e interessantes do filme. Assim, com a magistral composição de tipos que conseguiu desenhar, Selton Mello imprimiu ao ecrã um painel artístico bastante impactante e digno, que autoriza com louvor sua óbvia e assinada inspiração felliniana.

Outrossim, o que ressalta mesmo no arcabouço poético deste segundo longa de Selton Mello (impregnado de sutis e belas referências à cidade onde nasceu, aos circos de sua infância, ao amor pelos pais, que aparecem em rápidos closes) são todas as filigranas de suas entranhas pessoais – influências, sensibilidades, inspirações, coerências, homenagens, gratidões, afetos, sintonias, e relações humanas – que adentram, pontuam e perpassam todo o filme com uma singeleza cativante, irrecusável. É de tamanho valor o que Selton Mello nos apresenta em O Palhaço com propriedade, sensatez e ternura que essas suas referências – profundas, viscerais, intrínsecas – acabam por nos contagiar e, quando o letreiro sobe, não há como conter a emoção, as lágrimas, o envolvimento e a completa adesão ao artista grandioso e profundamente imerso em suas verdades que é Selton Mello.  

Portanto, Selton Mello: por nos transmitir sentimentos tão meritórios – como a bondade, a pureza de intenções, a cortesia, a gratidão, a reverência aos que vieram antes, o cuidado com o próximo, a atenção aos de maior idade, o carinho com os menos privilegiados, o respeito pelas diferenças, a delicadeza com os que fogem aos padrões midiáticos, a imensa solidariedade aos desajeitados, rejeitados ou tronchos de desafeto -, e por nos conduzir a estas reflexões com o dom da inocência, da sensibilidade e da ternura, nós lhe parabenizamos e agradecemos.

E lhe desejamos vida longa, cada vez mais Cinema, força e ousadia, agradecendo pela beleza da Arte que você faz com tanta propriedade, vocação e sentido de quem comunica para entrar em contato com o próximo, e entrega a esse encontro o melhor e o mais profundo de seu ser.

Da platéia, é fácil deleitar-se com a interpretação carismática e irretocável de Selton e Paulo José. A graça do personagem de Selton – o palhaço Pangaré/Benjamim – nos contagia desde a primeira aparição. A trama vai nos comovendo mais a cada take, e de repente estamos completamente absortos naquela história aparentemente tão despretensiosa e comum.

Quando a tela escurece e a xilogravura assume a cor exibindo os créditos, ao final de 90 minutos, você percebe que nem viu o tempo passar mas está completamente impregnado pelos sentimentos, sensações e emoções com as quais Selton Mello imprime vigor, e rigor técnico indiscutível a mais um filme seu, suas marcas pessoais de Artista. Relevante e necessário a seu tempo, um tempo que precisa de muito mais Artistas com a estirpe de Selton Mello, e de muito, mais muito mais pessoas com a riqueza de alma e grandeza de valores que Selton Mello traz no coração e que transmite, até sem o saber.

Um abraço muito comovido a Selton Mello e um Parabéns muito caloroso a toda a equipe que tornou possível este Palhaço cheio de charme, carisma e verdades profundas que é o palhaço do Circo Esperança de Selton Mello.

‘O Palhaço’ em comentário de Felipe Brida

Jornalista Felipe Brida, amigo que o festival de cinema comandado por Débora Torres me trouxe, comenta o segundo longa do ator Selton Mello.

Como eu, Felipe ama o filme e recomenda-o.

Em breve, o Aurora de Cinema trará comentário desta redatora sobre o filme realizado pela Mondo Kane e Bananeira Filmes.

Conosco, Felipe Brida e O PALHAÇO:

Procure já este bom filme, premiado e muito preciso !

Pai e filho, Valdemar (Paulo José) e Benjamin (Selton Mello) formam a dupla de palhaços Puro Sangue e Pangaré. Eles divertem a plateia com as trapalhadas no picadeiro. Mas sem maquiagem Benjamin não tem identidade, é um rapaz taciturno e triste, à procura de duas coisas para dar sentido à sua vida: um ventilador e um amor. Mesmo com as dificuldades em tomar conta do Circo Esperança, tenta buscar seus sonhos.

Um filme poético e encantador sobre o mundo do circo, dirigido com sensibilidade pelo ator Selton Mello, que também atua como protagonista – é dele também o roteiro, escrito a duas mãos com Marcelo Vindicato, seu parceiro de cinema.

É seu segundo longa atrás das câmeras, muito mais acessível que o anterior, “Feliz Natal” (2008), que era uma fita primorosa, porém amarga e difícil, que continha infinitas referências cinematográficas, ou seja, distante para o público comum.

Com mão mais leve, Mello, em “O Palhaço”, faz uma viagem ao próprio passado, retornando às origens. Natural de Passos, cidadezinha no interior de Minas Gerais, rodou boa parte do filme na região onde viveu a infância. E acompanhando a rotina de figuras marcantes do tempo de garoto, como a trupe circense. Por isso resulta em uma obra autoral e nostálgica, com fundinho biográfico.

O ator interpreta o desalentado Benjamin, um rapaz sem identidade, sem CPF, sem amor e que sonha em comprar um ventilador. Ocupa o tempo trabalhando como o palhaço Pangaré ao lado do pai, o Puro Sangue (Paulo José, como sempre brilhante), em um pequeno circo itinerante chamado Esperança – o nome dá indícios da situação do grupo de artistas mambembes e do desejo deles. Na primeira oportunidade, Benjamin (ou Pangaré) tentará trilhar novos rumos para um futuro melhor.

São diretas as influências de Fellini nesse singelo retrato sobre os personagens do circo, seus sonhos, anseios e as transformações de personalidade (homem/artista). O próprio clima onírico do filme lembra as técnicas do maior cineasta italiano de todos os tempos. Uma brilhante homenagem!

O Palhaço” concorreu a vários prêmios, e ganhou o APCA – o prêmio da Associação dos Críticos de São Paulo – de melhor diretor em 2012.

O elenco, além da perfeita dupla Selton Mello e Paulo José, traz participações especiais de Tonico Pereira (em papel de dois irmãos gêmeos), Jorge Loredo (o eterno ‘Zé Bonitinho’), Moacyr Franco (irreconhecível como um delegado – venceu o prêmio de melhor ator coadjuvante no Festival de Paulínia, em sua estreia no cinema) e Phil Miller (prefeito), além de Ferrugem, Erom Cordeiro e Jackson Antunes.

A fita foi produzida pela Bananeira Filmes, da empresária e produtora Vânia Catani, responsável por “Narradores de Javé”, “A Festa da Menina Morta”, e o próprio “Feliz Natal”.

O Palhaço” (Brasil201190’) Direção: Selton Mello Com: Selton Mello, Paulo José, Teuda Bara, Moacyr Franco e Fabiana Karla, entre outros.

Distribuição: Imagem Filmes

Arrastão ANÁPOLIS, em capítulos…

Breves anotações sobre os dias de Cinema, bom papo, música e afetividades em Anápolis… 

Bruna Chiaradia, Giselle Motta e Erom Cordeiro apresentam O Palhaço

A ida a Goiás para a realização do II Festival de Cinema de Anápolis foi boa desde o convite. Débora Torres, este dínamo em forma de mulher (idealizadora e coordenadora-geral do Festival),nos convidou ainda em dezembro e, presente à primeira edição, sabia de antemão como seria recebida, e que iria ter muito o que fazer, trocar e conversar no promissor município goiano.

E assim foi: de 19 a 26 de março deste 2012, ancorei minhas ideias e energia em Anápolis, e tudo correu ainda muito melhor do que esperava.

O Festival teve um crescimento admirável e desta vez já deu para sentir logo de início que a cidade abraçou o acontecimento como realização sua. Mérito da Prefeitura, trunfo da Secretaria de Cultura, e aplausos ao esforço e empenho indormidos de Débora Torres.

Débora Torres, incansável na realização de grandes festivais, amiga-irmã querida, cineasta e produtora de exímia competência …

O II Festival de Cinema de Anápolis, cujas exibições acontecem no Teatro Municipal (com reprise todos os dias em algum bairro da periferia da cidade), contou com casa cheia todas as noites, mobilizou jovens de todas as idades e viu o cinema brasileiro contaminar célere e certeiro o coração de novos interessados em adentrar no fascinante mundo audiovisual.

Irandhir Santos, representando o filme Olhos Azuis, levou o troféu de Melhor Ator…

O Prefeito Antônio Gomide e o Secretário Augusto César Almeida reiteraram diversas vezes a satisfação com os resultados obtidos com o investimento no festival, e afirmaram que, independente de quem seja o vencedor na próxima eleição, o Festival já está consolidado e não ha mais como deter seus passos rumo a novas e melhores edições. 

Rubens Ewald Filho, o renomado Curador, sempre cercado de fãs…

NA ESTÂNCIA 

O resort Estância Park, que mais parece uma enorme chácara encravada no mais verde dos habitats de Anápolis, é o pouso feliz de quem participa como convidado do Festival de Anápolis. Impossível é não sucumbir, como diria o menestrel alagoano Djavan. E é mesmo. Como não se enfeitiçar por aquela tranquilidade em forma de imersão sensorial absoluta da Estância, onde a Paz fez morada e os dias tranquilos se sucedem entre tempos nublados, muito sol, calor, chuva e lindas paisagens, recheadas de belas flores e um verde contagiante ?

Difícil querer sair de lá pra ir a qualquer lugar – a não ser quando se pronuncia o nome El Hajj, o ótimo restô árabe onde almoçamos todos os dias… delícias em forma de pratos e guloseimas.

A Estância é tão agradável que dá vontade de ficar ali o dia inteiro conversando amenidades, tomando suco, desfilando alegrias e contando historias. Pra tudo ficar perfeito, só falta mesmo umas belas e generosas redes espalhadas por entre as belezas de seus jardins. 

ENCONTROS 

Débora Torres, Aurora Miranda Leão e a Princesinha Rafaella…

Os encontros em Anápolis são sempre tão agradáveis que a gente já chega lá revestido de saudade porque sabe: na hora da despedida, vai deixar muita coisa boa pra trás. Essa sensação tomou conta desta redatora logo da minha primeira estada ali, em 2011. E foi por isso que nasceu o curta-metragem O Sumiço de Alice, uma tentativa, talvez, de deter aqueles dias de calmaria, prosa farta e boa convivência no coração do município de Anápolis. Ou talvez uma forma de carregar sempre consigo a recordação de um tempo feliz, cercada de  verde e pessoas que gostam das mesmas coisas, ou ainda uma forma de espalhar aos quatro ventos o quão é saudável, bom e revitalizador estar num lugar propicio, em boa companhia e fazendo o que se gosta.

Nesse clima, foi ali onde conheci, na edição passada, a carismática e inesquecível figura do produtor Walter Webb, baiano que vive na ponte São Paulo-Los Angeles, cuja prosa flui aos borbotões e faz a tristeza passar longe.

Walter Webb entre as lindas Bruna Chiaradia e Giselle Motta…

Um encanto de pessoa, assim como também a querida poetisa Selva Aretuza, meiga e acolhedora, que também figura no curta rodado em Anápolis. E ainda o encontro mágico com Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Felipe Brida, Alex Moletta, Eduardo Cardoso (‘amigo novo, parceiro novo’, como diria o mestre Vinícius de Moraes), Bianca Menti, o embaixador Lauro Moreira, Alberto Araujo, Pedro Pinheiro, Marcus Annolli, Serina Raruá e Almir Torres, alem da sintonia imediata com a leveza carismática e  simpatia contagiante de Zezeh Barbosa.

Carlos Alberto Riccelli, Aurora e Rubens Ewald Filho: encontro cheio de prosa…

Leandro Firmino da Hora e Aurora Miranda: reencontro feliz…

Sem esquecer do reencontro com o querido Mestre Rubens Ewald Filho (!), a querida Alice Gonzaga, Guido Campos, Mallu Moraes, Laurinha Pires e Ed Cajazeira, Ângela Torres, Miguel Jorge, João Batista de Andrade, Lucília e Vladimir Carvalho, e Itamar Borges.

Alice Gonzaga, Débora Torres e Cid Nader: Cinema, produção e jornalismo…

Aurora e o casal Babu Santana e Bruna Barros: cinema e teatro nas conversas…

Os encontros este ano foram em maior número, umas das confirmações do crescimento inconteste do festival. Ingra Liberato, Carlos Alberto Riccelli, Leandro Firmino da Hora, Babu Santana e Bruna Barros, David Cardoso, Fernando Alves Pinto, Wandi Doratiotto, Erom Cordeiro, Gustavo Machado, Flavia Rodrigues, Zózimo Bulbul, Edward e Betina Vianny, Elisa Tolomelli, Lucília e Vladimir Carvalho, Alice Gonzaga, Walter Webb, Serina Raruá, Ângelo Lima, Alex Moletta, Antônio Balbino, e em especial Germano Pereira e as lindas Giselle Motta e Bruna Chiaradia, inauguraram uma nova página em minhas afetividades.

Germano Pereira, Alice Gonzaga, Rubens Ewald Filho e Aurora Miranda Leão…

Enquanto Rubens Ewald Filho, o ilustre Curador, reforçou mais uma vez o tanto que merece de carinho, aplauso e adesão. Lembrando ainda de citar os que se fizeram queridos logo de cara como Delvo Simões, Walace Oliveira, Julliana Pinheiro, Rafaela Torres, Thalyane e Rebeca Romero. Estes também foram mais que especiais para tornar a estada em Anápolis ainda mais prazerosa, contribuindo sobremodo para fazer chegar ao meu escaninho emotivo-imagético a ideia de um novo curta-metragem. Para este, com título provisório de Take 2, já gravaram Rubens Ewald Filho, Walter Webb, Bruna Chiaradia, Débora Torres e Alice Gonzaga.

Quarteto feminino: Giselle Motta, Flávia Rodrigues, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão…

Delvo Simões e Alice Gonzaga: ele coordenu o júri e fez a diferença; ela espalhou alegria…

Selton Mello faz Poesia no Cinema e lota sessão em Anápolis

AURORA DE CINEMA no II FESTIVAL DE CINEMA DE ANÁPOLIS:

O Palhaço, segundo longa do ator, encanta plateia e dignifica todos os prêmios

Selton Mello é um ‘palhaço’ cheio de emoção em seu segundo longa como diretor

Uma das alegrias deste Aurora de Cinema é quando constatamos o reconhecimento ao trabalho de um Artista, e o respeito e APLAUSO devido a quem faz de sua sensibilidade instrumento de transformação de almas e consciências, e joga luzes sobre novas possibilidades de construção do humano. Quem lida com a emoção e transforma a Arte em ferramenta de reflexão e viés de refinamento da sensibilidade é alguém especialmente dotado e necessário, sobretudo quando isso serve ao propósito de tentar decifrar o Mistério que nos envolve/comove/abastece a todos, em maior ou menor escala.

Essa constatação vem a propósito do filme O Palhaço, deste magnânimo Artista que atende por Selton Mello. É uma imensa alegria perceber o quanto Selton vem ganhando, cada vez mais, a consagração popular e o respeito artístico que tanto merece. Anunciar um filme dele ou a sua presença em algum lugar é certeza de aglomeração e casa cheia.

 

Foi assim, apinhado de gente, que ficou o Teatro Municipal de Anápolis ontem à noite, dia agendado para a exibição de O Palhaço.

Selton viria a Anápolis mas compromissos profissionais o impediram de estar aqui. Mas como o coração do ator pulsa onde sua arte acontece, ele telefonou à atriz Giselle Motta – beleza e simpatia que conquistaram a todos por aqui – pedindo a ela, mais uma vez, que transmitisse à organização do festival, aos convidados e a todo o público seu abraço mais fraterno. Eu estava do lado de Giselle, na van rumo ao festejado almoço no ótimo El Hajj, quando ouvi a atriz falar com ele.

Giselle Motta, atriz aprovada em teste para O Palhaço, esbanja beleza, ao vivo e na tela.

O filme de Selton Mello é absolutamente tocante. Impossível assistir a este O Palhaço do ator e não ficar completamente encantado diante da reluzente sensibilidade de Selton, cercado de atores que compõem tipos emblemáticos (como Teuda Barros, do grupo Galpão, e Renato Macedo, uma grata surpresa !) e contribuem para o brilho de um roteiro imerso em poesia e belas imagens, além do invejável apuro técnico e do esmero na produção.

 

Sobre o filme, volto a comentar em outro post. Por enquanto, fica apenas o registro de que assistimos ontem a um dos fortes concorrentes na mostra competitiva Adhemar Gonzaga de longas brasileiros, e da presença auspiciosa em Anápolis das belezas branca e índia de Bruna Chiradia e Giselle Motta, que representam o filme na cidade ao lado do ator Erom Cordeiro.

Numa das mais belas cenas do filme, Selton e Paulo José levam o espectador às lágrimas…

Bróder, Riscado, Selton, Alumbramento, Carpinejar e Gabriel Braga Nunes ganham prêmio APCA

“Choreeeeeei, choreeeeei/ Até ficar com dó de mim/ E me tranquei no camarim/ Tomei um calmante, um excitante e um bocado de gim.”

Com paletó azul escuro, blusa azul “cheguei” e sorriso ainda mais vibrante, Cauby Peixoto, agradeceu, com os versos de “Bastidores”, o Grande Prêmio da Crítica (na área musical) que ganhou ontem (13), em cerimônia da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte).

“Preferi cantar. Gosto de cantar!”, resumiu o porquê de soltar o vozeirão em vez de mandar os “obrigados” de praxe. Saiu do palco amparado por duas assistentes de palco, não sem antes pedir uma bitoca (na bochecha) de cada moça.

A bela e inconfundível poesia do gaúcho CARPINEJAR foi premiada…

Cauby foi o mais aplaudido da noite que reconheceu profissionais de 11 categorias artísticas. A novela Cordel Encantado, a atriz Glória Pires, o escritor Fabrício Carpinejar, a cenógrafa Daniela Thomas, e Selton Mello estão na lista dos premiados.

  Sergio Carvalho/Folhapress  
Cauby Peixoto durante a cerimônia de entrega dos prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte
Cauby Peixoto aplaudido em cerimônia da APCA

COMO AGRADECER
Logo no começo da cerimônia, que aconteceu no teatro do Sesc Pinheiros (SP), a atriz Márcia Cabrita ensinava a forma mais enxuta de dizer “obrigado” pelo prêmio. Se demorasse no discurso, o vencedor perigava de levar uma “apitada” da bem-humorada mestre-de-cerimônias, ao lado de Tuca Andrada.

Instruiu Cabrita: primeiro você grita “uhul!”, depois manda um beijo. E sai de cena.

Os ganhadores não foram tão lacônicos, mas passaram seu recado na lata.

Dori Caymmi (melhor disco, por “Poesia Musicada”), por exemplo, “queria saber se já deram este prêmio para a [irmã] Nana”, ou ele ia “ter problemas mais tarde”.

Escolhidos como melhor grupo, os músicos do Forgotten Boys se disseram surpresos por ter chamado a atenção da associação de críticos com um rock tocado em inglês. Era “o primeiro prêmio sério” que recebiam na carreira.

A dupla de Tangos e Tragédias (melhor show) também deu uma alfinetada na APCA, que teria demorado “só” quase três décadas para notar a existência deles. “O espetáculo talvez esteja melhor ainda do que há 27 anos.”

Gabriel Braga Nunes: estatueta de Melhor Ator pelo seu sensacional “Leo” de Insensato Coração

Confira a lista dos premiados pelos criticos da APCA:

ARQUITETURA
Homenagem pelo conjunto da obra: Marcello Fragelli
Cliente/promotor: Otávio Zarvos/Idea!Zarvos
Difusão: Raul Juste Lores/Folha de S. Paulo
Urbanidade: Mauro Munhoz e Casa Azul/ Flip – Feira Literária Internacional de Paraty
Obra de arquitetura em São Paulo: Biblioteca São Paulo/ Aflalo e Gasperini + Dante Della Manna + Univers Design
Obra de arquitetura no Brasil: João Batista Martinez Corrêa/ Mirante da Paz – Complexo Elevador Rubem Braga, Rio de Janeiro
Projeto referencial: João Filgueiras Lima, Lelé/ Projeto alternativo para o programa “Minha Casa, Minha Vida”

ARTES VISUAIS
Grande Prêmio da Crítica: Olafur Eliasson
Exposição Internacional: Em Nome dos Artistas/ Coleção Museu de Arte Moderna Astrup Fearnley da Noruega/ Bienal de São Paulo
Exposição: Jac Leirner/ Estação Pinacoteca
Design: Anticorpos – Irmãos Campana/ CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil)
Fotografia: Emidio Luisi/ Sesc Consolação
Retrospectiva: No Ateliê de Portinari – 1920-1945/ MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo)
Iniciativa Cultural: Vídeo Guerrilha 2º Edição/ Arte Pública: Imagens Originais Projetadas em Prédios da Rua Augusta

Jeferson De: mais um reconhecimento a BRÓDER, seu filme de estreia…

CINEMA
Filme: “Bróder”, de Jefferson De
Documentário: “Corumbiara”, de Wagner Carelli
Diretor: Selton Mello, por “O Palhaço”
Prêmio Especial do Júri: A Turma do Alumbramento, pelos filmes “Estrada para Ythaca” e “Os Monstros”
Roteiro: “Riscado”, de Karine Telles e Gustavo Pizzi
Ator: Fernando Bezerra, por “O Transeunte”
Atriz: Simone Spoladore, pelos filmes “Elvis e Madonna”, “Natimorto” e “Não Se Pode Viver sem Amor”

SELTON MELLO: excelência artística aplaudida em todos os quadrantes

DANÇA
Concepção em Dança: Adriana Banana, por “Desenquadrando Euclides” e “Necessário a Posteriori”
Intérprete criador em Dança: Eliana de Santana, por “…E Das Outras Doçuras De Deus”
Ação política em Dança: Sandro Borelli
Criação em Dança: Cristian Duarte, por “The Hot One Hundred Choreographers”
Percurso em Dança: Angel Vianna
Formação, Difusão, Produção e Criação em Dança: Núcleo do Dirceu
Grande Prêmio da Crítica: Ballet Stagium – 40 anos

LITERATURA
Romance: “Mano”, A Noite Está Velha (Planeta), de Wilson Bueno
Ensaio/Crítica: Coleção “História do Brasil Nação -1808-2010”, organização de Lilia Moritz Schwarcz (Objetiva)
Infanto-Juvenil: “Filhote de Cruz Credo”, de Fabrício Carpinejar (Girafinha)
Poesia: “O Metro Nenhum”, de Francisco Alvim (Companhia das Letras)
Contos: “O Livro de Praga”, de Sérgio Sant’Anna
Tradução: “Guerra e Paz”, de Tolstói, por Rubens Figueiredo (Cosac Naify)
Prêmio Especial: Reedição de “História da Literatura Ocidental”, de Otto Maria Carpeaux (Leya/Cultura)

MÚSICA POPULAR
Grande Prêmio da Crítica: Cauby Peixoto, pelo conjunto da obra
Disco: “Poesia Musicada”, Dori Caymmi
Compositor: Erasmo Carlos, pelo disco “Sexo”
Grupo: Forgotten Boys
Instrumentista: DaLua
Show: Tangos & Tragédias
Revelação: Criolo

MÚSICA ERUDITA
Grande Prêmio da Crítica: Edmundo Villani-Côrtes (compositor)
Recitalista: Silvia Malthese Moysés (pianista)
Prêmio Especial: Conjunto da Carreira – Claudio de Britto (pianista e musicólogo)
Prêmio Especial In Memorian: Osvaldo Lacerda (compositor)
Prêmio Especial Cultural: Fundação Cultural do Exército Brasileiro
Revelação: Leandro Gardini (compositor)

RÁDIO
Grande Prêmio da Crítica: Rádio CBN – 20 anos no ar
Prêmio Especial do Juri: Dois diretores em cena – Rádio Jovem Pan AM
Musical: “O Sul em Cima” – USP FM
Internet: Web Rádio Faap – emissora educativa da Fundação Armando Álvares Penteado
Humor: “O Palhacinho” – Energia 97 FM
Esportivo: “Papo de Craque” – Transamérica FM
Variedades: “Gira Brasil” – Rádio Estadão-ESPN

TEATRO
Grande Prêmio da Crítica: Daniela Thomas, pelo conjunto da obra nas áreas de direção de arte, cenografia e figurino
Espetáculo: Luis Antonio – Gabriela (Cia. Mungunzá)
Diretor: Leonardo Moreira, por “O Jardim”
Autor: Rudifran Pompeu, por “Marulho: o Caminho do Rio”
Ator: Joca Andreazza, por “A Bilha Quebrada” e “A Ilusão Cômica”
Atriz: Lavínia Pannunzi, por “A Bilha Quebrada”, “A Ilusão Cômica” e “A Serpente no Jardim”
Prêmio Especial: Dez anos de história do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo

TEATRO INFANTIL
Espetáculo: “Histórias por Telefone”, da Cia. Delas
Direção: Carla Candiotto, por “Histórias por Telefone”; “Sem Concerto”; e “A Volta ao Mundo em 80 Dias”
Texto Adaptado: Pedro Brício, por “O Menino Que Vendia Palavras”
Cenografia: José de Anchieta, por “Biliri e o Pote Vazio”
Figurino: Chris Aizner, por “A História do Soldado”
Ator: Bruno Rudolf, por “A Volta ao Mundo em 80 Dias”
Atriz: Gabriella Argento, por “A História do Soldado”

TELEVISÃO
Novela: “Cordel Encantado” (TV Globo)
Seriado: “Tapas e Beijos” (TV Globo)
Infanto-Juvenil: “Julie e os Fantasmas” (Band/Mixer/Nickelodeon)
Atriz: Glória Pires (“Insensato Coração”/TV Globo)
Ator: Gabriel Braga Nunes (“Insensato Coração”/TV Globo)
Programa: “Chegadas e Partidas” (GNT)
Revelação: Elisa Volpato (atriz de “Mulher de Fases”/HBO)

* Com informações da FOLHA

Selton Mello: ‘Gosto muito do poder de comunicação da TV’

 Com três filmes em cartaz, ator fala sobre Billi Pig e adianta detalhes de Soundtrack, próximo trabalho no cinema

Selton Mello: “Até parece que estou trabalhando muito”

Desde outubro, só dá Selton Mello nos cinemas brasileiros. Primeiro foi O Palhaço, segundo filme dirigido pelo ator, que se revelou um sucesso de público (1,4 milhão de espectadores) e está até hoje em cartaz em algumas praças.

Há duas semanas, estreou “Reis e Ratos”, aventura de época que fez ao lado de Rodrigo Santoro e Cauã Reymond. Na sexta, foi a vez de “Billi Pig”, comédia de José Eduardo Belmonte, na qual contracena com Grazi Massafera.

“Até parece que estou trabalhando muito”, diz Selton. Na verdade, “Reis e Ratos” foi gravado em 2009, O Palhaço em 2010 e “Billi Pig”, no primeiro semestre do ano passado.

“Acho que estou exposto demais, isso não me agrada”, comentou o ator, com relação às estreias em sequência. “Se eu pudesse ter algum controle, ‘Reis e Ratos’ estrearia em maio. e ‘Billi Pig’, em outubro, bem espaçados. Mas foi o que aconteceu, são trabalhos honestos, então está tudo bem. Vendo pelo lado bom, um não tem nada a ver com o outro.”

Essas diferenças entre um papel e outro, ele garante, são intencionais, inclusive quando topa um trabalho na televisão. “Sempre procurei essa pluraridade nos meus personagens, desde ‘O Auto da Compadecida’, em 1998. Procuro fazer algo bem comercial intercalado com coisas mais radicais, como o filme do Bressane [‘A Erva do Rato’], o próprio ‘Cheiro do Ralo’ e ‘Árido Movie’.” 

No caso de Billi Pig, Selton, exibindo um bigode malandro, interpreta Wanderley, dono de uma seguradora de garagem em Marechal Hermes, subúrbio do Rio. Apático, impotente para satisfazer os desejos da mulher, Marivalda (Grazi Massafera), ele vê num padre milagreiro da região (Milton Gonçalves) a chance a ganhar um bom dinheiro.

Escrito pelo diretor José Eduardo Belmonte e por Ronaldo D’Oxum, o roteiro tenta emular o espírito de vaudevile dos filmes de Carlos Manga e Watson Macedo, por trás de chanchadas geniais como “Aviso as Navegantes”, “Matar ou Correr” e “Nem Sansão nem Dalila”.

Mas não foi por isso que Selton entrou no projeto: foram as pessoas envolvidas. Amiga de longa data, a produtora Vânia Catani (que havia tirado O Palhaço do papel) estava em “Billi Pig”, assim como Belmonte, que o ator admira há muito tempo. 

“Grande parte do que digo em ‘Billi Pig’ saiu da minha cabeça”, afirma Selton

Só elogios para “Se Nada Mais Der Certo” (2009), longa anterior de Belmonte, Selton queria há tempos trabalhar com o cineasta, famoso por seus métodos nada ortodoxos no set. Em “Billi Pig”, por exemplo, alguns atores comiam pimenta antes de entrar em cena. Ou ficavam girando em torno de si mesmo para mostrar desorientação diante das câmeras.

“Comigo foi um pouco de pingue-pongue, que tem a ver com o improviso”, contou Selton. “Se a bolinha cair, significa que você não ficou esperto. Tem que ter ritmo, improviso não é ficar pirando horas num monólogo: um joga, o outro também.” 

Foto: AgNews     O ator na pré-estreia de “Billi Pig” no Rio

O improviso é justamente um dos pontos fundamentais para Belmonte. Não raro o roteiro ficava de lado. “O texto não era nada sagrado. Aliás, grande parte do que digo no filme saiu da minha cabeça. É uma liberdade que até assusta, a gente se pergunta: ‘será que isso vai dar liga?'”, comentou.

“Tem uma fala que até acabou entrando no trailer. Tinha acabado de ler uma biografia do Vittorio Gassman, que é um ator extraordinário, e tem uma fala que é assim: a gente devia ter duas vidas, uma para ensaiar e outra para representar. E isso eu botei no filme, adaptando para ‘agir’.”

Sobre o trabalho com Grazi Massafera, Selton dizz: “Adorei trabalhar com a Grazi. Achei ela muito querida, humilde, querendo aprender mesmo, saber como se faz. Isso é nobre, não é qualquer atriz que tem essa disponibilidade. E acho o resultado do trabalho dela maravilhoso. Na verdade, uma das coisas que mais gosto no filme é ela.”

Ao longo do ano, Selton analisa a proposta de uma nova série para a rede Globo, mas está ansioso mesmo para gravar Soundtrack, longa-metragem de estreia da misteriosa dupla 300ml, com quem já fez o curta “Tarantino’s Mind”, ao lado de Seu Jorge.

Rodado na Patagônia, todo em inglês, o filme se passa numa base de pesquisa similar à que incendiou recentemente na Antártida, onde se reúnem profissionais do mundo todo – por isso estão confirmados alguns atores estrangeiros. “É muito bonito o que eles escreveram, não parece com nada que vem sendo feito por aqui. Tem um estranhamento no estilo de Wes Anderson, Spike Jonze.”

Selton interpreta um artista plástico brasileiro que trabalha com fotografia. Uma coprodução internacional, Soundtrack ainda depende de captação, mas o início das filmagens está previsto para agosto.

Selton diz que gosta muito também de atuar na TV e sente falta de convites. Recentemente, achou melhor recusar um papel na nova novela de João Emanuel Carneiro – Avenida Brasil – porque não havia um que se encaixasse em seu tipo.

O convite para Avenida Brasil marcaria a volta de Selton às novelas após mais de 10 anos: “Não rolou. Um era meio novo e o outro tem três mulheres. Não dava: acabei de fazer uma série em que tinha duas [‘A Mulher Invisível’], seria muito parecido.”

Com Débora Falabella escalada para Avenida Brasil e Luana Piovani prestes a ser mãe, uma nova temporada de A Mulher Invisível está descartada, pelo menos para 2012. O ator, no entanto, admite estar cogitando uma nova série na Rede Globo. “Tive um convite, está tendo um namoro, mas não posso dizer o que é. Talvez eu venha fazer, mas tem um filme que está programado para a mesma data e isso pode atrapalhar um pouco…”

O Palhaço de Selton Mello: filme arrebata plateias em todo o pais e revela competência do Artista, atuando ou dirigindo…

* Marco Tomazzoni, iG São Paulo

O Palhaço e Riscado no Festival Itinerante de Lisboa…

O Palhaço, dirigido e protagonizado pelo ator Selton Mello, e Riscado, de Gustavo Pizzi com produção de Cavi Borges, entraram na seleção do próximo FESTin, que vai acontecer de 9 a 16 de maio no Cinema São Jorge, em Lisboa.

Selton Mello no cinema: aplausos de todas aa gerações…

O PALHAÇO já foi visto por mais de 1 milhão de espectadores e ganhou diversos prêmios em festivais pelo país, arrebatando uma multidão calorosa em seu lançamento no Festival de Paulínia. O longa conta com a presença sempre iluminada de Paulo José.

No filme, a história de Benjamim (Selton Mello) e Valdemar (Paulo José), que formam a fabulosa dupla de palhaços Pangaré & Puro Sangue.

Já Riscado é primeira experiência do cineasta Gustavo Pizzi na direção de longas-metragens de ficção, e acompanha a vida de Bianca, uma atriz em busca de uma oportunidade, que sobrevive a imitar divas do cinema, até que um casting para uma grande produção internacional marca uma virada em sua vida.

Outro longa também selecionado é Clara di Sabura (ou Clara das Festas), dirigido pelo guineense José Lopes. Inspirado num poema da jornalista Mussá Baldé, o filme pretende sensibilizar as gerações mais jovens para a importância de estudar e se preparar para o futuro.

Na competição de curtas, o documentário Revolução nos Rabelados, de Mário Benvindo Cabral, debruça-se sobre as tradições de uma comunidade religiosa caboverdiana que, na década de 40 do século XX, ficou conhecida como“Os Rabelados”, ao escolher uma vida de isolamento social que lhes permitisse seguir suas crenças religiosas.

Nesta 3ª edição, o festival dará especial destaque à cinematografia brasileira, no âmbito das comemorações do Ano do Brasil em Portugal, e passará a integrar anualmente a Mostra de Cinema Brasileiro, anteriormente produzida pela Fundação Luso-Brasileira.

 

Direção do festival: festivalitinerante.festin@gmail.com

Assessoria de Imprensa: imprensa.festin@gmail.com

Acesse: www.festin-festival.com

Os Filmes do Festival do Rio

 

A 13ª edição do Festival do Rio, grifada para o período de 6 a 18 de outubro, está divulgando a lista de longasmetragens selecionados para suas mostras Premiere Brasil, Novos Rumos, e Retratos, além dos selecionados para suas outras mostras.

São estes os escolhidos:

Selton Mello em O PALHAÇO: filme aplaudido e premiado, terá sessão especial no Festival do Rio. Selton merece !

Hors Concours:Capitães de Areia”, Cecília Amado; “Corações Sujos”, de Vicente Amorim; “O Palhaço”, de Selton Mello; “Os 3”, de Nando Olival; “Reis e Ratos”, de Mauro Lima.

Premiere Brasil:A Novela das Oito”, de Odilon Rocha; “Amanhã Nunca Mais”, de Tadeu Jungle; “Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios”, de Beto Brant e Renato Ciasca; “Girimunho”, de Helvécio Marins Jr. e Clarissa Campolina; “Histórias que Só Existem Quando Lembradas”, de Julia Murat; “Mãe e Filha”, de Petrus Cariry; “A Hora e a Vez de Augusto Matraga”, de Vinícius Coimbra; “O Abismo Prateado”, de Karim Aïnouz; “Sudoeste”, de Eduardo Nunes.

Mostra Novos Rumos:Paraíso, Aqui Vou Eu”, de Walter Daguerre e Cavi Borges; “Cru”, de Jimi Figueiredo; “Dia de Preto”, de Marcos Felipe, Daniel Mattos e Marcial Renato; “Rânia”, de Roberta Marques; “Teus Olhos Meus”, de Caio Sóh; “Vamos Fazer um Brinde”, de Cavi Borges e Sabrina Rosa; “Circular”, de Adriano Esturilho, Aly Muritiba, Bruno de Oliveira, Diego Florentino e Fábio Allon; “Espiral”, de Paulo Pons.

Jards Macalé e Luiz Carlos Lacerda em “Casa 9”

Documentários Hors Concours:Casa 9”, de Luiz Carlos Lacerda; “Uma Longa Viagem”, de Lúcia Murat; “Vida de Artista”, de José Joffily.

Documentários:A Era dos Campeões”, de Cesario de Mello Franco e Marcos Bernestein; “Canções”, de Eduardo Coutinho; “Laiá, Laia”, de Alexandre Iglesias; “Luz, Câmera, Pichação”, de Marcelo Guerra, Gustavo Coelho e Bruno Caetano; “Marighella”, de Isa Grinspum Ferraz; “Mentiras Sinceras”, de Pedro Asbeg; “Olhe pra Mim de Novo”, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla; “Os Últimos Cangaceiros”, de Wolney Oliveira.

Mostra Retratos:Abdias Nascimento, Um Brasileiro do Mundo”, de Aída Marques; “Augusto Boal e o Teatro do Oprimido”, de Zelito Viana; “Bruta Aventura em Versos”, de Letícia Simões; “Cena Nua”, de Belisário Franca; “Marcelo Yuka no Caminho das Setas”, de Daniela Broitman; “Salgado Filho – O Herói Esquecido”, de Ricky Ferreira.

Mostra Expectativa:Tambores”, de Sérgio Raposo; “Vale dos Esquecidos”, de Maria Carvalho Raduan;

Mostra Itinerários:Um Dia com Frederico Morais”, de Guilherme Coelho; “Meia Hora com Darcy”, de Roberto Berliner.

Renato Russo concede entrevista ao cineasta Vladimir Carvalho…

Panorama do Cinema Mundial:Rock Brasília, Era de Ouro”, de Wladimir Carvalho.

Premiere Latina:Carta para o Futuro”, de Renato Martins; “Cuba Libre”, de Evaldo Mocarzel.

SELTON MELLO é Melhor Diretor e Febre do Rato ganha Ficção

Com a exibição de Assalto ao Banco Central e a presença do diretor Marcos Paulo, foi encerrada ontem a quarta edição do Festival PAULÍNIA de Cinema. Em seguida os apresentadores Marina Person e Rubens Ewald Filho anunciaram os vencedores.

 
 
Rubens Edwald Filho e Marina Person comandaram a noite: Festival nasceu de um projeto do crítico

Selton Mello, que mobilizou Paulínia durante o Festival, foi aclamado MELHOR DIRETOR                    

Júri 

Longas (Documentário e Ficção):

denise weinberg (atriz), heloisa passos (diretora de fotografia), isabela boscov (crítica de cinema), gustavo moura (documentarista) e sérgio rezende (diretor). 

 
 
Curtas (Regional e Nacional):

Bruno Torres Moraes (Ator), Daniel Ribeiro (Diretor), Leila Bourdoukan (Produtora E Jornalista), Pedro Butcher (Jornalista) E Sérgio Borges (Diretor). 

 

Filmes de Longa Metragem

Melhor Filme Ficção: R$ 250 mil Febre do Rato, Claudio Assis
Melhor Documentário: R$ 100 mil  Rock Brasiliaera de ouro, Vladimir Carvalho
Melhor Diretor Ficção: R$ 35 mil Selton Mello – O Palhaço
Melhor Diretor Documentário: R$ 35 mil  Maíra Buhler e Matias Mariani – Ela Sonhou Que eu Morri
Melhor Ator: R$ 30 mil  Irandhyr Santos – Febre do Rato
Melhor Atriz: R$ 30 mil  Nanda Costa – Febre do Rato
Melhor Ator Coadjuvante: R$ 15 mil  Moarcir Franco – O Palhaço
Melhor Atriz Coadjuvante: R$ 15 mil  Maria Pujalte – Onde Está a Felicidade?
Melhor Roteiro: R$ 15 mil  Selton Mello e Marcelo Vindicatto – O Palhaço
Melhor Fotografia: R$ 15 mil  Walter Carvalho – Febre do Rato
Melhor Montagem: R$ 15 mil  Karen Harley – Febre do Rato
Melhor Som: R$ 15 mil  Trabalhar Cansa – Gabriela Cunha, Daniel Turini e Fernando Henna
Melhor Direção de Arte: R$ 15 mil  Renata Pinheiro – Febre do Rato
Melhor Trilha Sonora: R$ 15 mil  Jorge Du Peixe – Febre do Rato
Melhor Figurino: R$ 15 mil  Kika Lopes – O Palhaço
Especial do Júri: R$ 35 mil  Trabalhar Cansa
 
O paraibano Vladimir Carvalho, diretor do Melhor Documentário: Rock Brasília
 
Cláudio Assis e Nanda Costa, que sagrou-se Melhor Atriz pela atuação no filme dele
 

Curtas Regionais

Melhor Filme: R$ 25 mil  Diego Costa, Argentino
Melhor Direção: R$ 15 mil  Diego Costa, Argentino
Melhor Roteiro: R$ 10 mil  Cauê Nunes e Maurício de Almeida, 3 x 4

Curtas Nacionais

Melhor Filme: R$ 25 mil  Carlos Nader, Tela
Melhor Direção: R$ 15 mil  Gabriela Amaral Almeida, Primavera
Melhor Roteiro: R$ 10 mil  Gustavo Suzuki, O Pai Daquele Menino

 

Júri Popular

Melhor Longa Ficção: R$ 25 mil  Carlos Alberto Riccelli, Onde Está a Felicidade?
Melhor Documentário: R$ 15 mil  Damià Puig, A Margem do Xingu – Vozes Não Consideradas
Melhor Curta Nacional: R$ 5 mil  Thiago Luciano, Café Turco
Melhor Curta Regional: R$ 5 mil  Diego Costa, Argentino

 

Paulo José, Selton Mello, Jorge Loredo e Moacyr Franco: 3 troféus para O Palhaço
 
 

Júri da Crítica

Melhor Longa Ficção Claudio Assis, Febre do Rato
Melhor Documentário Lucia Murat, Uma Longa Viagem
Melhor Curta Nacional Carlos Nader, Tela
A eterna BRUNA LOMBARDI, que ganhou Júri Popular para seu novo longa com o marido Riccelli,Onde está a Felicidade ?
 

Festival de PAULÍNIA: Júri e Programação

 
O IV Paulínia Festival de Cinema divulga a programação, bem como o júri de longas e curtas.  

JÚRI 

Longas (Documentário e Ficção):

Denise Weinberg (atriz), Heloisa Passos (diretora de fotografia), Isabela Boscov (crítica de cinema), Gustavo Moura (documentarista) e Sérgio Rezende (diretor). 

Curtas (Regional e Nacional):

Bruno Torres Moraes (ator), Daniel Ribeiro (diretor), Leila Bourdoukan (produtora e jornalista), Pedro Butcher (jornalista) e Sérgio Borges (diretor). 

PROGRAMAÇÃO 

Quinta-feira, 7 de julho

20h: Cerimônia de Abertura; exibição do longa-metragem Corações Sujos, de Vicente Amorim; (sessão fechada para convidados)

23h: Paulínia Fest: Rita Lee e DJs Addictive TV 

Sexta-feira, 8 de julho

Selton Mello e Paulo José, protagonistas de O Palhaço, que estará em competição

18h: Curta Nacional: O Cão, de Emiliano Cunha e Abel Roland

18h30: Documentário: Uma Longa Viagem, de Lúcia Murat

20h30: Curta Nacional: Polaroid Circus, de Marcos Mello e Jacques Dequeker

21h: Ficção: O Palhaço, de Selton Mello

23h: Paulínia Fest: Caetano Veloso e Seu Jorge 

Sábado, 9 de julho

18h: Curta Nacional: A Grande Viagem, de Caroline Fioratti

18h30: Documentário: Rock Brasília – era de ouro, de Vladimir Carvalho

20h30: Curta Nacional: Tela, de Carlos Nader

21h: Ficção: Meu País, de André Ristum

23h: Paulínia Fest: Gilberto Gil e Vanessa da Mata 

Domingo, 10 de julho

18h: Curta Nacional: Café Turco, de Thiago Luciano

18h30: Documentário: A Cidade Imã, de Ronaldo German

20h30: Curta Nacional: Trocam-se Bolinhos por Histórias de Vida, de Denise Marchi

21h: Ficção: Onde Está a Felicidade?, de Carlos Alberto Riccelli 

Segunda-feira, 11 de julho

18h: Curta Regional: Argentino, de Diego da Costa

18h15: Curta Nacional: Off Making, de Beto Schultz

18h30: Documentário: Ibitipoca, Droba pra Lá, de Felipe Scaldini

20h30: Curta Nacional: Qual Queijo você quer?, de Cíntia Domit Bittar

21h: Ficção: Os 3, de Nando Olival 

Terça-feira, 12 de julho

18h: Curta Regional: Adeus, de Alessandro Barros

18h15: Curta Nacional: Uma Primavera, de Gabriela Amaral Almeida

18h30: Documentário: Ela Sonhou que eu Morri, de Maíra Bühler e Matias Mariani

20h30: Curta Nacional: O Pai Daquele Menino, de Raul Arthuso

21h: Ficção: Trabalhar Cansa, de Juliana Rojas e Marco Dutra 

Quarta-feira, 13 de julho

18h: Curta Regional: 3×4, de Caue Nunes

18h15: Curta Nacional: Acabou-se , de Patrícia Baía

18h30: Documentário: As Margens do Xingu – vozes não consideradas, de Damià Puig

20h30: Curta Nacional: O Cavalo, de Joana Mariani

21h: Ficção: Febre do Rato, de Cláudio Assis 

Marcos Paulo é o diretor do filme que encerra o festival de Paulínia

Quinta-feira, 14 de julho (sessão fechada para convidados)

19h: Cerimônia de Encerramento; exibição do longa Assalto ao Banco Central, do ator e diretor de cinema e TV, Marcos Paulo.