Arquivo da tag: Ingra Liberato

Anápolis vai consolidando Festival de Cinema com competência e profissionalismo

AURORA DE CINEMA, DIRETO DO FESTIVAL DE ANÁPOLIS

É estimulante perceber as importantes melhoras no Festival de Cinema de Anápolis…

Estive aqui na primeira edição e por isso posso afirmar com conhecimento de causa: o Festival de Cinema de Anápolis cresceu consideravelmente nesta segunda edição e já é um dos mais fortes do primeiro semestre no circuito de festivais de cinema brasileiro.

Débora Torres e sua competente equipe estão de Parabéns !

Erom Cordeiro, Bruna Chiaradia, Giselle Mattos e a videasta goiana Flávia no debate pós-sessão de O Palhaço

Público participou ativamente dos debates no festival de Anápolis…

Antônio Leão autografa Dicionário de Curtas e Médias para a cineclubista Carol Paraguassu, uma querida…

Betina Vianny autografa livro sobre o pai para a atriz Ingra Liberato…

Cinema por mulheres: Gisella Motta, Flávia, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão

Murilo Rosa e Elisa Tolomelli apresentam filme Como Esquecer

Ingra Liberato concede entrevista para o videomaker Carlos César…

Anápolis vai viver semana de Capital do Cinema Brasileiro

Está tudo pronto para o II Anápolis Festival de Cinema. O festival, idealizado e coordenado pela produtora e cineasta Débora Torres, reverteu-se de pleno êxito quando de seu lançamento, ano passado, e este ano vem maior e com boas novidades. O festival será aberto na próxima segunda, 19, às 19 horas, e prossegue até dia 26, no Teatro Municipal de Anápolis.

Débora Torres (entre Murilo Rosa e Alberto Araújo): energia para comandar um festival que já nasceu grande…

A abertura do II Anápolis Festival de Cinema será marcada pela exibição do filme documentário Bokemboka – A trajetória de Washington “Seu Menino”. A obra tem direção de Carlos César, o Cesinha, e foi produzido a partir do Prêmio Incentivar da primeira edição do festival.

A abertura da Mostra Adhemar Gonzaga de Cinema Brasileiro será com a exibição do documentário Rock Brasília – Era de Ouro, de Vladimir Carvalho, um olhar sobre as bandas e o movimento de rock em Brasília, nos anos de 1970. 

Rubens Ewald Filho, Curador da Mostra de Longas, é presença garantida

O festival ainda terá a presença do renomado crítico de cinema e curador da Mostra de Longas-metragens Convidados, Rubens Ewald Filho; do curador da Mostra de Curtas Documentários do Centro- Oeste, Beto Strada; a atriz e curadora da Mostra Curtas Anápolis, Mallu Moraes; os atores Leandro Firmino e Germano Pereira, e o cineasta João Batista de Andrade.

Germano Pereira, sucesso na novela Passione, estará no festival de Anápolis

A mostra de longas-metragens de Ficção Brasileira homenageia o pioneiro Adhemar Gonzaga, fundador da CINÉDIA, a primeira companhia cinematográfica brasileira. Nessa modalidade, além do filme Rock Brasília, serão exibidos, a cada noite, os filmes Onde está a Felicidade ?, de Carlos Alberto Riccelli; As Melhores Coisas do Mundo, de Lais Bodanzki; Estômago,de Marcos Jorge; O Palhaço, de Selton Mello; Como Esquecer,de Mallu De Martino; e Olhos Azuis, de José Joffily, sempre às 19 horas, no Teatro Municipal.

Selton Mello vai a Anápolis com o seu premiado O Palhaço

O II Anápolis Festival de Cinema é aberto a toda comunidade, a qual terá a oportunidade de acompanhar a exibição de filmes de produção regional e nacional gratuitamente. O festival ainda possibilita a aproximação da plateia com atores e produtores cinematográficos, gerando assim uma interação única oportunizada pelo Festival.

Alice Gonzaga, filha do pioneiro Adhemar Gonzaga, estará na comissão julgadora e no curta O Sumiço de Alice, a ser exibido no encerramento…

FESTIVALZINHO

Junto à programação do II Anápolis Festival de Cinema, acontece o Festivalzinho, sessões de filmes desrtinados às crianças da rede municipal de ensino. Também serão ministradas durante o festival as oficinas Cinema & Filosofia com Ada Kroef , e Produção de Curta Digital de Baixo Custo com o cineasta/ator/dramaturgo Alex Moleta, além da realização de debates com diretores, produtores e elenco dos filmes das mostras competitivas.

A atriz Bete Mendes é presença confirmada em Anápolis

Presenças

O Festival contará com a presença de grandes personalidades do cinema como Rubens Ewald Filho (curador da mostra de longas convidados); do compositor e trilheiro, André Moraes; Beto Strada (curador da mostra de curtas documentários do Centro- Oeste); as atrizes Mallu Moraes (curadora da mostra de curtas anapolinos), Bete Mendes, Rosamaria Murtinho (presidente do júri), Betina Viany e Ingra Liberato; os atores Oscar Magrini, Irandhir Santos, Leandro Firmino, Germano Pereira, Murilo Rosa, Gustavo Machado, Wandi e Babu Santana; os cineastas Zózimo Bulbull, Carlos Alberto Riccelli, Selton Mello, João Batista de Andrade, José Joffily, Jarleo Barbosa, Walter Webb, Vladimir Carvalho e Alex Moleta (oficineiro do festival); o embaixador Lauro Moreira; os jornalistas, Hermes Leal, Cid Nader e Aurora Miranda Leão (também atriz e cineasta); os produtores Fabiano Gullane, Marcelo Tôrres, Elisa Tolomelli, Ligocki, Alice Gonzaga, Biza Viana e Cláudia Natividade; o fotógrafo Vantoen Pereira Júnior; entre outros.

 A atriz Ingra Liberato vai levar sua beleza para Anápolis…

Premiações

Os filmes selecionados para o II Anápolis Festival de Cinema concorrerão ao troféu Beto Leão de Cinema.  O prêmio é uma homenagem in memoriam ao ex-crítico, pesquisador, roteirista, diretor, produtor e escritor goiano. Também serão conferidos o Troféu Anápolis (criação do artista plástico Napefi) aos vencedores e Troféu Anápolis Homenagem a nomes significativos do cinema brasileiro.

Irandhir Santos, do elenco de Olhos Azuis, estará em Anápolis

OS LONGAS DE ANÁPOLIS
Mostra Adhemar Gonzaga de Cinema Brasileiro
ROCK BRASÍLIA – Era de Ouro

Datal: Dia 19 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 20 de Março às 19 horas
Local: Parque Ipiranga 

ONDE ESTÁ A FELICIDADE ?

Datal: Dia 20 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 21 de Março às 19 horas
Local: Industrial Munir Calixto 
AS MELHORES COISAS DO MUNDO

Datal: Dia 21 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 22 de Março às 19 horas
Local: Vila Formosa 
ESTÔMAGO

Datal: Dia 22 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 23 de Março às 19 horas
Local: Distrito de Goialândia – Anápolis GO 

O PALHAÇO

Datal: Dia 23 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 23 de Março às 19 horas
Local: Distrito de Souzânia – Anápolis GO


COMO ESQUECER

Datal: Dia 24 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 25 de Março às 19 horas
Local: Bairro São Joaquim 

OLHOS AZUIS

Datal: Dia 25 de Março às 19 horas
Local: Teatro Municipal de Anápolis
Reexibição: Dia 26 de Março às 19 horas
Local: Bairro Recanto do Sol

Confira a premiação:

Longa-metragem de ficção – Mostra Adhemar Gonzaga

Melhor Filme de Ficção – R$ 25 mil, mais troféu;
Melhor Direção – R$ 12,5 mil, mais troféu;
Melhor Ator –R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Atriz –R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Ator Coadjuvante – R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Atriz Coadjuvante – R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Roteiro – R$ 6.250  mil, mais troféu;
Melhor Fotografia – R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Direção de Arte – R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Montagem – R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Som – R$ 6.250 mil, mais troféu;
Melhor Trilha Sonora – R$ 6.250 mil, mais troféu.

Curta- metragem Documentários do Centro-Oeste

Melhor curta-metragem do Centro-Oeste – R$ 6.250 mil, mais troféu.

Curta Anápolis 

Melhor Curta Metragem Anapolino – Prêmio Incentivar – Secretaria Municipal da Cultura. A premiação será destinada à produção de um curta, a ser produzido na região de Anápolis e exibido na abertura do III Anápolis Festival de Cinema. Valor do prêmio R$ 37,5 mil, mais troféu.

Sessões lotadas e boas surpresas no VI COMUNICURTAS

Aberta na noite daa última semana de agosto, como acontece todo ano, a sexta edição do ComuniCurtas acontece em Campina Grande, sob o comando de André da Costa Pinto, e, mais uma vez, supera a edição anterior.

Festival promovido e incentivado o ano inteiro pela Universidade Estadual da Paraíba, através de seu departamento de Comunicação Social, o festival foi aberto este ano com homenagens e a exibição do curta RESTA UM, exercício audiovisual coletivo que tive a honra de conduzir , conseguindo unir os talentos de Ingra Liberato,  Rosamaria Murtinho, Sílvio Tendler, Miguel Jorge, Bruno Safadi, Henrique Dantas, Alex Moletta e Samuel Reginatto e Júlio Léllis, entre alguns outros.

Saudados pelas profícuas palavras do Pró-Reitor Antônio Guedes Rangel Jr. – que enfatizou a disposição da Universidade (UEPB) em incentivar cada vez mais a produção aduiovisual em Campina Grande -, a alegria estampada no rosto dos que todas as noites afloram ao amplo espaço do SESC, não deixa dúvidas: André da Costa Pinto idealizou, foi à luta e conseguiu realizar um dos mais carismáticos festivais de cinema do país, com tudo para tornar-se um pólo aglutinador dos mais concorridos do Nordeste, posto muito tempo alcançado pelo festejado GUARNICÊ de São Luís do Maranhão.

A presença de Ingra Liberato na abertura desta sexta edição foi um trunfo muito aplaudido – é fácil observar nas fotos que pipocam nas redes sociais, tendo a atriz entre fãs e admiradores de todas as idades. Com a elegância própria das mulheres que sabem se afirmar com simplicidade e simpatia, Ingra foi capa de todos os principais jornais da Paraíba entre domingo e segunda. Chegando em Campina, deu entrevistas, autógrafos, não se furtou a estar entre os flashes que A todo momento lhe alcançavam e subiu ao palco para falar da alegria de estar lançando o RESTA UM.

Afinal, foi aqui em Campina Grande o ‘batismo oficial’ do filme, já que foi a primeira vez que INGRA pôde acompanhar um lançamento, tendo ademais a grata sartisfação de ser acolhida por platéia lotada e acolhedora.

Antes da exibição de RESTA UM, o festival exibiu um vídeo em homenagem aos dois cineastas hjomenageados deste ano, os paraibanos Marcus Villar e Torquato Joel – o vídeo foi idealizado pelo jovem realizador Kennel Rógis, aliás, um dos fortes concorrentes do festival com seu belo filme de estréia , o doc Travessia, ambientado em sua Coremas natal.

Após Ingra e eu (que tive a honra de subir ao palco com esta fina flor do teatro-cinema- TV ) dividirmos com os campinenses a satisfação de realizar RESTA UM “porque o Resto é sempre maior do que o principal” -, a tela transformou-se num mosaico de filmes de todos os quadrantes, e tem sido assim toda noite, com uma diversidade de olhares e narrativas que muitas vezes surpreende pela qualidade do inusitado e a riqueza de sensibilidades, nem sempre alcançadas em painel tão eclético.

Aliás, vi aqui em Campina um curta do qual preciso ter uma cópia. Trata-se de instigante roteiro de Fernando Ventura, O Quinto Beatle, tão inusitado quanto interessante . Narrativa bem construída, de fácil absorção, a qual se acompanha com atenção e risos benfazejos até o final. Fernando deve ser mais um entre tantos fãs dos fantásticos de Liverpool. Pensando assim fica mais fácil entender como construiu o encontro insuspeito entre o eterno-Beatle Paul McCartney e um jovem paraibano, na pacata Campina Grande dos anos de 1960. Uma idéia poderosa, que mistura ficção e documentário (?) – vi muitas pessoas comentando a respeito e imaginando como foi a tal passagem de Paul por Campina) – e chega à tela de forma despretensiosa e criativa, com a eloquencia de um ator  de grande envergadura, que conduz o filme com precisão de ourives. Ele é Chico Oliveira, tão desconhecido da maioria de nós quanto fartamente competente. Este filme de Italo Brito e Fernando Ventura é um pitéu entre tantos curtas vistos este ano. Creio que vá rodar muitos festivais, não só pelo constante e crescente interesse que a a obra antológica dos Beatles desperta nas mais distintas platéias como por tratar-se de filme bem realizado, em todos os aspectos. E vem de Campina Grande, mais um curta realizado com o precioso apoio da UEPB (exemplo a ser seguido por Universidades do país inteiro) e o constante e vigoroso apoio que André Costa repassa aos que estão em seu entorno. Ah, André, você bem poderia ser dez….

Após a noite de estréia 2011 do ComuniCurtas, a coordenação promoveu uma acolhedora  recepção no bar Opção, onde uma roda de chorinho acompanhou conversas animadas e muita tietagem. Afinal, além da presença iluminadora de INGRA, ali estava outro doce de pessoa, que tem muito mais admiradores do que se possa imaginar: Elke Maravilha. 

ELKE no palco fala sobre o documentário com ela, feito por Júlia Rezende

Gal Cunha Lima, Gilberto Perin, Luís Carlos, borges, Itamar Borges, Ana Célia e o casal de realizadores argentinos Judith e Martin Barra, que trouxe uma Mostra Argentina ao ComuniCurtas

Aurora, Ingra Liberato e Arly Arnaud no brinde inaugural do ComuniCurtas… 

Em outro post, mais ComuniCurtas.

ComuniCurtas divulga Programação

Cineasta  André da Costa Pinto, idealizador e coordenador-geral do Festival ComuniCurtas de Cinema e Vídeo, que acontece anualmente em Campina Grande, divulga a programação da próxima edição do concorrido festival, que vai acontecer de 29 de agosto a 3 de setembro, nas dependências do SESC e da UEPB.

Segunda-feira (29/08)

19h: Cerimônia de Abertura no SESC Centro
Homenagem a Marcus Vilar e Torquato Joel
Entrega do Prêmio Machado Bitencourt de Contribuição ao Cinema Paraibano

Mostra Outros Olhares
Resta Um – Direção: Aurora Miranda Leão (Fic-20’/CE)

* Lançamento contará com a presença da atriz INGRA LIBERATO, que é a protagonista do curta digital, realizado em Goiânia


Mostra Competitiva Tropeiros da Borborema de Curta-Metragem
Mais Denso que Sangue – Direção: Ian Abé (Fic-15’/CG) Classificação: 16 anos
O Reino da Serra – Direção: Sinaldo Luna (Doc-15’40’’/CG-Itatuba) Livre

Uma Ciência Encantada – Direção: Chico Sales (Doc-20’/JP) Livre
Manteiga em Venta de Gato – Direção: Pablo Maia (Fic-5’/JP) 
No Ventre da Poesia – Direção: Karlla Christine e Carlos Mosca (Doc-15’/CG) Escravos de Jó – Direção: Daniel Araújo (Fic-20’/JP) Classificação: 12 anos
Maria do Caixão – Direção: Hildeberto Figueiredo e Álisson Marques (Doc-10’33’’/CG) Classificação: Livre
Estrelando : José Sawlo – Direção: Leandro Alves (Doc-19’47’’/CG)

Mostra Competitiva Brasil

Eu não quero voltar sozinho é um dos concorrentes
Menina da Chuva – Direção: Rosário (Animação -6’/ RJ)
Eu Não Quero Voltar Sozinho – Direção: Daniel Ribeiro (Fic-17’/SP)
22h: Programação Social

Terça-feira (30/08)

10h: Debate e Coletiva de Imprensa com os Realizadores dos Filmes Exibidos na Noite Anterior
Local: DECOM/UEPB
14h: Oficina de Fotografia com João Carlos Beltrão no DECOM/UEPB
Oficina de Direção com Marcus Vilar
19h: Mostras Competitivas no SESC CENTRO

Mostra Competitiva A Idéia é

FENART 2010 – Agência: Arte Final Propaganda
Caricatura (Revista Politika) – Agência Sin
Infinity Doc – Agência Sin
Náufrago – Agência: Dabliu A
São João Rede Pharma – Agência: Criare Comunicações

Mostra Competitiva Tropeiros de Telejornalismo

Juventude Vendida 1 – TV Correiro – Repórter: Wendell Rodrigues
Caravana JPB: Resistência Cultural – TV Cabo Branco/Paraíba – Repórter: Laerte Cerqueira
São João Cordel – TV Itararé – Repórter: Rodrigo Apolinário

Mostra Competitiva Tropeiros da Borborema de Curta-Metragem

22 Anos – Direção: Anne Emanuelle (Doc-10’07’’/CG) Classificação:Livre
O Diário de Márcia – Direção: Bertrand Lira (Doc-20’/JP) Classificação: 12 anos
Antes do Café – Direção: Carlos Mosca (Fic-8’32’’/CG) Classificação:10 anos
A Fábrica de Gravatas – Direção: Érik Medeiros (Fic -10’10’’/CG)

Hoje Tem Espetáculo ? – Direção: Leandro Alves (Doc-15’/CG)

O Prazer em Cartaz – Direção: Sandro Mangueira (Doc-12’/CG)

Tocando um Baixo – Direção: Katiane Alves do Anjos (Doc-15’/Conde) Peregrinos – Direção: Adeilton Costa e Ítalo Jones Marinho (Doc-17’20’’/CG)

O Quinto Beatle – Direção: Ítalo Brito e Fernando Ventura (Doc – 12’04’’/CG)

Mostra Competitiva Brasil

Acercadacana – Direção: Felipe Perez Calheiros (Doc-20’/PE)
Revertere Ad Locum Tuum – Direção: Armando Mendz (Fic-18’/MG)
22h: Programação Social

Quarta-feira (31/08)

10h: Debate e Coletiva de Imprensa com os Realizadores dos Filmes Exibidos na Noite Anterior
Local: DECOM/UEPB
14h: Oficina de Fotografia com João Carlos Beltrão no DECOM/UEPB
Oficina de Direção com Marcus Vilar no DECOM/UEPB
Oficina de Como Submeter Projetos a Lei Ruanet com Antônio Leal no DECOM/UEPB
19h: Mostras Competitivas no SESC CENTRO

Mostra Competitiva A Idéia é

Chopp – Agência: Dabliu A
Cordel (Artexpress) – Agência: CaféCom
Roleta – Agência Sin
Sumiço – Agência Sin
Ressocialização – Trabalho Acadêmico alunos da Cesrei

Mostra Competitiva Tropeiros de Telejornalismo

Juventude Vendida 2 – TV Correiro – Repórter: Wendell Rodrigues
Lajedo Pai Mateus – Repórter Junino – Repórter: Giordani Matias, Emmanuela Leite e Alidiane Sousa
Caravana JPB: Educação – TV Cabo Branco/Paraíba – Repórter: Laerte Cerqueira

A acolhedora Campina Grande conta os dias para o início de mais um ComuniCurtas

Mostra Competitiva Tropeiros da Borborema de Curta-Metragem

Quando Eu Crescer… – Direção: Emanuel Dias (Doc-15’/CG) Classificação:Livre
Durma Comigo – Direção: Renato Hennys (Fic-8’/CG) Classificação:14 anos
Cinema Americano – Direção: Taciano Valério (Doc-15’/CG) 
Travessia – Direção: Kennel Rógis (Doc-13’50’’/Coremas) Classificação: Livre
Pedro Perilima – Direção: Ian Costa (Doc- 13’30’’/CG) Classificação:Livre
Chico do Itararé – Direção: Giovanni Perez (Doc-15’/CG) Classificação:Livre
As Folhas – Direção: Deleon Souto (Fic-14’/Patos) Classificação:Livre
Concreto – Direção: Jaime dos Santos Guimarães (Doc-12’59’’/CG)

Mostra Competitiva Brasil

Asfixia – Direção: Fábio Aguiar (Fic-15’/SP)
Do Morro ? – Direção: Mykaela Plotkin e Rafael Montenegro (Doc-20’/PE)
22h: Programação Social

Quinta-feira (01/09)

9h: Mostra Infantil no SESC Centro
10h: Debate e Coletiva de Imprensa com os Realizadores dos Filmes Exibidos na Noite Anterior
Local: DECOM/UEPB
14h: Oficina de Direção de Arte com Ana Paula Cardoso no DECOM/UEPB
Bate-papo entre os realizadores de festivais e mostras audiovisuais da Paraíba no DECOM/UEPB
19h: Mostras Competitivas no SESC CENTRO

Mostra Competitiva Tropeiros de Telejornalismo

Caravana JPB: Saúde – TV Cabo Branco/Paraíba – Repórter: Laerte Cerqueira
Presídio Desativado – TV Borborema – Repórter: Renato Diniz
Juventude Vendida 4 – TV Correiro – Repórter: Wendell Rodrigues
Circo de Bairros – TV Itararé – Repórter: Hermano Júnior

Mostra Competitiva Estalo

A Foca do Judeu – Direção: Altiéres Stevam, Diane Silva e Jonatha Medeiros (1’ /CG)
Descida ao Centro da Cidade – Direção: Juliana Terra (1’ /CG)
? – Direção: Fernando de Oliveira Morais (1’ /JP)
Inverno e Mentiras em Campina Grande – Direção: Allan Dantas (1’ /CG)
As 1001 Utilidades de Mainha – Direção: Thiago Lopes (1’ /CG)
No Escuro – Direção: M Quixaba e Carine Fiúza

Mostra Competitiva Tropeiros da Borborema de Curta-Metragem

Lamúria – Direção: Nathan Cirino (Fic- 15’/CG) Classificação:Livre
Degradação das Almas – Direção: Ismael Moura (Fic-15’/Cuité)

As Voltas do Mundo – Direção: Fabrício Santana (Doc-15’/CG-Aroeiras)

Ensaio – Direção: Altiéres Estavam (Fic-9’28’’/CG) Classificação:16 anos
A Identidade da Memória Morta – Direção: Rebecca Cirino (Doc-15’/CG)
Irmãs – Direção: Gian Orsini (Doc-16’/JP) Classificação: Livre
Salete Cobra – Direção: Ailton Francisco (Doc-9’/CG) Classificação: Livre

Mostra Competitiva Brasil

A Dama do Peixoto – Direção: Allan Ribeiro e Douglas Farias (Doc -11’/RJ)
A Fábula da Corrupção – Direção: Lizandro Santos (Animação- 8’15’’/RS)
Carreto – Direção: Cláudio Marques e Marília Aughes (Fic-12’/BA)
22h: Programação Social

Sexta-feira (02/09)

10h: Debate e Coletiva de Imprensa com os Realizadores dos Filmes Exibidos na Noite Anterior
Local: DECOM/UEPB
14h: Oficina de Direção de Arte com Ana Paula Cardoso no DECOM/UEPB
Mostra de Cinema Argentino no SESC Centro
19h: Mostras Competitivas no SESC CENTRO

Mostra Outros Olhares

Ninjas –Direção: Denison Ramalho (Fic -15’/SP)
Angeli 24 horas – Direção: Beth Formaggini (Doc – 25’/RJ)

Mostra Competitiva Tropeiros da Borborema de Curta-Metragem

Biliu: O Maior Carrego do Brasil – Direção: Lau Barboza (Doc-13’/CG)

Menino Artíficie – Direção: Ana Célia Gomes, Kárem Vasconcelos e Samuel Dias (Doc -15’/CG) Classificação: Livre
Nublado – Direção: João Paulo Palitot (Fic-12’/JP) Classificação: Livre
Olhar Particular – Direção: Paulo Roberto (Doc-10’40’’/Cabedelo)

Zefinha e Sebastião– Um Chifrudo Coroado – Direção: Dianne Ferreira (Animação-6’45’’/CG) Classificação: 12 anos
Metafisica – Direção: Eduardo Gomes (Fic-12’/JP) Classificação: Livre
O Hóspede – Direção: Anacã Agra e Ramon Porto Mota (Fic-17’/CG)

Explícito – Direção: Marcel Henriques (Doc-14’35’’/CG) Classificação: 16 anos

Mostra Competitiva Brasil

Rái Sossaith – Direção: Thomate (Animação-10’/SP)
Casa da Vó Neide – Direção: Caio Cavechini (Doc-20’/SP)
A Fábrica – Direção: Aly Muritiba (Fic-15’/PR)
22h: Programação Social

Numa das edições do ComuniCurtas, Aurora Miranda Leão e André da Costa Pinto, Yomara Rocha e Ana Célia Gomes

Sábado (03/09)

10h: Debate e Coletiva de Imprensa com os Realizadores dos Filmes Exibidos na Noite Anterior
Local: DECOM/UEPB
14h: Fórum dos Realizadores Audiovisuais Paraibanos no DECOM/UEPB
20h: Entrega do prêmio pela contribuição ao Cinema Brasileiro para Hilton Lacerda
Cerimônia de encerramento e entrega dos prêmios no SESC Centro

22h: Programação Social: Festa de Encerramento

RESTA UM na noite de Fortaleza

Um filme só acontece depois que chega ao espectador. Por isso, você é a pessoa mais importante desta noite de TERÇA na qual RESTA UM será exibido, pela primeira vez, em Fortaleza.

O CONVITE para esta noite no Centro Cultural Oboé tem a intenção de ser espalhado por aí aos quatro ventos pra que possamos ter uma sessão de cinema com casa cheia.


Aurora Miranda Leão e Rubens Ewald Filho durante o período de gravações em Goiânia…

Vá e leve os amigos ! Se não puder ir, pelo menos recomende a uma porção de parceiros porque, afinal, sempre RESTA UM

Venha você também descobrir porque O Resto é sempre maior que o Principal…

 

FICHA TÉCNICA e ARTÍSTICA RESTA UM 

Argumento, Roteiro, Fotografia e Direção – Aurora Miranda Leão

Trilha: Ricardo Bacelar

Câmera adicional – Julinho Léllis

Imagens de celular: Aurora M. Leão e Ingra Liberato

Contribuição afetiva – Rubens Ewald Filho

Colaboração no Roteiro: Alex Moletta,Miguel Jorge,Rogério Santana 

Estrelando INGRA LIBERATO

 Participação: Rosamaria Murtinho, Sílvio Tendler, Bruno Safadi, Samuel Reginatto, Miguel Jorge, Henrique Dantas, Carol Paraguassu e Patrícia Luciene

Produção: Aurora M. Leão e Julinho Léllis 

Edição: Aurora Miranda Leão e Lília Moema

Filmes citados:  Amanda & Monick, de André da Costa Pinto

                              Aos Pés, de Zeca Brito

                              Áurea, de Zeca Ferreira

                             Harmonia do Inferno, de Gui Castor     

 

Realização: Aurora de Cinema & Cabeça de Cuia Filmes       

                                      

RESTA UM – LANÇAMENTO em Fortaleza
HOJE, 19, 19:30h
COQUETEL no Centro Cultural Oboé – rua MARIA TOMÁSIA, 531

Informações: 3264.7038
ENTRADA FRANCA

Porque o RESTO é sempre MAIOR que o Principal

Em apenas cinco dias de absoluta imersão no universo da Sétima Arte, do qual Goiânia é âncora todos os novembros, foi gestado o Resta Um, curta-metragem agora ofertado para o olhar, a mente e o coração de quem estiver na platéia ou com este texto em mãos. 

Resta Um é um curta digital, colorido, tem 19’25”, roteiro e direção de Aurora Miranda Leão. Ingra Liberato é a presença mais constante, embora não possamos dizê-la “personagem principal” ou protagonista. Isso não existe nos filmes Belair. Lá como cá, os atores não representam mas valem pelo que representam, como nos diz Antônio Medina Rodrigues, e aí a cabeça do espectador tem todo o controle e pode optar por entender o que quiser. O que pra uns pode estar explícito, para outros pode ser apenas um jogo do roteiro ou uma insinuação da direção.  

A imagem icástica de Ingra Liberato a ilustrar o cartaz, bem como o material de divulgação do filme, destacando o indicador da atriz apontando… como a indicar que Resta Um

O que resta encontrar então neste novo filme que a produtora Aurora de Cinema nos oferece ? 

O que resta pode ser você, espectador, que não participou das filmagens e não conviveu com o grupo formado em Goiânia. Resta você que entende a intenção da obra ou resta você que vai sair do cinema perguntando o que é mesmo o filme que viu, qual seu sentido, e o que querem significar suas imagens.

Resta Um filme a ser feito, um fotograma a ser exibido. 

Resta Um desejo de falar da vida e contar da alegria através do cinema. Resta Um desejo de contagiar e fazer coro ao convite de Sílvio Tendler para tentar fazer mais gente entrar nesta canoa. 

Resta Um ator que não estava nas filmagens, um vinho que não foi tomado, e um beijo que não foi roubado. Resta você que se pergunta sobre o sentido deste filme, resta você que poderia ter dado um depoimento. Resta Um espectador que chegou atrasado e um diretor que não foi convidado. 

Resta Um convite que não foi aceito e um amor que não se realizou. Resta Um filme que não foi feito e um roteiro inacabado, um caminho a ser seguido e um piano esquecido no canto da sala. 

Resta Um violão que emudeceu e um canto de passarinhos que não se reproduziu.   

Resta Um carinho esquecido, um afago a ser lembrado e um afeto nunca recebido.

Resta Um filme a ser visto, um aplauso a ser ouvido e um som a ser imitado.

Resta Um enquadramento por fazer, um som e uma luz em sintonia.

Resta Um coração a ser tocado, um amor a ser encontrado.

Resta Um barco no oceano e um barco-olho rumo ao infinito.

Resta Um motivo a mais para se cultivar a ética, um passo a mais a ser dado, um gesto a menos a ser esquecido.

Resta Um belo quadro na parede, flores viçosas na varanda e um roteiro a ser escrito.

Resta Um canto triste a embalar a solidão e um tango sempre disposto a tocar.

Resta Um coro de pássaros a anunciar uma manhã na qual os jornais só estampem boas notícias e um amor de pai e mãe que nem a dor da ingratidão abafou. 

Resta Um gol argentino a ser aplaudido, um drible de Messi a ser imitado e uma canção de Lupicínio ecoando na sala. 

Resta Um desvario a ser socorrido, um cotidiano de sonhos a percorrer o imaginário e um arrojo de Kubrick a ser lembrado. 

Resta Um enorme impulso pra falar de vida, celebrar a Paz e espalhar a alegria. RESTA UM desejo quase incontido de perseguir a utopia do amor sem mentiras, da amizade sem sustos, do afeto sem medo de se ofertar em público, da ternura sem hora marcada pra se instalar. 

Resta Um quadro de Picasso a querer ver, um Renoir ainda intacto, um Rembrandt pra quem desconhece as nuances da cor e um bolero de Ravel acordando as madrugadas douradas. 

Resta Um caminho novo a buscar, uma ousadia nova a perseguir e um lixo amontoado na calçada que Vik Muniz precisa transformar. 

Resta Um canto feliz de andorinha a sonorizar a espera tão acalentada, e um movimento de Tchaikovsky tocando pra quem não tem medo da música clássica. 

Resta Um brilho no olhar da criança esquecida nas madrugadas soturnas das grandes cidades, e um brilho de esperança no gesto de quem vivencia a solidariedade. 

Resta Um livro a ser lido e um grande autor a ser celebrado. 

Resta Um disco bonito na vitrola, um guardanapo com um poema que a noite revelou, um lenço para amparar lágrimas de amor. 

Resta Um quadrilátero de paixão nas esquinas nas quais ela em vão aguardou um adeus. Resta Um um sinal de que a vida é o bem maior. 

Resta Um poeta que a noite teima em querer despertar e um silêncio revelador que o ouvido atento antevê. 

Resta Um desassossego da alma em desalinho pela paixão que arrebata e se intromete nas horas mais improváveis. 

Resta Um violão dedilhando Bossa Nova e um bar em Ipanema rememorando Vininha.

Resta Um choro de flauta aguardando Pixinguinha e um verso ousado de Clarice, Coralina ou Adélia Prado.

Resta Um solo de Toquinho, uma marchinha do Lalá, um twiiter de Carpinejar e um olhar acurado de Caetano que a manhã precisa revelar. 

Resta Um minuto para que possamos afirmar a palavra necessária e um espanto ante à embriaguez do luar. 

Resta Um comovido apelo à Paz e uma busca incessante pela alquimia dos grandes amores. 

Resta Um olhar sempre atento à obra de Truffaut e à dramaturgia de Fassbinder, um interesse crescente pelo bandoneon de Piazzolla e um espanto ante à indiferença da sociedade do descartável. 

Resta Um motivo sempre novo para ver Fernanda representar e reler a grandeza necessária de Ibsen. 

Resta Um atrevido gosto pelos filmes incompreensíveis e um incontido apego aos lugares onde a emoção fez amigos e plantou saudades. 

Resta Um microfone para celebrar Mário Reis e um anseio de ouvir cantar como Francisco Alves. 

Resta Um filme de Bressane a ser visto e estudado, e um olhar acurado sobre a cinematografia inspiradora da Belair. 

Resta Um dilacerante silêncio ante a brutalidade do desaparecimento de John Lennon e um inexplicável mal-estar ante as ingerências nefastas da política no cotidiano

Resta Um infinito e revolucionário desejo de se perpetuar nos fotogramas que hoje são pixels nas alquimias da edição digital, tão rápida e eficiente que nos faz brincar com as horas e achar graça da facilidade de criar temporalidades diversas, fazer andar pra frente e retroceder nos ponteiros de nossa imersão cotidiana.

Resta Um constante e permanente desejo de continuar abraçando o cinema brasileiro e um desejo intermitente de ouvir o som paralâmico da guitarra de Herbert Vianna. 

Resta Um olhar para A Última Palavra, aquela que nos tirará do dilema profundo que parece nos atar ao nada existencial. 

Resta Um indormido desejo de expressar-se e traduzir em imagens o que vai n’alma e no pensamento. 

Resta Um permanecente intuito de reaprender a amar pra não morrer de amar mais do que pude. 

Resta, sobretudo, essa vontade enorme de acertar e prosseguir fazendo cinema e apostando em coisas nas quais acreditamos, sejam elas concludentes ou não. 

Resta ademais um desejo de falar de vida, o aconchego do abraço amigo nas noites eternas, e a ânsia de chegar a um tempo onde a ingratidão morra de sede, a indiferença naufrague de tédio, a injustiça definhe por inanição e a estupidez se envergonhe de existir… 

Porque, enfim, Resta Um desejo de amar e ser amado

Amar sem mentir nem sofrer

Desejo de amar sem mais adeus…

Até, quem sabe,

Resta Um desejo de morrer de amar mais do que pude. 

Enfim, Resta Um anseio de que cada pessoa pudesse e possa ser, cada vez mais, a expressão do outro sob a forma ampliada e refletida do eu individual aprimorado. 

*O título deste artigo e as palavras finais nos foram inspirados por textos do cronista Artur da Távola, bem como as citações óbvias aos versos do saudoso poeta Vinícius de Moraes.

 

SERVIÇO: 

Curta-metragem RESTA UM

Exercício coletivo realizado no VI Festival de Cinema de Goiânia

Direção: Aurora Miranda Leão

Produção: Júlio Léllis

Edição: Aurora Miranda Leão e Lília Moema

Colaboração no roteiro: Miguel Jorge, Alex Moletta e Rogério Santana

Estrelando: Ingra Liberato

Participação: Rosamaria Murtinho, Sílvio Tendler

Bruno Safadi, Carol Paraguassu, Henrique Dantas

Realização: Aurora de Cinema e Cabeça de Cuia Filmes

Duração: 20m, cor, digital, gênero Experimental

 

Coquetel de lançamento  

QUANDO e ONDE: 19 de julho, 19:30h

CENTRO CULTURAL OBOÉ – rua Maria Tomásia, 531 – Aldeota

ENTRADA FRANCA
COLABORE, COMPAREÇA, AJUDE A ESPALHAR por aí !

RESTA UM.. filme marcante na cabeça de cada um

São tantas as opiniões que anotamos sobre nosso curta RESTA UM, que resolvemos publicá-las para partilhar com você, leitor amigo, que já conhece ou ainda vai ver este exercício audiovisual coletivo…

Roteiro inteligente, edição competente e condução elegante com Ingra Liberato esbanjando sensualidade.
                                               – Maria Letícia, cineasta

Foi um grande prazer te ajudar nessa. Adorei o filme!
               – Cavi Borges, cineasta

Importa pelo que é capaz de despertar no espectador…
                            – Edinha Diniz, pesquisadora de Música
Absolutamente transgressor, dá gosto ver, faz bem à alma.
                                               – Jorge Salomão, poeta

Bom de ver, leve, descontraído e alegre como sua diretora. Já disse que quero fazer parte do próximo.

                                      – Vera Ferreira, atriz


 Leve, descontraído, dá vontade de assistir mais de uma vez para adentrar melhor neste universo a que o filme nos remete.
                                                                     – Sérgio Fonta, ator

Supimpa ! Um sopro de bendita transgressão no universo audiovisual contemporâneo.
                                            – Carmem Araújo, filósofa

Uma excelente loucura, digna do Bressane… Você é demais, parabéns!
                                          – Miguel Jorge, escritor


Enfim, um filme que faz exatamente o que se propõe: instigar, confundir, mexer com o intelecto. E é gostoso de ver…
                                                      – Alice Gonzaga, pesquisadora

Resta Um é uma bela homenagem à Belair, mostra que ainda hoje a intuição pode vencer a forma e criar algo sensível e singelo.
                                                                          – Alex Moletta, dramaturgo

Tá muito legal o filme e é uma honra ter um trechinho do Áurea passeando lá dentro. Ver o filme deu vontade de estar lá.

                                                                          – Zeca Ferreira, cineasta


 Aurora constrói com habilidade e leveza um painel espontâneo sobre o fazer cinematográfico, renovando nosso espírito de querer encontrar o novo.  
                                                      – Jorge Ritchie, ator     

           
Um filme que reaviva a crença no cinema de invenção. 
                                                – Phylis Lilian Huber, jornalista

Inteligente, ousado, instigante, tão experimental como sua própria diretora.

                                                – Walter Webb, produtor e cineasta

Aurora, o filme é muito bommmmmmm ! Estou encantado… ele passa o tempo inteiro uma enorme vontade de fazer e isso é contagiante. E que atriz espetacular essa Ingra ! Parabéns !

                                                               – Gui Castor, cineasta

 

* O CARTAZ de RESTA UM é criação do amigo Chico Cavas Júnior…

Hoje, Noite é de CINEMA em Anápolis

praças bonitas, anapolis-go praças

Terceiro maior município em população do Estado de Goiás, ANÁPOLIS  é considerado o município mais competitivo, rico e desenvolvido do interior do Centro-Oeste Brasileiro. Fica a 48 km da bela capital goiana e a 139 km de Brasília. Junto com essas cidades, faz do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília, a região mais desenvolvida do Centro-Oeste.

Pois é lá, neste bem aquilatado município, que o Cinema será recebido em bela festa esta noite, quando acontee o lançamento do I Festival de Cinema de Anápolis, idealizado e coordenado pela cineasta e produtora cultural Débora Torres.

O Festival, que vem firmar Goiás como um dos estados que mais fomenta e incentiva o Cinema Brasileiro, terá mostra competitiva de longas-metragens denominada ADHEMAR GONZAGA, um dos pioneiros da atividade no país, e também vai homenagear a figura ímpar de cinéfilo e cineclubista do saudoso Beto Leão. Tudo isso na semana de realização do festival, que será de 12 a 18 de abril.

O jornalista, ator, roteirista, crítico, homem de Cinema/Teatro e Televisão, Rubens Ewald Filho é o curador da mostra de longas-metragens

período de inscrições para o festival será de 4 a 6 de abril pelo site: www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema. Na inscrição, os interessados deverão, obrigatoriamente, apresentar a ficha devidamente preenchida com sinopse, ficha técnica e artística, fotos do filme e cópia em DVD.

 

 

 

 
Vista do bairro Jundiaí, um dos mais  movimentados devido ao seu planejamento e  infra-estrutura.
 
Praça Americano do Brasil, onde se vê um caça Mirage F-103, aposentado da Base Aérea de Anápolis e exposto desde 2004.
 
Ingra Liberato é uma das Homenageadas do Festival de Anápolis, onde deve distribuir autógrafos e a natural simpatia

Escritor e poeta Miguel Jorge, curador da Mostra de Curtas-Metragens

Débora Torres, Sirmar Antunes, Aurora Miranda Leão e Maurício Cruz em Gramado 

Especialmente, na noite de hoje, Débora Torres e sua valorosa equipe, recepcionam imprensa, cinéfilos, cineclubistas, artistas e convidados na noite festiva de lançamento do Festival de Anápolis, sem dúvida, mais um que entrará para o calendário dos grandes festivais de cinema do país.
 
 
Alice Gonzaga recebe homenagem pela CINÉDIA

 

… fundada por seu pai, o jornalista Adhemar Gonzaga
 
 

 
O Aurora de Cinema estará em Anápolis pra conferir o festival e postar notícias quentinhas pra você, leitor amigo, que nos fortalece com sua leitura e visita. Até logo mais !

Cinema Vai Ganhar Vida em ANÁPOLIS

Idealizado pela produtora executiva Débora Tôrres e realizado pela Secretaria Municipal de Cultura/Prefeitura Municipal de Anápolis em parceria com ACAA – Associação Cultural e Artistica de Anápolis e Cineclube Xíca da Silva e com o Pontão de Cultura Tenda Jovem, o I ANÁPOLIS FESTIVAL de CINEMA vai acontecer de 12 a 18 de abril.  

As exibições terão como cenário o Teatro Municipal de Anápolis com apresentações itinerantes em praças da Cidade de Anápolis.

O lançamento oficial acontece na próxima terça, 22 de março, às 20h, com solenidade festiva no saguão do Teatro Municipal e uma oportuna homenagem a destacadas personalidades do Cinema Brasileiro, as quais irão receber o Troféu “Anápolis Homenagem”(criação do artista plástico anapolino, NAPEFI). São elas:

ALICE GONZAGA– CINÉDIA,82 anos da companhia criada por ADHEMAR GONZAGA

TIZUKA YAMAZAKI– Cineasta, peloconjunto de obras

INGRA LIBERATO – Atriz, pelo conjunto de obras

LUIZ CARLOS VASCONCELLOS – Ator, pelo conjunto de obras

KLEBER ADORNO – Secretário Municipal da Cultura de Goiânia-Gestor do FestCine Goiânia, pelo incentivo e fomento ao cinema brasileiro e goiano.

Logo no início da manhã de terça, às 9 horas, Débora Torres e sua equipe estarão recebendo a imprensa goiana para coletiva.

A bela INGRA LIBERATO vai receber homenagem em ANÁPOLIS… Viva !!!

 

O 1º Anápolis Festival de Cinema pretende desempenhar um papel importantíssimo na difusão à produção cinematográfica, pois será um dos melhores palcos de exibição, debates e diálogos da platéia com o filme brasileiro. Serão realizadas mostras competitivas de filmes nacionais convidados de longas-metragem de ficção e Curtas metragens anapolinos. Paralelo à competição, haverá uma programação diversificada e extensa com encontros de cineclubes; debates; oficinas; seminários e foros de discussões, tendo como pauta as principais questões enfrentadas pelo Cinema Brasileiro, tais como políticas de apoio, incentivos, distribuição e estética.

O objetivo é fomentar a produção audiovisual na cidade, através da atividade cinematográfica, atraindo público, imprensa e diretores nacionais que escolherem o 1º Anápolis Festival de Cinema para exibirem suas produções.

O Festival É direcionado a toda a comunidade Anapolina e a moradores da região de Anápolis,além de turistas, cinéfilos, universitários, estudantes, alunos da rede municipal de ensino e profissionais que atuam na área cinematográfica, atores, diretores, cineastas, cineclubistas, publicitários, designers gráficos, jornalistas, e demais interessados.

Estima –se a participação de um público de 20.000 pessoas.

PROGRAMAÇÃO

1. FESTIVAL INFANTO JUVENIL

(exibição de filme durante o dia para as crianças da Rede Municipal de Ensino durante todo o festival)

2. ENCONTRO DE CINECLUBES DO CENTRO OESTE

3. OFICINAS DE ROTEIRO/PRODUÇÃO/ DIREÇÃO COM O PRODUTOR WALTER WEBB DURANTE O FESTIVAL

4. LANÇAMENTO DE LIVROS DE CUNHO CINEMATOGRÁFICO.

5. DEBATE COM OS DIRETORES, PRODUTORES E ELENCO DOS FILMES DAS MOSTRAS COMPETITIVAS.

6. REPRISE DOS FILMES EM PRAÇA PÚBLICA A SER DEFINIDA PELA SECRETARIA

A Mostra  competitiva de Longas-Metragens tem o significativo nome de ADHEMAR GONZAGA, grande figura da cultura nacional, um pioneiro do Cinema Brasileiro, e o prêmio principal leva o oportuno nome do cinéfilo Beto Leão, numa justa homenagem ao saudoso e incansábel cineclubista goiano, que nos legou, entre outras coisas, uma importante pesquisa sobre os 100 anos do cinema goiano. Já a Mostra de longas convidados tem Rubens Ewald Filho como curador.

Aguardem novos posts sobre o Festival, que promete vir a ser um dos maiores e mais importantes do país, realizado fora de uma capital.

Só mesmo Débora Torres pra levar adiante semelhança façanha.

SARAVÁ, DÉBORA ! E toda sorte na nova empreitada.

O Cinema Brasileiro agradece !

Grandes Atrizes numa Peça de Mulheres, Pra Mulheres…

Fui ao teatro assistir ao espetáculo Amores, Perdas e Meus Vestidos

Noite de quinta, que começou com insólito banho, na gelada embora gostosa, água do mar  do Leblon…

De lá, uma ida ao Teatro para ver mais um texto bem elaborado pela sempre instigante e eloquente ADRIANA FALCÃO.

Amores, Perdas e Meus Vestidos, sala FERNANDA MONTENEGRO do Teatro Leblon. Casa cheia, estréia da querida INGRA LIBERATO no espetáculo dirigido com leveza, competência e bom gosto por Alexandre Reinecke.

Trata-se de interessante comédia, a qual ganhou montagens de sucesso em países como EUA e Argentina, e no Rio segue a mesma trilha. A versão brasileira do fenômeno de bilheteria off-Broadway Love, Loss and What I Wore (adaptado pelas irmãs Ephron do best-seller homônimo de Ilene Becker-man), é um matelassê de lembranças femininas (engraçadas, tristes, felizes, alegres, sensíveis, críticas, questionadoras). Essas são fruto da vivência pessoal da autora, a qual, após abrir seu closet, inspira-se nas peças mais marcantes e começa a discorrer sobre fatos e observações trazidos por cada um desses modelos.

Em cena, Ivone Hoffmann, Arlete Salles, Thaís Araújo e Ingra Liberato abordam com invejável espontaneidade temas caros ao universo feminino, como dilemas sobre qual sapato usar e “angústias” no momento de escolher o vestido certo para impressionar numa festa.

Casa lotada, aplausos em cena aberta, uma estréia impressionante de INGRA LIBERATO: com apenas três dias de ensaio, a atriz assume o elenco com envergadura de veterana, um luxo para poucas !

INGRA revelou-se atriz capaz de qualquer desafio. Pois não é nada fácil pegar “um espetáculo já andando”, caminhando em trilhos bem pavimentados, e mostrar-se em nível semelhante de interpretação.

O espetáculo é vigoroso, contemporâneo, sem nenhum papel principal, com todas as atrizes tendo chance de igualmente destacar-se. O que todas fazem com maestria, inoculando na platéia uma vontade natural de gargalhar e aplaudir. Coisa rara e benfazeja.

Direção, iluminação e trilha sonora compõem uma unidade cênica que facilita o desenrolar das histórias pessoais de cada personagem e sublinham a interpretação vigorosa e sensível destas 4 respeitáveis atrizes de nossa enorme constelação de grandes intérpretes.

Caso você esteja no RIO, curtindo este adorável verão carioca – como esta redatora -, não deixe de conferir AMORES, PERDAS & MEUS VESTIDOS !

Sala Fernanda Montenegro do TEATRO LEBLON. Excelente pedida, um refresco na alma, cada vez mais importante nos dias desta modernidade líquida tão bem enunciada por Zygmunt Bauman… SARAVÁ !!!