Arquivo da tag: patrocínio Banco do Nordeste do Brasil

Cultura & Música: 5 anos de informação e boa música no rádio

Programa patrocinado pelo Banco do Nordeste é veiculado toda segunda-feira pela Universitária FM de Fortaleza…

A atriz e produtora Denise Dumont conversa com Nelson Augusto eAurora Miranda Leão no Cultura & Música

Organizado em módulos, o Cultura & Música conta com os quadros Agenda do Centro Cultural Banco do Nordeste, Arte em Conversa, Pelas Ruas que Andei, O Assunto é Cinema, Chão Sagrado, Conexão Nordeste, Espelho Cristalino, Como é Bom Poder Tocar um Instrumento, e Música para Ler, além de mostrar, ao final de cada programa, uma versão diferente da canção Asa Branca, composição de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira transformada em clássico da música brasileira e hino da região Nordeste. Em todas as audições, acontece sorteio de produtos culturais (livros, cd e dvd), viabilizados com patrocínio do Banco do Nordeste.

Henilton Menezes, titular da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura do MinC, entrevistado no Cultura & Música…

Veiculado toda segundas-feira, das 16h às 17 horas, pela Universitária FM de Fortaleza, o programa Cultura & Música, apresentado pelos jornalistas Aurora Miranda Leão e Nelson Augusto, completa 5 anos no ar no próximo dia 6 de agosto.

A banda cabaçal dos Irmãos Aniceto esteve no Cultura & Música e virou registro audiovisual de Aurora de Cinema

Por conta disso, o programa receberá o gerente do Ambiente de Gestão da Cultura do Banco do Nordeste, o fotógrafo e cineasta Tibico Brasil, que vai falar sobre a bem sucedida política de apoio à cultura implementada pela instituição através de ações como os centros culturais de Fortaleza, Sousa (no alto sertão paraibano), e Juazeiro do Norte, no cariri cearense. Tibico Brasil também falará sobre o Programa de Cultura Banco do Nordeste – BNDES e os editais de ocupação dos centros culturais mantidos pelo Banco do Nordeste, além de também poder interagir com o público que participa do programa através do telefone.

Aurora e a cantora Daúde, que também já mostrou seu carisma e sua bela voz na Universitária FM…

Luiz Gonzaga: no ano do centenário, destaque no Cultura & Música

Ainda este mês, o Cultura & Música inaugura um novo quadro, A Hora do Rei, o qual será acrescentado para homenagear o Rei do Baião, Luiz Gonzaga, no ano de seu centenário de nascimento.

Aurora Miranda Leão entrevista o artista e produtor Bené Fonteles…

O programa Cultura & Música é produzido pelo cantor/compositor e produtor musical Calé Alencar, e tem apoio da Casa da Memória Equatorial, podendo ser acompanhado via web pelos seguintes endereços: www.radiouniversitariafm.com.br, www.auroradecinema.wordpress.com, e www.nelsons.com.br

Em “Dia de Rock” no C & M, tema que garante sempre muita participação dos ouvintes…

O pianista e compoitor Ricardo Bezerra fez visita-supresa ao programa em dia de entrevista com a também compositora Mona Gadelha

A equipe do Cultura & Música: os operadores Antônio Carlos Lima e Zé Raimundo, Aurora Miranda Leão, Calé Alencar e Nelson Augusto…

Tibico Brasil vai retornar ao Cultura & Música para falar sobre as ações do Centro Cultural Banco do Nordeste neste ano em que o Banco do Nordeste comemora 60 de atividades…

SERVIÇO

Programa CULTURA & MÚSICA

Quando: segunda, 6 de agosto

Hora: 16h

Onde: Rádio Universitária FM

SINTONIZE: 107, 9 MHz

Nelson Augusto, Aurora Miranda Leão, Fernando Pessoa, e alguns ‘bluseiros’, entre eles, Felipe Cazaux, Artur Menezes e Kazane….

Grandes Filmes e Cineastas Inesquecíveis em Ensaios de Cinema

Mergulho no Mundo do Cinema

Caso você seja daqueles interessados em cinema, a recomendação do momento é ler Ensaios de Cinema, mais recente livro do crítico LG de Miranda Leão, colaborador do Diário do Nordeste há mais de duas décadas.

Ensaios de Cinema teve concorrido lançamento no Centro Cultural Oboé, ocasião na qual foi exibido o curta LG – Cidadão de Cinema, homenagem do cineasta capixaba Gui Castor ao profícuo ensaísta (o curta tem 15 minutos e é uma produção Ceará-Espírito Santo, com roteiro assinado por estaredatora, filha do homenageado).

Ensaios de Cinema é mais um produto cultural lançado com o aval do programa Cultura da Gente – linha de ação do Banco do Nordeste que apóia a produção e lançamento de obras artísticas e culturais de seus funcionários aposentados. LG é um destes. Dedicou mais de 30 anos de trabalho ao BNB e foi lá, por exemplo, onde conheceu o aplaudido cineasta Walter Hugo Khoury, na década de 1970.

Khoury tinha vindo a Fortaleza a convite do BNB para realizar algumas peças publicitárias para a instituição. Ainda no avião, deparou-se com uma página do jornal Diário do Nordeste, onde alguns críticos da cidade apontavam seus filmes preferidos do ano anterior. LG era um desses e o único a indicar dois filmes de Khoury como alguns dos Melhores.  Logo ao chegar ao Banco do Nordeste, o cineasta paulista então perguntou ao fotógrafo da instituição, José Alves, se alguém ali conhecia aquele crítico. E qual não foi sua surpresa ao descobrir que LG trabalhava ali mesmo, como assessora do Gabinete da Presidência.

O encontro de LG e Khoury, crítico e cineasta, foi como o encontro de dois amigos de infância. E culminou com uma amizade que durou até o fim da vida de Walter Hugo Khoury, em 2003.
Os desdobramentos deste feliz encontro é um dos temas do livro Ensaios de Cinema, onde o leitor também pode ficar sabendo mais e melhor sobre a cinematografia de nomes emblemáticos como Orson Welles, Stanley Kubrick, Ingmar Bergman, François Truffaut, Federico Fellini e Michelangelo Antonioni, e ainda sobre a relevância do Cinema Europeu, Sueco e Alemão, e as dimensões dos filmes de guerra e dos filmes B, por exemplo.

Conhecido nas lides cinematográficas por seu profícuo exercício da crítica, o cearense LG Miranda Leão conta em seu Ensaios de Cinema com prefácio assinado pelo renomado jornalista Rubens Ewald Filho, único jornalista brasileiro a cobrir, in loco, a badalada entrega do Oscar: “Tivemos o prazer de editar pela Coleção Aplauso da Imprensa Oficial uma seleção de seus textos. Mas que são apenas uma pequena representação do que ele escreveu nesta última década. Agora temos mais de seus escritos, maior e melhor. Neste livro, todos os textos referem-se a filmes, cineastas ou cinematografias especiais (como cinema alemão, sueco, americano) e há outra coisa que eu admiro, seu rigor. L.G. não  escreve sem ter visto pelo menos três vezes o filme ou a obra a qual se reporta. Antes de tudo, é um livro para mergulhar de cabeça e alma, coração aberto e olhos cheios de imagem”.

 

SERVIÇO

Livro ENSAIOS DE CINEMA 

Editado pelo Banco do Nordeste do Brasil

(programa Cultura da Gente)

280 páginas, sugestão de preço: R$ 20,00

ONDE ENCONTRAR

Livraria Oboé (Center Um)

Livraria Lua Nova (Benfica)

Locadora Distrivídeo

Mais informações: (85) 9103.0556

ENSAIOS DE CINEMA, HOJE, na Oboé

Para “ler” o Cinema

Um dos críticos de cinema mais conhecidos fora do eixo Rio-São Paulo, o cearense L.G de Miranda Leão lança Ensaios de Cinema (Banco do Nordeste, 2010, 282 páginas, R$ 20,00), novo livro de críticas, hoje à noite, no Centro Cultural OBOÉ, na Aldeota, às 19:30h.

  

Dificilmente uma sequência costuma fazer jus ao seu filme original. Na contramão dessa tendência, o crítico de cinema L. G de Miranda Leão lança hoje sua primeira e bem-sucedida “continuação”, o livro Ensaios de Cinema – extensão da primeira obra do autor, Analisando Cinema.

Nos dois títulos, L.G. reúne críticas e ensaios publicados ao logo de mais de 50 anos de carreira. O primeiro, lançado em 2006 pela Imprensa Oficial de São Paulo, torna-o o único cearense, residente em Fortaleza, a ser publicado na prestigiada Coleção Aplauso.

Agora, em Ensaios de Cinema, o especialista traz uma visão mais ampla da produção cinematográfica de países como Alemanha, EUA, República Checa e Suécia. Na lista de cineastas abordados estão grandes nomes como François Truffaut, Stanley Kubrick, André Bazin, Ingmar Bergman, Martin Scorsese e Orson Welles.

A obra, que já foi lançada no FestCine Goiânia e no V Festival de Cinema e Vídeos dos Sertões (Floriano-PI), tem apresentação do colega Rubens Ewald Filho, que tece elogios ao rigor do trabalho do autor.

“Ao lançar ´Analisando…´, notei o entusiasmo de muita gente, alunos, amigos e colegas. Isso me animou a escrever um segundo livro”, comemora L.G. “Assim, comecei a reunir novas críticas e ensaios”. Os textos apresentados no novo trabalho cobrem pelo menos meio século de trajetória da sétima arte, ao abordar temas e gêneros como a Nouvelle Vague, o cinema americano nos anos 70, filmes de guerra, entre outros temas.

Carreira

Frente a um recorte tão grande e à considerável produção acumulada, o autor recorreu ao critério de afinidade para selecionar o material. “Escolhi textos sobre diretores e filmes com os quais tenho mais afinidade”, ressalta. “Truffaut, Kubrick, Bergman e Welles, por exemplo, sempre estiveram à frente de seu tempo”. O livro foi organizado com a ajuda da filha do crítico, Aurora Miranda Leão, que também trabalha com cinema. Na orelha da publicação, a caçula lembra as matinês do Cine São Luís, no Centro de Fortaleza, onde assistiu, na companhia do pai, aos primeiros exemplares de sua filmoteca pessoal.

Para o próprio L.G., a paixão também vem de família – no caso, graças à influência do pai, o médico e cinéfilo João Valente de Miranda Leão. “Ele nos levava ao cinema com frequência”, recorda o crítico.

Uma experiência em particular marcou o crítico. “Na década de 40, Welles veio ao Ceará para filmar cenas de It´s all true, no Mucuripe. Meu pai tinha sido apresentado ao Welles, e nós fomos assistir à uma gravação. Vi o diretor deitado no chão, com a câmera apontada em contra-plano. Ao seu lado havia uma caixa preta, parecido com um decodificador de TV, que ele manipulava com cuidado. Meu pai foi perguntar o que era aquilo e Welles respondeu que era um gravador de som direto, algo que fomos ter no Ceará apenas nos anos 80″, conta, entusiasmado. Na ocasião, L.G. tinha dez anos de idade. “A partir daí, cinema passou a ser paixão”, confessa o crítico. Não por acaso, Orson Welles está na lista de seus cineastas favoritos.

Alguns anos depois, o crítico conheceu outra figura cuja influência foi fundamental em sua carreira – o jornalista e também crítico de cinema Darcy Costa (1923 – 1986), criador do Clube de Cinema de Fortaleza (um dos clubes de cinema pioneiros no País). “Foi na inauguração do Clube, em fevereiro de 1949. Na ocasião conheci e fiz amizade com Darcy Costa, um grande conhecedor do cinema. Foi quando vi que, além de ver filmes, precisava estudá-los”.

Os primeiros artigos publicados de L.G, em 1953, foram justamente sobre o Clube de Cinema de Fortaleza. Ao longo dos anos, inúmeros filmes e diretores passaram pelo crivo do autor, que costuma assistir ao mesmo título várias vezes antes de escrever sobre ele.

Função

Em relação ao seu ofício, L.G. acredita que o papel do crítico de cinema é abrir horizontes de entendimento e de conhecimento para espectador, “porque nem todo mundo estuda o tema com profundidade”, ressalta. “No mercado, talvez o crítico contribua para melhorar o nível das produções”, opina.

Para ilustrar melhor a função, o autor cita o filme Morangos Silvestres, clássico do sueco Ingmar Bergman. “Na história, um professor de 78 anos vai receber uma homenagem. Antes da cerimônia, sonha que está andando na rua e vê um relógio sem ponteiros”, destaca. Segundo o crítico, trata-se de uma referência à morte, a representação do tempo esgotando-se na vida do personagem.

Aposentado do Banco do Nordeste e da Universidade Estadual do Ceará, L.G. ministrou diversos cursos voltados ao cinema. É justamente esse interesse por passar o conhecimento adiante que atualmente inspira seu próximo projeto. “Quero preparar um manual prático de ´ler´ cinema, voltado à compreensão dos significantes visuais. É um desafio grande. Talvez, depois dele, não faça mais nada”, brinca o crítico.

ADRIANA MARTINS
Repórter do Caderno 3/Diário do Nordeste

Zeca Ferreira, Anjos do Meio da Praça e Dandara Guerra Vencem Maracanaú

Encerrada em solenidade na noite de domingo, a primeira edição do FestCine Maracanaú – Festival de Cinema Digital e Novas Mídias, comandada pelo documentarista e produtor audiovisual, Afonso Celso.

Anna Costa e Silva e Merck Miranda (foto Aurora Miranda Leão)

Maracanaú é um município limítrofe a Fortaleza e o festival aconteceu de 14 a 19 deste dezembro de 2010 com sessões diárias no Cine Teatro Dorian Sampaio, contando ainda com oficinas e seminários sobre a relação audiovisual/TV/Novas Mídias.

O festival começou bem e tem tudo pra deslanchar de vez, sendo Maracanaú o município industrial do Ceará, onde atuam diversas e  importantes correntes empresariais do Estado.

Nesta primeira edição, o festival contou com o fundamental apoio do Banco do Nordeste do Brasil, da Coelce, da VIVO, Logos Soluções, e do Porto D’Aldeia Resort e Ceará Segurança, além da parceria com a empresa de comunicação ComuniCAR. Ressalte-se o belo troféu concedido aos vencedores, uma “maracanã” estilizada, simbolizando a ave popular que dá nome à cidade-sede. 

Entre os vencedores, Os Anjos do Meio da Praça, de Alê Camargo (SP) foi escolhido o MELHOR CURTA, enquanto o curta Vozes, de Anna Costa e Silva com troféus de Melhor Atriz para Dandara Guerra e Melhor Fotografia para Alexandre Ramos.

Realizadores Jorge Oliveira e Alê Camargo vencem com Documentário e Animação

O longa argentino La Tigra, Chaco  venceu Melhor Direção (Federico Godfrid e Juan Pablo Sasiaín) e Melhor Fotografia (Paula Gulgo). Já o DOC Perdão, Mister Fiel, de Jorge Oliveira (DF), venceu as categorias de Melhor Ator  (Roberto De Martin)  e Melhor Roteiro (Jorge Oliveira).

Produção argentina La Tigra, Chaco leva dois troféus na categoria longa-metragem

 Também levaram estatuetas Todas as  Línguas, de Merck Miranda (TO), escolhida Melhor Produção na Mostra Novas Mídias, e Mães de Metal, de  George Andreoni (CE) na Mostra Rodolfo Teófilo.                  

O I Festcine Maracanaú é uma realização Abraham Filmes Digitais, co-produção  Mungango Produções, com direção-geral de Afonso Celso e produção-executiva de Erivaldo Casimiro. O festival contou com parceria do Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria da Cultura (Secult). Apoio institucional do  Ministério da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura, Prefeitura Municipal de Maracanaú, Fundação Cultural de Maracanaú e Governo Federal. 

Na comissão julgadora, atuaram Aurora Miranda Leão, Luís Aravenga, Catalina Horta Del Picó e Afonso Celso.

VENCEDORES DO I FESTCINE MARACANAÚ  

MELHOR PRODUÇÃO – TODAS AS LÍNGUAS, MERCK MIRANDA – PALMAS, TO, BRASIL.

 Mostra RODOLFO TEÓFILO 

MELHOR PRODUÇÃO – MÃES DE METAL, DOC, GEORGE ANDREONI, CE, BRASIL.

CATEGORIA CURTA-METRAGEM 

Dandara Guerra vence como MELHOR ATRIZ no curta “Vozes”

MELHOR ATRIZ – DANDARA GUERRA 

MELHOR ATOR – LUIZ ALARCON, por EL CIRCO DE LAS LUCES (Chile). 

MELHOR ROTEIRO – FREDERICO MACHADO, por VELA AO CRUCIFICADO (MA) 

Cantora Áurea Martins em belo filme de Zeca Ferreira, vencedor do FestCine Maracanaú

MELHOR DIREÇÃO – ZECA FERREIRA, por ÁUREA (RJ) 

MELHOR CURTA – OS ANJOS DO MEIO DA PRAÇA, de ALÊ CAMARGO (SP) 

MELHOR FOTOGRAFIA – ALEXANDRE RAMOS, por VOZES (RJ) 

“Vela ao Crucificado”, produção maranhense de Frederico Machado

MENÇÃO HONROSA 

Curta “DEVER CUMPRIDO”, de CÉLIA GURGEL (CE). 

“FRACTAIS SERTANEJOS”, documentário de HERALDO CAVALCANTI (CE).  

Vencedores e produção comemoram acerto do I FestCine MARACANAÚ

CATEGORIA LONGA METRAGEM 

MELHOR ATRIZ – ALICIA RODRIGUEZ, pelo filme NAVIDAD (FRANÇA-CHILE) 

MELHOR ATOR – ROBERTO DE MARTIN, por PERDÃO MISTER FIEL (DF). 

MELHOR ROTEIRO – JORGE OLIVEIRA, por PERDÃO MISTER FIEL (DF). 

MELHOR DIREÇÃO – FREDERICO GODFRID e JUAN PABLO SASIAÍN (AR) por LA  TIGRA, CHACO  

MELHOR FILME – MORENITA, EL ESCÁNDALO, de Alan Jonsson Gavica (MÉXICO). 

MELHOR FOTOGRAFIA – PAULA GULGO, por LA TIGRA, CHACO (AR)