Arquivo da tag: jean luc godard

Bortolotto e Juliano Cazarré no filme ‘Augustas’, que estreia em São Paulo

FILME do jornalista FRANCISCO CESAR FILHO é baseado em livro de Alex Antunes

A Estratégia de Lilith é o livro cult do jornalista Alex Antunes,  no qual Chiquinho César Filho se baseou para realizar AUGUSTAS. O filme marca a estreia deste premiado Francisco César Filho na direção de longas e será exibido pela primeira vez em São Paulo no próximo sábado, às 21h, no Memorial da América Latina

O filme narra momentos da vida de um jornalista morador da Rua Augusta, que demitido de seu emprego e de seu relacionamento com a chefe e amante, se embrenha em inusitados universos urbanos: o da prostituição e o dos rituais neo-xamânicos de transe. Em busca das respostas para suas angústias, ele desperta uma voz feminina que passa a aconselhá-lo. E, de quebra, desestrutura completamente seu modo masculino e oportunista de ver o mundo, levando-o a procurar outro tipo de compromisso, mágico e espiritual.
 
Retratando personagens que transitam, vivem e/ou trabalham na Rua Augusta, o longa é rodado majoritariamente naquela via paulistana.  Na trilha sonora, clássicos do underground paulistano dos anos 1980/1990,de autoria de Akira S e As Garotas Que Erraram, Fellini, Mercenárias, Patife Band e Shiva Las Vegas.

Mário Bortolotto, grande ator e dramaturgo paulista, protagoniza Augustas


Alex, o protagonista de AUGUSTAS, é interpretado pelo dramaturgo e ator Mário Bortolotto, vencedor do prêmio APCA pelo conjunto da obra e do Prêmio Shell de melhor autor pelo texto “Nossa Vida Não Vale um Chevrolet”.
 
O elenco é composto por nomes da nova geração do teatro e do cinema, como Caroline Abras (considerada a “Chlôe Sevigny brasileira”, duplamente premiada como melhor atriz no Festival de Gramado, pelos curtas “Perto de Qualquer Lugar” e “Alguma Coisa Assim”), Georgina Castro (do longa “O Céu de Suely” e da peça “Porão”), Guta Ruiz (da série televisiva “Alice” e dos longas “Bruna Surfistinha”, “Fim da Linha” e “Nossa Vida Não Cabe Num Opala”) e Maíra Chasseraux (do filme “Onde Andará Dulce Veiga”).

 
O premiado Milhem Cortaz (dos filmes “Tropa de Elite” e “Carandiru”) e a veterana Selma Egrei (musa dos filmes de Walter Hugo Khouri) são atores especialmente convidados, e o elenco conta ainda com Henrique Schafer (indicado ao Prêmio Shell de melhor ator em 2005 por seu papel na peça “O Porco”), Juliano Cazarré (da novela “Avenida Brasil” e dos filmes”Meu Mundo em Perigo”, “Febre do Rato” e “A Festa da Menina Morta”), Ziza Brisola (criadora da Cia. Linhas Aéreas) e Phedra de Córdoba, um famoso travesti cubano, naturalizado brasileiro, que atua no teatro paulistano.

O diretor Francisco César Filho é jornalista e autor de diversos curtas-metragens documentais com premiações internacionais e exibidos em prestigiados festivais, como Roterdã, Locarno e Nova York.
 
Augustas tem direção de fotografia de Aloysio Raulino (do filmes “O Prisioneiro da Grade de Ferro”, “Serras da Desordem” e “FilmeFobia”), direção de arte de Rafael Ronconi (dos longas “Antônia” e “Cidade dos Homens”) e produção executiva de Eliane Bandeira (de “A Concepção” e “Meu Mundo em Perigo”).
 
O filme é realizado pela Anhangabaú Produções, empresa responsável por “Meu Mundo em Perigo” (de José Eduardo Belmonte), vencedor de três prêmios no último Festival de Brasília, pelos curtas “Carmem e Leão” e “O Sonho de Tilden” (este selecionado para o É Tudo Verdade 2008) e pelos longas em finalização “Se Nada Mais Der Certo” (também de Belmonte) e “Dom Quixote do Araguaia”, de Erika Bauer. A produtora roda, no segundo semestre, o aguardado Tropicália, longa de Ana Oliveira e Francisco César Filho. 

A Estratégia de Lilith

Recebido pela crítica como sendo “puro transe autobiográfico”, o livro A Estratégia de Lilith (Conrad Editora, 2001) transita entre a reportagem e a ficção pop, descortinando universos urbanos do sexo, do transe e da magia. Entre as influências da obra estão Raymond Chandler, Plínio Marcos e Carlos Castañeda.

 
Crivado de pequenas referências pop, musicais, cinematográficas, literárias e religiosas (Serge Gainsbourg, Jean-Luc Godard, Philip K. Dick, J.D. Salinger, Aleister Crowley), que de alguma maneira agregam fragmentos a um sentido maior e inesperado, A Estratégia de Lilith é o primeiro livro de Alex Antunes, que dirigiu a revista Bizz, criou a revista Set e escreveu para os cadernos de cultura da Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo, Jornal da Tarde e Veja, entre outras publicações. Antunes tabém é músico (Akira S & As Garotas Que Erraram e Shiva LasVegas, entre vários projetos), compositor (de “Atropelamento & Fuga”, gravada por Skowa & A Máfia) e produtor de mais de uma dezena de álbuns, como a coletânea “Não São Paulo”, documento do pós-punk paulistano, e os tributos a Arnaldo Baptista (“Saguinho Novo”) e a Luiz Gonzaga (“Baião de Viramundo”).  

O diretor Francisco César Filho 

Francisco César Filho é cineasta, curador, diretor de televisão, coordenador de workshops, dj e assessor de comunicação. Estudou Cinema e Filosofia na Universidade de São Paulo e recebeu, em 1993, Bolsa Intercultural para Cinema e Vídeo das fundações norte-americanas Rockefeller e MacArthur.

 Chiquinho, como é chamado pelos muitos amigos, lança o primeiro longa…


É diretor, roteirista e produtor de um dos principais títulos da chamada Primavera do Curta-Metragem Brasileiro: Rota ABC (1991), documentário sobre a juventude da periferia industrial de São Paulo. Melhor curta no Festival de Brasília e vencedor de prêmio especial do júri no Festival de Oberhausen (Alemanha), o filme foi selecionado para os festivais de Locarno, Roterdã e Nova York – as três mais prestigiosas vitrines internacionais do cinema autoral. Integrou ainda a retrospectiva Cinema Novo and Beyond,  organizada no MoMA de Nova York em 1999.
 
A filmografia de Francisco César Filho inclui ainda o documentário digital “VinteDez” (2001), co-dirigido com Tata Amaral, e os curtas-metragens “Poema: Cidade” (1986, melhor filme no Guarnicê de Cine-Vídeo), “Queremos as Ondas do Ar!” (1986, melhor curta na Jornada da Bahia, grande prêmio do júri no Festival de Oberhausen), “Hip-Hop SP” (1990, melhor filme para a juventude no Festival de Brasília), “Zona Leste Alerta” (1992, melhor documentário no Festival de Santiago), “A Era JK” (1993, da série Panorama Histórico Brasileiro, prêmio da crítica no Festival de Brasília) e “Mooca, São Paulo”, 1996 (seqüência inicial do longa Um Céu de Estrelas, de Tata Amaral). Em 1993, o Festival de Cingapura organizou uma retrospectiva completa de sua obra. Augustas é seu primeiro longa-metragem. 

Serviço:

Exibição do filme AUGUSTAS, de Francisco César Filho

Quando: 14/julho, sábado, 21h

Local:  Memorial da América Latina

Entrada Franca

** 7o Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo

Os Selecionados do BIFF, que acontece em julho

Durante dez dias, Brasília vai receber alguns dos mais comentados filmes do circuito cinematográfico internacional. O BIFF – Brasilia International Film Festival realiza sua primeira edição, entre 13 e 22 de julho, oferecendo Mostra Competitiva com 12 títulos e importantes mostras paralelas.

Anna Karina vai estar presente e ganha mostra especial…

A cidade irá acolher diretores de países como Macedônia, Albânia, Chile, EUA, Emirados Árabes e Inglaterra, e ainda contar com a presença da atriz e cantora Anna Karina, a mais emblemática do cinema francês da década de 1960, protagonista de diversos filmes da Nouvelle Vague, que fará o show de abertura na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional.

O I BIFF irá acontecer no Teatro Nacional Cláudio Santoro – Salas Villa-Lobos e Alberto Nepomuceno – e nas quatro salas do circuito do Cine Cultura Liberty Mall. Terá Mostra Competitiva, com prêmios de US$ 10 mil por categoria, a Retrospectiva Anna Karina (com a exibição de seis títulos protagonizados pela musa de diretores como Jean-Luc Godard) e mostras como Cara Latina, Panorama África, Independente Americano e Panorama Europa, que exibirão produções inéditas no circuito comercial brasileiro.

Cara Latina será especialmente dedicada à produção de mulheres, dando relevo à presença feminina na política dos países da América Latina. Panorama África  objetiva aumentar o contato com a produção audiovisual do continente africano. Panorama Europa oferece oportunidade de entrada do novo cinema europeu no mercado cinematográfico brasileiro. E Independente Americano pretende dar visibilidade a realizadores que têm renovado a linguagem, com uma grande diversidade de expressão audiovisual.

As mostras serão acompanhadas de debates importantes, como o que trará a Brasília o norte-americano Andrew Houchens, coordenador de projetos especiais da IFP – Independent Filmmaker Project, notável fundação de apoio à realização de filmes independentes nos Estados Unidos. A programação ainda terá palestras e encontros com realizadores. 

FILMES DA MOSTRA COMPETITIVA

UNA NOCHE – USA/CUBA/INGLATERRA, 2012, 90 min
Direção: Lucy Mulloy
Com: Dariel Arrechaga, Anailín de la Rúa de la Torre, Javier Núñez Florián
PREMIADO NO FESTIVAL DE BERLIM EM 2012 E PRÊMIOS DE MELHOR DIREÇÃO, ATOR E CINEMATOGRAFIA NO TRIBECA FILM FESTIVAL.

A MULHER QUE ESCOVOU SUAS LÁGRIMAS – The Woman who brushed off her tears – MACEDONIA/BELGICA/ALEMANHA/ESLOVÊNIA, 2012, 103 min
Direção: Teona Miteveska
Com: Victoria Abril, Labina Mitevska, Jean Marie Galey

HABIBI – EMIRADOS ÁRABES/PALESTINA/HOLANDA/USA, 2011, 78 min
Direção : Susan Youssef
Com: Kais Nashif, Sami Said, Yosef Abu Wardeh, Najwa Mubarki, Maisa Abd Elhadi, Firas Nour
Primeira ficção filmada em Gaza em 15 anos. Uma história de amor proibido. .
PRÊMIO DE MELHOR FILME, MELHOR ATRIZ E MELHOR EDIÇÃO NO FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE DUBAI E O CÂMERA NOVO, DO FESTIVAL CINEMA NOVO DE BRUGGE.

THE LONELIEST PLANET – USA/ALEMANHA, 2011, 113 min
Direção: Julia Loktev
Com: Gael Garcia Bernal, Hani Furstenberg, Bidzina Gujabidze
GRANDE PRÊMIO DO JURI DO AFI FEST, DE LOS ANGELES, GOLDEN TULIP DO FESTIVAL DE ISTAMBUL E O GOLDEN LADY DO LAS PALMAS DE GRAN CANARIA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL.

BEL AMI – O SEDUTOR – BEL AMI – FRANÇA/CALIFORNIA, 2012, 102 min
Direção: Declan Donnelan e Nick Ormerod
Com Robert Pattinson, Uma Thurman, Kristin Scott Thomas, Christina Ricci
Bel Ami é um filme de 2012, estrelado por Robert Pattinson e Uma Thurman, com roteiro baseado em livro homônimo, escrito por Guy de Maupassant em 1885. 

ANISTIA – Amnesty – ALBÂNIA/GRÉCIA, 2011, 83 min
Direção: Bujar Alimani
PRÊMIO NO BERLINALE FORUM 2011 E PRÊMIO ESPECIAL DO JURI – FIPRESCI AWARD.

AUSÊNCIA – Without – USA, 2012, 87 min
Direção: Mark Jackson
Com: Joslyn Jensen, Ron Carrier
Numa remota e arborizada ilha do Pacífico, uma jovem mulher tornar-se cuidadora de um homem em estado vegetativo. 
VENCEDOR DO FILM INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2012, PRÊMIO DE MELHOR DIRETOR NO FESTIVAL THESSALONIKI E MELHOR ATRIZ EM MAR DEL PLATA.

REPORTED MISSING – ALEMANHA, 2012, 86 min
Direção: Jan Speckenbach
Com: André M. Hennicke, Luzie Ahrens, Sylvana Krappatsch, Jenny Schily
Martha, uma adolescente de 14 anos, desaparece de um dia para o outro. GRANDE PRÊMIO NEW TALENT COPENHAGEN INTERNATIONAL FILM FESTIVAL.

AVALON – SUÉCIA, 2012, 76 min
Direção: Axel Petersén
Com: Johannes Brost, Peter Carlberg, Léonore Ekstrand
Os anos 80 não acabaram para Janne. VENCEDOR DO FIPRESCI PRIZE FOR BEST FIRST FEATURE IN TORONTO. 

O ANO DO TIGRE – CHILE, 2011, 82 min
Direção: Sebástian Lelio
Com: Luis Dubó, Sergio Hernández
O devastador terremoto do Chile, de 27 de fevereiro de 2011, inadvertidamente converte Manuel de prisioneiro em fugitivo. PRÊMIO DO JURI DO FESTIVAL DE LOCARNO 2011

HOJE – Tey – FRANÇA/SENEGAL, 2012, 86 min
Direção: Alain Gomis
Com: Saül Williams, Aïsa Maïga, Djolof M’bengue, Anisia Uzeyman
Hoje é o último dia de sua vida. Ele sabe que isso é verdade mesmo que ele seja forte e saudável.

KAWBOY – HOLANDA, 2012, 81 min
Direção: Boudewijn Koole
Com: Rick Lens, Loek Peters, Susan Radder, Ricky Koole
MELHOR FILME DA MOSTRA GENERATION, DE BERLIM, 2012; PRIX DE LA VILLE DE SAINT-QUENTIN NO CINEJEUNE, APRIL 2012, E ‘UNICEF AWARD’ NO BAFICI, BUENOS AIRES INTERNATIONAL FILM FESTIVAL, APRIL 2012.

HOMENAGEM À ANNA KARINA 

A mostra Retrospectiva Anna Karina irá exibir seis títulos dentre os mais importantes da carreira da estrela. A dinamarquesa Hanne Karin Bayer virou Anna Karina por sugestão da célebre estilista francesa Coco Chanel. Na época, era recém-chegada de Copenhagen, de onde fugira ainda adolescente, pedindo carona na estrada, por conta de conflitos com os pais. Ao conhecer Coco, quando era modelo da revista “Elle”, ela lhe previu um grande futuro. O prognóstico estava certo, mas não foi como modelo que Anna Karina alcançaria a fama.

Além de se tornar a grande musa de Jean-Luc Godard, foi – apesar de Jeanne Moreau, Jean Seberg e Brigitte Bardot – a atriz mais luminosa e emblemática do cinema francês dos anos 60.

Foi vendo Anna Karina num comercial de sabonete que Godard se interessou por ela. Ficaram casados durante sete anos, fizeram sete longas-metragens e o único episódio realmente memorável de “A Mais Velha Profissão do Mundo”. Uma parceria fecunda que rendeu obras-primas como “Viver a Vida”, “Pierrot, le Fou” e “Alphaville”, além dos adoráveis “Uma Mulher é uma Mulher”, “O Pequeno Soldado”, “Band à Part” e “Made in USA”. Foi, sem dúvida, a melhor e mais inspirada fase da obra godardiana. Poucas dobradinhas atriz-diretor deram origem a tantos e grandes filmes.

Também foi a melhor fase da extensa filmografia de Anna Karina, que, por sinal, trabalhou com outros grandes diretores – como Luchino Visconti (“O Estrangeiro”), Jacques Rivette (“A Religiosa”), George Cukor (“Justine”), Valério Zurlini (“Mulheres no Front”), Rainer Werner Fassbinder (“Roleta Chinesa”). E, claro, Serge Gainsbourg, que a dirigiu no musical “Anna” e a elegeu como uma das intérpretes favoritas de suas lânguidas canções, ao lado da mulher Jane Birkin e Brigitte Bardot.

Antes de atuar e de ser modelo, Anna Karina já gostava de cantar. Seus dotes vocais foram bem aproveitados por Godard em “Uma Mulher é Uma Mulher”, uma homenagem aos musicais hollywoodianos, e no cultuado “Pierrot, le Fou”. Na pouco vista comédia musical “Anna”, em papel feito sob medida para a cantriz, interpretou repertório de Gainsbourg. A partir deste milênio, a música passou a ocupar espaço em sua vida profissional. Foi a partir do ano 2000 que lançou seus três únicos álbuns solo: “Une Histoire d´Amour”, “Chansons de Films” e “Vilain Petit Canard”.