Arquivo da tag: Lagoa Rodrigo de Freitas

Delícias do Bistrô: Um lugar obrigatório em Bagé

AURORA DE CINEMA direto do Festival de Cinema da Fronteira

É um bangalô cheio de charme. Situado na praça dos Esportes, uma das mais frequentadas de Bagé – a bela cidade gaúcha conhecida como Rainha da Fronteira, por sua proximidade ao Uruguai -, o belo tom de verde de sua fachada é o que primeiro chama atenção.

Ali fica o conhecido Bistrô Yara Coronel, um lugar dominado pela elegância de sua anfitriã, o charme de seus múltiplos e coloridos espaços, a boa música, a beleza de sua ambientação e, sobretudo, pela excelência de sua culinária e o atendimento convidativo.

Bistrô Yara Coronel, um recanto especial em Bagé, coisa de Primeiro Mundo…

Yara Coronel é uma Artista ! Por muitos anos, lecionou Arte para crianças e jovens de Bagé. O tempo encarregou-se de aprimorar sua alma de fazedora de sonhos e artesã de belezas, e ela foi ‘ensinar arte’ através da deliciosa gastronomia do Bistrô e de sua veia singular de criadora de espaços lúdicos cheios de bossa e charme. Resultado: o Bistrô Yara Coronel é uma festa para os olhos e um regalo para o paladar.

Yara Coronel, figura festejada em Bagé, uma Artista que cultiva Artistas…

Cenários convidativos fazem do Bistrô Yara Coronel um lugar especial…

Ir ou estar em Bagé e não conhecer o Bistrô de Yara Coronel é o mesmo que ir ao Rio de Janeiro e não conhecer o Corcovado ou a Lagoa Rodrigo de Freitas. Ou como diria o Skank,

“É como mergulhar no rio
E não se molhar
É como não morrer de frio
No gelo polar
É ter o estômago vazio e
Não almoçar …”

Por conta da realização do IV Festival Internacional de Cinema da Fronteira, no qual assino com muita honra a Curadoria – obrigada, Zeca Brito e Sapiran pela distinção do convite -, tenho jantado no Bistrô todas as noites. E quanto mais vou ali, mais me impressiono com a qualidade indubitável e irretocável do restaurante. Não à toa, o Bistrô está sempre lotado. E chegando mais gente…

No BISTRÔ YARA CORONEL tudo é um convite a estar, voltar, virar frequentador assíduo. Os pratos são diversos – da massa ao bacalhau, passando pelo frango, o saborosíssimo peixe, até o salmão e outras iguarias finas. Aliás, no Bistrô Yara Coronel, é possível até pedir um prato ‘no escuro’, sem olhar o cardápio. Porque todos os pratos do Bistrô foram criados pela mesma sensibilidade gastronômica e são feitos com as mesmas mãos de fada das artistas do sabor, Raquel e Lu.

Há pratos cujos nomes já dão pro freguês ‘sentir o drama’ : como o Arraso e o Pecado -, além de exemplares de filé que enchem os olhos e regalam o paladar… o que é aquele Salmão Crocante com molho de manga e castanhas ? Benza Deus !

O único senão do Bistrô Yara Coronel é que você não quer sair de lá, pretende voltar sempre, e adeus dieta !

Cândida, Aurora, Martinha e Bete: noites incríveis no Bistrô Yara Coronel, um lugar especial e obrigatório em Bagé…

Um beijo muito carinhoso e agradecido à Diva Yara Coronel, e à sua fabulosa equipe de assistentes, que nos recebem com atenção, delicadeza e simpatia todas as noites – Martinha, Bete, Cândida, Marley, e ainda Rosane Coutinho (Marketing), Lu e Raquel… e parabéns à equipe de organização do IV Festival de Cinema da Fronteira, que nos concedeu este adorável presente de poder estar todas as noites neste lugar mágico, nostalgicamente plástico, belo e singular que é o BISTRÔ YARA CORONEL.

O exótico ambiente de onde saem as preciosas delícias do Bistrô Yara Coronel…

Tudo no Bistrô é um convite ao sorriso e ao brilho do olhar…

Rosane Coutinho e Aurora Miranda Leão curtindo a noite do Bistrô da Yara…

Júnior Rodrigues e Marquinho Silva: gente de cinema no Bistrô Yara Coronel…

Aurora de Cinema em click Rosane Coutinho, simpatia do Bistrô…

Um dos espaços mais bonitos, a apaixonante Sala Azul, um luxo para o olhar…

CHORANDO pelo RIO…

HÁ 44 ANOS, CIDADE MARAVILHOSA NÃO VIA TANTA ÁGUA

A chuva que atinge o Rio de Janeiro pelo segundo dia seguido nesta terça-feira deixou ao menos 93 mortos no Estado, informou o Corpo de Bombeiros. Por volta das 16h42, segundo a agencia meteorológica Climatempo, voltou a chover na cidade. De acordo com a corporação, o número de mortos pode aumentar porque diversos corpos ainda estão sendo contabilizados em Niterói.

“Há pessoas soterradas e desaparecidas. O Corpo de Bombeiros está revirando terras e escombros em muitos locais e o trabalho é árduo. Como voltou a chover, estamos abrindo nossos frontes de trabalho”, disse o sargento Lúcio, do Corpo de Bombeiros. O número de feridos é de ao menos 44.

A maioria das mortes, 40, aconteceu em Niterói, no Grande Rio, disseram os Bombeiros. Segundo a corporação, na capital houve 36 vítimas fatais. Outras cidades afetadas foram São Gonçalo e Nilópolis.

No morro do Borel, na Tijuca, a bebê Ana Marcele Barbosa, de cinco meses, uma jovem de 16 anos e Francisca Bezerra de Souza, 60 anos, morreram soterradas no desabamento da casa em que estavam. Outras 12 pessoas ficaram feridas.

No morro dos Macacos, em Vila Isabel, foram cinco vítimas fatais, todas de uma mesma família que morava na rua Senador Nabuco. Um deslizamento de terra causou mais cinco óbitos no Morro do Andaraí e outros três no Morro do Turano, ambos na zona norte. A tragédia também fez uma vítima no bairro de Jacarepaguá, na zona oeste.

A Defesa Civil contabilizou 12 mortos e 15 feridos no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa. O caos também se abateu sobre a Região Metropolitana. A prefeitura de Niterói informou que as mortes no município em decorrência do temporal já somam 14 pessoas. Em São Gonçalo, o número chega a nove. Segundo os bombeiros, muitos corpos ainda estão desaparecidos. Nilópolis, na Baixada Fluminense, registrou uma vítima. Em Petrópolis, na Região Serrana, houve a notificação de uma pessoa morta.

Na capital fluminense, as aulas foram canceladas e a população foi orientada a permanecer em casa e deixar áreas de risco. Foram registrados pelo menos 180 deslizamentos e há ainda muitos desaparecidos.

“A situação é crítica. São vias muito alagadas e paradas. A orientação para as pessoas é que não saiam de casa e evitem deslocamentos”, disse por telefone o prefeito Eduardo Paes (PMDB), na manhã desta terça.

Em uma entrevista coletiva posterior, o prefeito informou que em menos de 24 horas choveu em média 288 mm na cidade, e que havia pelo menos 10 mil residências em locais de risco, principalmente em morros e favelas. “É a maior chuva das grandes tragédias da história do Rio de Janeiro”, disse.

De acordo com o instituto de meteorologia Climatempo, num período de 12 horas entre segunda e terça-feira choveu o que estava previsto para todo o mês de abril.

Alagamentos

A Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul, transbordou e inundou as pistas em seu entorno. A Praça da Bandeira, na região central, alagou logo no início do temporal na segunda-feira e diversos carros que estavam no local ou que tentavam cruzar a região ficaram submersos, muitos foram abandonados.

Prédio ameaça desabar

Um prédio de quatro andares na estrada do Rio Jequiá, na Ilha do Governador, corre risco de desabar. Bombeiros de várias unidades foram deslocados para o local.

Prefeito recomenda: NÃO SAIAM DE CASA

Em comunicado, o prefeito Eduardo Paes pediu que a população evite os grandes deslocamentos de pela cidade, principalmente em direção ao centro.

“A situação é de caos. Todas as vias estão interrompidas e é um risco enorme para quem tentar sair de casa. Não saiam de casa, não levem seu filho à escola até que possamos avaliar melhor a situação e alterar a orientação. Ainda chove muito. Se preservem e tomem muito cuidado, principalmente as pessoas que moram em áreas de risco. A situação é muito crítica”, disse o prefeito.

MAIS CHUVA…

Segundo a Climatempo, a chuva ainda deve atingir o Rio. Uma forte frente fria avança pelo Sudeste do Brasil e o intenso contraste térmico entre o ar polar e o ar quente tropical mantém as condições de chuva constante. Além disso, a temperatura superficial das águas do Atlântico, perto do litoral fluminense, está cerca de 2°C acima do normal.

Em menos de 12 horas foram acumulados, em algumas áreas da cidade, cerca de 300 mm de chuva. No geral o volume acumulado variou entre 150 e 300 mm. O volume normal para todo o mês de abril é de cerca de 140 mm. Ainda chove de forma constante ao longo do dia de hoje, totalizando pelo menos cerca de 70 mm nesta terça-feira. Além disso, o mar sobe muito nas próximas 24-36 horas. Há previsão de ressaca entre esta quarta e quinta-feira.

Aeroportos

O aeroporto Santos Dumont ficou fechado para pousos e decolagens durante três horas na manhã desta terça-feira. O terminal alternou períodos de funcionamento e suspensão das atividades. Às 16h, o boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) registrava 28 atrasos (27,5%) e 68 cancelamentos (66,7%).

Ainda de acordo com a Infraero, o Galeão, que operou por instrumentos durante o dia, também tinha problemas, com 38 dos 78 voos atrasados (48,7%) às 16h.

Transporte

A Secretaria de Transportes informou que a operação do metrô continua normal na tarde desta terça-feira com intervalos de 6 minutos nas linhas 1 e 2. Os trens operados pela SuperVia também circulam regularmente em todos os ramais, inclusive na linha para Saracuruna, normalizada às 15h30.

Para quem utiliza as barcas, a volta para casa também está garantida. Os intervalos na travessia Rio-Niterói são de 30 minutos. Por determinação da Capitania dos Portos, e em função da baixa visibilidade no mar, as embarcações estão operando com velocidade reduzida e auxílio de instrumentos. A linha Rio-Charitas continua interrompida em função da previsão de ondas de até 3 m. As viagens para Cocotá a partir do Rio serão retomadas a partir das 17h.

Aulas suspensas

A Secretaria de Educação do Rio anunciou que os estabelecimentos de ensino da rede municipal devem suspender as aulas nesta terça-feira. A decisão se deve aos alagamentos causados pelo temporal de 13 horas que atingiu a cidade. A informação é da Globo News.

Ministério Público fechado

O Ministério Público (MP) suspendeu as atividades em todo o Estado devido à forte chuva que atinge o Rio de Janeiro.

EU TAMBÉM SOU CARIOCA

Minha carioquice tem raízes profundas e intensas… 

Porque os melhores dias de minha infância passei nas terras de Vinícius, ao lado de meus pais, meu três manos queridos e minha amiga de todas as horas, a fantástica Niete. Lá, entre as sombras frondosas da pacata General Glicério, eu e meus manos vivemos o auge das primeiras brincadeiras com os primos; descobrimos como era andar de elevador e morar em apartamento, coisa rara pra quem nascera em casa ampla de muitos quartos e pés de sirigüela, goiaba e coqueiro no quintal; e tivemos a companhia sempre agradável dos tios que nos levavam para conhecer os lugares mais bacanas da cidade de que mamãe sempre nos contava, de encantos mil, qual Pão de Açúcar, Corcovado, Quinta da Boa Vista, Vista Chinesa, sem faltar nossa ida aos antigos estúdios da Rede Tupi e TV Globo para acompanhar de perto a gravação de programas de auditório (embora a idade não me permitisse entrar em nenhum deles) e chegar mais perto dos artistas.

Porque o Rio me trouxe a família, uma família onde não faltavam primos e tios de todas as idades, um Natal sempre de mesa farta e os réveillons mais charmosos dos meus olhos;

//                                     
Porque adoro tomar chá matte gelado, a qualquer hora do dia ou da noite, de preferência acompanhado de biscoito Globo. Porque minha graça sintoniza com a irreverência do humor inteligente de Mauro Rasi, Miguel Paiva, Tim Rescala, Pedro Cardoso e a turma dos Cassetas; e porque no Rio sempre encontro apaixonados cidadãos cariocas, como o baianísimo Jorge Salomão, o paulista Matheus Nachtergaele e a paraense Rosamaria Murtinho de todos os palcos.
                            

Porque conhecer o Rio foi como penetrar numa canção cheia de Bossa e Nova graça, conjunção que até hoje nos enleva a alma e faz lembrar o barquinho vai, a tardinha cai; ou do carioquíssimo hino ao Tom – rua Nascimento e Silva, 107, você ensinando pra Elizeth as canções de Canção do Amor Demais

… e porque tenho ademais a sorte e a alegria de ter amigos tão cariocas como Bernadete Duarte, Alice (Cinédia) Gonzaga, Maria Letícia, Luiz Carlos Lacerda, Denise Del Cueto, Valério Fonseca, Allan Ribeiro, Lea Garcia e Carminha Araújo …
                 
Porque o Rio, que não é só de janeiro mas de todos os meses onde a sintonia com a alegria seja mais mais forte, é a cidade onde me sinto mais à vontade, quase pé-no-chão no quintal de casa; cidade que me apresentou Lamartine Babo e suas deliciosas marchinhas do carnaval de todos os tempos… e os mais lindos hinos de futebol do mundo, mesmo sendo eu botafoguense – como Vinícius e João Moreira Salles -, e não Flamengo como o carioquíssimo paraibano Herbert Vianna.

Porque o Rio me trouxe Vinícius de Moraes e Vininha me trouxe a Ipanema, de toda garota, e do cronista Artur da Távola, que com sua maneira sincera, inteligente e refinada de ser carioca me fez ainda mais cativa da Cidade Maravilhosa;
                                                    

Porque adoro ir pra praia e cair na água e quando estou no Rio me sinto personagem de um cartão postal do qual posso dispor a toda hora, em qualquer clima, com todos os matizes que a brejeirice carioca torna moda pro mundo quando assume as passarelas de nosso olhar embriagado por tanta beleza;

Porque ser carioca não é questão de batistério- nome por demais formal pra rimar com quem nasce abençoado pela imagem cravada no Corcovado. Ser carioca é questão de pulsação, não exige nacionalidade, bairrismo nem formalidade. Ser carioca é caminhar como quem anda de mãos dadas com o ar e encontrar, a cada esquina ou beira-mar, mais um motivo para afirmar: “É melhor ser alegre que ser triste, a alegria é a melhor coisa que existe, é assim como a luz no coração…”

 Saravá, Vininha !
                      

Sou carioca porque não me canso de olhar  a Lagoa Rodrigo de Freitas nem consigo parar de me embevecer cada vez que trafego no sentido São Conrado-Flamengo, num adorável pris-du-vie pela fascinante orla carioca;

          

Sou carioca porque me encanto a cada vez que olho a Ilha Fiscal ou lembro da beleza das ilhas Cagarras e não deixo de passar pela feira da Praça XV e a Feira Hippie de Ipanema, de onde é quase impensável sair sem carregar muitas sacolas. Penso, ademais que quem vai ao Rio e não fica completamente estarrecido ante tamanha disponibilidade do Criador com a criação de lugar tão belo e magiar, deve mesmo ter nascido sem samba no pé e nem bom sujeito é.

Sou carioca porque sou Santa Tereza e seu bondinho tornando os Arcos da Lapa paisagem art-noveau; porque sou Catete, Glória, Laranjeiras, Botafogo, Flamengo e todos os bairros que me fazem a infância bater mais fundo e apressam o compasso do meu coração;

 

 
Em passeio feliz pelo centro da capital carioca, esta jornalista (outubro de 2008)…

Sou carioca porque é tão fácil embarcar na poesia encravada da Cinelândia do Odeon, do Amarelinho e do imponente Teatro Municipal e porque adoro baixar no Largo da Carioca, onde o verão do Rio é mais forte que no mar, e não saio de lá sem dar uma passada na praça Tiradentes – pra conferir o lugar onde morou a maestrina Chiquinha Gonzaga e onde estão abrigados dois teatros históricos, o Carlos Gomes e o João Caetano, defronte ao belo prédio do Real Gabinete Português de Leitura. E, claro, no entorno da Carioca, apressar o passo e dar uma passadinha no Saara pra deixar cair umas moedinhas pelo comércio popular mais serelepe do país, depois afastar o cansaço e o calor com uma passadinha no tradicional Bar Luís, onde meu pai aprendeu a sorver chopp com meu querido avô Miranda e minha frenética vó Virgínia, nosso adorados e saudosos Juju e Noquinha.

Sou carioca porque o Rio recupera todas as minhas energias: basta olhar a marina da Glória, a Vermelha praia da Urca, ou a linda enseada de Botafogo – vontade de ficar lá pra sempre.


                                
Sou carioca porque o Rio parece uma cidade sempre pronta a desfraldar uma festa, por qualquer motivo banal, desde que a descontração, a graça e o intuito de fazer alguém feliz esteja em evidência.

Sou carioca sobretudo porque no Rio me sinto uma brasileira do mundo, alma cosmopolita, recheada de dons artísticos, plena de paixão e efervescente de energia pra fazer tocar e dançar todos os ritmos numa só voz, como em uníssono a saudar:

 

Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil

Cidade Maravilhosa, coração do meu Brasil !

Enfim, SOU CARIOCA PORQUE QUERO !