Arquivo da tag: novela de Gilberto Braga

Gilberto Braga: Sempre um Sucesso na Telinha

 
Tomamos uma’carona’ no jornal EXTRA e fazemos uma singela homenagem ao sucesso da novela VALE TUDO, clássico da TV que é recorde de audiência no canal Viva, em sua reprise. Antes de os últimos capítulos irem ao ar, convidamos três atrizes veteranas para um brinde: Beatriz Segall e Nathália Timberg, representantes da sala de estar mais chique da trama, e Maria Gladys, a inesquecível empregada, dona das melhores tiradas do folhetim. No tim-tim, um bate-papo delicioso com as intérpretes de Odete Roitman, Tia Celina e Lucimar.

Beatriz Segall, Nathália Timberg e Maria Gladys 

Beatriz Segall, Nathália Timberg e Maria Gladys Foto: Urbano Erbiste / Extra

A pergunta que o Brasil fazia era: “Quem matou Odete Roitman?”. Para garantir o sigilo, todos os atores do elenco foram convocados para a gravação do capítulo em que seria revelado o assassino. “Lembro que cheguei e Nathália estava sendo maquiada. Todos eram suspeitos. Só que um contra-regra chegou e disse: ‘Dona Nathália, não foi a senhora, não precisa ser maquiada’. Imagina se tivesse sido ela? Que tinha atuado brilhantemente como a irmã boa…”, lembra Beatriz.

Maria Gladys emprestou seu jeito cômico a Lucimar, dando destaque para a empregada na trama. “Lucimar não falava muito. Um dia, em cena, abri a geladeira e tinha um queijo velho dentro. Peguei e disse ‘É maionese ou sabonete?’. E aí ela começou a ter mais falas”, festeja ela, que atuou até no figurino: “Uma camareira tinha uma blusa de oncinha bem justinha que gostei e achei que cairia bem na Lucimar. Usei em uma cena e a roupa acabou entrando no armário da personagem para sempre. A camareira adorou!”.

A morte de Odete mexeu tanto com o povo brasileiro que o número do túmulo da personagem virou aposta no jogo do bicho. Beatriz, que na época não soube dessa febre no jogo do bicho, se surpreendeu alguns anos depois ao saber da história por um taxista. “Entrei no carro e ele disse que precisava me agradecer. Contou que deixou passar um mês do final da novela para ganhar sozinho, e jogou no bicho o número do túmulo da Odete. Falou que, com a bolada que ganhou, comprou o táxi e deu conforto para a família.”

“Com a Odete a gente também aprendia lições de boas maneiras. Lembro que ela dizia que temos que servir água em coquetéis. Toda vez que vejo água num evento, lembro dela. E também ensinava que não precisa servir a água num pratinho, que pode ser direto da nossa mão”, lembra Maria, divertindo Nathália e Beatriz, que logo a corrige. “A própria dona da casa pode servir direto da mão, mas, se for a empregada, ela deve servir com um pratinho”, esclarece.

É inevitável. Fala-se em “Vale tudo” e logo Lídia Brondi vira assunto. “A ausência da Lídia é uma coisa que você dificilmente engole. Era uma atriz de uma sensibilidade… Nunca mais a vi. Dá saudade de vê-la”, lamenta Nathália. Beatriz interrompe: “Ela é uma excelente psicóloga, é uma gracinha de pessoa e está muito feliz”.

Vale Tudo teve autoria de Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères. Aguinaldo e Gilberto negam briga, mas no meio artístico comenta-se que os autores não se dão muito bem desde a novela. Maria lembra quando a rixa começou: “Encontrei Gilberto na rua e agradeci pela personagem. Sabe o que ele me disse? ‘Agradeça ao Aguinaldo, é ele quem escreve os papéis de pobre’”. E Beatriz complementa: “Ele sempre dizia isso. Vai ver que é por isso que eles não se dão bem hoje”.

Maria Gladys, numa cena de 'Vale tudo' 

Maria Gladys, numa cena de VALE TUDO, recorde de audiência mais uma vez

Nathália, no ar em “Insensato coração”, lamenta não ter tempo para acompanhar a novela atualmente. “Acordo 5, 6h da manhã. Não sou uma dondoca. Uma vez ou outra vou lá para matar a saudade”. Já Beatriz, em cartaz com a peça “Conversando com mamãe”, tem um esquema em casa: “Tenho uma pessoa que grava para mim. Fiquei embasbacada com a cena na casa da Celina depois do assassinato da Odete. Foi sensacional. O capítulo é uma perfeição, que atores! Foi a melhor novela que a Globo já fez!”, diz, elogiando a atuação de Nathália em seguida. Já Maria, assume que a novela virou uma festa em sua vida: “Quando começou a reprise eu não assistia. Agora, não perco um capítulo. Tenho ficado tão emocionada com a novela que volto correndo para casa na hora em que vai passar”.

Rô Caetano Vê INSENSATO CORAÇÃO…

 
Com a sensatez, perspicácia e olhar acurado que lhe são próprios, querida jornalista MARIA DO ROSÁRIO CAETANO faz breve mas judiciosa análise da novela INSENSATO CORAÇÃO, do craque do estilo, GILBERTO BRAGA, atual atração das 21h na TV Globo.

Glória Pires e Gabriel Braga Nunes: fortes emoções aguardam desenrolar da trama…

Fiquei feliz de ver que minha admiração por Gilberto tem uma parceira da envergadura de Rô… parece que, como eu, ela também é uma noveleira braba

EBAAAAAAAAAAAA !!!

Vamos ao comentário:
 
            Li, com imenso atraso, em O Globo, análise de Patrícia Kogut (de quem sou leitora fiel) sobre possíveis causas da novela de Gilberto Braga & parceiros ainda não estar bombando no ibope.

Entre outras razões, ela aponta a semelhança de papéis atribuidos a determinados atores. Ou seja, eles (os atores) estariam, em curto espaço de tempo, repetindo  personagens muita semelhantes, ainda muito presentes na lembrança dos espectadores…

Paola Oliveira e Maria Clara Gueiros também na nova trama de Gilberto Braga

Na minha avaliação (ainda não perdi um só capítulo da novela de Braga!!!!), esta é uma causa secundaríssima.
Creio que o que está pegando é o tratamento OUSADO das relações familiares (a anatomia
rodrigueana de famílias disfuncionais), o sexo onipresente e despudorado e… também …. o racismo da sociedade brasileira. Ou, pelo menos, de parte dela. Com ousadia (muita CORAGEM, mesmo!),Braga & parceiros entregaram a um ator negro (Lázaro Ramos, talentosíssimo, que eu amo!!!) o papel de um PEGADOR.

E pegador de mocinhas brancas, louríssimas (como a maravilhosa, neste tipo de papel!!!, Debora Secco: a maluquete dela é fascinante!!!).
Lázaro — repito — é talentosíssimo e está dando conta do RECADO, com louvor.

Lázaro e Pitanga: dupla ainda vai dar muito o que falar…

Para agravar, em mentes mais fechadas,  ele nem é um tipo bonitão (como Rodrigo Santos, Toni Garrido, Seu Jorge, César Negro: é este o nome do black lindíssimo de “Boleiros 1”???)… Eu custo a esperar as entradas dele (Lázaro Ramos)… A sequência em que ele levou Carol (Pitanga) para um passeio de iate foi show… e o dia em que ele perfumou o dito cujo???

Fico pensando numa “Senhora de Santana” (lembram delas???) vendo isto. Deve ficar escandalizada e mudar de canal… Gilberto Braga pagou caro pela ousadia inicial de “O Dono do Mundo” (Fagundes desfrutando das primícias de Mallu Mader, antes do jovem marido dela!!!). É gente conservadora que está rejeitando a novela…

Deborah é destaque como Natalie Lamour: ibope sobe quando personagem aparece

 

Eu não me interesso pelo casal protagonista, achei as cenas a la AEROPORTO ultra-inconvincentes, folhetinescas demais… mas estou
adorando as partes “família” rodrigueana… E adorando ver o show de atrizes como
Ana Lúcia Torre (ouvi entrevista maravilhosa dela na Rádio Jovem Pan, incluindo REFLEXÕES DE UM LIQUIDIFICADOR), Glória Pires, Debora Evelyn e Debora Secco (pavorosa em novela em que fazia uma roceira!!!), inigualável… Ninguém faz uma “bonitinha mas ordinária-angelical” melhor do que ela atualmente !!!!

´

Deborah Secco: performance estupenda da atriz ganha elogios de Rô Caetano, que assinamos embaixo… Deborah vai “arrebentar” na trama gilbertobraguiana

Entre os homens, dá gosto ver Carvana rabugento-resmungando, Lázaro arrasando como PEGADOR (sem ter phisique-de-role para tal, só com o TALENTO), Gabriel Braga Nunes (que vi em Cidadão Brasileiro e Poder Paralelo, em bela dupla com Paloma Duarte), etc….
Os diálogos “familiares-rodrigueanos” da  novela estão demais !!!!

Hugo Carvana em ótima atuação, ao lado do diretor Dênnis Carvalho: ponto alto de INSENSATO

         P.S. – Maurício Stycer escreveu um texto dos mais interessantes-instigantes, ontem, na Folha sobre o personagem de Lázaro Ramos. Mas não concordo com ele. Ele diz que o personagem é um negro que não sofre preconceito. Que é bem aceito sem causar nenhum contratempo, como o casal de gays de “Paraíso Tropical”.

Para mim, Lázaro interpreta um personagem cheio de arestas. Ele, quando era pobre, passou por maus bocados e contou isso a Carol (Pitanga) no passeio de iate. Mostrou-se ressentido pela pobreza de outrora, pelo pai alcóolatra (Milton Gonçalves, que entrará dentro de algumas semanas), pela discriminação que sofreu…

Mas hoje, famoso como designer, entra e sai em lugares finos, como se fosse BRANCO. É assim, no Brasil. PELÉ está aí para provar. Famoso e rico, ele é recebido em todos os salões. O personagem do Lázaro é o “Pelé de Gilberto Braga” (e Débora Secco é a Xuxa Meneghell dele)… Mas está na cara que ele faz o que faz com as mulheres (uma por noite, sem repetir, como se elas fossem um “vestido” aliás, um terno Armani) para se vingar de discriminações dos tempos em que era pobre e filho de alcoólatra.

A Volta de Dancing Days

Glória Pires diz que gostaria que fosse feito, a exemplo de Ti-Ti-Ti, o remake da novela Dancin’ Days, escrita por Gilberto Braga e exibida pela Globo entre 1978 e 1979. E, se fosse convidada a participar da nova produção, gostaria de fazer outro personagem: Yolanda Pratini, em vez de Marisa de Souza Matos, como foi da primeira vez.

Glória revelou sua vontade a jornalistas, durante entrevista concedida na tarde desta segunda (12) em São Paulo, para lançamento de sua biografia, 40 anos de Glória.

Yolanda Pratini, uma socialite interpretada na década de 70 pela atriz Joana Fomm, era a irmã da personagem principal da trama, Júlia, uma ex-presidiária vivida por Sônia Braga. Yolanda foi quem criou a filha de Júlia, Marisa (Glória Pires), durante o período em que esteve na prisão.

Reginaldo Farias, Glória Pires e Sônia Braga à época da sensacional telenovela Dancing Days, do mestre Gilberto Braga. Glória diz querer a novela de volta… mas quem não quer ?