Arquivo da tag: JÓIA RARA

Capítulo final: Pra ficar tudo JÓIA RARA…

Como cantou o poeta Caetano, “Deixa eu cantar/que é pro mundo ficar Odara/minha cara, minha cuca ficar Odara/ Pra ficar tudo Jóia Rara…”

Se quisermos fazer uma associação entre os versos do compositor baiano e a novela de Duca Rachid e Thelma Guedes, podemos afirmar que a sensação que o músico explicitou na letra, tem as mesmas vibrações do AMOR e da PAZ com os quais as autoras nos fizeram sonhar e querer (ainda mais) durante os meses nos quais JÓIA RARA esteve no ar com a pujança de sua beleza, a relevância dos temas abordados, e o encantamento proporcionado pela qualidade da direção e produção artística…

Jóia Rara foi alvo de diversos comentários nossos aqui no #Blog Aurora de Cinema. A novela escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes para o horário das 18h teve 173 capítulos e ficou 7 meses no ar com absoluta qualidade. Por isso, voltamos a ela tantas vezes, encantados com a excelência desse autêntico marco da Teledramaturgia Brasileira.

F e A

Mas ficou faltando registrar o capítulo final da trama, o que
não fizemos logo após o término de Jóia Rara por conta da
abrupta notícia da morte do querido ator e magistral artista
JOSÉ WILKER.

Wk 5

WILKER era um dos Artistas de nossa maior Admiração e foi
um susto enorme acordar no sábado, 5 de abril, e encontrar a
notícia de sua repentina partida na web. A notícia nos tomou
de assalto e, a partir daí, nosso sábado, domingo e segunda
foi revendo e relendo entrevistas do artista, pesquisando
sobre sua vida e obra, e postando em várias redes sociais o
nosso imenso pesar pelo fato e registrando a enorme
saudade que ele deixou, bem como a lacuna considerável que
JOSÉ WILKER deixou no cenário artístico.

Amelinha

Bianca, Bruno e Caio Blat: ótimos intérpretes em novela lapidar…

Passado o impacto maior e suas naturais consequências,
vamos então agora falar sobre os prodígios finais de JÓIA
RARA. Das autoras – grandiosas Duca e Thelma -, passando
pela diretora Amora Mautner e seus muitos colaboradores
(Paulo Silvestrini, Joana Jabace, Enrique Diaz), e toda a
espetacular equipe que tornou possível a preciosidade
imagética e textual, ao elenco fabuloso, JÓIA
RARA foi um acerto do começo ao fim, em todos os
aspectos. E pra se despedir de seu público, ainda trouxe
Glória Menezes como fecho de ouro para uma história que
afirmou, mostrou, conduziu, seduziu e reafirmou sua opção
primordial: O AMOR ! É ele a JÓIA RARA que todos nós
trazemos dentro e, portanto, cada um de nós é responsável
pela Paz que pode entregar ao outro para tornar o mundo um
lugar melhor para se viver.

Bruno Gagliasso e Nelson Xavier nos capítulos iniciais…

Norbu

Adriano Alves, que fez o Norbu, foi mais um bom ator-mirim em cena…

Quem acompanhou a novela, sabe: os últimos capítulos foram centrados na perseguição policial ao maléfico Manfred (vivido com absoluta maestria por este ator magnífico que é Carmo Dalla Vecchia), o suposto filho bastardo do empresário Ernest Hauser. Após cometer todo tipo de maldade e uma sucessão de malefícios contra a família de Franz (este sim o primogênito dos Hauser), Manfred desejava no final sequestrar Pérola, a filha de Franz e Amelinha, pois sabia que, desaparecendo com a menina, estaria fazendo o mal, indistintamente, a toda uma família, amorosa e unida, que tinha em Pérola seu sentido maior.

Cláudia Ohana construiu com delicadeza e sensibilidade um dos mais bonitos papéis de sua carreira. Na foto com o ator Xande Valois, seu filho na novela

Dja Marthins, José Araújo e Nathália Dill: atores de alto nível !

A baiana Cristiane Amorim encantou como a ‘trambiqueira’ Zefinha (ou Josephine, como ela preferia ser chamada) e marcou com uma atuação primorosa !

Anthero Montenegro fez o mau-caráter Benito e atuou com galhardia !

Sílvia Salgado era Pilar, amiga inescrupulosa que traiu a amizade de Sílvia (Nathália Dill)…

Cacau Protásio fez com esmero a bondosa e aperreada Lindinha

Jorge Maia fez Cícero, o fiel  motorista de Ernest Hauser…

Delegado Cavalcante e seu fiel escudeiro Peçanha: atuação dos atores (Vicentini Gomez e Marcelo Aquino) foi tão profícua que personagens ganharam relevância na trama…

Ana Lúcia Torre e Carmo Dalla Vecchia: duelo de gigantes !

Bruno Gagliasso e Mel Maia: pai e filha em sintonia que extrapolou a tela e criou forte empatia com o telespectador…

E assim o telespectador passou a semana final da novela acompanhando as artimanhas de Manfred para escapar do cerco policial – e ele sempre dava um jeito de escapar mais uma vez -, ao mesmo tempo em que curtia a chegada dos bebês das vedetes – foram 4 grávidas do Cabaret Pacheco Leão -, a aflição de Amelinha e Franz, a reconciliação do casal Hilda e Toni, e Arthur e Laura.

Joel, Aurora e Lola (Médici, Mariana e Letícia Spiller): vedetes em disputa…

E finalmente também ‘a volta’ dos casais formados por Aurora e Davi, e Lola e Fabrício. Tudo impecavelmente bem realizado com um notável casamento entre atuação, trilha, fotografia, caracterização, direção de arte.

Letícia Spiller compôs com desenvoltura e pleno domínio da cena a espevitada, carente, complicada e glamourosa vedete LOLA… APLAUSOS !!!

A cada um que contribuiu para que JÓIA RARA fosse o inegável e inconteste acerto que foi, o #BlogAuroradeCinema gostaria de ofertar um Aplauso muito carinhoso. A cada um que participou da brava equipe que realizou obra tão bela e apaixonante, nós gostaríamos de abraçar pessoalmente, celebrando a graça que foi acompanhar JR e, ao mesmo tempo, parabenizando pela excelência do produto artístico que ajudaram a construir, e cumprimentando pela oportunidade de terem (cada um em sua função) colocado sua pedra preciosa ali (umas maiores, outras menores, como é natural em qualquer obra) mas todos fundamentais para o êxito geral da novela.

Luíza Valdetaro, bela e boa atriz, compôs com enorme delicadeza uma personagem frágil e amorosa…

Assim, gostaríamos de citar aqui o nome de cada um dos muitos que integraram o elenco e a equipe técnica. Aos que, por ventura, nós não citarmos, ficam nossas desculpas – nem sempre é fácil ser fiel a todos e nem mesmo a web está sempre apta a nos fornecer todas as informações.

No lançamento da novela JÓIA RARA, Ricardo Waddington e Amora Mautner (diretores principais), Thlema Guedes e Duca Rachid, as autoras…

As autoras, conforme já fizemos aqui repetidas vezes, nossos mais calorosos APLAUSOS ! Parabénssss por obra tão apaixonante: o enfoque escolhido para história tão singela como a de uma garota com um dom especial – filha de um casal que era a própria simbologia do Amor (com seus obstáculos, dificuldades, romantismo, e muitas idas e vindas), incorporando a reencarnação de um ‘Rinpoche’ e através de quem todas as grandes questões eram colocadas – foi de uma perspicácia e sensibilidade invejáveis. Tudo muito singelo e aparentemente despretensioso só para construir um verdadeiro libelo em defesa do Amor e a Favor da PAZ. Daí a potência dramatúrgica da obra, obviamente envolta num diversificado leque de invejáveis méritos, os quais tornaram JÓIA RARA um marco de fundamental importância, não só para o horário das 18h, mas para a história da Teledramaturgia Brasileira em sua totalidade.

Mel Maia: atuação impecável da atriz-mirim mais querida da televisão ! Impossível não se apaixonar por esta ‘Pérola’ !

Marcos Caruso e Rosi Campos: talentos que se reafirmam a cada novos personagens…

Quanto ao Elenco, vamos por partes:

Bruno Gagliasso, Carmo Dalla Vechia, Bianca Bin, Mel Maia, José de Abreu, Thiago Lacerda, Domingos Montagner, Carolina Dieckmann, Ana Lúcia Torre, Nathália Dill, Caio Blat, Ângelo Antônio, Fabio Yoshihara, Letícia Spiller e Mariana Ximenes estavam na linha de frente. E ainda Nélson Xavier em participação especial nos primeiros capítulos.

BRUNO GAGLIASSO – Ator de rara beleza, é também um profissional que merece o maior respeito pois sempre dedica aos personagens que recebe o mesmo cuidado e a mesma vontade de fazer mais e melhor. Gostei dele desde que o vi atuando, e foi em Paraíso Tropical, de Gilberto Braga, que seu talento se consagrou de vez. Infelizmente, perdi ‘Cordel Encantado’, a trama anterior de Duca e Thelma, mas soube que ali ele fez um personagem que terminava louco, e tenho notícias de que deu ‘um banho’. Como Franz, Gagliasso compôs com gestos, olhares, tristeza, risos e pungentes expressões faciais um personagem delicado, sofrido, terno, inseguro, e foi um protagonista pleno de méritos. Mais um DEZ na carreira de um Ator que tem tudo pra fazer mais e mais personagens de destaque.

O mesmo é válido para José de Abreu e Carmo Dalla Vecchia. Esses dois incorporavam o que de pior pode ter um ser humano, e os dois o fizeram com extremo brilhantismo. José de Abreu fez Ernest, que era um pai/patrão/empresário e marido péssimo, na mais funda acepção da palavra. Era vê-lo na tela e sentir imediatamente uma funda repulsa. Nojo demais de alguém tão mau… mas a trama lhe deu chance de mostrar outras facetas como ator, enquanto deu chance ao personagem de mudar e evoluir sentimentalmente pelo sofrimento e pela força do amor e do exemplo da neta, a Pérola, garota querida por todos, e a quem ele chamava carinhosamente de Alpenperle (Pérola dos Alpes), por ser a reencarnação vinda dos Himalaias. Uma chance bem dada e magistralemente assumida pelo ator: José de Abreu conseguiu igualmente convencer como personagem que era transformado pela força do Amor. Um DEZ com muita ênfase para José de Abreu.

Com Carmo Dalla Vecchia foi um pouco diferente: o personagem desde o começo se mostrou uma pessoa ruim, mas Manfred ainda tentava enganar uns e outros. O próprio Franz (Gagliasso) ficou muito tempo achando que ele era seu melhor amigo. Com o passar do tempo, a maldade vai tomando conta de Manfred e o ator vai lapidando sua interpretação qual um diamante prestes a brilhar com força total: e foi assim que o personagem foi ficando cada vez pior, deixando aflorar maldades e passando a ser um grande artífice do mal. Cada coisa que Manfred armava era pior e mais prejudicial, e mesmo assim, ele conseguiu enganar muita gente por muito tempo, chegando até a levar para a cadeia pessoas inocentes, como Amelinha (vivida com maestria por Bianca Bin). No final, Manfred enlouquece com tanta maldade, e ficamos sabendo o porquê de tanta carência: ele havia sido uma das crianças que o malvado Ernest enviara para trabalho escravo numa carvoaria, além de ter sido criado, sempre, sem nenhum tipo de atitude amorosa por parte de quem ele julgava seu pai (na verdade, o pai dele era outro, o pusilânime Venceslau, vivido por Reginaldo Faria).

BIANCA BIN compôs em grande nível todas as nuances que sua personagem pedia. Fazendo a pobre, sofrida, injustiçada e amorosa Amelinha (dedicada mãe de Pérola), a atriz reafirmou sua extrema competência. Ela, que em seu personagem anterior, a vilã Carolina do remake de Guerra dos Sexos, fez meio mundo ficar com nojo de suas maldades, voltou à cena com uma personagem totalmente oposta, e fez bonito, compondo com sensibilidade e muita delicadeza uma personagem fundamental na trama de Jóia Rara – não fora uma atriz do quilate que ela agora reafirmou, e a Amelinha corria o risco de ter ficado muito água com açúcar e até chata, como tantas vezes acontece com as ‘boazinhas e sofridas’. Bianca Bin é Atriz para alçar grandes voos. Um DEZ muito carinhoso pra ela !

* Estes encabeçaram e foram intérpretes perfeitos para seus personagens, todos atuando com intensa maestria e um brilho no olhar que resvalava suavemente em cada cena, compondo um notável painel de pessoas trabalhando num ofício que de fato amam e para o qual são vocacionados.

Cristiane Amorim e Mel Maia: Zefinha e Pérola em ‘armação’ planejada por Manfred para tentar tirar a guarda de Pérola de Amelinha…

Bruno Gagliasso, Marcelo Aquino e Vicentini Gomez em Jóia Rara

Dja e José

José Araújo e Dja Marthins: participação com brilhantismo dos atores fez com que as autoras trouxessem os personagens de volta no capítulo final… LINDO !

Gostaria ainda de falar da habilidade com que cada ator compôs seu personagem, mas o tempo e o cansaço me impedem de fazê-lo. De qualquer modo, já o fizemos nas tantas outras vezes em que JÓIA RARA foi alvo de nossas análises aqui no #BlogAuroradeCinema.

Caio Blat, Ana Lúcia Torre, Carolina Dieckmann, Domingos Montagner, Thiago Lacerda, Ângelo Antônio, Nathália Dill, Letícia Spiller, Mariana Ximenes, Marcos Caruso, Rosi Campos, Nicette Bruno, Luíza Valdetaro, Thiago Abravanel – vocês iluminaram nossa telinha com a luminosidade de seus talentos.

Cristiane Amorim (e sua inesquecível Zefinha), Anthero Montenegro, Vicentini Gomez (presença forte e constante como o Delegado), Dja Marthins, José Araújo, Marcelo Aquino, Jorge Maia, Cacau Protásio, Douglas Reis, Silvia Salgado (conterrânea), Cláudia Ohana, Miguel Rômulo, Icaro Silva, Rafael Cardoso, Ricardo Pereira, Adriano Alves, João Fernandes: vocês contribuíram lindamente para o êxito absoluto da novela. E provaram, mais uma vez, que não existem pequenos personagens: existem atores vaidosos demais, intérpretes displicentes, e profissionais que pouco amam e pouco se dedicam ao ofício. Parabéns por todas as cenas nas quais atuaram. Fizeram bonito e também merecem o Aplauso #BlogAuroradeCinema.

Franz e Ame

Amelinha e Franz tiveram direito a um segundo casamento…

Cacau

Cacau Protásio e Glicério do Rosário: Lindinha e Etelvino enfim casados

Silvia

 

Marcos Caruso, Simone Gutierrez e Fabíula Nascimento: a turma do Cabaret…

Nicette Bruno contracena com Marcos Caruso: a atriz voltou a gravar após a morte do marido Paulo Goulart, e ‘Santinha’ retornou à cena em grande estilo…

E nas participações rápidas e muito especiais, citamos Élcio Romar, Roberto Pirillo, Jayme Del Cueto, Juliana Araújo, Ísio Ghelman, Mouhamed Harfouch, e Glória Menezes – os dois últimos apenas no capítulo final -, que fez com brilhantismo a personagem de Pérola como Monja, já em 2014. E participou proferindo um discurso num Congresso para o qual Pérola havia sido convidada para falar sobre a PAZ. E a cena foi o ácme de todas as belas e relevantes mensagens passadas ao longo de toda a trama. Foi um coroamento absoluto, não só do texto das autoras, bem como de toda a pesquisa histórica, direção e fotografia, traduzindo em imagens o que a personagem dizia em palavras e emoção: não faltaram imagens de ditadores como Hitler nem de ícones como Gandhi e Dalai Lama.

Foto: A família é o bem mais precioso! #JoiaRara http://glo.bo/1m0klAh

Quem perdeu o capítulo final de JÓIA RARA perdeu muito mais do que um capítulo de novela: perdeu um belo momento de enlevo emocional atráves da Teledramaturgia, e um dos mais belos finais de novela de todos quanto se tem notícia.

Foto: E não é que essas duas viraram amigas? \o/ #JoiaRara http://glo.bo/1k8RnAb

Foto: • Fim: casais felizes, gravidez e mais! Confira os desfechos da família Hauser.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>Depois de muitas vilanias e mistérios envolvendo a família Hauser, finalmente tudo se resolveu. Cada um, a sua maneira, buscou sua felicidade. Após aprender a amar com sua neta, Ernest (José de Abreu) falece em uma tentativa de salvar Manfred (Carmo Dalla Vecchia). Mas antes de ir embora, o suíço deixa no mundo o fruto de sua relação com Dália (Tania Khalill): um menino, que mais tarde foi batizado de Ernest Hauser Filho pela vedete. Depois da morte do amado, a ruiva dedicou sua vida à erradicação do trabalho infantil.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>Já Viktor (Rafael Cardoso), com o empurrãozinho do pai enquanto ainda estava vivo, ganha fama internacional como pintor, e sua esposa Sílvia (Nathalia Dill) transforma a "Joalheria Hauser & Zampari" em uma referência no mercado de joias. Além de Heitor, eles têm uma menina, a quem batizaram de Catarina.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>Hilda (Luiza Valdetaro) foi outra que se destaca profissionalmente e é uma das cantoras mais queridas do país. Toni (Thiago Lacerda) prospera como comerciante, abre uma rede de supermercados e cria a Fundação Gaia de apoio ao trabalhador.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>Saiba tudo sobre novelas, programas de variedades e reality shows da TV Globo! E veja também receitas, dicas de estilo e conteúdos exclusivos só para a web. Conheça o Gshow!

A repercussão nas redes sociais foi enorme. Deixamos você, leitor amigo, com a imagem final de Glória Menezes (Pérola) e a definição de JÓIA RARA:

Foto: Lindo discurso da Pérola! Como não se emocionar com o final de #JoiaRara? http://glo.bo/1k8RnAb

Marcos Caruso, Rosi Campos, Nicette Bruno, Luíza Valdetaro (lindíssima e ótima atriz), Leopoldo Pacheco, Miguel Rômulo, Ana Cecília Costa, Cristiane Amorim, Cláudia Missura, Cacau Protásio, Vicentini Gomez, Anthero Montenegro, Luana Martau, Marcelo Médici, Tania Khalill, Giovanna Ewbank, Fabíula Nascimento, Simone Gutierrez, Norma Blum, Cláudia Ohana, Icaro Silva, Dja Marthins, José Araújo, Reginaldo Faria, Glicério Rosário, Paula Burlamaqui, e Luiz Gustavo vinham num segundo nível de importância.

Carmo e eles

Clima nas gravações finais: Vicentini Gomez, Carmo Dalla Vecchia e Marcelo Aquino dando um stop na perseguição ao terrível Manfred…

Foto: Esse e o clima do ultimo dia de gravação, é só alegria!!!

Da esquerda pra direita: Dja Marthins, Glicério do Rosário, José Araújo, Cacau Protásio, Leandro Lima e Vicentini Gomez. Sentados, Jorge Maia e Marcelo Aquino: último dia de gravações…

* CLIP DO TEMA DE ABERTURA criado por Gilberto Gil:

http://youtu.be/3fD8oVfr0k0

Mas o elenco era tão numeroso e toda a equipe tão competente que queremos homenagear a todos. Portanto, fomos procurar a Ficha Técnica Oficial da TV Globo. Confira:

ELENCO PRINCIPAL

Adelio Lima – Josias
Adriano Alves – Norbu
Adriano Bolshi – Rigpa
Alexandre Rodrigues – Josué
Ana Cecília Costa – Gaia
Ana Lucia Torre – Gertrude
Angêlo Antônio – Tempa
Aninha Lima – Zilda
Anthero Montenegro – Benito
Bia Guedes – Julieta
Bianca Bin – Amélia
Bruno Gagliasso – Franz
Cacau protásio – Lindinha
Caio Blat – Sonan
Carmo Dalla Vecchia – Manfred
Carolina Dieckmann – Iolanda
Cláudia Missura – Dona Conceição
Claudia Ohana – Laura
Cristiane Amorim – Zefinha
Domingos Montagner – Mundo
Élcio Romar – Salvador
Fabio Yoshihara – Jampa
Fabiula Nascimento – Matilde
Giovanna Ewbank – Cristina
Glicério Rosário – Etelvino
Glória Menezes – Pérola
Gustavo Trestini – Dr. Silveira
Guta Ruiz – Elisa
Ícaro Silva – Artur
Ísio Ghelman – Heitor Zampari
João Fernandes – Peteleco
Jorge Maya – Cícero
José de Abreu – Ernest
Juliana Lohmann – Belmira
Juliane Araújo – Marta da Costa
Karine Carvalho – Rosa
Land Vieira – Isaías
Leandro Lima – Davi
Leopoldo Pacheco – Valter
Letícia Spiller – Lola
Luana Martau – Creontina
Luiz Gustavo – Apolônio
Luiza Valdetaro – Hilda
Márcio Ehrlich – Dr. Moacir
Marcos Caruso – Arlindo
Marcos Damigo – Dr. Rubens
Maria Gal – Margarida
Mariana Mac Niven – Catarina
Mariana Ximenes – Aurora
Marcelo Médici – Joel
Max Lima – Caetano
Mel Maia – Pérola
Michel Gomes – Curió
Mouhamed Harfouch – biógrafo
Nathalia Dill – Sílvia
Nelson Xavier – Ananda
Nicette Bruno – Santinha
Norma Blum – Mama Francesca
Paula Burlamaqui – Volpina
Paulo Verlings – Kleber
Pedro Neschling – Arlindinho
Rafael Cardoso – Viktor
Reginaldo Faria – Venceslau
Renato Góis – Nuno
Ricardo Pereira – Fabrício
Rosi Campos – Miquelina
Sacha Bali – Eurico
Silvia Salgado – Pilar
Simone Gutierrez – Serena
Stella Maria Rodrigues – Marlene
Tania Khalil – Dália
Thiago Lacerda – Toni
Tiago Abravanel – Odilon
Vicentini Gomes – Delegado Cavalcante
Xande Valois – Giuseppe/Tavinho

ELENCO DE APOIO

Afranio Gama
Bernardo Felinto
Cirillo Luna
Cristiana Ferreira
Dja Marthins
Freddy Montero
Freddy Ribeiro
Gillray Coutinho
Guilherme Dellorto
Joelson Gusson
Jose Araújo
Marcelo Aquino
Marília Coelho
Mirian Meee
Vilma Melo
Vinicius Marins

Foto: • Autoras gravam participação no último capítulo!</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>Autoras de #JoiaRara, Thelma Guedes e Duca Rachid fizeram questão de acompanhar de perto as gravações finais da novela das 18h, que termina nesta sexta-feia (04). E mais: fizeram uma participação especial no último capítulo da produção.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>As autoras  aparecerão na plateia do Cabaré Pacheco Leão, usando roupas de época. A última cena será a de um show apoteótico, em que as vedetes cantarão "Aquarela do Brasil", de Ary Barroso.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
<p>Não perca hoje o último capítulo de Joia Rara!

Duca Rachid e Thelma Guedes em aparição inesperada no capítulo final…

Uma novela de: Duca Rachid e Thelma Guedes
Coautoria: Thereza Falcão
Colaboração: Manuela Dias, Luciane Reis, Camila Guedes, Alessandro Marson e Newton Cannito
Direção: Paulo Silvestrini, Joana Jabace, Enrique Diaz e Fábio Strazzer
Direção geral: Amora Mautner
Direção de núcleo: Ricardo Waddington
Período de exibição: 16/09/2013 – 04/04/2014
Horário: 18h
N° de capítulos: 173

Foto: Aquele momento que fica na memória! #JoiaRara

Elenco e equipe celebrando o êxito da novela JÓIA RARA no último dia de gravação…

Cenografia: João Irênio e Alexis Pabliano
Cenógrafos assistentes: Beatrice Guedes, Valéria Violeta, Marcia Bezerra, Ilka Moura, Fernanda Pozzato e Inês Cabral
Figurino: Marie Salles
Figurinistas assistentes: IIsabela Bertazzi, Mariana Sued, Renata Vasconcelos e Veridiana Gaertner

NatalNatal também foi destaque em Jóia Rara: Thiago Abravanel (Odilon) e João Fernandes (Peteleco)…

Equipe de apoio ao figurino: Ana L. André, Ana Maria Da Silva, Carlos Henrique Sousa, Cleber Dos Santos, Cristiane Ramos, Denise Prado, Dirceu Jorge, Doralice De Oliveira, Edson Marques, Eliane Carvalho, Eloísa Antunes, Fabio Andrade, Gilma Oliveira, Gilvania De Sousa, Licia Margarida, Luis Carlos De Sousa, Marcia Sarmento, Maria Sueli Da Silva e Mauricio Carvalho

Casamento de Toni e Gaia: momento de enlevo belíssimo em JÓIA RARA

Direção de fotografia: Fred Rangel
Direção de iluminação: Paulo Roberto Miranda e Rogerio Rogers
Equipe de iluminação: Gabriel Coelho, Adalberto Porto, Alan Carlos, André William Valentim, Antonio Carvalho, Antonio Henrique, Emerson Vago, Jorge Marcos, Julio Cezar Rosa, Luiz Ribeiro Da Silva, Marcelino Filho, Roberto Pereira Júnior e Sergio Marcelo

O Carnaval rendeu algumas das mais caprichadas e belas cenas de Jóia Rara

Produção de arte: Ana Maria Magalhães
Produção de arte assistente: Andrea Chuairi, Bianca Romano, Camila Pinho, Emilly Dias, Flavia Garrido e Leda Van
Equipe de apoio à arte: Alexandre Araújo Ferreira, Alexandre Francisco Da Silva, Archimedes Ferreira Simões, Edson França, Edson Herdade, José Luis Margato De Almeida, Marcus Vinícius Gomes, Nathalia Pugliese, Roberto Morelli São Pedro e Sankler Cardoso
Produção de Elenco: Luciano Rabelo

Décio (Miguel Rômulo em grande atuação) torna-se mais uma vítima de Manfred…

Foto: (Foto: Reprodução / Juliana Lohmann)

Instrutora de dramaturgia: Paloma Riani
Produção musical: Eduardo Queiroz
Direção musical: Mariozinho Rocha
Caracterização: Alê de Souza e Sumaia Assis
Equipe de apoio à caracterização: Del Cascardi, Bruna Cristina, Carlos Soares, Catarina Mohilla, Chirlei Kormann, Delise Oliveira, Erica Costa, Netto Guarany, Jo Lossano, Ligia Costa, Luciano Loreto, Regina Chipolesch, Suely De Paula e Tatiana Cerqueira
Colorista: Marina de Martha Pena
Edição: Fabrício Ferreira, Marcos Lisboa,Wilson Fragoso e Pedro França
Sonoplastia: Nelson Zeitoune, Irapuam Jardim e João Curvello
Efeitos visuais: Toni Cid e Mauro Heitor
Efeitos especiais: Frederico Farfan e Vitor Klein
Abertura: Alexandre Pit Ribeiro e Alexandre Romano
Direção de imagem: Augusto Lana
Câmeras: Adriano Lemos, Bernardo Blaz, Carlos Colombo, Cid Rima, Rafael Rahal e Thiago Motta
Equipe de apoio a op. de câmera: Andre Gomes Santos, Edgar Moutinho, Luiz Felipe Ferreira, Pedro Luis De Souza e Vinicius Rosário
Equipe de vídeo: Alexandre Carpi Barros, Lucas Orosque e Romulo Rodrigues
Equipe de áudio: Ádamo Martins, Diego Armando, Diego Monsores, Gustavo Gouveia, Helberth Morhy, Renildo Machado e Ricardo Manfrinato
Supervisor e op. Sistemas: Marco Antonio Lourenço e Rafael Soares da Silva

carnaval JR

Produtor cenografia: Eduardo Areal
Gerente de projetos: Alexandre Gama, Francisco Mesquita e Leonardo Machado
Supervisor de produção de cenografia: Antonio Carlos Pereira, Docacildo Viana, Guilherme Senges, Valdeci Djavan, Willian Felinto eWesley Estulano Souza
Equipe de cenotécnica: Adriana Conceição Jesus, Adailton Dos Santos Soares, Alessandro De Sales Correa, Alexandre D Avila Pereira, Anderson Santos Nascimento, Andre Luiz Pires Lopes, André Moraes De Alencar, Angelo Santos Rocha, Antonio Carlos De Souza Francisco, Artur Cesar Justino De Souza, Bruno Da Costa Palermo, Carlos Eduardo Marcolino De Aquino, Claudiano Ferreira Da Silva, Claudionor Roberto Da Silva, Dalmo Perez Salles De Assis, Daniel Zavoli Da Silva, Diego Antunes Marinho, Ednaldo José Pinheiro, Eduardo Oliveira Ferreira, Elbert Santos De Assis, Elizeu Megliorini, Erivando De Souza Pae, Erotildes Dos Santos Souza, Fabiano Correa Da Silva, Fabio De Pinho Correa, Fabio Luiz Virgolino, Flavio Nascimento Marcionilio, Francisco Souza Pae, Franklin Silva Carvalho, Gelcimar Gonçalves Segundo, Gerson Da Silva Chagas, Gilberto Da Silva, Gilberto Lima Alves, Hamilton Barbosa Silva, Helio Silva Costa, Helvis Mariano Dos Santos, Jonatan De Oliveira Mineiro, Jorge Antônio Silva, Jose Alexandro Da Silva, José Carlos Aleluia, Jose Raimundo Da Silva, Kellison Mauricio Barbosa, Leandro Cristino Da Silva, Leandro De Souza Cesário, Luciano De Oliveira Martins, Manoel Mendes Da Paixão, Marcelo Marins Da Cruz, Maria De Fátima Almeida, Maria Lucia Gomes, Maria Lucia Antunes Marinho De Souza, Paulo Sérgio Sardinha, Pedro Batista José Braz, Rafael De Souza Ricardo, Renato Francisco Da Silva, Ricardo Alexandre De Almeida, Roberto Fernandes De Souza, Romulo Cardoso Dantas, Sérgio Ferreira Dos Santos, Sérgio Ricardo Pereira Da Silva, Sérgio Teixeira Fernandes, Thiago Felix Pessoa, Valmir Dos Santos Soares, Vanilson Francisco Dos Santos, Wagner Albuquerque De Moura, Wagner Rodrigo Dos Santos e Wilson José Dos Santos

Foto: Hilda merece! Todo mundo merece! http://glo.bo/1jNvhyH #JoiaRara

Pesquisa: Madalena Prado
Consultoria: Virginia Casé
Continuidade: Aurora Chaves, Izabella Cid, Erika Thoen e Anna D’Ippolito

Foto: Joia mesmo é esta energia boa

Equipe de Internet: Ana Bueno, Bianca Kleinpaul, Bruno Martins, Rafael Maia, Ligia Andrade, Fernanda Thurler, Andréa Cozzolino, Paula Paiva, Juliana Lessa, Fernando Azevedo, Dominique Feldman, Juliana Saboya, Fabricio Bianchi, Letícia Pantoja e Fábio Rocha
Assistentes de direção: Joana Clark, Marcos Pimenta, Patricia Werneck, Thereza de Medicis e Tiago Garcia

Produção de Engenharia: Luis Otavio Cabral
Equipe de produção: Bruno Petronilho, Decio Júnior, Evandro Pimentel, Fernando Azevedo, Hugo Foscaldo, Juliana Kalil, Letícia Pantoja, Renata De Biasi, Tatiana Medrado, Thalita Ximenes, Norberto Pfeiffer e Chico Marinho
Supervisão executiva de produção: Andreia Carvana, Renato Azevedo e Roberto Bruno

Produção Executiva
Gerência: Rita Carvalho
Direção: Simone Lamosa
Acervos de imagens: Cinemateca Brasileira, “Global ImageWorks,LLC.”, Framepool Library of Congress, Cedoc, Ermakoff e Getty Images

Foto: Hoje é o último capítulo de #JoiaRara :(, e dá só uma olhada em tudo o que a lindinha da Mel Maia aprontou nos bastidores da novela >>> http://glo.bo/1hoOaV9

MEL MAIA, a Pérola Preciosa de JÓIA RARA, uma novela que foi um Show de Acertos !

E o discurso final de PÉROLA:

http://gshow.globo.com/novelas/joia-rara/videos/t/cenas/v/monja-perola-abre-congresso-em-favor-da-paz-e-emociona-com-discurso/3261337/

* Confira aqui o amor de Amelinha e Franz:

http://gshow.globo.com/novelas/joia-rara/extras/fotos/2014/04/unidos-pelo-destino-confira-trajetoria-de-amor-de-franz-e-amelia.html

Amor JR

* TRILHA SONORA DA NOVELA:

http://www.musicasonlinegratis.com/joia-rara-nacional

Jóia Rara e uma fosforescência especial

Mel Maia protagoniza Jóia Rara com brilhantismo, talento e muito carisma

Temas pulsantes e que devem estar sempre em foco para que sejam removidos do cotidiano ganham espaço e condução acertada na novela de Duca Rachid e Thelma Guedes, que está em seus capítulos finais…

A novela JÓIA RARA – pérola da Teledramaturgia, que está em seus capítulos finais -, deu mais uma demonstração da mentalidade avançada, construtiva e libertária que rege as autoras e sua diretora-mór. Sim, Duca Rachid, Thelma Guedes e Amora Mautner assinam uma obra-prima (num horário ingrato pra se acompanhar, 18h) recheada de citações oportunas, benfazejas e coerentes com a postura humanitária que caracteriza o trabalho dessas três mulheres que tão bem nos representam, e nos orgulham.

Segundo a wikipédia, fosforescência é um caso particular de um fenômeno geral denominado luminescência, sendo um tipo de fotoluminescência relacionado à capacidade que uma espécie química tem de emitir LUZ, mesmo no escuro, devido à sua estrutura eletrônica especial que favorece a absorção de radiação por seus elétrons, os quais passam a irradiar luz vísivel ou radiação de maiores comprimentos de onda.

Assim, o #BlogAuroradeCinema reputa à novela JÓIA RARA o mérito de possuir uma fosforescência teledramatúrgica indubitável, irretocável e iluminadora para o vasto leque de telenovelas brasileiras (notadamente as que são produzidas pela Rede Globo de Televisão), sendo ademais ainda mais digna de APLAUSOS por ser exibida numa faixa de horário (18h) não considerada ‘nobre’ (tendo aqui “nobre” o sentido da telenovela que é exibida quando a maioria  telespectadora já não está mais em horário de trabalho, o que corresponde, atualmente, à faixa das 21h).

As grandes questões que mobilizam o comportamento nacional – a força do amor, a importância do perdão, e a rejeição a toda forma de preconceito – vem embutidas em todas as temáticas que Jóia Rara aborda. Lá estão o trabalho escravo infantil; operários se organizando politicamente para conquistar avanços sociais; o patrão desumano e corruptor; a funcionária submissa; o homem que quer subir na escala social a qualquer preço; os casamentos ‘arranjados’ pelas famílias, sem nem mesmo os noivos se conhecerem; o jovem cheio de preconceitos, ‘malandrinho’ bem nascido e que só pensa em se dar bem; o racismo e sua negação; os danos do machismo; o marido que mantém caso extraconjugal, ignora a esposa como mulher mas a quer como ‘vitrine’ para a vida social aceita pelos cânones vigentes na época; o vislumbre de novos paradigmas sociais para a mulher – mulheres trabalhando fora de casa; a ideia de creches voluntárias; mulheres que não querem casar; mulheres enveredando pela carreira artística; a audiência das novelas radiofônicas, entre tantas outras. E lá também estão temas comuns aos folhetins – o amor capaz de vencer barreiras, um caso de amor não correspondido, um inocente perseguido por um crime que não cometeu, a competição desleal, a maldade, a inveja, o ímpeto da vingança.

Tudo está lá, pensado e escrito pelas autoras Duca Rachid e Thelma Guedes, numa trama aparentemente despretensiosa e sem grandes possibilidades de provocar discussões e/ou reflexões… acredita-se, em geral, que o horário das 18h é para temas ‘bobinhos’, dedicados às crianças e às ‘mulheres q são (‘apenas’) donas de casa’… pois é numa novela das 18h, que tem como principais cabeças pensantes três mulheres, que questões sobremodo relevantes são colocadas de forma plasticamente bela e meritória, e com uma empatia poderosa, alicerçada num conjunto de acertos magníficos que faz de JÓIA RARA um marco da nossa Teledramaturgia.

Amelinha (Bianca Bin) é vítima de tramóia e vai presa injustamente…

Presença de Dja Marthins e José Araújo: atores participam da novela em momento crucial da personagem Sílvia, vivida por Nathália Dill…

Zefinha (Cristiane Amorim) e Pérola (Mel Maia): cilada para complicar a vida de Amelinha (Bianca Bin)…

As vedetes Aurora (Mariana Ximenes) e Lola (Letícia Spiller) disputam primazia na noite do Cabaret Pacheco Leão…

Reconstituição de época, Direção de Arte, Fotografia,  Cenografia, Figurinos, Maquiagem, Trilha sonora e Elenco são Nota DEZZZ e isso faz com que a novela vá deixar uma lacuna difícil de preencher no horário. Como se não bastasse tudo isso, JÓIA RARA ainda incluiu um caso de amor homoafetivo, que veio se somar ao festival de acertos que é a novela feminista de Duca, Thelma e Amora ( além de toda a colossal equipe que colabora com elas, na qual se incluem meu ex-professor, cineasta e roteirista Newton Cannito, e o diretor Ricardo Waddington).

Luíza Valdetaro abraça com talento e beleza uma personagem difícil…

Bi e Franz

Casamento de Amelinha e Franz, um amor recheado de paixão e obstáculos

No capítulo desta sexta, finalmente Aderbal revela seu encantamento por Joel. Tudo tem sido feito com a delicadeza peculiar que cerca a novela, e a abordagem pode até passar despercebida por uma imensa plateia que acompanha as novelas desse horário das 18h. Mas é muito relevante que o tema apareça. E nesse horário. É mais um pioneirismo de JÓIA RARA ! Bastando ressaltar que a novela tem como personagem principal uma criança, simbolizando uma ‘reencarnação’ de Buda (tanto que o primeiro título pensado foi O Pequeno Buda), e esse personagem é interpretado por uma garota – a maravilhosa Mel Maia, que conquistou os espectadores, os colegas, diretores e – cremos nós do #Blog Aurora de Cinema -, toda a equipe de Teledramaturgia da TV Globo, tão impressionantemente dotada de carisma é esta linda atriz-mirim.

Os atores Armando Babaioff e Marcelo Médici são os intérpretes dos dois personagens que vão viver um romance em pleno Rio de Janeiro dos anos 40. E os dois estão ótimos, sendo eles dois de nossos bons Atores ! Parabéns a eles, às autoras e à direção de JÓIA RARA pela inclusão de mais um tema que merece ser abordado em obra tão repleta de acertos e sinalizadora de avanços numa sociedade que começava a desenhar outros caminhos…

Delicadeza e sensibilidade na revelação de um amor homoafetivo: mais um pioneirismo da novela JÓIA RARA

A Notável Excelência de JÓIA RARA

Pelo caminhar dos acontecimentos, a novela Jóia Rara deve estar próxima do fim. E isso por si só já é motivo de saudade e tristeza. A novela de Duca Rachid e Thelma Guedes – além da diretora Amora Mautner e seus colaboradores, e os colaboradores das autoras, como Newton Cannito -, é a melhor das que sendo exibidas pela TV Globo desde o ano passado. Já dissemos isso aqui algumas vezes mas não é favor repetir.

O título da novela é uma bela tradução pro que representa este notável exemplar da Teledramaturgia Brasileira: uma JÓIA RARA em todos os aspectos ! Da temática à primorosa direção; da narrativa desenvolvida com preciosismo ao elenco prodigioso; do rigoroso trabalho de reconstituição de época à belíssima trilha sonora; dos figurinos à fotografia; da constância e eloquência dos ‘ganchos’ cena-a-cena, e capítulo a capítulo; o todo do conjunto teledramatúrgico que compõe a telenovela JÓIA RARA é um março na Televisão Brasileira, digno de calorosos aplausos e um PARABÉNS muito efusivo deste #blogAurora de Cinema !

Abro um espaço agora pra falar especialmente sobre o capítulo do casamento de Iolanda e Mundo, o belo casal vivido por Carolina Dieckmann (em sua mais expressiva atuação até agora) e Domingos Montagner. Foi especialmente belo e bem realizado, alguma coisa semelhante a um grand finale de tão emocionante !

No capítulo CASAMENTO, a inclusão de uma oportuna e benfazeja ‘digressão’ – parêntese criado por autores e direção – para dar um ‘refresco’ na absorção da trama, correspondendo a uma panorâmica geral na história para que esta possa avançar alguma coisa no tempo sem atrapalhar o entendimento por parte do telespectador. E um hiato para que possamos acompanhar o cotidiano dos personagens pela cidade, em diversas ações, sem fala, apenas acompanhadas por uma trilha incidental. NOTA DEZ !

Carolina Dieckmann e José de Abreu: grandes interpretações em JÓIA RARA !

Aí passam-se alguns dias e chega o momento do casório Iolanda e Mundo, e os corre-corre comuns a uma eventualidade dessas.

Aqui, vale ressaltar, três DESTAQUES Especiais:

* A beleza que são as festas no Cortiço – o lugar do Rio onde mora a grande maioria dos personagens;

* A impressionante transformação do personagem Ernest Hauser, vivido com maestria por José de Abreu;

* A crescente eclosão da loucura do personagem Manfred, que tem em Carmo Dalla Vecchia um intérprete notável, com uma criação impecável !

Porque o CORTIÇO em dia de celebração é aquele lugar do encantamento, da magia, da festa permanente do olhar ! Aquele lugar que corresponde ao ‘jardim’ da casa, onde tudo são flores, cores e alegria ! Cabe ao telespectador MARAVILHAR-SE diante daquele clima de enlevo absoluto, no qual tudo faz crer que a tristeza não existe, a maldade morre de inanição, a injustiça não encontra forças pra prosperar, e a PAZ faz morada permanente !

JOSÉ DE ABREU é destes atores sem posto de protagonista, não por méritos, mas sim porque precisaria ser muito mais extenso o plantel dos que assumem os papéis principais, tal é a expressiva capacidade de nossos atores. José de Abreu é um ator que trabalha no cerne do ‘ethos’ do personagem e constrói tipos os mais diversos com avassaladora competência. Tem sido assim em tantos anos de carreira, o que ficou ainda mais patente na memória dos quanto assistem às telenovelas brasileiras a partir de seu espetacular ‘Nilo’ (o malvado que vivia no Lixão na inesquecível Avenida Brasil). Lá como cá, o ator criou dois tipos absolutamente díspares (lá um miserável, aqui um rico empresário) e os fez com a mesma extremada e singular magnitude. A trama de Duca-Thelma-Amora ainda deu ao ator a chance de exacerbar seu talento: Ernest Hauser ficou pobre e vem passando por agruras terríveis; a dor e o sofrimento foram lhe tornando outro homem, e o ator vem compondo com a mesma notável qualidade um personagem que passou de uma classe social a outra sem perder o tônus de sua composição, e JOSÉ DE ABREU respondeu com maestria a esse meritório desafio da ficção. Pontos para os criadores, e um DEZZZZZZZ muito efusivo para JOSÉ DE ABREU !

CARMO DALLA VECCHIA é um ator que nos impressionou desde que o vimos em A Favorita, novela de João Emanuel Carneiro, de 2008, em que ele dazia o protagonista masculino, o jornalista Zé Bob. Ali já registrávamos a atuação de Carmo como a de um grande Ator. De lá pra cá, o ator só melhora, e seu personagem atual, o vilão Manfred, é um exemplo inconteste do que afirmamos. Carmo Dalla Vecchia sempre esteve ótimo em JÓIA RARA, mas os criadores da narrativa vem-se esmerando na ‘trasmutação’ do caráter dos personagens. Assim como o Ernest de José de Abreu passou de vilão todo poderoso a maltrapilho, abandonado e sofredor, o enciumado, recalcado e trapaceador Manfred virou um perigoso malfeitor, nefasto para a sociedade, indesejável entre seus pares. Em termos de Dramaturgia, isso é criado com extrema sutileza e notória maestria: não há nada inverossímil, fora do tom, ou inaceitável para a diegese da história. Ao contrário, tudo tem um porquê e encaixa-se à perfeição nos trâmites ficcionais de Jóia Rara. E CARMO DALLA VECCHIA vem brindando a audiência, diariamente, com um trabalho irretocável ! É como se, a cada cena, o ator estivesse a nos mostrar, mais e mais, o quanto merece receber um Troféu de ATOR DO ANO, com sua composição milimetricamente forjada, formando um painel de muitas camadas nas quais se insere o ardiloso e problemático Manfred. Uma nota DEZZZZZZZZZ com o maior carinho e o melhor dos Aplausos para CARMO DALLA VECCHIA !

José de Abreu e Carmo Dalla Vecchia: duelo de gigantes em JÓIA RARA !

Ana Lúcia Torre e Carmo Dalla Vecchia: mãe e filho em momentos difíceis…

Apesar disso, não podemos afirmar aqui ser somente Carmo o merecedor de um Troféu. O necessário era termos muitos e muitos troféus para referendar o trabalho prodigioso desses Artistas Magistrais que fazem a Teledramaturgia Brasileira, que são muitos, pra nossa satisfação e orgulho. No caso de JÓIA RARA, ressalta com méritos o trabalho espetacular de vários outros atores, como Bruno Gagliasso, Caio Blat, Marcos Caruso, Ângelo Antônio, Miguel Rômulo, Thiago Lacerda, Rafael Cardoso, Vicentini Gomez, Reginaldo Faria, Leopoldo Pacheco, além das atrizes Bianca Bin, Natália Dhil, Nicette Bruno, Rosi Campos, Letícia Spiller, Mariana Ximenes, Cláudia Missura, Cacau Protásio, Cristiane Amorim, Ana Lúcia Torre, Ana Cecília, Cláudia Ohana, Carolina Dieckmann, Luíza Valdetaro, Dja Martins, e a pequena Diva, Mel Maia.

Luís Gustavo, ator dos mais queridos, encanta em sua volta como o vovô Popó

Registre-se também a reaparição do ator Luís Gustavo, que passou muitos capítulos afastado da trama de Jóia Rara por conta de problemas na saúde. O Seu Apolônio (Vovô Popó) voltou e foi um momento emocionante ver o grande ator de volta, e um personagem tão querido retornando em momento triunfal como o casamento do sobrinho Mundo com Iolanda, após tantos percalços e obstáculos vencidos.

Enfim, Duca Rachid, Thelma Guedes e Amora Mautner criaram um produto televisivo de alto nível, e a trama das 18h consolida-se como uma novela realizada com o maior capricho, numa narrativa tecida em filigranas de diversos matizes artísticos a compor, com invejável nível de excelência, esta que já é um marco da Telenovela Brasileira, a bela e emocionante JÓIA RARA  !

ALGUMAS CENAS DA NOVELA:

Ernest Hauser e a  amada neta Pérola, vivida com o talento e vocação extraordinária da linda Mel Maia…

Ana Lúcia Torre e José de Abreu em cena entre Gertrud e Ernest Hauser…

Letícia Spiller esbanja sensualidade, beleza e talento como a vedete Lola Gardel…

Cristiane Amorim é uma atração à parte com sua espetacular ‘Josephine’…

Foto: Até a próxima.... bjs

Dja Martins e José Araújo: eles fizeram o casal que acolheu Sílvia depois do acidente numa participação especial que marcou pela excelência da atuação

Aurora Lincoln é a vedete-estrela vivida por Mariana Ximenes…

Luíza Valdetaro, Thiago Lacerda e Ana Cecília vivem um triângulo…

Mariana Ximenes e Cacau Protásio em momento no Cabaret Pacheco Leão…

Ernest Hauser quando ‘todo poderoso’ teve um casamento à revelia de Iolanda…

Manfred e Amelinha em momento ainda inicial, quando ele ainda não tinha revelado sua porção doentia…

Seu Arlindo e Miquelina: Marcos Caruso e Rosi Campos são os donos do Cabaret…

Sílvia (Nathália Dill) sofre nas mãos de Manfred, e o marido Victor (Rafael Cardoso) tenta salvá-la…

JÓIA RARA é um Diamante !

 Duca Rachid e Thelma Guedes se reinventam a cada capítulo e é cada vez mais emocionante acompanhar a novela das 18h

S este

Você, leitor amigo, que nos acompanha com assiduidade, sabe já do nosso gosto por Teledramaturgia. Sabe, portanto, que somos apreciadores de primeira hora da telenovela Jóia Rara, obra-prima das escritoras Duca Rachid e Thelma Guedes.

Atual destaque da programação dramatúrgica de nossa TV, JÓIA RARA configura-se como a melhor e mais bem realizada trama atual em cartaz na TV Globo. Como o horário é bastante difícil pra ser acompanhado, pensava assistir somente aos primeiros capítulos. Mas a história é tão forte e bonita, e o produto final tão bem realizado, que não tive outra alternativa: acompanho JÓIA RARA cotidianamente, fujo das notícias em revistas populares e nas redes sociais que antecipam os próximos capítulos e, quando por dever de algum compromisso ou do trânsito caótico acabo perdendo algum capítulo, final de noite estou vendo a novela via web – ainda bem que atualmente há este recurso ‘salvador’, importante e necessário, sobretudo para os que, como o blog aurora de cinema, analisam e comentam telenovelas.

Aqui abrimos um espaço para uma consideração lapidar de González Castro (Doutor em Ciências Pedagógicas, diretor de televisão, e grande conhecedor dos meios audiovisuais): “A sensibilidade dos tubos, e a definição que se consegue com as câmaras possibilitam matizes ricos e variados na iluminação, jogos de cores de fundos, estampados nas decorações das maquiagens menos artificiais e caracterizações  mais exatas. As rugas tem que ser autênticas como as de nossas avós. As texturas das telas aparecem tão claramente que na há engano das cenografias. (…) A possibilidade de editar a imagem posteriormente obriga a fazer televisão tal e como se faz cinema”.

Posto isso, vamos a mais um comentário sobre JÓIA RARA !

Nos capítulos destes dias, o grande destaque da trama foi a descoberta de que Heitor Zampari (pai da personagem Sílvia, já falecido) não foi o assassino da mulher de Ernest Hauser (o vilão e personagem central da trama). Isso era um dos pilares da novela e Sílvia (vivida com preciosismo pela bela Nathália Dill) desde o início atuava para vingar a morte do pai e revelar sua inocência diante do assassinato de Catarina (Mariana Mac Niven), a jovem matriarca dos Hauser (mãe de Franz, Victor e Hilda). Novos personagens apareceram, outros ganharam maior destaque, sombras e clarões alternaram-se até chegar-se à esperada reveleção. Aqui, destaca-se a intensificação do personagem Cícero (vivido com competência pelo querido ator Jorge Maia), e o da personagem Pìlar, interpretada pela conterrânea Sílvia Salgado), além da entrada dos personagens de Salvador (Élcio Romar) e de Marta (Juliana Araújo), a filha doente de Salvador, por quem ele ocultou o crime de Ernest Hauser tantos anos.

Ana Lúcia Torres, impecável, e Jorge Maia em momento crucial…

Mas o que queremos realçar neste breve comentário é o caso da confirmação da intuição de Sílvia, que sempre acreditou que o pai tinha pago por um crime que nunca cometeu. E assim se fez: Sílvia consegue desvendar o crime com a ajuda de Salvador e, a partir daí, fica amedrontada, com razão, e certa de que será perseguida pelo vilão.

De posse de todos os documentos incriminatório de Ernest Hauser, a personagem então vai com Salvador e a filha Marta em busca de desvendar a sórdida história do crime, levando documentos a serem entregues à imprensa numa cidade vizinha, fugindo da capital carioca, naturalmente por achar que, longe dali, seria menos difícil conseguir revelar a verdade, denunciar o verdadeiro assassino e escapar com vida.

Mas aí acontece o que é corriqueiro quando se trata da atuação de malvados, criminosos, assassinos, vilões: Sílvia é perseguida na estrada e sofre um terrível acidente, com seu carro caindo de uma ribanceira… e depois explodindo em fogo, e deixando Manfred (o vilão que é filho bastardo de Hauser) feliz da vida e certo de que alcançou a vitória maior, tão buscada por ele.

Aqui queremos destacar a belíssima cena do acidente, uma clara citação à saudosa escritora Janete Clair (a mais consagrada autora de telenovelas do país, que nos anos 70 foi a detentora da maior audiência da televisão brasileira com suas tramas incrivelmente bem arquitetadas e realizadas). Cena idêntica à mostrada por Jóia Rara, Janete criou para a clássica Selva de Pedra. Nessa, quem era perseguida era a personagem Simone (vivida por Regina Duarte inicialmente e no remake dos anos 90 por Fernanda Torres).

Na cena de JÓIA RARA – magistralmente dirigida e filmada pela equipe comandada por Amora Mautner, este vulcão inconteste da direção teledramatúrgica brasileira, a visão que o telespectador tem vem a partir do vilão que perseguia Sílvia, e que até então o espectador não sabia quem era. Só depois que o carro cai e explode, e a câmara enquadra apenas o caminhar do personagem olhando para a ribanceira em que o carro pega fogo, descobrimos que o perseguidor era o terrível Manfred – magnífica interpretação de Carmo Dalla Vecchia. Depois disso, vem todo um desenrolar de estupefação, dor e muita tristeza envolvendo Franz e seu irmão Victor, o viúvo de Sílvia.

É tempo de Natal também na telinha – e que lindas cenas de NATAL criou a direção de JÓIA RARA ! Vi com completa entrega aquele desfilar de magia e encantamento que tomou conta de quase todo o capítulo do dia 24, véspera da grande noite na qual se festeja o nascimento do Menino Jesus. E fiquei a pensar nos milhões que acompanham a novela Brasil afora, sobretudo os menos favorecidos, os que sofrem em hospitais ou em moradias de extrema carência, e fiquei a pensar no enorme bem que é ‘ganhar’ aquele presente inesperado e tão lindo de adentrar o espírito natalino pela via da ficção. E que ficção mais bem realizada, bonita, terna, quimérica é JÓIA RARA ! Um DEZ muito caloroso a toda a equipe de JÓIA RARA pela criação antológica deste belíssimo Natal televisivo que foi o capítulo da telenovela de Duca Rachid e Thelma Guedes na noite de véspera do NATAL ! Um espetáculo artístico de pura excelência, técnica e artística !

O NATAL com o personagem Odilon (Thiago Abravanel) como Papai Noel…

E pra coroar tudo isso, as autoras e a direção encerram o capítulo nos brindando com um dado pelo qual tanto ansiávamos nós, o público, desde a perseguição de Sílvia: que a homenagem a Janete Clair se conduzisse e fosse integralmente confirmada através da sobrevida da personagem vitimada. E assim foi. De forma surpreendente e dramaticamente super bem conduzida, o capítulo termina com a revelação de que Sílvia não morreu. Como a personagem Simone de Selva de Pedra, Sílvia também escapa do desastre. E a partir daí, a trama se desdobrará em novas cenas palpitantes, onde emoção, drama, suspense, mistério deverão acontecer em escala ainda mais impactante.

Por tudo isso, por criar uma obra tão bem escrita e dirigida com mãos de fada, por homenagear um ícone da nossa melhor Teledramaturgia, e por apostar num produto artístico de extrema qualidade como o é esta JÓIA RARA da Televisão Brasileira, Duca Rachid e Thlema Guedes estão a merecer mais e mais a atenção da crítica e do telespectador, e recebem, mais uma vez, um PARABÉNS muito emocionado e feliz deste blog Aurora de Cinema.

Confira aqui algumas cenas mais recentes de JÓIA RARA:

Rafael Cardoso e Nathália Dill em momento sublime de JÓIA RARA…

Rafael Cardoso e Nathália Dill como Victor e Sílvia…

Salvador (Élcio Romar) confirma a inocência do pai de Sílvia (Nathália Dill)

Sílvia, Salvador e Marta se preparam para ir contar toda a verdade sobre a morte de Catarina à Imprensa…

Cena do desastre que vitimiza a personagem Sílvia, bela citação ao clássico de Janete Clair…

OUTROS MOMENTOS DE DESTAQUE em JÓIA RARA:

Franz este

Franz (Bruno Gagliasso em grande momento) fica chocado ao saber da morte de Sílvia e da culpa do pai, Ernest Hauser…

Victor (Rafael Cardoso) segurado pelo Delegado (Vicentini Gomes) em momento de desespero e dor…

Pilar (Sílvia Salgado) e Manfred (Carmo Dalla Vecchia) em cena que anuncia nova reviravolta em Jóia Rara

Hilda e Toni formam um dos casais mais bonitos e queridos da novela…

Os monges, uma página linda da história de Duca Rachid e Thelma Guedes…

Gaya encontra Hilda e o ex-marido Toni em noite de festa no Cabaré Pacheco Leão…

A vedete LOLA, vivida com maestria pela linda e competente Letícia Spiller…

O amor de David e Aurora, momento de enlevo em Jóia Rara

O casal visto no sonho de Pérola, formado por Matilde (Fabíula Nascimento) e o monge Sonan (mais um trabalho visceral de Caio Blat)…

O amor bonito e perseguido de Franz e Amélia, protagonistas de JÓIA RARA…

JÓIA RARA: novela é um festival de acertos !

Duca Rachid e Thelma Guedes assinam a melhor das obras dramatúrgicas da TV Brasileira atual: JÓIA RARA configura-se uma auspiciosa reunião de múltiplos talentos

Já comentamos aqui sobre a atual novela das 18h, JÓIA RARA. Mas a novela é tão espetacular que qualquer elogio que se faça, ainda fica a dever à brilhante obra, assinada com maestria por Duca Rachid e Thelma Guedes (as autoras), Amora Mautner, Joana Jabace, José Vilamarim e Ricardo Waddignton (os diretores), e um elenco excepcional, onde avultam grandes solos, lindas atrizes e atores, e um elenco secundário de primeira linha.

Some-se a tudo isso uma trilha sonora magnífica, casando à perfeição com o enredo, uma fotografia fenomenal, uma reconstituição de época de dar água na boca, os conflitos evocados, e a questão de sentimentos universais como o Amor, o Perdão, a Fé, a Esperança, a Solidariedade, a Humildade, e a Maldade no centro da história, ambientada no Rio de Janeiro do final da década de 30 e adentrando todos os anos 40, e você tem uma obra digna dos Melhores Aplausos, de todos os elogios, e de todos os prêmios que hão de vir.

É um luxo ser de um país que produz TELEDRAMATURGIA com a qualidade de JÓIA RARA. Assim como de tantas outras novelas inesquecíveis, como os festejados sucessos de Janete Clair, Dias Gomes, obras de Jorge de Andrade, Bráulio Pedroso, Cassiano Gabus Mendes, e, mais recentemente, A Favorita e Avenida Brasil (!!!), e Lado a Lado (recém-laureada com o EMMY), para citar apenas algumas.

Vou falar hoje de alguns pontos cruciais. Por certo, muita coisa vai-me escapar, involuntariamente, pelo adiantado da hora em que escrevo, depois de um dia cheio de tarefas e contato com amigos e leitores de todo o país. Peço desculpas antecipadas aos profissionais aos quais, por força do cansaço, se me escaparão os nomes. Voltarei outras vezes ao tema pois é um prazer ver, acompanhar e escrever sobre JÓIA RARA.

VAMOS AOS DESTAQUES DA HORA:

MIGUEL RÕMULO – Que primor está a atuação deste ‘garoto’. Com poucos anos de estrada, desde que ele estreou, revelou um carisma fabuloso e a empatia foi imediata. Sou fã de Miguel mas com o personagem atual, Décio  – do filho ‘malandro’ e massacrado pelo pai, um empresário inescrupuloso – ele vem superando todas as expectativas. O ator está casando ritmo, entonação, trejeitos, olhares, esgares com uma interpretação prodigiosa. Um DEZ enorme e um beijo emocionado para Miguel Rômulo.

NATHÁLIA DILL

Como Sílvia, Nathália Dill esbanja talento e deixa a audiência com merecido horror da vilã… Atriz de beleza retumbante e meiguice singular, quem primeiro me chamou a atenção sobre o talento da atriz foi minha amada filha Joyce, desde quando Nathália Dill apareceu na telinha. Ela começou em ‘Malhação’ (a grande escola de atores da Globo) em 2007, e estreou como protagonista em 2009 vivendo Maria Rita na novela Paraíso, a que eu nem assistia, mas, a partir daí, passei a observá-la com atenção. Logo depois, foi Mauro Mendonça (querido e grande ator, de quem tenho a honra de provar da amizade) quem me elogiou Nathália (ele contracenava com ela em Paraíso). E eu mesma estive com ela aqui em Fortaleza há alguns anos num festival de cinema. Nathália, portanto, já tinha feito outros papéis (ela é egressa do teatro) onde seu talento se destacou, mas em JÓIA RARA, vivendo sua primeira vilã, a atriz dá um baile de atuação e é certamente uma das grandes responsáveis pela força dramática da história. Um Aplauso caloroso e cheio de afeto para Nathália Dill.

ANA CECÍLIA COSTA

Atriz baiana que estava há alguns anos afastada da telinha, ela ressurgiu como a sofrida Gaia, lituana moradora de um cortiço no Rio de Janeiro e integrante do partido comunista, onde conhece, se apaixona e casa-se com o belo Toni, personagem de Thiago Lacerda. Gaia é dada como morta por mais de 10 anos e agora, há 2 capítulos, é reencontrada, e uma nova fase começa. A atriz espargiu beleza e carisma na fase posterior à extradição. Agora, com a volta da personagem, ela reaparece com todas as marcas do duro tempo de exílio, sofrimento, clausura, e a atriz vem com o tom certo, a dor lancinante cravada no semblante, o olhar dolorido e, ao mesmo tempo, um sorriso cheio de esperança e amor ao antigo parceiro. Ainda vai ter grandes picos de atuação esta querida Ana Cecília Costa numa série de situações que deverão exigir muito dela, coisa que é um prato cheio pruma atriz do nível de Ana Cecília e com um texto supimpa nas mãos, além de uma direção que sabe o poder que é dar a um Ator a chance de extrapolar seus próprios limites. Que venha o desafio porque a baiana Ana Cecília está pronta para assumi-lo com força, garra e muito talento !

LUIZA VALDETARO

LV

Ela é Hilda Hauser, filha do maléfico Ernest Hauser, e esposa do humanitário Toni (Thiago Lacerda). Atriz que une talento e  beleza (é um dos rostos mais bonitos da trama), Luíza Valdetaro faz um papel difícil – da sofrida filha de um homem que só pensa em ter poder e usa de qualquer artifício pra atingir seus objetivos, carrasco e desamado por todos quanto o conhecem), além de ter o frustrado (até então) desejo de ser uma cantora. O papel de Luíza é intrincado sobretudo porque é sempre muito difícil fazer uma ‘mocinha’ e não cair no descrédito, no pieguismo, no apelo fácil da compaixão. Mas a atriz é mais uma a confirmar que as louras podem ter beleza, talento, vocação, carisma e muita determinação. Tudo isso a Hilda de Luiza Valdetaro transmite através de sua atuação comovida e comovente. PARABÉNSSS !!!

E JÓIA RARA se completa com um naipe de atores 36 quilates, como ANA LÚCIA TORRE, JOSÉ DE ABREU, CARMO DALLA VECCHIA, MARCOS CARUSO, CAIO BLAT, CAROLINA DICKMANN, e DOMINGOS MONTAGNER. Em outro post, falaremos sobre suas atuações. E também sobre as relevantes contribuições no enredo, uma delas do notável roteirista Newton Cannito, de quem já tive a honra de ser aluna.

Sem deixar também de destacar a atuação magistral destes dois gigantes da cena que são BIANCA BINN e BRUNO GAGLIASSO, secundados pela sensacional MEL MAIA, e Letícia Spiller, Mariana Ximenes, Cacau Protásio, Rosi Campos, Nicette Bruno, Leandro Lima, Rafael Cardoso, Pedro Neschling, Fabiula Nascimento, Claudia Ohana, Leopoldo Pacheco, Cláudia Missura, Ângelo Antônio, Marcelo Médici, Norma Blum, Vicentini Gomez, Jorge Maia, Marcelo Aquino, e tantos tantos outros.

Mariana Ximenes e Leandro Lima: casal ganha torcida do espectador…

A trilha sonora é outro ponto de destaque: um DEZ muito grande e especialmente efusivo para quem assina esse rosário de pérolas do cancioneiro nacional, mesclando – com imensa sensibilidade e senso de entrosamento com o cerne emocional da história – músicas de ontem, de hoje, antigas, permanentes e necessárias. De Tim Maia, a Caetano Veloso, passando pela Valsinha de Vinícius, Garoto e Chico, com Marisa Monte, Guilherme Arantes e Elis Regina, a TRILHA SONORA de JÓIA RARA é mais um fator preponderante para o conjunto de acertos magistrais desta novela que, sem dúvida, é o passaporte que faltava para colocar as autoras Duca Rachid e Thelma Guedes no patamar dos autores sagrados das 21 horas.

Duca Rachid e Thelma Guedes: criadoras de obra espetacular da Teledramaturgia Brasileira…

UM DEZ EMOCIONADO para JÓIA RARA, suas excepcionais autoras, e a sensacional equipe de realização desta pérola da teledramaturgia brasileira.

Bruno Gagliasso, Mel Maia e Bianca Binn: trinca responsável pelo maior pique emocional de JÓIA RARA, novela da TV Globo que é orgulho para qualquer pessoa de bom senso !

Jóia Rara e a Arte de Bem Escrever Novelas

Atração das 18h, novela de Duca Rachid e Thelma Guedes é um marco da Teledramaturgia Brasileira

Bruno Gagliasso, Bianca Bin e Mel Maia: o trio principal, foco das maiores emoções…

Não vi a novela anterior delas, mas soube que Cordel Encantado marcou um diferencial importante ! O que mais ouvia dizer é que era Cinema na TV.

Quando se diz isso de uma telenovela, está-se dizendo que tudo na trama é bom, do enredo à ambientação cênica, da pesquisa de cena à direção de arte, do elenco à direção de fotografia… e por aí vai.

Pelo que tenho acompanhado agora em JÓIA RARA dá pra compreender o que diziam sobre Cordel Encantado. De fato, o telespectador tem logo vontade de sair gritando ‘É Cinema, É Cinema !’

Nathália Dill e Carmo Dalla Vecchia: atores tão bonitos quanto vilões malvados e abjetos…

Não sou de acompanhar novelas das 18h: o horário é ingrato porque, em geral, hora na qual se está voltando pra casa, enfrentando trânsito, ou fazendo compras em supermercados ou padarias, pegando filhos em escolas, fechando reuniões de trabalho… mas esforcei-me para ver o primeiro capítulo. Afinal, o marketing realizado pela TV Globo foi espetacular, como sói acontecer quando a emissora vai lançar um novo produto.

Assim, preparei-me pra ver apenas os primeiros capítulos. Mas já lá se vão algumas semanas de JÓIA RARA e é cada vez mais difícil desgrudar da telinha.

Que história linda criaram Duca Rachid e Thelma Guedes ! E que elenco fabuloso ! Bruno Gagliasso e Bianca Bin estão encantadores como protagonistas, o Romeu & Julieta da vez, casal que sofre terríveis agruras e soberbas dificuldades para vivenciar sua linda história de amor. Os atores já tinham mostrado ambos, em tramas anteriores, o quão são extremamente talentosos e vocacionados. Mas agora, como protagonistas de trama tão bem engendrada, ficam mais evidentes as qualidades de suas incríveis interpretações. Afinal, tudo nasce deles, por causa deles ou através deles. Fossem dois protagonistas sem empatia ou de pouco talento, e seria fácil a história resvalar para outros caminhos, ou ficar dando voltas em torno de tramas paralelas.

Bi e MEL

Novela das 18h, Jóia Rara tem ambiência, trama, elenco, direção e tudo o mais que a tornariam uma tremenda história para o nobre horário das 21h. Uma novela que está a merecer todos os melhores aplausos.

Tudo em JÓIA RARA é bom, a começar pela música de abertura, uma balada belíssima de Gilberto Gil que cola no ouvido e nos acompanha como se fosse um mantra – tudo bem encaixado no que se propõe a linha dramatúrgica de Jóia Rara.

Personagens do núcleo pobre e trabalhador, tendo à frente Paula Burlamaqui e Cacau Protássio…

Acredito no poder da PALAVRA como força motriz de qualquer empreendimento humano. Ademais, em se tratando de obra dramática, é óbvia a necessidade de um texto bem escrito… para que seja bem dito, bem incorporado, bem recebido e bem espalhado.

Carolina Dickmann: sofrida e distante da sensualidade glamurosa de outros personagens…

Assim sendo, definindo-se de cara o texto de JÓIA RARA como um trunfo precioso da trama, partamos para o elenco, porque sem atores de envergadura até o melhor dos textos se perde no vazio, no descrédito, e tende a naufragar por inanição.

José de Abreu e Carmo Dalla Vecchia: incorporação da maldade e vilania

Então, citemos alguns ícones preciosos de JÓIA RARA: encabeçados pelo trio já citado – BIANCA BIN, BRUNO GAGLIASSO  e MEL MAIA -, vamos chegar a Carmo Dalla Vecchia – monstro de Ator, consagrado por sua atuação soberba em A Favorita, de João Emanuel Carneiro – que vem arrasando e já é forte candidato a Melhor Coadjuvante, embora seu personagem tenha peso de Protagonista. Que luxooooo é ter Carmo Dalla Vecchia num elenco. Dá gosto ver a atuação do ator, suas expressões, pequenos e essenciais gestos de maldade, já que ele é um dos sórdidos vilões. Ao lado dele, o deplorável Ernest Hauser – vivido com maestria por José de Abreu ! Só de pensar no maléfico personagem já dá arrepio…

E vem Nathália Dill (magnífica em sua primeira vilã), Domingos Montagnier (talento grandioso emprestando vida, emoção e vigor ao líder comunista Mundo), Carolina Dieckmann (revelando todo seu talento na pele de uma mulher sem glamour algum, sofrida, massacrada, densa – a atriz vem dando um Showwww como Iolanda !); Thiago Lacerda e Ricardo Pereira, ambos arrasando como trabalhadores do campo popular – THIAGO teve seu ácme de interpretação até agora com a cena na qual sabe da morte da mulher e do filho – tempo preciso da emoção, gestos e expressões absolutamente coerentes com o que pedia a emocionante cena.

E que alegria ver em cena de novo os magníficos  Ana Lúcia Torre, Luís Gustavo (estava fazendo falta), Nicette Bruno, Rosi Campos, Marcos Caruso… estes, bastam aparecer e já se tem ideia de que ali estão personagens que vão tomar de conta da nossa emoção.

Foi muito bom também acompanhar, mais uma vez, a presença forte e sempre carismática de Prazeres Barbosa em JÓIA RARA. A atriz, grande símbolo do teatro pernambucano, fez uma participação super especial como Djanira – a boa tia nordestina de Amelinha -, que acolheu os sobrinhos (ela e Mundo) e o padrinho (Luiz Gustavo)  em casa… foi a tia quem ajudou no parto da filha de Amélia e Franz, a linda Pérola… e quem deu abrigo a eles quando precisaram fugir da capital… era ela quem fazia o bom café da manhã com cuscuz e quem se despetalava em mil para bem acolher a família… nem isso passou despercebido a Duca e Thelma: a existência de um membro da família vivendo no Nordeste, o colo do sertão abrigando os sangues que correm em veias semelhantes, e uma tia bondosa  e sempre disposta a doar amor… e escolher um ícone como a magnífica Prazeres Barbosa para assumir a tia Djanira foi mais um achado da direção e da produção de elenco.

Praz e Bianca

Bianca Bin e Prazeres Barbosa: sobrinha e tia em Jóia Rara

Só uma ressalva: o talento de Prazeres – nossa Laura Cardoso do Nordeste – bem podia voltar à cena e, quem sabe, reaparecer no Rio de tanta vida florescendo e tantas reviravoltas que ainda estão por vir… há sempre uma tia generosa a quem recorremos em tempos difíceis, e ainda vem muito tempo ruim para Amelinha e Franz… fica a singela sugestão do blog Aurora de Cinema.

Lola 2

Letícia Spiller: a espevitada e serelepe Lola, vedete de Jóia Rara

E tem Letícia Spiller vivendo Lola, principal vedete do Cabaré Pacheco Leão, de propriedade do casal Miquelina e Arlindo, vividos pelos ótimos Rosi Campos e Marcos Caruso. Letícia Spiller empresta à personagem seu talento soberbo e um glamour próprio da época (final dos anos 30), ainda mais realçado por sua beleza a la Marilyn

E tem também Caio Blat, Ana Cecília Costa, Luíza Valdetaro, Cláudia Ohana, Leopoldo Pacheco, Ângelo Antônio, Reginaldo Faria, Paula Burlamaqui, Cacau Protásio, Cláudia Missura, Pedro Neschling, Sílvia Salgado, Vicentini Gomez (ótimo como o delegado venal), Jorge Maya, Suely Franco, Tiago Abravanel, e muitos muitos outros que, ao longo da novela, iremos aqui citar e comentar.

Domingos Montagner, Ana Cecília Costa e Thiago Lacerda: trio comunista encantador…

Amora Mautner, com auxílio luxuoso de Henrique Diaz e mais dois outros diretores, confirma e reafirma sua magistral capacidade de dirigir uma telenovela onde tudo colabora em prol da excelência – assim como aconteceu na inesquecível AVENIDA BRASIL: da Dramaturgia refinada de Duca e Thelma à direção geral de Ricardo Waddington, tudo em JÓIA RARA é um banho de competência, emoção, beleza, sensibilidade.

Marcos Caruso e Rosi Campos fazem os donos do Cabaré Pacheco Leão: magníficos !

Impossível assistir a um só capítulo. Mas se você ainda não começou, se ligue ! Ainda há bastante tempo para você se programar com a TV Globo no horário das 18h e sintonizar essa que é já, sem sombra de dúvida, uma das MELHORES NOVELAS DAS 18h de todos os tempos.

Bianca Bin: Amélia é mais uma chance para evidenciar talento singular …

No enredo de JÓIA RARA um bem desenhado recorte do que foram os primeiros tempos de um país em formação: a lua do bem contra o mal, opressores e oprimidos, pobres e ricos, repressão à mulher e aos que querem viver na Arte e da Arte, a força do dinheiro a corromper e mudar destinos, a vingança tramando sortes, a bondade escapando entre os escombros mas seguindo apesar das pancadas e das rasteiras… tudo isso é ingrediente que sustenta o núcleo principal, colore de força e emoção as cenas mais tocante. mobiliza atenções para a história do país, e configura um painel sonoro-visual-cênico-imagético da mais bela e bem alinhavada tessitura dramática.

Estão em JÓIA RARA a guerra, o nascente comunista e seus líderes tão bem intencionados, as vítimas da opressão, as mulheres desabrochando em beleza e vontade de ousar, a feminilidade reprimida, amores impossíveis, a ternura consistente da espiritualidade, homens vítimas do vício do jogo e da bebida, as pessoas dos subúrbios que pegam bonde e passam dificuldades financeiras, os jovens querendo seguir carreira artística e sendo impedidos pelo pai, o patrão perverso, a mulher que amou e jamais foi correspondida, o filho bastardo, e as vítimas vingativas a tramar maldades estúpidas.

Mas tudo isso já é assunto pra outro post, que em breve voltaremos a redigir.

Acompanhe aqui no blog Aurora de Cinema comentários sobre a novela JÓIA RARA e outras telenovelas da TV Globo.

MEL MAIA: a verdadeira JÓIA RARA, que conquistou o telespectador de todo o país assim que apareceu na telinha como ‘um pequeno Buda’…

E aqui este Blog Aurora de Cinema arrisca-se numa previsão: JÓIA RARA deve ser a última novela das 18h que escrevem Duca e Thelma. Provavelmente, a TV Globo vai convocar as duas experts em Dramaturgia para ingressar no cobiçado, difícil e concorrido horário das 21h. E vai ser mais GOL de placa desta irretocável dupla Duca Rachid e Thelma Guedes.

Thelma Guedes e Duca Rachid: parceria que faz enorme bem à telenovela…

Por tudo isso, PARABÉNS aos criadores e a toda a brava equipe que atua forte e apaixonadamente para fazer de JÓIA RARA o marco televisivo que a novela já é para a extensa lista de grandes obras teledramatúrgicas made in Brasil.

Ricardo Waddington e Amora Mautner: dupla coleciona êxitos da telinha…