Arquivo da tag: Nova York

De Pernas pro Ar 2 estreia amanhã

Estreia sexta nas principais cidades do país o filmeDe Pernas pro Ar 2,  sendo o primeiro filme a ser exibido via satélite no Brasil.

Ainda inédita no Brasil, a tecnologia é uma tendência do mercado cinematográfico mundial. Na Europa, quase todas as exibições já são via satélite e nos Estados Unidos já ultrapassou a marca de 75% dos circuitos digitalizados. Atualmente, a região que se encontra mais defasada neste processo é exatamente a América Latina.

A Cinecolor do Brasil será a responsável pela distribuição do conteúdo digital via satélite nos cinemas brasileiros. Segundo o diretor, David Trejo, esse sistema vem para substituir as cópias físicas (35mm ou hard drives), pois os filmes irão chegar a todos os cinemas ao mesmo tempo e não será mais necessária a movimentação de mídias físicas.

Dirigido por Roberto Santucci e produzido por Mariza Leão, De Pernas Pro Ar 2 foi rodado no Rio e em Nova York. Nessa sequência, Alice é uma executiva super bem-sucedida, premiada e resolvida sexualmente. Prestes a abrir sua primeira sexshop em Nova York, em sociedade com Marcela (Maria Paula), ela agora tem que lidar com outra questão: conseguir equilibrar o sucesso profissional e a vida pessoal. E, mais uma vez, sua felicidade e o casamento com João (Bruno Garcia) estão em risco.

O roteiro é de Marcelo Saback e Paulo Cursino, que repetem a parceria do primeiro filme. Com coprodução da Paris Filmes, Globo Filmes, Downtown Filmes, RioFilme e Telecine, o longa tem orçamento geral de R$ 6 milhões (o primeiro filme foi de R$ 5,5 milhões).

Festivais em ritmo Inffinito

O Circuito Inffinito de Festivais está recebendo inscrições de curtas e longas www.inffinito.com

Os filmes devem possuir cópia final em 35mm ou HD, finalizados e/ou lançados para o grande público em 2011 e 2012 e serem produzidos por realizadores/produtores brasileiros ou radicados no país há mais de 3 anos.

A seleção dos filmes será feita pela curadoria do evento, formada pelas produtoras Paula Barreto e Ruth Albuquerque, pela diretora de Cultura do Oi Futuro, Maria Arlete Gonçalves, e pelo dramaturgo e cineasta Domingos de Oliveira. A escolha é feita a partir de critérios específicos de cada festival.

Em 2012, o Circuito Inffinito de Festivais será realizado nas cidades de Nova York, Vancouver, Miami, Londres, Buenos Aires, Montevidéu, Roma e Barcelona. No Brasil, a edição acontecerá no município de Canudos, na Bahia.

Confira as datas de cada festival:

5º Cine Fest Brasil – Canudos – 9 a 29 de abril
10º Cine Fest Petrobras Brasil NY – 9 e 16 de junho
4º Brazilian Film Festival of Vancouver – 18 a 22 julho
16º Brazilian Film Festival of Miami – 17 a 25 de agosto
4º Brazilian Film Festival of London – setembro
5º Cine Fest Brasil – Buenos Aires – 25 a 31 de outubro
3º Cine Fest Brasil – Montevideo – novembro
4º Cine Fest Brasil – Roma – novembro
5º Cine Fest Brasil – Barcelona – dezembro

BEATLES em versão SCORSESE

Living in the material world terá imagens inéditas de George Harrison.

George Harrison: registro em documentário

Já está em fase de pós-produção o documentário sobre o ex-Beatle George Harrison dirigido pelo cineasta Martin Scorsese, informou o site da revista norte-americana Billboard.

Realizado em parceria com Olivia Harrison, viúva do ex-beatle, Living in the material world: George Harrison vem sendo produzido há três anos e vai cobrir toda a vida do guitarrista, cantor e compositor.

“Sua música é muito importante para mim. Então, me interessei pelo caminho que ele tomou como artista. O filme é uma espécie de investigação”, disse o diretor em entrevista à “Billboard”.

Por conta da proximidade com Olivia, o cineasta teve acesso sem precedentes a imagens raras de arquivo do músico, que serão incluídas na montagem final do filme.

Esta não será a primeira experiência de Scorsese à frente de um documentário musical. Em 1978, o diretor registrou o último show da The Band, liderada pelo cantor e guitarrista Robbie Robertson, no filme The last waltz. Em 2005, retratou a fase inicial da carreira de Bob Dylan em No direction home. Há dois anos, filmou duas apresentações dos Rolling Stones no Beacon Theater, em Nova York, que originaram Shine a light. Apesar de adiantado, Living in the material world: George Harrison ainda não tem previsão de lançamento.

ROBERTO CARLOS: 100 Milhões de Discos

No momento em que comemora meio século de carreira e prestes a completar 69 anos, Roberto Carlos recebeu nesta quinta-feira, 15, Nova York uma homenagem da gravadora Sony pelos 100 milhões de discos vendidos no mundo todo.

O cantor. que no momento está voando com destin oao Rio, esteve em New York dentro da turnê que realizava pelos 50 anos de sua trajetória, para se apresentar na sexta e no sábado no famoso Radio City Music Hall.

Miguel Rajmil/Efe

Miguel Rajmil/Efe

Roberto Carlos recebeu das mãos do executivo da Sony, Richard Sanders, um quadro com uma foto sua cantando e, abaixo dela, vários discos com o número 100.000.000.

“Michael Jackson é o rei da música pop e Roberto Carlos o rei da música latina”, afirmou Sanders durante o evento, realizado na sede da companhia em Manhattan. “Sou só um cantor”, respondeu Roberto.

O rei contou à Agência Efe que, quando começou na música, jamais pensou que alcançaria o lugar que ocupa hoje e lembrou com carinho da Jovem Guarda.

“Nunca pensei que se transformaria em um movimento”, afirmou Roberto, que disse ainda que nunca cantaria “nada que não sentisse” e que para compor se baseia em suas experiências, na de seus amigos, e no que observa.

“Tudo o que componho e o que canto, eu sinto”, disse.

Roberto Carlos, agora, sem Lady Laura

Com este post, prestamos homenagem a Lady Laura e nos solidarizamos com a dor do Rei Roberto Carlos, filho amoroso e dedicado, para quem a mãe foi sempre um grande esteio.

Durante show do cantor em Nova York na noite deste sábado, RC cantou Lady Laura, a bela música em homenagem a mãe, Laura Moreira Braga.

Lady Laura faleceu às 18:20h, segundo boletim do  Hospital Copa D’ Or, em Copacabana, Zona Sul do Rio, vítima de infecção pulmonar, aos 96 anos.

O cantor não foi informado da morte da mãe antes do início do show. Ao cantar a música, ele disse ao público que estava preocupado com a saúde de Lady Laura, mas que ligou para o Brasil e foi informado que ela estaria “melhorzinha”.

Depois do tradicional momento em que rosas são entregues para o público ao som de Jesus Cristo e o cantor se despede, o maestro da banda de Roberto Carlos, Eduardo Lages, se dirigiu à plateia e disse que o cantor não voltaria mais ao palco porque tinha acabado de receber a notícia da morte da mãe.

Segundo a assessoria de imprensa do hospital Copa D’or, Lady Laura morreu às 18h20. No atestado de óbito constam como causas: choque séptico e insuficiência respiratória aguda, decorrentes de pneumonia bacteriana e agravados por insuficiência renal crônica, insuficiência coronariana e arritmia cardíaca. Ela havia sido internada dia 31 de março e levada para o Centro de Terapia Intensiva (CTI) em estado grave, com quadro de infecção pulmonar.

Música

A mãe do cantor ficou conhecida nacionalmente pela música Lady Laura, parceria do filho com Erasmo Carlos. A canção’, composta em 1976, em momento de solidão num hotel de Nova York, se tornou uma das que mais fazem sucesso fora do Brasil.

 Na gravação da canção Lady Laura’, em 1978, Roberto chorou no estúdio e a música foi repetida várias vezes. A mãe nunca abandonou o filho desde o dia em que Roberto cantou pela primeira vez no rádio, aos 9 anos, em Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo.

Apesar de lúcida, Lady Laura vivia sob os cuidados de duas empregadas e só saía aos domingos para assistir à missa na Igreja Nossa Senhora do Brasil.

Foi Lady Laura, devota de Nossa Senhora, Cosme e Damião e São Judas Tadeu, quem passou a forte religiosidade para o cantor. Ela era uma das pessoas que mais incentivaram a carreira artística de Roberto Carlos.

Diálogo com a mãe

Na quinta (15), em entrevista em Nova York, onde recebeu uma homenagem pelos 50 anos de carreira e pela marca de 100 milhões de discos vendidos, ele relembrou que decidiu o seu futuro aos nove anos de idade, ao voltar para casa depois de se apresentar na Rádio Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo.

Roberto lembrou o diálogo que teve com a mãe.

 “Mãe, você quer que eu seja médico, mas eu não quero ser médico mais não, porque agora eu quero ser cantor”. A mãe ainda questionou que tinha sido apenas uma apresentação na rádio e ele respondeu – “É mas é isso que eu quero. E nunca mais mudei a minha cabeça”, completou.