Arquivo da tag: presença de Alice Gonzaga em Anápolis

Festival de Anápolis, novo capítulo

AURORA DE CINEMA na cobertura do Festival de Anápolis

Prefeito recebe artistas em café da manhã

A sexta amanheceu animada: a turma convidada do festival, teve café da manhã especial com o prefeito Antônio Gomide, o qual recebeu artistas, jornalistas e realizadores, ao lado do Secretário Augusto César de Almeida. A essa altura o que já começava a dominar o coração de todos era a saudade de dias tão amenos e felizes no município goiano. Daí, por iniciativa de Alice Gonzaga, Foi agendado o café como forma de agradecer oficialmente todo o apoio recebido da prefeitura de Anápolis e parabenizar pela iniciativa da realização do II Festival.

Entre sucos, chocolate, chás e café com leite, pães, biscoitos e deliciosas iguarias, a conversa entre artistas, realizadores, jornalistas e o prefeito Antônio Gomide aconteceu de forma bem simples e espontânea: os convidados do Festival foram muito mais para agradecer e dizer da importância do festival para a cidade e para o cinema brasileiro como um todo, enquanto o prefeito falou de sua satisfação com a realização do evento, que naquela semana foi o grande assunto nas redes sociais, além de estar também nas páginas dos jornais, programas de rádio e TV.

Parque Ambiental Ipiranga, um dos cartões postais de Anápolis…

Sendo Anápolis um eixo entre Brasília e Goiânia, a intenção da prefeitura é cada vez mais integrar o cinema ao investimento nas ações de Cultura e Educação que vem sendo implementadas ali, integrando audiovisual, cultura, lazer e educação. Assim, Gomide enumerou as muitas ações nessa direção, reiterando sua disposição de investir cada vez mais no binômio Cultura e Educação por acreditar que assim se constrói uma cidade com mais qualidade de vida.

Rubens Ewald Filho, o Curador: presença festejada em Anápolis

Expondo suas ideias e ações em prol de formar novas mentalidades em defesa da cultura em Anápolis, Antônio Gomide destacou o Centro de Educação Fundamental, onde grandes investimentos vem sendo feitos em escolas do ensino fundamental, o que gerou matéria de página inteira do jornal O Globo no último dia 11 de março. O jornal carioca destacou a importante construção de um anfiteatro em escola da periferia com 340 lugares, onde também haverá creche e acesso aos cuidados básicos com a saúde. Ações de fato auspiciosas, sobretudo quando se fala num município que não é a capital do Estado. Essa escola é uma que fica no conjunto Filósofo Machado: “A ideia é não é fazer por fazer mas fazer de forma consequente, capaz de gerar frutos e prospectar um futuro com mais qualidade de vida”, disse o prefeito. E assim, reportando-se ao que a prefeitura vem fazendo, Antônio Gomide reforçou o entusiasmo dos ilustres convidados e reafirmou o interesse em que o festival continue, expandindo-se em diversas edições, independente de quem esteja à frente do comando da municipalidade.        

Bruna Chiaradia, Giselle Motta e Erom Cordeiro: ‘celebridades’ em Anápolis…

Aliás, não é difícil constatar: Anápolis tem características e expressão de metrópole, e está num ótimo momento de sua história, figurando entre os 20 melhores municípios brasileiros para investir e viver, segundo pesquisa da revista Veja.

O município goiano tem alguns pontos cruciais de extrema relevância: por exemplo, é lá que fica o segundo maior pólo farmacêutico da América Latina, o marco zero da ferrovia Norte-Sul, as fábricas da Hyundai e da Ambev, e está sendo construído um grande aeroporto de cargas.

Um caça Mirage na praça Cônego Trindade, presente da Base Aérea à cidade…

Como bem relata o vice-prefeito João Batista Gomes Pinto, “Pesquisas apontam que o Corredor GAB (Goiânia-Anápolis-Brasília), será um gigantesco pólo de desenvolvimento, em 2030. Com 7 milhões de habitantes, este eixo já é o maior mercado do País depois de São Paulo e Rio de Janeiro. Entre duas grandes capitais, Anápolis desponta neste aglomerado pela performance de sua economia alicerçada na produção industrial. Os números indicam que a cidade não está apenas à beira do caminho, mas é o eixo deste corredor. Em maio, alcançou o segundo lugar em arrecadação de impostos federais na 1a. Região Fiscal, na frente de Goiânia, Campo Grande, Cuiabá e todo o Tocantins, atrás apenas do Distrito Federal”.

Anápolis é conhecida como a cidade das praças bonitas…

Anápolis tem o segundo maior PIB de Goiás e é lá onde está o DAIA (Distrito Agroindustrial de Anápolis), maior complexo industrial do Centro-Oeste, com quase 15 mil vagas de trabalho e mais de 200 indústrias.

Carlos Alberto Riccelli troca ideias de Cultura com o prefeito Antônio Gomide…

Na oportunidade do encontro com o prefeito Antônio Gomide, todas essas questões foram abordadas, e os convidados falaram com entusiasmo do crescimento do Festival de Cinema na cidade e do quanto isso é importante para o crescimento do audiovisual, não só de Anápolis, mas também do mercado cinematográfico brasileiro.  Observaram ainda que o público do Festival cresceu e que, com os investimentos que a Prefeitura vem fazendo, Anápolis poderá ganhar um destaque ainda maior nessa área.

Estavam no café da manhã, além do Secretário Municipal de Cultura, Augusto César de Almeida, a produtora-executiva do evento, Débora Torres, a pesquisadora Alice Gonzaga, os cineastas Walter Webb, João Batista de Andrade e Vladimir Carvalho, o professor e roteirista Alex Moletta (que ministrou oficina de realização de vídeo digital), o realizador Antônio Balbino, os jornalistas Cid Nader e Aurora Miranda Leão, o embaixador do Brasil, Lauro Barbosa da Silva Moreira, e o ator David Cardoso.

Público lotou sessões e participou dos debates no Teatro Municipal Anápolis… 

O prefeito Antônio Gomide falou sobre a satisfação em receber especialistas na área do cinema, o que só engrandece ainda mais o evento promovido pela Prefeitura. “Temos um planejamento do que queremos para a cidade para levar os benefícios para todos e em todas as áreas”.

Antônio Gomide: prefeito aposta na Cultura como fator de Qualidade de Vida

Antônio Gomide declarou ainda que Anápolis tem um potencial expressivo: “A cidade tem uma importância muito grande devido à sua localização e reconhecemos isso. Estamos em um momento em que o crescimento econômico de Anápolis é real e isso é só o começo. O sucesso do Festival é um resultado integrado. Queremos trazer isso aos nossos jovens e a toda a população”.

Que venha o III Festival de Cinema de Anápolis !

Arrastão ANÁPOLIS, em capítulos…

Breves anotações sobre os dias de Cinema, bom papo, música e afetividades em Anápolis… 

Bruna Chiaradia, Giselle Motta e Erom Cordeiro apresentam O Palhaço

A ida a Goiás para a realização do II Festival de Cinema de Anápolis foi boa desde o convite. Débora Torres, este dínamo em forma de mulher (idealizadora e coordenadora-geral do Festival),nos convidou ainda em dezembro e, presente à primeira edição, sabia de antemão como seria recebida, e que iria ter muito o que fazer, trocar e conversar no promissor município goiano.

E assim foi: de 19 a 26 de março deste 2012, ancorei minhas ideias e energia em Anápolis, e tudo correu ainda muito melhor do que esperava.

O Festival teve um crescimento admirável e desta vez já deu para sentir logo de início que a cidade abraçou o acontecimento como realização sua. Mérito da Prefeitura, trunfo da Secretaria de Cultura, e aplausos ao esforço e empenho indormidos de Débora Torres.

Débora Torres, incansável na realização de grandes festivais, amiga-irmã querida, cineasta e produtora de exímia competência …

O II Festival de Cinema de Anápolis, cujas exibições acontecem no Teatro Municipal (com reprise todos os dias em algum bairro da periferia da cidade), contou com casa cheia todas as noites, mobilizou jovens de todas as idades e viu o cinema brasileiro contaminar célere e certeiro o coração de novos interessados em adentrar no fascinante mundo audiovisual.

Irandhir Santos, representando o filme Olhos Azuis, levou o troféu de Melhor Ator…

O Prefeito Antônio Gomide e o Secretário Augusto César Almeida reiteraram diversas vezes a satisfação com os resultados obtidos com o investimento no festival, e afirmaram que, independente de quem seja o vencedor na próxima eleição, o Festival já está consolidado e não ha mais como deter seus passos rumo a novas e melhores edições. 

Rubens Ewald Filho, o renomado Curador, sempre cercado de fãs…

NA ESTÂNCIA 

O resort Estância Park, que mais parece uma enorme chácara encravada no mais verde dos habitats de Anápolis, é o pouso feliz de quem participa como convidado do Festival de Anápolis. Impossível é não sucumbir, como diria o menestrel alagoano Djavan. E é mesmo. Como não se enfeitiçar por aquela tranquilidade em forma de imersão sensorial absoluta da Estância, onde a Paz fez morada e os dias tranquilos se sucedem entre tempos nublados, muito sol, calor, chuva e lindas paisagens, recheadas de belas flores e um verde contagiante ?

Difícil querer sair de lá pra ir a qualquer lugar – a não ser quando se pronuncia o nome El Hajj, o ótimo restô árabe onde almoçamos todos os dias… delícias em forma de pratos e guloseimas.

A Estância é tão agradável que dá vontade de ficar ali o dia inteiro conversando amenidades, tomando suco, desfilando alegrias e contando historias. Pra tudo ficar perfeito, só falta mesmo umas belas e generosas redes espalhadas por entre as belezas de seus jardins. 

ENCONTROS 

Débora Torres, Aurora Miranda Leão e a Princesinha Rafaella…

Os encontros em Anápolis são sempre tão agradáveis que a gente já chega lá revestido de saudade porque sabe: na hora da despedida, vai deixar muita coisa boa pra trás. Essa sensação tomou conta desta redatora logo da minha primeira estada ali, em 2011. E foi por isso que nasceu o curta-metragem O Sumiço de Alice, uma tentativa, talvez, de deter aqueles dias de calmaria, prosa farta e boa convivência no coração do município de Anápolis. Ou talvez uma forma de carregar sempre consigo a recordação de um tempo feliz, cercada de  verde e pessoas que gostam das mesmas coisas, ou ainda uma forma de espalhar aos quatro ventos o quão é saudável, bom e revitalizador estar num lugar propicio, em boa companhia e fazendo o que se gosta.

Nesse clima, foi ali onde conheci, na edição passada, a carismática e inesquecível figura do produtor Walter Webb, baiano que vive na ponte São Paulo-Los Angeles, cuja prosa flui aos borbotões e faz a tristeza passar longe.

Walter Webb entre as lindas Bruna Chiaradia e Giselle Motta…

Um encanto de pessoa, assim como também a querida poetisa Selva Aretuza, meiga e acolhedora, que também figura no curta rodado em Anápolis. E ainda o encontro mágico com Dila Guerra, Manaíra Carneiro, Felipe Brida, Alex Moletta, Eduardo Cardoso (‘amigo novo, parceiro novo’, como diria o mestre Vinícius de Moraes), Bianca Menti, o embaixador Lauro Moreira, Alberto Araujo, Pedro Pinheiro, Marcus Annolli, Serina Raruá e Almir Torres, alem da sintonia imediata com a leveza carismática e  simpatia contagiante de Zezeh Barbosa.

Carlos Alberto Riccelli, Aurora e Rubens Ewald Filho: encontro cheio de prosa…

Leandro Firmino da Hora e Aurora Miranda: reencontro feliz…

Sem esquecer do reencontro com o querido Mestre Rubens Ewald Filho (!), a querida Alice Gonzaga, Guido Campos, Mallu Moraes, Laurinha Pires e Ed Cajazeira, Ângela Torres, Miguel Jorge, João Batista de Andrade, Lucília e Vladimir Carvalho, e Itamar Borges.

Alice Gonzaga, Débora Torres e Cid Nader: Cinema, produção e jornalismo…

Aurora e o casal Babu Santana e Bruna Barros: cinema e teatro nas conversas…

Os encontros este ano foram em maior número, umas das confirmações do crescimento inconteste do festival. Ingra Liberato, Carlos Alberto Riccelli, Leandro Firmino da Hora, Babu Santana e Bruna Barros, David Cardoso, Fernando Alves Pinto, Wandi Doratiotto, Erom Cordeiro, Gustavo Machado, Flavia Rodrigues, Zózimo Bulbul, Edward e Betina Vianny, Elisa Tolomelli, Lucília e Vladimir Carvalho, Alice Gonzaga, Walter Webb, Serina Raruá, Ângelo Lima, Alex Moletta, Antônio Balbino, e em especial Germano Pereira e as lindas Giselle Motta e Bruna Chiaradia, inauguraram uma nova página em minhas afetividades.

Germano Pereira, Alice Gonzaga, Rubens Ewald Filho e Aurora Miranda Leão…

Enquanto Rubens Ewald Filho, o ilustre Curador, reforçou mais uma vez o tanto que merece de carinho, aplauso e adesão. Lembrando ainda de citar os que se fizeram queridos logo de cara como Delvo Simões, Walace Oliveira, Julliana Pinheiro, Rafaela Torres, Thalyane e Rebeca Romero. Estes também foram mais que especiais para tornar a estada em Anápolis ainda mais prazerosa, contribuindo sobremodo para fazer chegar ao meu escaninho emotivo-imagético a ideia de um novo curta-metragem. Para este, com título provisório de Take 2, já gravaram Rubens Ewald Filho, Walter Webb, Bruna Chiaradia, Débora Torres e Alice Gonzaga.

Quarteto feminino: Giselle Motta, Flávia Rodrigues, Bruna Chiaradia e Aurora Miranda Leão…

Delvo Simões e Alice Gonzaga: ele coordenu o júri e fez a diferença; ela espalhou alegria…

O Sumiço de Alice será atração na festa de encerramento do Festival de Anápolis

 

O Sumiço de Alice, mais recente curta-metragem Aurora de Cinema Produções, foi escolhido para abrir a solenidade de encerramento da segunda edição do Festival de Cinema de Anápolis, que começa no próximo dia 19 e prossegue até dia 26.

Alice Gonzaga, grande inspiradora e homenageada com o curta de Anápolis…

Rodado em Anápolis (GO), durante o I Festival de Cinema de Anápolis (idealizado e coordenado pela cineasta Débora Torres), realizado em abril de 2011 no município goiano, o curta é um trabalho experimental que agrega diversos nomes importantes do cinema nacional. 

A inspiração veio numa visita à bucólica cidade de Pirenópolis, em passeio proporcionado pela organização do festival, reunindo diversos realizadores, produtores e artistas. 

Berço de tantos filmes brasileiros (como “Simeão, o boêmio”, primeiro filme dirigido pelo goiano João Bennio; O Tronco, de João Batista de Andrade; O Leão do Norte, de Carlos Del Pino; e o curta Borralho, do maranhense Arturo Sabóia de Almada), Pirenópolis é um município tombado pelo Patrimônio Histórico, a atrair, durante todo o ano, um enorme fluxo de turistas por conta de suas belezas naturais, sua tranqüilidade e suas festas populares, como as tradicionais Cavalhadas.

 

Selva Aretuza estreia como atriz em atuação descontraída…

Gravado em formato digital, com imagens captadas em mini DV, o curta O Sumiço de Alice é mais uma produção Aurora de Cinema, finalizada em parceria com a Cabeça de Cuia Filmes (da fotógrafa e cineasta cearense Lília Moema). 

Guido Campos, ator goiano, tem participação destacada em O Sumiço de Alice…

O processo de produção resume-se a 3 dias de filmagens no circuito Teatro Municipal-Estância Park de Anápolis, mas, apesar do pouco tempo, o filme conta com elenco estelar, onde despontam o talento vibrante de Zezeh Barbosa, a criatividade singular dos goianos Deborah Torres e Guido Campos, a expressividade da atriz Dila Guerra, a criatividade do escritor Miguel Jorge, a descontração do cineasta e produtor Walter Webb, a simpatia de Alice Gonzaga, o tom descontraído de Mallu Moraes, a seriedade na estréia de Selva Aretuza e Manaíra Carneiro, além da inteligente participação dos jornalistas Cid Nader e Felipe Brida.

 

Mallu Moraes, Guido Campos e Dila Guerra: trio é pura descontração …

Um belo plano-seqüência gravado em Pirenópolis responde pela abertura de O Sumiço de Alice. O filme vai-se desenvolvendo e, ao longo de seus 20 minutos, uma sucessão de imagens e depoimentos insólitos vão mapeando a intrincada história do inopinado e misterioso sumiço de Alice.

 

Débora Torres: produtora revela dimensão de seu talento como atriz…

Até o final, paira no ar a pergunta que não quer calar: como e porquê Alice sumiu  

* O Sumiço de Alice terá sua  exibição pública no II ANÁPOLIS FESTIVAL DE CINEMA, às 19h, abrindo a solenidade de encerramento. 

A  ótima Zezeh Barbosa é destaque com participação cativante e bem humorada…

FICHA TÉCNICA 

Argumento, Roteiro, Fotografia e Direção: Aurora Miranda Leão

Produção: Aurora de Cinema e Cabeça de Cuia Filmes

Apoio de Set: Pedro Pinheiro e Ângela Torres

Assistente de produção: Itamar Borges, Mallu Moraes e Luziany Gomes

Direção de Platô: Laura Pires

Trilha sonora  – Carmina Burana, de Mozart (versão remix)

                                 Capricho, de Villa Lobos

 (Antônio Meneses, violoncelo – Cristina Ortiz, piano)

                            

Edição: Aurora M. Leão e Lília Moema

Still: Edvaldo Cajazeira e Laura Pires

Elenco:  ALICE GONZAGA

                ZEZEH BARBOSA

                DÉBORA TORRES

                GUIDO CAMPOS

                WALTER WEBB

                MIGUEL JORGE

                SELVA ARETUZA               

                DILA GUERRA

                MALLU MORAES

                JOÃO BATISTA DE ANDRADE

                MANAÍRA CARNEIRO

                CID NADER

                FELIPE BRIDA

                SERINA RARUÁ

                ITAMAR BORGES

                LAURA PIRES

                ED CAJAZEIRA