Arquivo da tag: Murilo Rosa e Othon Bastos em grandes atuações no filme Vazio Coração – leia no #BlogAuroradeCinema

VAZIO CORAÇÃO e um sentimento que não é possível esconder

Filme do diretor Alberto Araújo evidencia o amor com Othon Bastos e Murilo Rosa no cenário mágico do Grande Hotel de Araxá

Tire o olhar impregnado de conceitos prévios e parâmetros severos e acadêmicos do teclado que eu quero transgredir para deixar correr célere a emoção. Afinal, é a ela que devemos a primeira satisfação ao estar diante de uma criação artística. E é querendo alimentá-la que embarco em qualquer convite para ver, ler, ouvir e desfrutar de Arte & Cultura.

Caminhando por esse tapete emocional, vamos registrar nossa impressão sobre o filme Vazio Coração, ao qual tivemos a grata satisfação de assistir durante a recente edição do Anápolis Festival de Cinema.

E devo confessar: o filme surpreendeu-nos muito positivamente. Com um elenco cujos atores principais são Murilo Rosa e Othon Bastos, e onde estão nomes como Lima Duarte, Bete Mendes, Patrícia Naves, Oscar Magrini e Larissa Maciel, Vazio Coração cumpre com ótima performance seu objetivo principal: contar uma história onde o amor é o ponto-chave.

V Murilo

Romântico sem ser piegas, singelo sem ser descuidado, o filme do cineasta mineiro Alberto Araújo tem uma produção esmerada onde se percebe muito envolvimento, muito compromisso e vontade de fazer o melhor para contar uma história tocante. Alberto Araújo alcança seu intento sem dificuldade. Com ótima fotografia, assinada por Luís Abramo, direção de arte no capricho (com a assinatura de Oswaldo Liói, por si só um indício de trabalho bem feito), ótima trilha, e atuações surpreendentes como a de Patrícia Naves, que aproveita com galhardia sua participação breve – bom ver a bela atriz atuando com leveza e muita espontaneidade -, Vazio Coração é um filme para agradar a muitas e variadas plateias.

Patrícia Naves: presença bonita e atuação de destaque no filme ‘Vazio Coração’…

Murilo Rosa vive o cantor popular de imenso e cativo público, daqueles que levam multidões a shows em praças públicas. Nesse ponto, o início do filme, mostrando Hugo Kari chegando para um desses grandes shows e encantando uma multidão ávida por ouvi-lo, é impactante. Direção e produção lograram um tento importante ao conseguir realizar este show com requintes de grande produção filmada ao vivo.

O cantor ovacionado pelas multidões vive, no entanto, um intermitente e profundo problema afetivo, que vive a lhe perturbar a emoção e o faz viver dividido entre entregar-se completamente ao ofício da música ou ir em busca de preencher aquele Vazio que lhe aflige o Coração.

Vaz com Othon

Hugo e o pai, o Embaixador Mário Menezes, vivido com a categoria notória do magnânimo Othon Bastos, vivem há anos distanciados, quase sem se falar, desde que a mãe de Hugo morreu num desastre de avião, e o pai reputa ao filho a culpa pela morte da esposa. Em busca de uma reconciliação com o pai, Hugo arruma tempo na agenda, vai a Minas onde encontra-se com os avós (vividos lindamente por Bete Mendes e Lima Duarte), faz contatos com amigos que possam ajudar no contato com o pai – registrem-se as boas atuações de Oscar Magrini, a do embaixador e ator Lauro Moreira, a da bela atriz mineira Florença Drummond (a repórter que entrevista Hugo Kari em meio a uma enorme muvuca à saída de um show mas consegue fazer ‘a pergunta’ que desencadeia o cerne da trama – Florença aparece muito pouco mas, mesmo assim, lá está impressa a marca da sua beleza e competência), e até o fotógrafo Vantoen Pereira aparece e se soma positivamente ao conjunto.

Vazio pais

Lima Duarte, Bete Mendes e Murilo Rosa: Vazio Coração

V ruínas

Entre idas e vindas, finalmente Hugo consegue conversar com o pai. Alberto Araújo ambienta esse momento crucial do filme numa locação perfeita para o que o roteiro quer enfatizar: a aridez do local (belo cenário formado por ruínas de um lendário hotel em Araxá) emoldura com absoluta propriedade os desvãos conflituosos a separar pai e filho. A fotografia preciosa de Luís Abramo ressalta a insólita morbidez do lugar, evidenciando em microcosmo o viés emocional forte que liga pai e filho e que os tornou ‘estranhos’ um ao outro desde a morte prematura da mãe. Alberto Araújo não poderia encontrar metáfora melhor que ambientar aquele encontro tão esperado em cenário tão insulso e infrequente.

A história segue, a carreira de Hugo é um sucesso que diariamente atinge mais plateia, mas Hugo não consegue sensibilizar o pai. Sua mulher, vivida com a dose de doçura pedida pelo personagem por Larissa Maciel, tenta construir a ponte tão necessária. Cabe citar também a presença do cantor e compositor William Borjazz, que participa como integrante da banda de Hugo Kari, e que foi fundamental para ajudar Murilo Rosa a construir seu personagem.

Murilo Rosa, Larissa Maciel e Othon Bastos: filho, nora e pai em Vazio Coração…

Hotel Araxá

É no Grande Hotel & Termas de Araxá, lugar muito caro à família Kari, onde o cantor se hospeda e faz show lotado. Aqui é preciso ressaltar o quanto é belo, imponente e mesmo cinematográfico o Grande Hotel. Patrimônio de Araxá, e portanto do Brasil, estamos falando de um dos mais belos, agradáveis e convidativos hotéis do país.

Para quem lá, como nós, já teve a alegria de estar hospedado, é um generoso colírio adentrar com a câmera naquele oásis de tranquilidade, beleza e privilegiada arquitetura ! É uma alegria percorrer os muitos ambientes do Grande Hotel, todos belos, cada um com um ar diferente… O olhar enlaça a memória e faz uma incursão afetiva naquela construção prodigiosa: afloram lembranças preciosas de momentos felizes e a mente é invadida por imagens que se sucedem num contínuo de belas cenas, quer sejam elas reais ou imaginárias.

Assim, esse carrossel quimérico de imagens vai ganhando força no desenrolar do roteiro, ao mesmo tempo em que cresce em Hugo a vontade e o sonho de retomar com o pai um laço que não conseguiu se romper ou que o tempo não permitiu ainda elaborar com o cuidado e o carinho necessários. Um traçado sensorial rico e inventivo vai correndo em paralelo: viajam livres a imaginação do espectador e a do cantor aflito em busca do sorriso e do elo perdido com o pai.

Hotel salão

Um os salões do Grande Hotel de Araxá – foto Alex Silva

Aliás, se o Grande Hotel almejava alguma boa divulgação, nenhuma tão grandiloquente como a que infere Vazio Coração. O filme é um convite a se conhecer o majestoso Hotel e é impossível deixar o cinema sem querer conhecer aquele ambiente tão suntuoso. Quem já o conhece, como é nosso caso, fica com um gostinho enorme de querer voltar ao Grande Hotel e de reviver dias tão felizes e tranquilos naquele ambiente agradável e quase mágico, bem como emerge uma saudade enorme da tranquila e adorável cidade de Araxá.

Othon e Alb

Othon Bastos conversa com Alberto Araújo no Grande Hotel de Araxá…

A máxima de que “A boca só fala do que o coração está cheio” casa-se à perfeição, traduzindo em fina sintonia a ideia original de Alberto Araújo: Vazio Coração é um filme sobre o Amor e é essa a tônica do canto que ecoa das músicas de Hugo Kari.

Murilo Rosa e William Borjazz: afinação e cumplicidade, criador e criatura, maestro e cantor em Vazio Coração

show

Uma das cenas mais tocantes acontece justamente em noite de show do cantor Hugo Kari no Salão Ouro Preto do Grande Hotel, quando o pai do cantor finalmente resolve ir ao encontro do filho: ao final do show, pai e filho celebram o amor num abraço comovente.

Ot e Mu

Na contramão do que poderia ser um enfoque natural para um filme que conta a história de vida de um cantor de muito sucesso, Vazio Coração pega um atalho enviesado e embarca num caminho que corre paralelo à vida de holofotes, própria a de grandes ícones midiáticos: o foco é a emoção mais íntima do artista, é o que lhe move a ser como é, e não a vida que a notoriedade evidencia, e não o espaço de sensações provisórias, dimanadas e superficiais que o estrelato propicia.

Tudo isso fluindo a partir do ambiente plácido, imponente e belo do Grande Hotel & Termas de Araxá cria uma ambiência imagético-sensorial de indubitável eloquência para definir Vazio Coração como um filme sobre o amor mais profundo e mais translúcido que existe: o amor entre pai e filho, definidor e decisivo da condição emotiva inaugural.

Othon Bastos e Murilo Rosa, tendo ao fundo o belo Grande Hotel de Araxá…

Se você ainda não viu Vazio Coração, tente alugar o filme na locadora mais próxima: é uma história bonita e comovente, com grandes atores, e é CINEMA BRASILEIRO. Portanto, merece todo nosso apoio e respeito.