Arquivo da tag: Michel Foucault

Natal Impulsiona Cinema & Educação

 

A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PROEX/UFRN), em parceria com o Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA/UFRN) e o Departamento de Educação (DEPED/UFRN) promovem, gratuitamente, o curso Cinema & Educação – Um Olhar Pós-estruturalista.

O projeto prevê a realização de 10 encontros, com exibição de filmes e diálogos orientados, objetivando utilizar o audiovisual como campo de experimentação do pensamento, a partir de discussões de questões da contemporaneidade em suas relações com os processos educativos.

As atividades serão realizadas em Abril, Maio e Junho. As inscrições acontecem estasemana, das 9h às 12h, e das 14h às 17h, na sala 5, da ala nova do Departamento de Educação do CCSA. A oferta é de 35 vagas

 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO
Projeto de Extensão
CINEMA & EDUCAÇÃO:
UM OLHAR PÓS-ESTRUTURALISTA
Descrição
Utilizaremos o cinema como campo de experimentação do pensamento, tendo por objetivo problematizar questões da contemporaneidade em suas relações com os processos educativos entendidos de forma ampla. Pretendemos produzir diálogos e encontros entre alguns filmes que serão exibidos ao longo do curso e conceitos que serão abordados numa perspectiva pós-estruturalista a partir das contribuições de Gilles Deleuze, Michel Foucault, Zygmunt Bauman, Gilles Lipovetsky, entre outros.
Público-alvo
Alunos, professores e funcionários da UFRN e comunidade não-UFRN.
Início/término
Serão 10 encontros, às quintas-feiras, das 19 às 22h, nos meses de Abril (dias 07, 14 e 28), Maio (dias 05, 12, 19 e 26) e Junho (dias 02, 09 e 16).
Inscrições/seleção

 
Interessados deverão entregar no ato da inscrição:

1) mini-currículo (máximo de 10 linhas); 2) justificativa do interesse pela proposta do curso (máximo de 10 linhas); 3) ficha de inscrição devidamente preenchida. Período e local de inscrições: de 21 a 25 de março de 2011, das 09 às 12h e das 14 às 17h, na sala 05 da ala nova do prédio do CCSA (Departamento de Educação), no Campus Central da UFRN. 

A inscrição e o curso são gratuitos. Os resultados da seleção serão divulgados dia 31 de março. Os selecionados serão comunicados por e-mail.

Mais informações: (84) 3215-3657.
Coordenadores do Projeto
Prof. Dr. Alexander de Freitas, Prof.ª Dr.ª Karyne Dias Coutinho e Prof.ª Dr.ª Mariangela Momo, vinculados ao DEPED/CCSA/UFRN.

TV SAI DO ARMÁRIO

Fruto de ampla pesquisa sobre a cobertura dada pela TV à questão da homossexualidade, a obra revela como as emissoras ainda se pautam pelo preconceito e pela falta de informação. Analisando a programação das emissoras, o autor mostra os equívocos ao lidar com as diferenças sexuais.

Em pleno século XXI, os meios de comunicação ainda abordam a questão da homossexualidade de forma preconceituosa. Embora se esforcem para ser “politicamente corretos”, na prática, são incapazes de lidar com a diferença. Para o jornalista Irineu Ramos Ribeiro, a mídia, em geral, aponta a sexualidade com deboche, discriminação e caricaturização. No livro A TV no armário – A identidade gay nos programas e telejornais brasileiros, lançamento das Edições GLS, ele analisa diversos aspectos do tratamento dado aos gays na programação humorística, em telejornais e em novelas, demonstrando as diversas formas pelas quais o preconceito é estimulado. Baseando-se no pensamento de Michel Foucault e noções da teoria queer, ou teoria do estranhamento, o autor comprova que a televisão brasileira acaba transmitindo valores negativos, depreciativos e caricatos no que se refere aos gays. “Está na hora de mudar de rumo”, afirma Ribeiro, lembrando que a mídia tem um papel determinante na formação de identidade.

Fruto de ampla pesquisa, desenvolvida durante dois anos, incluindo também a observação de toda a programação de TV, a obra abre caminhos para problematizar a maneira pejorativa como a comunidade LGBT é retratada na telinha. Ribeiro mostra, em quatro capítulos, que os meios de comunicação ainda precisam percorrer um longo caminho para retratar as diferenças de gênero, ajudando a reafirmar a identidade gay e a construir um mundo onde a diversidade seja respeitada. “A TV tem dificuldade de se pautar por abordagens que informam sobre a amplitude que o tema sexualidade implica. A consequência disso é que acabam se restringindo à reprodução de enfoques que estimulam o preconceito”, complementa o autor.

Ao longo da obra, o autor discorre sobre o limiar dos gêneros, abordando questões como ambiguidade, identidade, sexualidade e formas de pensar. Fala sobre o desenvolvimento das identidades sexuais “proscritas” no decorrer do século XX e as relações de poder na mídia televisiva. Faz um breve histórico do movimento homossexual no mundo e de algumas de suas lutas até chegar à década de 1970, quando o gênero passa a ter uma conotação social ampla. “O conceito de gênero se refere à construção social e cultural que se organiza a partir da diferença sexual”, revela o autor.

O livro traz ainda um breve relato histórico do surgimento da TV no Brasil e o levantamento da cobertura jornalística televisiva da Parada do Orgulho Gay de São Paulo. Em seguida, o autor examina alguns programas humorísticos que tratam o gay com escracho, um game show que perde a oportunidade de esclarecer que a diferença é saudável e uma novela que acaba apelando para o sentimentalismo na hora de retratar o amor homossexual. “Procuro demonstrar as sutis abordagens em que o preconceito é estimulado e impede a existência de um mundo onde a diferença seja respeitada”, explica o autor.

“Ribeiro tem a rara capacidade de expor as inclinações preconceituosas e reforçadoras de preconceitos que as emissões de TV disseminam em relação aos homossexuais sem cair na tentação de enxergar nisso uma conspiração dos setores dominantes da sociedade. Ele entende a dinâmica da indústria cultural e não a acusa de intenções diabólicas”, afirma Carlos Eduardo Lins da Silva, ex-ombudsman da Folha de S.Paulo, que assina o prefácio da obra.

O autor

Irineu Ramos Ribeiro é jornalista formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), pós-graduado em História pela mesma instituição e mestre em Comunicação pela Universidade Paulista (Unip). É membro do Centro de Estudos e Pesquisa em Comportamento e Sexualidade (CEPCoS), organização não governamental ligada às questões de gênero e sexo. Integra ainda o Grupo de Estudos “Estética, Mídia e Homocultura” da Universidade de São Paulo (USP). Apresenta trabalhos acadêmicos em diversos congressos e simpósios nacionais e é palestrante da Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual (Cads), órgão vinculado à Secretaria de Participação e Parceria da Prefeitura de São Paulo, no qual desenvolve trabalhos de capacitação nas questões de gênero, sexualidade, mídia e educação com professores da rede pública.

Título: A TV no armário – A identidade gay nos programas e telejornais brasileiros
Autor: Irineu Ramos Ribeiro
Editora: Edições GLS
Preço: R$ 31,90
Site: http://www.edgls.com.br