Arquivo da tag: jornal zero hora

CARPINEJAR e o sapato para colocar lembranças na lareira no Natal

São milhares de leitores, que crescem a cada nova postagem, e, portanto, a cada dia: CARPINEJAR escreve diariamente, chegando a um total de 9 crônicas por semana, sem contar os twittes, os posts no Instagram, as participações no rádio e na TV.

Carpi usar Blog

Somos ABOLUTAMENTE ENCANTADOS com o Poeta, o mais fabuloso ícone da Literatura Gaúcha Contemporânea.

Mais uma vez. não deu pra resistir: lendo a crônica desta terça do Poeta no jornal Zero Hora, um arrepio emocionado apoderou-se de nós, ao passar de cada oração. CARPINEJAR extrapola no seu direito de ser Poeta ! Exacerba no seu Dom de Encantar ! Só a Sabedoria Infinita para conseguir explicar tanta Sensibilidade, Empatia, Inteligência e Beleza reunidas numa única pessoa, embora esta pessoa seja a tradução de um verdadeiro coletivo:

CARPI é jornalista, Escritor, Poeta, Cronista, Apresentador de TV, professor, palestrante, letrista, enfim, CARPI não existe em versão principiante: ele é MULTIFÁRIO !

O incansável e retumbante #AplausoBlogAuroradeCinema para FABRÍCIO CARPINEJAR !

O SAPATO DA FILHA

* Fabrício Carpinejar

Só agora, depois de dois anos da tragédia de Santa Maria, após a perícia e a investigação policial, os familiares podem reaver os pertences de seus anjos da noite infernal de 27 de janeiro de 2013 na boate Kiss.

Não resisti em chorar – eu que tenho uma filha de 20 anos –, quando vi na televisão que um dos pais dos 242 mortos estava procurando o sapato que faltava de sua adolescente.

– Preciso achar!

Sua filha foi puxada dos escombros e do incêndio com o pé direito descalço. Aquele pai desesperado e angustiado com a perda irreparável está obcecado em vestir pela última vez sua menina.

Aquele pai sabe o que significa o sapato para uma mulher. Sabe o quanto a filha escolheu o sapato para a balada. Sabe o quanto brigou pelo sapato, dizendo que era caro mas iria durar. Sabe o quanto ela não tiraria o sapato por nenhum motivo, para não sacrificar o charme e a elegância durante a festa.

Aquele pai encarna o conto de Cinderela ao avesso. Pretende calçar a filha para reaver a paz em si.

É o mesmo sapato de crochê que botou em seu bebê assim que nasceu. É o mesmo sapato que ensinou a amarrar quando ela tinha sete anos. É o mesmo sapato que ele pisou, desajeitado, quando dançava a valsa de debutante de sua jovem. É o mesmo sapato com que comemoraram a entrada na faculdade.

O sapato é, neste momento, todos os sapatos da vida de sua filha. O sapato que restou. O sapato sobrevivente. O sapato do qual ele nunca esquecerá o número. O sapato último, definitivo, que não poderá ser substituído por mais nenhum aniversário.

O sapato que vai equilibrá-lo no pesadelo, na oração, na dor. O sapato para colocar lembranças na lareira no Natal.

O sapato viúvo dos amores que ela não teve, órfão dos pais que ficaram.

O sapato que é uma forma enlouquecida do pai de continuar caminhando com sua filha.

O sapato sem estrada, sem futuro, andando de volta ao passado.

O sapato envernizado, de couro, ainda novo, arrancado precocemente de sua dona.

O sapato que daria para muitos verões, milhares de sóis, infinitas ladeiras.

O sapato que não se gastou, mais longevo que o destino de uma adolescente.


O sapato que é a possibilidade de segurar o chão de sua filha por mais um instante, de oferecer chão para sua filha.

O par não terminará incompleto, apesar da enorme injustiça no coração.

Entre uma montanha de bonés, colares, alianças, celulares e identidades, o pai tentará reconhecer o sapato de sua filha. E levar para casa algo salvo daquela noite.

Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 4, 09/12/2014
Porto Alegre (RS), Edição N°18008

CARPINEJAR: “Homem mesmo só elogia, de maneira pura, a si mesmo”

Fabrício CARPINEJAR chega a ‘humilhar’ de tão brilhante que É…

Carpi bonequinhos

O #BlogAuroradeCinema divide com você, leitor amigo, a radiográfica crônica do Poeta gaúcho publicada hoje no jornal ZERO HORA:

TROPA DE ELITE

Fabrício Carpinejar

As mulheres demonstram o amor entre si de um modo óbvio.

Elas se abraçam, andam de mãos dadas, oferecem colo, acariciam os cabelos, sem conotação sexual.

Amigas confessam seus cuidados sem meio-termo. Há o toque, o aconchego, o abraço longo e apertado.

Elas se aninham e se embalam no reencontro mais banal.

São catárticas, choram, não medem as palavras de ternura.

Celebram a cumplicidade: dançam juntas, realizam mímicas, cobram juras, dividem drinques, emprestam cartões de crédito.

Já os homens entre si são toscos. Quando se amam dentro da amizade, não se comunicam diretamente. Não descarregam declarações.

Eles se escondem na timidez, receiam o vexame, tensos e reprimidos.

O cumprimento é gritado e rouco, o abraço é quase um empurrão. E ainda por cima é bem possível receber uma saraivada de socos nas costas. Meninos crescidos que continuam a trocar esbarrões e safanões para justificar o contato físico.

Amizade masculina é desidratada, árida. Amizade masculina é corredor polonês, é xingão, é cascudo, é luta livre.

O reconhecimento de importância é feito mais pela piada do que pelo elogio. A saudade é fundamentada pela grosseria. Não espere carícias e prefácios.

O hábito é falar mal para dizer que se gosta.

– Seu otário, onde você andou que não responde a minhas ligações?

Nada é suave, linear, carinhoso.

Homem não entra no armário nem para trocar de roupa.

Eles se sentem culpados por amar um outro homem e disfarçam. Têm medo de que alguém entenda errado, que interprete como atração.

Há um código militar do aceno e do diálogo lacônico. O que prepondera é o uivo, o urro, a reclamação por trás das frases emocionais.

Quem vê de fora pensa que são inimigos, são desafetos, são rivais.

– Idiota, não consegue nem assar uma carne, jamais alguma mulher lhe dará pelota.

Até a solidariedade vem suja, misturada de agressão.

– Esse panaca não tem conserto!

Amor para os amigos é ofendido, formado de insultos, preconceitos e espinhos.

É uma admiração truculenta, bélica, num idioma renhido, criado em estádios de futebol, em churrascos, em bebedeiras.

Como se o pior fosse o melhor, como se o contrário traduzisse o certo, como se o avesso significasse a transparência.

Para consagrar um eu te amo é preciso atravessar um purgatório de impropérios.

E o engraçado é que o “Eu te amo” não é entregue ao interessado, é usado na terceira pessoa para se diferenciar da cantada.

Aparece dentro de um contexto, não numa conversa a sós. É, na verdade, uma apresentação para uma plateia real ou imaginária.

– Eu amo esse babaca!

Homem mesmo só elogia, de maneira pura, a si mesmo. Sabe que não terá ninguém mais para fazer esse trabalho.

Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 4, 11/11/2014
Porto Alegre (RS), Edição N°17984

Carpinejar e um comovente exercício diário de reflexão a partir da sensibilidade e do bom humor… #AplausoBlogAuroradeCinema

CARPINEJAR traduz a dor lancinante da tragédia em Santa Maria

Melhor poeta e cronista gaúcho contemporâneo, FABRÍCIO CARPINEJAR traduz de forma ímpar o sentimento que assola famílias e amigos das vítimas, bem como a todos quanto comungamos do mesmo sentimento de dor e pesar…

Com licença, Poeta, mas o texto é ANTOLÓGICO. Sinto-me na obrigação moral de publicá-lo para que seja mais e mais lido, refletido e repassado adiante:

Agradecendo antecipadamente pela cessão do texto publicado no jornal Zero Hora, sugiro a você, leitor amigo, conferir a força das palavras do Poeta sobre a lastimável tragédia de Santa Maria.
CARPINEJAR diz tudo…  é ARREPIANTE !
Morri em Santa Maria hoje.
Quem não morreu ?
Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça.
A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta. Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia.
Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa. A fumaça corrompeu o céu para sempre.
O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.
As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.
Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa. Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio. Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda. Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.
Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa. Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram. Morri sufocado de excesso de morte; como acordar de novo ?
O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista. A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados. Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.
Mais de duzentos e cinquenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.   Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal. As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.
Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.
As palavras perderam o sentido.”

Incêndio na boate Kiss em Santa Maria causou a morte de mais de 230 pessoas na madrugada deste domingo…

* FABRÍCIO CARPINEJAR é já um Patrimônio Imaterial do Brasil.

Salve, Poeta !