Arquivo da tag: Laranjeiras

Três Queridos na Seleção Curta-SE

O Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE) divulga lista dos selecionados a participar da 10ª edição do festival. Foram selecionados 20 curtas em 35 mm, 20 vídeos, 5 vídeos de bolso e 10 vídeos sergipanos. Os cinco longas selecionados serão divulgados ainda esta semana. 

Esta ano, 430 trabalhoss foram inscritos nas 5 categorias, número superior ao do ano passado, quando 403 produções passaram pela seleção. Mais uma vez, a categoria ‘vídeo’ foi a que teve mais inscrições (290), seguido de curta 35 mm (99). São Paulo é o estado que mandará mais realizadores: 111, ao todo. Sergipe teve 23 inscritos. 

Para comemorar 10 anos do festival, a organização do Curta-SE vai premiar com R$ 10 mil os três primeiros colocados sergipanos. A premiação será de R$ 5 mil para o 1º lugar, de R$ 3 mil e R$ 2 mil para os 2º e 3º lugares respectivamente. “Além desta premiação, estamos trabalhando para fechar outras parcerias e garantir mais prêmios para os sergipanos”, frisou Deyse.

Este ano, o CURTA-SE acontece de 14 a 18 de setembro nas cidades de Aracaju, São Cristóvão, Estância e Laranjeiras. 

 

OS SELECIONADOS

Vídeos

Vanja, mulher rendeira  

Juliana Major, 2010, Cor, Documentário, 18’55’’, Rio de Janeiro – RJ  

La Culpa el Outro  

Iván Ruiz Flores, 2009, Cor, Ficção, 19’, Madri – ESP  

Silêncio, Por Favor  

Filipe Matzembacher, 2009, Cor, Documentário, 7’11’’, Porto Alegre – RS  

Timing  

Amir Admoni, 2009, Cor, Ficção, 8’15”, São Paulo – SP  

Dois Mundos  

Thereza Jessouroun, 2009, Cor, Documentário, 15’, Rio de Janeiro – RJ  

Aziz  

Alê Camargo, 2009, Cor, Ficção, 4’47’’, Brasília – DF  

Incordia  

Pablo Polledri, 2010, Cor, Animação, 10’17’’, Buenos Aires – ARG  

Os anjos do meio da praça  

Alê Camargo e Camila Carrossine, 2010, Cor, Animação, 10’12’’, São Paulo – SP  

300 Dias  

Felipe Wenceslau, 2010, Cor, Ficção, 15’, Salvador – BA  

Bom Dia, Meu Nome é Sheila ou Como Trabalhar em Telemarketing e Ganhar um Vale-Coxinha  

Angelo Defanti, 2009, Cor, Ficção, 15’, Rio de Janeiro – RJ  

Até o fim do dia  

Gustavo Brandão, 2009, Cor, Ficção, 15’, São Paulo – SP  

Copia –A-  

Gervasio Rodriguez Traverso e Pablo A. Diaz, 2009, Cor, Animação, 5’40’’, Buenos Aires – ARG  

A Terra a Gastar  

Celina Kurihara e Cassia Mary Itamoto, 2009, Cor, Animação, 5’44’’, São Paulo – SP  

Sildenafil  

Raul Doria, 2009, Cor, Ficção, 15’, São Paulo – SP  

Hr. Kleidmann de Marcos Fausto  

Marcos Fausto, 2010, Cor, Ficção, 15’, São Paulo – SP  

A Profecia de Asgard  

Giu Jorge, 2010, Cor, Ficção, 14’, Niterói – RJ  

Último Retrato  

Abelardo de Carvalho, 2010, P&B, Documentário, 9’36’’, Rio de Janeiro – RJ  

Ouija  

Marcelo Galvão, 2010, Cor, Ficção, 13’, São Paulo – SP  

Poliamor  

José Agripino, 2009, Cor, Documentário,14’ 23”, São Paulo – SP  

As aventuras de Seu Euclides: Chegança   

Marcelo Roque Belarmino, 2009, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

35 mm

 

O Divino, De Repente  

Fábio Yamaji, 2009, Cor, Animação, 6’20″, São Paulo – SP  

Amona Putz!  

Telmo Esnal, 2009, Cor, Ficção, 9’, San Sebastian – ESP  

Quando as cores somem  

Luciano Lagares, 2009, Cor, Animação, 15’, São Paulo – SP  

5 Recuerdos  

Alejandra Marquez e Oriana Alcaine, 2009, Cor, Ficção, 12’, Cidade do México – MEX  

El nunca lo haria  

Anartz Zuazua, 2009, Cor, Ficção, 15’, San Sebastian – ESP  

Um Lugar Comum  

Jonas Brandão, 2009, Cor, Animação, 9’53”, São Paulo – SP  

Aos pés  

Zeca Brito, 2009, Cor, Ficção, 18’, Porto Alegre – RS  

Musa Divinorum  

Carlos Eduardo Nogueira, 2010, Cor, Animação, 13’30’’, São Paulo – SP  

Revertere Ad Locum Tuum  

Guilherme Fiúza, 2010, Cor, Ficção, 15’, Belo Horizonte – MG  

Mie²  

Iván Ruiz Flores, 2010, Cor, Ficção, 20’, Madri – ESP  

Reconhecimento  

Ítalo Cajueiro, 2009, Cor, Animação, 12’, Brasília – DF  

Alguém tem que honrar essa derrota!  

Leonardo Esteves, 2009, P&B, Experimental, 7´30″, Rio de Janeiro – RJ  

Aranceles  

Melo Viana, 2009, Cor, Experimental, 15’, Curitiba – PR  

Ahate Pasa  

Koldo Almandoz, 2009, Cor, Documentário, 13’, San Sebastian – ESP  

Zé[s]  

Luiz Antônio Gomes, 2010, Cor, Documentário, 15’, Rio de Janeiro – RJ  

Depois do Almoço  

Rodrigo Diaz, 2009, Cor, Ficção, 13’, São Paulo – SP  

Rendez-vous  

Fernanda Teixeira, 2009, Cor, Ficção, 17’, Rio de Janeiro – RJ  

Senhoras  

Adriana Vasconcelos, 2010, Cor, Ficção, 10’30’’, Taguatinga – DF  

Azul  

Eric Laurence, 2009, Cor, Ficção, 10’, Recife – PE  

Formigas  

Caroline Fioratti, 2009, Cor, Ficção, 18’, São Paulo – SP  

Vídeos Sergipanos 

As aventuras de Seu Euclides: Chegança  

Marcelo Roque Belarmino, 2009, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

Arrastada  

Gabriela Caldas, 2010, Cor, Ficção, 4’30’’, Aracaju – SE  

5 min  

Hildegarden Andrade de Sá, 2009, Cor, Ficção, 6’, Aracaju – SE  

Grávido  

Ítalo Lucas de Melo, 2010, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

Cacuete – a incrível performance de Crendices  

Maycira Leão, 2010, Cor, Documentário, 15’, Aracaju – SE  

Dona Josefa: A Guia da Serra  

Rita Simone, 2010, Cor, Documentário, 14’, Aracaju – SE  

Antonin  

Gabriela Caldas, 2009, Cor, Experimental, 6’35’’, Aracaju – SE  

Festa do Mastro 2009  

Rubens Carvalho, 2010, Cor, Documentário, 10′ 27”, Aracaju – SE  

Akiles  

Gilberto Bruno de Carvalho, 2010, P&B, Experimental, 14’, Aracaju – SE  

Oh! Patrícia  

José Gonçalves de De La Cierva, 2009, Cor, Ficção, 15’, Aracaju – SE  

Vídeos de Bolso 

Novos Velhos  

Rafael Jardim, 2010, Cor, Ficção, 2’, Salvador – BA  

You Bitch Die!!!  

Lucas Sá, 2009, Cor, Ficção, 2’49”, São Luís – MA  

Nostalgia  

Yuri Ledesma de Moraes, 2010, Cor, Ficção, 1’30”, Sorocaba – SP  

Sangre  

Cris Ventura, 2009, Cor, Experimental, 3’, Belo Horizonte – MG  

Sede e Saudade  

Marlon Delano, 2010, Cor, Ficção, 1’30’’, Itabaiana – SE 

* Os concorrentes cujos criadores são amigos desta redatora são:

Quando as cores somem, de Luciano Lagares, de Sampa (com desenhos de Jairo Rodrigues)

You Bitch Die!!! , de Lucas Sá, de São Luís (MA)

e 300 Dias, de Felipe Wenceslau, de Salvador (BA)

Desde já, PARABÉNS a vocês, amigos de outros festivais, pra todos os tempos ! SARAVÁ !

Saiba mais: http://curtase.org.br

EU TAMBÉM SOU CARIOCA

Minha carioquice tem raízes profundas e intensas… 

Porque os melhores dias de minha infância passei nas terras de Vinícius, ao lado de meus pais, meu três manos queridos e minha amiga de todas as horas, a fantástica Niete. Lá, entre as sombras frondosas da pacata General Glicério, eu e meus manos vivemos o auge das primeiras brincadeiras com os primos; descobrimos como era andar de elevador e morar em apartamento, coisa rara pra quem nascera em casa ampla de muitos quartos e pés de sirigüela, goiaba e coqueiro no quintal; e tivemos a companhia sempre agradável dos tios que nos levavam para conhecer os lugares mais bacanas da cidade de que mamãe sempre nos contava, de encantos mil, qual Pão de Açúcar, Corcovado, Quinta da Boa Vista, Vista Chinesa, sem faltar nossa ida aos antigos estúdios da Rede Tupi e TV Globo para acompanhar de perto a gravação de programas de auditório (embora a idade não me permitisse entrar em nenhum deles) e chegar mais perto dos artistas.

Porque o Rio me trouxe a família, uma família onde não faltavam primos e tios de todas as idades, um Natal sempre de mesa farta e os réveillons mais charmosos dos meus olhos;

//                                     
Porque adoro tomar chá matte gelado, a qualquer hora do dia ou da noite, de preferência acompanhado de biscoito Globo. Porque minha graça sintoniza com a irreverência do humor inteligente de Mauro Rasi, Miguel Paiva, Tim Rescala, Pedro Cardoso e a turma dos Cassetas; e porque no Rio sempre encontro apaixonados cidadãos cariocas, como o baianísimo Jorge Salomão, o paulista Matheus Nachtergaele e a paraense Rosamaria Murtinho de todos os palcos.
                            

Porque conhecer o Rio foi como penetrar numa canção cheia de Bossa e Nova graça, conjunção que até hoje nos enleva a alma e faz lembrar o barquinho vai, a tardinha cai; ou do carioquíssimo hino ao Tom – rua Nascimento e Silva, 107, você ensinando pra Elizeth as canções de Canção do Amor Demais

… e porque tenho ademais a sorte e a alegria de ter amigos tão cariocas como Bernadete Duarte, Alice (Cinédia) Gonzaga, Maria Letícia, Luiz Carlos Lacerda, Denise Del Cueto, Valério Fonseca, Allan Ribeiro, Lea Garcia e Carminha Araújo …
                 
Porque o Rio, que não é só de janeiro mas de todos os meses onde a sintonia com a alegria seja mais mais forte, é a cidade onde me sinto mais à vontade, quase pé-no-chão no quintal de casa; cidade que me apresentou Lamartine Babo e suas deliciosas marchinhas do carnaval de todos os tempos… e os mais lindos hinos de futebol do mundo, mesmo sendo eu botafoguense – como Vinícius e João Moreira Salles -, e não Flamengo como o carioquíssimo paraibano Herbert Vianna.

Porque o Rio me trouxe Vinícius de Moraes e Vininha me trouxe a Ipanema, de toda garota, e do cronista Artur da Távola, que com sua maneira sincera, inteligente e refinada de ser carioca me fez ainda mais cativa da Cidade Maravilhosa;
                                                    

Porque adoro ir pra praia e cair na água e quando estou no Rio me sinto personagem de um cartão postal do qual posso dispor a toda hora, em qualquer clima, com todos os matizes que a brejeirice carioca torna moda pro mundo quando assume as passarelas de nosso olhar embriagado por tanta beleza;

Porque ser carioca não é questão de batistério- nome por demais formal pra rimar com quem nasce abençoado pela imagem cravada no Corcovado. Ser carioca é questão de pulsação, não exige nacionalidade, bairrismo nem formalidade. Ser carioca é caminhar como quem anda de mãos dadas com o ar e encontrar, a cada esquina ou beira-mar, mais um motivo para afirmar: “É melhor ser alegre que ser triste, a alegria é a melhor coisa que existe, é assim como a luz no coração…”

 Saravá, Vininha !
                      

Sou carioca porque não me canso de olhar  a Lagoa Rodrigo de Freitas nem consigo parar de me embevecer cada vez que trafego no sentido São Conrado-Flamengo, num adorável pris-du-vie pela fascinante orla carioca;

          

Sou carioca porque me encanto a cada vez que olho a Ilha Fiscal ou lembro da beleza das ilhas Cagarras e não deixo de passar pela feira da Praça XV e a Feira Hippie de Ipanema, de onde é quase impensável sair sem carregar muitas sacolas. Penso, ademais que quem vai ao Rio e não fica completamente estarrecido ante tamanha disponibilidade do Criador com a criação de lugar tão belo e magiar, deve mesmo ter nascido sem samba no pé e nem bom sujeito é.

Sou carioca porque sou Santa Tereza e seu bondinho tornando os Arcos da Lapa paisagem art-noveau; porque sou Catete, Glória, Laranjeiras, Botafogo, Flamengo e todos os bairros que me fazem a infância bater mais fundo e apressam o compasso do meu coração;

 

 
Em passeio feliz pelo centro da capital carioca, esta jornalista (outubro de 2008)…

Sou carioca porque é tão fácil embarcar na poesia encravada da Cinelândia do Odeon, do Amarelinho e do imponente Teatro Municipal e porque adoro baixar no Largo da Carioca, onde o verão do Rio é mais forte que no mar, e não saio de lá sem dar uma passada na praça Tiradentes – pra conferir o lugar onde morou a maestrina Chiquinha Gonzaga e onde estão abrigados dois teatros históricos, o Carlos Gomes e o João Caetano, defronte ao belo prédio do Real Gabinete Português de Leitura. E, claro, no entorno da Carioca, apressar o passo e dar uma passadinha no Saara pra deixar cair umas moedinhas pelo comércio popular mais serelepe do país, depois afastar o cansaço e o calor com uma passadinha no tradicional Bar Luís, onde meu pai aprendeu a sorver chopp com meu querido avô Miranda e minha frenética vó Virgínia, nosso adorados e saudosos Juju e Noquinha.

Sou carioca porque o Rio recupera todas as minhas energias: basta olhar a marina da Glória, a Vermelha praia da Urca, ou a linda enseada de Botafogo – vontade de ficar lá pra sempre.


                                
Sou carioca porque o Rio parece uma cidade sempre pronta a desfraldar uma festa, por qualquer motivo banal, desde que a descontração, a graça e o intuito de fazer alguém feliz esteja em evidência.

Sou carioca sobretudo porque no Rio me sinto uma brasileira do mundo, alma cosmopolita, recheada de dons artísticos, plena de paixão e efervescente de energia pra fazer tocar e dançar todos os ritmos numa só voz, como em uníssono a saudar:

 

Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil

Cidade Maravilhosa, coração do meu Brasil !

Enfim, SOU CARIOCA PORQUE QUERO !