Arquivo da tag: poesia

Às vezes, a Poesia insiste em nos visitar…

Receitinha Insensata

Pra você que está longe
E ainda não chegou
Você que faz versos, que ama, protesta
Fiz uma receita impensada
E salpiquei temperos em ideias desconexas

Um sol, pouco sal, algumas nuvens
Flores de mares, cheiros de verão
Muitos brindes e nenhuma ordem
Pouca sensatez e propensão demasiada
À loucura de gestos para anunciar
Como abraços em nuvens de aurora

Histórias se rabiscam à minha frente
Desnudam-se em mágicos desenhos
As cores outonais
Inspiram gestos e espargem fantasias
Sem pauta, notas, carimbos
Marcas, tons e sussuros…
Só os serpenteios do vento
Desencontram meu caminho.
Na bolsa onde levo bugingangas
Já pesam outras ternuras
Ancoradas na saudade.

 
O olhar não assinala mais
Necessidade nem pressa
A paixão quer entregar
Vertigem e busca em cada passo
A ébria poesia
Que os desejos perduram
E a ternura insinua
Como na fala do poeta

Porque mais vale sorrir e cantar
Tendo um amor por alcançar
Que desperdiçar energia
Por um rasgo azul de ilusão
Que nem sequer consegue
Estancar o cansaço
Transformando as horas amorfas
Em pretextos de afeto
Onde a luz se faz
Atriz de muitos palcos
Deixando escapar os laços
Perdidos em dessintonias
Para antever a saudade que se avizinha
Quando a razão se derrama
Porque o instante floresceu
Fecundo
De não mais ter
Desejo

Poesia liberada, ao cair da tarde…

poeticamente, um encontro inusitado esta tarde:

 
 
 
O convite é extensivo: o Palco Aberto é hoje, a partir das 17h, no Templo da Poesia: rua Barão de Aratanha 201, esquina com Meton de Alencar, no centro de Fortaleza.
 
O espaço estará aberto para Poesia, Literatura, Música, Teatro, Dança ou qualquer outra manifestação artística. Para apresentar-se, basta subir ao palco, assim que ouvir o chamado…  Palco Aberto ! 
 
Quem assina o convite é o Templo da Poesia

CARPINEJAR 38… VIVAAAA !!!

GENIAL POETA GAÚCHO FABRÍCIO CARPINEJAR chega aos 38 e comemora hoje ao lado dos muitos amigos e fãs em Porto Alegre… SARAVÁ !!!

Ele mesmo anuncia:

Completo 38 anos, volto a ser calibre de arma – isso que já atirava para todos os lados.

Foto de Edison Vara
Minha festa de aniversário é como gosto: lendo textos no Sarau Elétrico nesta terça (26/10), às 21h, no Ocidente (Rua João Telles esquina Osvaldo Aranha, 51 3312.1347, Ingresso R$ 10) em Porto Alegre (RS). Ajudando a soprar as velas, terei a companhia de Luís Augusto Fischer, Cláudio Moreno, Claudia Tajes e Katia Suman.
Na canja musical da noite, minha namorada Cínthya Verri, acompanhada do violão de Rodrigo Prado.
Te espero !

*Confira como o POETA se apresenta em seu Blog:

Escritor, jornalista e professor universitário, autor de dezesseis livros, pai de dois filhos, um ouvinte declarado da chuva, um leitor apaixonado do sol. Quando conseguir se definir, deixará de ser poeta…

CARPINEJAR e o Amor Feminino

Eu acho que saber namorar é realmente incomodar, provocar, é ser uma agência de notícias. Se eu almoço sozinho, por exemplo, eu não consigo fazê-lo sem ligar para minha namorada e perguntar o que ela almoçou. Eu quero saber o que ela está comendo, o que ela está fazendo naquele momento. Agora, se a pessoa pensar que o outro não merece saber, se não tiver paciência, é isso que acaba um relacionamento: é a impessoalidade.

O poeta gaúcho FABRÍCIO CARPINEJAR, pérola rara, está lançando novo livro. Desta vez é Mulher Perdigueira, pela Bertrand Brasil…

“… Porque amar não é um vexame. Escândalo mesmo é a indiferença.” (Fabrício Carpinejar)

 As pessoas deviam fazer seguros de vida para não confundi-lo com amor. Porque amor é justamente isso, é ficar inseguro, é ter aquele medo de perder a pessoa todo dia, é ter medo de se perder todo dia. É você se ver mergulhado, enredado, em algo que você não tem mais controle. Mas aí o que fazemos? Amamos com limite para não sofrer. Mas eu prefiro muito mais quem se ilude a quem é cético; precisamos desta ilusão que é justamente aceitar o risco que estamos correndo.