Arquivo da tag: Ivonete Pinto e Marcus Mello apóiam publicação

ORSON será lançada amanhã: nova opção de Cinema na web

Será lançada amanhã, dia 21, a primeira edição da revista eletrônica ORSON, a qual poderá ser lida através do site oficial, com divulgação no dia do lançamento, e possibilidade de download no formato pdf de toda a edição.A publicação, com periodicidade semestral, é uma iniciativa dos cursos de Cinema e Audiovisual, e Cinema de Animação da Universidade Federal de Pelotas – UFPel, e objetiva criar um espaço de divulgação e reflexão em torno do audiovisual, reunindo convidados, em sua maioria docentes e discentes, tanto ligados à UFPel quanto a outras universidades, através de artigos inéditos.

 
 
Com isso, a ORSONimprime um conceito de diversidade de pensamento, que se estende à valorização de toda e qualquer obra audiovisual, produzida em qualquer dispositivo, para ser veiculada em qualquer meio.Pelo sumário da edição, é possível vislumbrar essa diversidade: de Orson Welles a Lisandro Alonso, de Stanley Kubrick a Gustavo Spolidoro, do cinema silencioso à animação gaúcha e à videoarte. E como entendemos a literatura  como fonte sempre maior e mais sagrada de informação e reflexão, apresentamos também uma seção de resenha de livros abordando o audiovisual, tratando desde a encenação, passando pelo som e até chegar à crítica de cinema.

Por fim, por que o nome ORSON ? Se para muitos são dispensáveis as explicações, para outros, como os alunos de cinema recém-começando a vida acadêmica, vale lembrar: Orson Welles é o pai do cinema moderno, nas palavras de um dos grandes especialistas na sua obra, Youssef Ishaghpour.
 
Quando Orson Welles morreu, em 10 de outubro de 1985, no dia seguinte a capa do jornal francês Libération estampava a manchete: “LE GEANT” e logo abaixo, o jornal trazia: Orson Welles a été retrouvé mort hier dans sa residende d’Hollywood.Enfant prodige avant de devenir artiste prodige, mystificateur radiophonique, acteur shakespearien, promoteur de projets jamais réalisés et de films qui restent parmi les plus grands.Texto simples que dispensa tradução, o Libération disse nas entrelinhas: Orson Welles foi gigante porque entendeu o cinema em suas múltiplas linguagens ao realizar o insuperável Cidadão Kane.

 
Gigante porque só tinha 25 anos quando realizou esta obra; gigante porque o seu primeiro filme é tido como o melhor de todos os tempos, gigante porque expôs como ninguém a relação entre o poder e a lei em A Marca da Maldade; gigante porque concebeu F For Fake, um documentário que de tão falso esgota a discussão em torno do que pode ser considerado fato e ficção em um filme. Gigante porque continua a produzir o brilho nos olhos de todos aqueles que amam o cinema, sejam da academia, ou longe dela.O que: Lançamento da revista ORSON
Onde: Centro de Artes da UFPel (Alberto Rosa, 62 – Pelotas)
Quando: 21 de setembro, quarta, das 17h às 19h

Orson nas redes sociais:
facebook.com/revistaorson
twitter.com/revistaorson

 
* Não custa lembrar: o professor e crítico de Cinema, LG de Miranda Leão, de quem tenho a imensa honra e alegria de ser filha, é um dos únicos cearenses vivos que conheceu ORSON WELLES quando o grande Mestre esteve em Fortaleza filmando It’s All True…
 
No livro de LG, comentários extensos sobre a obra de WELLES, um de seus cineastas preferidos…
 
LG é autor dos livros ANALISANDO CINEMA (Imprensa Oficial de São Paulo) e ENSAIOS DE CINEMA (edição Cultura da Gente/Banco do Nordeste do Brasil).
 
LG também é o foco do documentário LG – CIDADÃO DE CINEMA, do cineasta capixaba GUI CASTOR, e dá um dos mais ricos depoimentos do f ilme CIDADÃO JACARÉ, dos cearenses Petrus Cariry e Firmino Holanda.
 
LG e a cineasta francesa Agnès Varda quando da passagem desta por Fortaleza, em 2010… O CINEMA sempre em pauta.