Arquivo da tag: Raul Seixas

Os Selecionados do FestCine Amazônia

O Festival Latinoamericano de Cinema e Video – FestCineAmazônia anunciando filmes selecionados para concorrer na mostra competitiva de curta-metragem e reportagem ambiental. São 51 produções cinematográficas de todas as regiões do Brasil e da América do Sul a concorrer nas categorias de animação, ficção, documentário e experimental.

Mais de 350 filmes foram inscritos nesta décima edição do festival, que será realizado de 6 a 10 de novembro, em Porto Velho (Rondônia).

Os filmes selecionados passaram por uma comissão integrada pelo professor e cineasta Alexandre Guerreiro, mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), graduado em Cinema pela UFF e em História pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ); o jornalista e produtor Délcio Teobaldo; e o editor Pablo Ribeiro, que tem no currículo vários trabalhos no cinema, na televisão e na música, como o documentário Raul Seixas – O Início, O Fim e o Meio, “Alô, Alô Terezinha”, o filme “Budapeste”, o programa Esquenta, da Regina Casé (TV Globo), entre outros.

O FestCineAmazônia se consagrou como o maior festival de audiovisual da região, integrando o circuito nacional de festivais de cinema e vídeo. O festival tem patrocínio do BNDES, Governo Federal, Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, Secretaria do Audiovisual, apoio cultural do Centro Técnico Audiovisual – CTAv e Governo de Rondônia através da Secretaria dos Esportes, da Cultura e do Lazer – SECEL.

Confira os selecionados

FILME/VÍDEO DIREÇÃO CATEGORIA ESTADO
SILENCIO ALBERTO BELLEZIA / CID CÉSAR AUGUSTO DOCUMENTÁRIO RJ
PROIBIDÃO LUDMILA CURI E GUILHERME ARRUDA DOCUMENTÁRIO RJ
CICLO MARCELO GALVÃO FICÇÃO SP
JAÇANÃ E O ADONIRAN ROGÉRIO NUNES DOCUMENTÁRIO SP
DI MELO – O IMORRÍVEL ALAN OLIVEIRA E RUBENS PÁSSARO DOCUMENTÁRIO PE
LINEAR. AMIR ADMONI ANIMAÇÃO SP
L THAIS FUJINAGA FICÇÃO SP
A GALINHA QUE BURLOU O SISTEMA QUICO MEIRELLES FICÇÃO SP
QUANDO O CÉU DESCE AO CHÃO MARCOS YOSHI FICÇÃO SP
O FIM DO FILME ANDRÉ DIB FICÇAO SP
O CANGACEIRO MARCOS BUCCINI ANIMAÇÃO PE
VISÕES DA FLORESTA VICENTE RIOS DOCUMENTÁRIO GO
ANTES QUE O VERÃO ACABE MARÍLIA NOGUEIRA FICÇÃO MG
UMA, DUAS SEMANAS FERNANDA TEIXEIRA FICÇÃO RJ
INVISÍVEIS ANDERSON FREGOLENTE FICÇÃO PR
ARTISTAS NO CENTRO SIMONE ELIAS DOCUMENTÁRIO SP
ACORDA POVÃO JOAO GABRIEL FICÇÃO BA
ISSO NÃO É O FIM JOAO GABRIEL FICÇÃO BA
MATINTA FERNANDO SEGTOWICK FICÇÃO PA
NIGERIA FIM DA LINHA ELDER FRAGA FICÇÃO SP
DESFRONTEIRA THIAGO BRIGLIA DOCUMENTÁRIO SP
FEIJOADA COMPLETA ANGELO DEFANTI FICÇÃO RJ
RATTUS RATTUS ZÉ BRANDÃO ANIMAÇÃO RJ
EU NUNCA DEVERIA TER VOLTADO EDUARDO MOROTÓ, MARCELO MARTINS SANTIAGO E RENAN BRANDÃO EXPERIMENTAL RJ
DULIA MARIANA MUSSE E TOMYO COSTA ITO DOCUMENTÁRIO MG
VESTIDO DE LAERTE CLAUDIA PRISCILLA E PEDRO MARQUES FICÇÃO SP
FUNERAL À CIGANA FERNANDO HONESKO FICÇÃO SP
BARBEIROS LUIZ FERRAZ E GUILHERME AGUILAR DOCUMENTÁRIO SP
NOITE PERDIDA FILIPPO CAPUZZI LAPIETRA FICÇÃO SP
A DESCOBERTA RNESTO MOLINERO FICÇÃO BA
KOPECK JAIME LEMER FICÇÃO RS
UM DIÁLOGO DE BALLET FILIPE MATZEMBACHER E MARCIO REOLON DOCUMENTÁRIO RS
O CÉU NO ANDAR DE BAIXO LEONARDO CATA PRETA ANIMAÇÃO MG
MÁSCARA NEGRA RENE BRASIL FICÇÃO SP
SUEÑOS EM LA FRONTERA EDINÉS SILVA DE ARAUJO (BRASIL) MAYRA CÁDIZ ARGANDOÑA (BOLIVIA)

RENATO CASTRO DE ALNUIDO (BRASIL) PATRICIA PERALES YABAR (PERÚ)

DOCUMENTÁRIO PERU
O CASAMENTO DE MARIO E FIA PAULO HALM FICÇÃO RJ
COWBOY TARCISIO LARA PUIATI DOCUMENTÁRIO RJ
O PAU DA BANDEIRA FILIPI WECESLAU E AUGUSTO PESSOA DOCUMENTÁRIO PB
MBYÁ REKO PYGUÁ, A LUZ DAS PALAVRAS. KATIA KLOCK E CINTHIA CREATINI DA ROCHA DOCUMENTÁRIO SC
ANGELI 24HS BETH FORMAGGINI DOCUMENTÁRIO RJ

 

CATEGORIA – VIDEO REPORTAGEM AMBIENTAL

 

FILME/VÍDEO DIREÇAO ESTADO/PAÍS
NO RUMO DO UÇÁ. WLADYMIR LIMA AL
MEDIÇÃO EXATA DO PICO DA NEBLINA. ORLANDO JUNIOR AM
O NOVO GARIMPO JOEL TEIXEIRA MT
TARTARUGAS DA AMAZÔNIA. PAULO PAIXÃO AM
OURO PARAIBANO. WENDELL RODRIGUES PB
BOMBA-RELÓGIO. LUDMILA CURI E NATANAEL DAMASCENO RJ
FAÇO DIFERENTE: UM INVENTOR DE MÃO CHEIA WENDELL RODRIGUES PB
SÉRIE ÁGUA CARLOS ALBERTO MARTINS DA ROCHA PR
A MAIOR PRAIA DO MUNDO “ORIGEM, PIRATARIAS E NAUFRÁGIOS PENA CABREIRA RS
FIM DO MUNDO – O POVO DO SILÊNCIO PAULO NASCIMENTO, VOLTAIRE DANCKWARDT / LEONARDO MACHADO RS
GUARDIÕES DA AMAZÔNIA JEAN CARLA COSTA RO

www.cineamazonia.com

Cine B faz 5 exibindo Cinema Brasileiro

 Cinco Vezes Favela, Agora por nós Mesmos é o filme deste mês 

Cena do primeiro episódio, Arroz com feijão… 

O CINE B, projeto de cinema itinerante realizado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região em parceria com a Brazucah Produções, está completando 5 anos este julho. Nesse tempo, o Cine B já levou muito do cinema brasileiro (longas e curtas-metragens) para 27.500 espectadores e realizou 222 sessões nos mais diversos bairros e comunidades de São Paulo, Osasco e Região.

Ruy Guerra: cineasta atua num dos episódios mais aplaudidos pelo público…

Segundo Cidálio Vieira Santos, coordenador do Projeto, através do Cine B, muitas pessoas experimentaram, pela primeira vez, a experiência de assistir a um filme no cinema. “Já levamos a estrutura cinematográfica do Cine B, composta por telão, projetor, caixas de som, banners, pesquisas de opinião e sorteio de camisetas do projeto, além da tradicional pipoca e de seu pipoqueiro oficial, o seu Antônio Nascimento, para escolas, salões de igrejas, quadras esportivas, debaixo de ponte, praças, ruas e parques de São Paulo e região”, conta.

 

O Cine B vai comemorar estes 5 anos com mais sessões de Cinema: dias 19, 20 e 21 de julho, o Projeto exibe no Jardim Brasília, Cohab 1 e Jardim da Conquista, bairros da Zona Leste de São Paulo, o filme Cinco Vezes Favela, agora por nós mesmos 

 

Desde 2007, o projeto já exibiu “Eu e meu guarda-chuva”, “O contador de histórias”, “O casamento de Romeu e Julieta”, “Antônia”, “A máquina”, “Meu nome não é Johnny”, entre outros títulos de sucesso. O CINEB também já realizou diversas pré-estreias de filmes brasileiros como “Raul Seixas – O início, o fim e o meio”, Divã, Era uma vez…, entre outros. 

Após as sessões, é vendido um DVD com os 5 curtas mais votados pelo público do projeto, nos 5 anos de exibição. A seleção faz parte do primeiro Selo Cine B do Cinema Brasileiro, uma coletânea de DVDs com curtas-metragens brasileiros. A ideia é popularizar este formato de filme.

 

 Cena de Deixa voar, um dos cinco episódios de Cinco Vezes Favela

Saiba mais sobre o CineB: http://cineb.spbancarios.com.br 

SERVIÇO 

Dia 19 de julho, quinta, 19h – Jardim Brasília (Zona Leste)

Onde: Entidade Juntos (Rua Canfora, 90 – Jd. Brasília)
Retirada de Convites: Sr. Humberto/ Daniel

Mais informações: (11) 2364 2328
Capacidade: 200 pessoas
 

Dia 20, às 19h – Cohab1 – Zona Leste

Onde: Associação dos Moradores – Esfuco (Travessa Antonio Brunelli, 351 – Cohab I – Artur Alvim)
Retirada de Convites: na Associação de Moradores/ 3188 5208

Mais informações: Anaildo/ Edu – 8691-6204
Capacidade: 120 pessoas 

Dia 21 (sábado), às 19h – Jardim Conquista – Zona Leste

Onde: Emef. Prof. Carlos Correa Mascaro –(av. Salve A Mocidade, 932 – Jd. Conquista).

Mais informações: 7895-1872
Capacidade: 200 pessoas

O Cinema de Invenção de Jairo Ferreira no CCBB de Sampa

 
 Cena do filme O Vampiro da Cinemateca (1977), de Jairo Ferreira
  • Cena do filme “O Vampiro da Cinemateca” (1977), de Jairo Ferreira

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo está exibindo a mostra Jairo Ferreira – Cinema de Invenção, dedicada ao cineasta paulistano que também foi um dos maiores críticos de cinema que o Brasil já teve (e que raramente é visto como tal).

Serão exibidos todos os filmes que Jairo realizou (dois longas, um média e seis curtas), produções que exemplificam com imagens o que o crítico explicou em seu livro clássico Cinema de Invenção, espécie de Bíblia para jovens que procuram o caminho da autoria em cinema.

Era difícil não gostar de Jairo Ferreira. Quem o conheceu, o admirava por sua paixão, pela clareza com que desenvolvia pensamentos complexos, pela imensa generosidade com que acolhia interessados em sua obra, ou mesmo em conversas sobre artes e cinema.

Nos últimos anos de vida, desprezado pela grande imprensa, difundia seus conhecimentos para grupos de cinéfilos em mostras estratégicas, das quais a de Cinema Marginal, organizada por Eugenio Puppo no CCBB-SP em 2001, foi a mais importante. E defendia suas paixões: cinema japonês, Raul Seixas e sessões de magia.

“O GURU E OS GURIS” (1973), CURTA DE JAIRO FERREIRA

Assim, após a exibição do longa “Perdidos e Malditos” (1970), de Geraldo Velloso, em tal mostra, saiu comentando que “a cena de magia é muito bem realizada”. De outro modo, após a exibição de “Copacabana Mon Amour”, de Rogério Sganzerla (cineasta que ele admirava muito, e que como crítico tinha grandes paralelos com sua produção), disse para os mais próximos: “Não é dos que mais gosto do Rogério. Aquela cena de magia é ruim”.

Adorava o cinema de Kenji Mizoguchi (“O Intendente Sansho” e “Contos da Lua Vaga”) e Shohei Imamura (seu preferido era “Todos Porcos”), e frequentemente dizia maravilhas de algum outro filme japonês descoberto ao longo dos anos.

Jairo Ferreira foi colaborador da Folha de S.Paulo nos anos 1980, e antes, do jornal São Paulo Shinbum, dedicado à comunidade nipônica, mas disputado por cinéfilos que nada tinham de japonês, ávidos pelo contato com seus escritos (e os de Carlos Reichenbach).

Além de toda a produção de Jairo Ferreira no cinema, a mostra exibe também alguns filmes em que ele participa como ator ou roteirista, e outros sobre os quais escreveu como crítico.

A ausência de filmes japoneses é um equívoco. Poderiam ter colocado também “Suspiria”, de Dário Argento, ou “Dillinger Está Morto”, de Marco Ferreri, filmes que inspiraram críticas essenciais do autor. Existem muitos outros que não fariam mal ao seu panorama na crítica de cinema. Optou-se por privilegiar o cinema brasileiro, o que não é negativo a priori, mas pode dar uma ideia imprecisa de sua produção crítica.

Apesar das ausências (inevitáveis, dado o pequeno tamanho da mostra), a seleção de filmes garante uma série de sessões imperdíveis no pequeno cinema do centro de São Paulo.

Veja alguns dos destaques da Mostra:

Divulgação

 

A Mulher de Todos (1969), de Rogério Sganzerla, estrelado pela musa Helena Ignez

Divulgação

Nem Verdade Nem Mentira (1979), de Jairo Ferreira

Divulgação

Ritual dos Sádicos (1969), de José Mojica Marins

5 FILMES DIRIGIDOS POR JAIRO FERREIRA:

“O Guru e os Guris” (1972)
Curta-metragem. Encontro inspirado com Maurice Legeard, fundador da Cinemateca de Santos.

“O Ataque das Araras” (1975)
Curta-metragem. Filme Herzoguiano que mostra uma trupe teatral no Amazonas.

“O Vampiro da Cinemateca” (1977)
Não apenas uma homenagem e um retrato da cinefilia brasileira, mas um dos maiores filmes realizados no Brasil. Se você só puder ver um filme na mostra, que seja este.

“Horror Palace Hotel” (1978)
Média metragem em que Jairo Ferreira registra encontros impagáveis durante o Festival de Cinema de Brasília.

“Nem Verdade Nem Mentira” (1979)
Curta-metragem em que Jairo pensa o jornalismo, com Patrícia Scalvi.

5 FILMES DE OUTROS DIRETORES:

“Limite” (1931), de Mário Peixoto
Obra-prima do cinema experimental brasileiro. É figura fácil em mostras, mas deve ser sempre revisto, como parte de um aprendizado.

“A Mulher de Todos” (1969), de Rogério Sganzerla
Talvez este seja o filme que melhor exemplifique o chamado “Cinema Marginal”.

“Ritual dos Sádicos” (1969), de José Mojica Marins
Também conhecido como “O Despertar da Besta”, é a obra-prima de Mojica.

“A Herança” (1970), de Ozualdo Candeias
Hamlet, se Shakespeare, no sertão paulista. A genialidade de Candeias em cena.

“Crônica de um Industrial” (1978), de Luiz Rosemberg Filho
Existem outros filmes dignos de destaque na mostra, mas nenhum deles é tão injustiçado quanto este longa especial de Rosemberg.

* Por Sérgio Alpendre
Do UOL, em São Paulo


JAIRO FERREIRA – CINEMA DE INVENÇÃO
Quando:
até 12 de fevereiro
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil – Cinema (r. Álvares Penteado, 112, Centro, tel. 0/xx/11/3113-3651); 70 lugares
Quanto: R$ 4
Site oficial: bb.com.br/cultura

RAUL SEIXAS ganha Doc e trailler já está na web…

O documentário musical Raul Seixas: o Início, o Fim e o Meio, de Walter Carvalho, estreia dia 27 de janeiro nas principais capitais, e já tem trailer oficial. O filme mostra a origem do “mito” desde o tempo em que Raul freqüentava o Elvis Rock Club até entrar para a história da MPB com uma obra originalíssima.

O filme reúne entrevistas de familiares, como o irmão Plínio Seixas, dos amigos – como o escritor Paulo Coelho, com quem compôs várias canções -, e Waldir Serrão, fundador do Elvis Rock Clube, do qual Raul fez parte. As filmagens ocorreram na Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Estados Unidos e Genebra.

Em vida, Raul construiu uma carreira singular e até hoje é um dos mais executados do mercado nacional, além de ser o artista póstumo que mais vende disco no país: cerca de 300 mil cópias por ano.  O documentário mostra as diversas facetas do homem e tenta desvendar a enorme comunicação de suas músicas, e ainda entender a legião de fãs que ele continua mobilizando, 22 anos depois de sua morte.

Para fazer download do trailer oficial, clique num dos links abaixo:

http://www.paramountpictures.com.br/upload/extranet/Raul.zip (arquivo em wmv)

http://www.paramountpictures.com.br/upload/extranet/Raul_mov.zip (arquivo em mov)

FICHA TECNICA:

Direção: Walter Carvalho

Produção executiva: Alain Fresnot e Denis Feijão

Codireção: Evaldo Mocarzel

Codireção e roteiro: Leonardo Gudel

Direção de fotografia: Lula Carvalho

Direção de arte: Lulu Continentino

Direção de produção: Rodrigo Castellar e Pablo Torrecillas

Pesquisa: Antonio Venancio e Remier Lion

Som direto: Evandro Lima

Edição de som: Miriam Biderman e Ricardo Reis

Mixagem: Pedro Noizyman

Coordenador de pós produção: Gustavo Ribeiro

Design e animação: Gabriel Bitar

Montagem: Pablo Ribeiro

Produção: A.F. Cinema e Video

Idealizado por: Denis Feijão

Co-produtoras: Paramount Pictures, Elixir Entretenimento, Cinecolor Digital, Tv Cultura, Locall, VH1, TV Filmes e HaiKai Cinema

APOIO: Globo Filmes

Distribuição: Paramount Pictures

Em abril, RAUL SEIXAS em Doc

Com direção de dois craques das lentes, Walter Carvalho e Evaldo Mocarzel, o documentário O Início, o Fim e o Meio, cinebiografia sobre o músico Raul Seixas, tem estréia prevista para o próximo mês.

Produzido em 2009, numa homenagem justíssima ao cantor/compositor baiano – morto há duas décadas -, o Doc mostra a trajetória de Raul por meio de documentos e imagens inéditas de sua carreira, depoimentos antigos do roqueiro e atuais de seus familiares e amigos, como Paulo Coelho, Nelson Motta, Tom Zé, Pedro Bial e Caetano Veloso.

Uma parte do material inédito veio do “baú do Raul”, repleto de objetos e documentos pessoais do músico; o material foi cedido por Kika Seixas, ex-mulher de Raul.

O Início, o Fim e o Meio foi gravado em Salvador (cidade de origem do músico), Rio de Janeiro, São Paulo, Suíça e Estados Unidos, e a estréia está prevista para 28 de abril.