Arquivo da tag: Garrincha

MESSI é um Solo de Piazzolla que nos encanta…

Vou falar o que do Messi? Gênio é pouco

por Antero Greco

* Este eu também queria ter escrito… Eloqüência e precisão invejável do articulista do ESTADÃO… SARAVÁ !!! 

 

Eu, você que me lê agora, torcedores do Barcelona e do Real Madrid que estavam no Santiago Bernabeu e todo mundo que assistiu de alguma forma ao clássico desta quarta-feira, somos privilegiados. Podemos afirmar que somos contemporâneos de um dos gênios da bola. Não se pode dizer menos de Lionel Messi, um desses fenômenos que de vez em quando surgem para provar que a Humanidade tem futuro, apesar de tudo.

Messi é incomum, como Pelé, como Maradona, como Garrincha. Messi é esplêndido como Picasso, como Miró. Um Michelangelo do esporte. Tem a criatividade de um Da Vinci, a ousadia de Mozart, a imponência de Beethoven. Os gols de Messi são poemas de Dante, epopéias de Homero; são épicos de Cervantes. Dostoievski veria em Messi seu grande personagem. Messi diverte como Chaplin, é um Gardel dos gramados. Messi é um solo de Piazzolla que nos encanta, nos emociona.

Messi é exagero, um abuso, uma hipérbole. “É um virtuose juramentado, um despautério futebolístico, uma hecatombe devastadora de botinudos”, como diria Odorico Paraguaçu, personagem imortal de Dias Gomes. O que tinha tudo para ser mais um jogo amarrado, tenso, chato e insosso, apesar de bate-bocas e expulsões, virou um capítulo de antologia por causa de Messi e seus dois gols contra o Real.

Gols que valem mais do que a provável classificação para a final da Copa dos Campeões – a competição, no caso, é detalhe supérfluo. Os gols de Messi, na noite desta quarta-feira, em Madri, são obras-primas, são clássicos. São a reafirmação de que o Universo tem um Criador.

Caramba, e tinha de ser justo hoje, com tanto jogo ainda pra ver?!

Jeri também teve futebol e Afonsinho…

 

Encontro inusitado no festival de cinema de Jeri: realizadores encontram ex-craque Afonsinho, que jogou pelo querido BOTAFOGO de Vinicius, João Moreira Salles e Garrincha…

Sobre AFONSINHO, publicamos este contundente texto de Plínio Sgarbi:

Como o Navegante Negro do Aldir Blanc, aquele que tinha por monumento as pedras pisadas do cais, Afonsinho não colheu todas as glórias que um craque como ele poderia colher. Mas obteve uma glória que poucos jogadores obtiveram na carreira: o respeito como cidadão e líder. Em meio a tantos jogadores que se calaram, Afonsinho teve a coragem de lutar, ainda mais… naquela época.

Se o futebol teve um herói de esquerda, esse cara foi o Afonsinho. Personagem carismático, destemido, engajado, por vezes quase quixotesco, o rebelde meia do Botafogo ocupou um lugar muito especial no imaginário coletivo do Brasil dos anos 70, um país ansioso por transformações sociais e em busca da tão sonhada abertura política. Ele foi o primeiro líder profissional das estrelas dos gramados a lutar pelo seus direitos, uma luta pela qual pagou um preço caro, mas que, como ele mesmo não se cansa da dizer, valeu a pena.

 
Afonsinho dentro de campo era um gênio, no toque de bola e no drible, fora dela o gênio foi cassado, por suas escolhas não serem do agrado dos generais e dos cartolas de então.
Infelizmente o meio campista nunca foi convocado para a seleção Brasileira, o que se justifica pelo fato de suas posturas serem de confronto ao regime militar e a estrutura do futebol nas décadas de 70 e 80 do século XX.


Afonso Celso Garcia Reis, jogador, médico, musicista, boêmio, viveu até sua adolescência em Jaú, cidade do interior de São Paulo. No início da década de 60 ingressou nas divisões de base do XV de Jaú e em seguida, foi jogar no Botafogo Carioca.

 

Recordação feliz do festival de Jeri: realizadores confraternizam com ex-craque alvinegro. Na foto, emoldurando AFONSINHO, Carlos Segundo, Valério Fonseca, Aurora Miranda Leão,  Zeca Ferreira, Síria Mapuranga e Lucas Harry Sá…