Arquivo da tag: Sambódromo

Samba revela beleza e encanto de Jéssica Mara

JM

A modelo carioca Jéssica Mara, ou Mara Jay como já é conhecida no meio dos flashes e sobre as passarelas de moda, surpreendeu no desfile de sábado do Sambódromo carioca e ganhou destaque midiático inusitado…

Escola Caprichosos de Pilares revelou uma nova Pérola Negra do Samba

O jornal O Globo assim afirmou:

“No turbilhão de luzes, brilhos e milhares de componentes das escolas da Série A que desfilaram sábado no Rio, surgiu uma estrela nova.

Sensualidade sem silicone, beleza sem botox, cabeça raspada, o corpo revelado pelo vestido molhado: Jéssica Mara, musa da Caprichosos de Pilares, botou o público do sambódromo aos pés de seu 1,82m.

Um megasucesso que surpreendeu a estudante e modelo, de 22 anos, natural de Volta Redonda, no sul do estado do Rio:

‘É a primeira vez que desfilo como um destaque, em cima do carro. E eu tenho pavor de altura, não gosto de ficar no alto, detesto. Cheguei lá, e fiz um pouco diferente, mas saiu bem melhor do que eu esperava’, conta Jéssica Mara.

Jéssica mora com o pai, a irmã e a sobrinha, em Bonsucesso, no subúrbio do Rio. A família apoia a carreira de modelo, que já incluiu fotos dela nua. Difícil, ela diz, é ser modelo negra:

‘Eu faço teste pra eles e depois eu vejo, caraca, não passou nenhum negro, só tem louros, de olhos azuis. Às vezes eu chego aqui em casa, falo que não quero mais fazer, não quero mais, meu pai vai e me levanta, minha mãe conversa comigo’.

Jéssica está sendo comparada a Pinah – lendária passista-destaque da Beija-Flor que encantou o príncipe Charles, da Inglaterra, na década de 1970.

A nova musa do Sambódromo carioca guardará para sempre as lembranças da noite mágica:

‘Gostei muito de ter desfilado ! Agradeço a oportunidade que me deram, e a confiança que depositaram em mim, porque eu nunca saí numa avenida, pra sambar. E por eu ser modelo, um diferencial do perfil mesmo do samba, eu não imaginava que daria este tipo de repercussão, não mesmo, eu agradeço muito’.

JM no carro

Jéssica Mara abalou desfilando no alto de um carro alegórico…

Caprichosamente, ela chegou ao Samba: Todo o esplendor de Mara Jay !

Unidos da Tijuca CAMPEÃ: Paulo Barros é o Messi do Carnaval !!!

Nosso palpite, divulgando a supremacia da Escola logo após sua passagem pelo Sambódromo, mostrou que estávamos certos: UNIDOS DA TIJUCA é coroada CAMPEONÍSSIMA do Carnaval Carioca !

Escola, mais uma vez, fez desfile de puro encantamento. Aqui o carro-homenagem ao mestre Vitalino (bamba do artesanato de barro pernambucano)…

bonecos de barro dançando na Sapucaí: isso foi só uma parte do desfile espetacular da escola que tem no carnavalesco Paulo Barros seu maior trunfo…

Paulo Barros: ele transformou a Sapucaí em passarela de teatro ambulante… Nota MILLLLLL !!!

Gangorras, sanfoneiros e a inspiração em mestre Vitalino: Tijuca veio provando porque é a Melhor !

O sensacional carro-bolo destacando o centenário do Rei do Baião, Luiz Gonzaga…

Inigualável homenagem à cultura nordestina; carro levou a Asa Branca de Luiz Honzaga e Humberto Teixeira ao Sambódromo e encantou arquibancadas, jurados, imprensa, fotógrafos, turistas e a plateia inteira…

O estandarte Unidos da Tijuca: como se não bastasse os espetaculares desfiles, ainda estampa as mesmas cores do meu time do coração, o Boca Juniors

Paulo Barros consagra-se como um verdadeiro MESSI do Carnaval Carioca… Saravá !

A comissão de frente ‘atropelou’ o desfile das outras escolas: depois da Tijuca, não teve pra mais ninguém…

Pra você que marcou ‘bobeira’ e perdeu este sensacional Espetáculo da Cultura Brasileira em plena Passarela do Samba, aqui vai um trechinho:

http://globotv.globo.com/rede-globo/netv-1-edicao/v/desfile-da-unidos-da-tijuca-faz-bela-homenagem-a-luiz-gonzaga/1822918

E não perca: sábado à noite, tem mais UNIDOS DA TIJUCA no Sambódromo, grande DESTAQUE no aguardado desfile das Campeãs do Carnaval Carioca !

Imprensa e Público Vibram com Vitória da TIJUCA

Grávida, a apresentadora Adriane Galisteu foi a rainha da bateria da Unidos da Tijuca
Grávida, Adriane Galisteu foi a rainha da bateria da Unidos da Tijuca

Uma das novidades apresentadas pelo carnavalesco Paulo Barros foi uma intervenção na bateria de mafiosos armados que chegaram em um carro preto, mas que passavam mensagens de paz, já que na ponta das metralhadoras haviam bandeiras brancas que pediam o fim da violência. Os ritmistas estavam vestidos de gângsters e fizeram paradinhas e coreografias. Grávida de três meses, a apresentadora Adriane Galisteu foi a rainha da bateria.

O abre-alas mostrou Alexandre, o Grande, e representou o mistério de Alexandria, no Egito, quando um incêndio atingiu a biblioteca e queimou livros que continham os grandes mistérios da humanidade durante a Idade Média. Os efeitos faziam o fogo parecer real.

Durante o desfile, foram apresentados lugares lendários, mistérios de civilizações antigas e identidades secretas.

Cinco mil mudas de plantas formavam o carro Jardins Suspensos da Babilônia. Para completar o cenário havia 4.000 litros de água na alegoria. A ala das baianas também representou os jardins suspensos.

O carro Não ultrapasse exibiu um sósia do popstar Michael Jackson, com uma mensagem ao astro morto em junho do ano passado após uma overdose de medicamentos e de uma intoxicação com o anestésico propofol.

Um pergaminho de construções maias era mais uma alegoria, que trazia os arqueólogos que tentavam desvendar o segredo da civilização.

O pavão, símbolo da escola, estava no último carro que tinha integrantes camuflados de preto que se transformavam no animal, mais uma ilusão de ótica.

A Unidos da Tijuca foi criada a partir da fusão de quatro blocos existentes nos morros da Casa Branca, da Formiga e da Ilha dos Velhacos, em 31 de dezembro de 1931, na subida da rua São Miguel.

A agremiação é a terceira escola de Samba mais antiga do Brasil.

 
Integrantes da comissão de frente da Unidos da Tijuca faz show de efeitos visuais e inova na Sapucaí no Rio
Comissão de frente da Unidos da Tijuca: SHOW de efeitos visuais e inovação

Venda recorde de ingressos para DESFILE DAS CAMPEÃS

A procura de ingressos para o desfile das campeãs no próximo sábado (20) está sendo a maior dos últimos 15 anos, segundo dados divulgados pelo coordenador de vendas da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro), Heron Schneider.Hoje foram disponibilizados os 5.446 ingressos restantes para o desfile, à venda em oito pontos diferentes da cidade.

Quem ainda quiser comprar os ingressos para o desfile das campeãs deve se dirigir a um dos oito pontos de venda, que funcionam em sete agências do banco Bradesco e na Central Liesa de Atendimento. Cada ponto vende ingressos para um determinado setor do Sambódromo.

Para a arquibancada do Setor 3, o valor é de R$ 120, sendo vendido na agência da Avenida Rio Branco, número 131. No Setor 4, o ingresso custa R$ 70 e pode ser comprado na agência da Rua Visconde de Inhaúma, 134 C.

 
Carro da Unidos da Tijuca mostra inovação do carnavalesco Paulo Barros; escola é campeã do Carnaval do Rio

No Setor 5, a arquibancada custa R$ 150 e o ingresso está à venda na Agência Cinelândia, na Rua Senador Dantas, 61. Os ingressos para o Setor 7 custam R$ 180 e são vendidos na Rua Visconde de Inhaúma, 50.

Para o Setor 11, os ingressos saem por R$ 120 e podem ser comprados na agência da Praça Pio X, 98 A.

As cadeiras individuais do Setor 6, com preço de R$ 70, estão à venda na Agência da Carioca, na Avenida Rio Branco, 181 A. O ingresso para as cadeiras individuais do Setor 13 custam R$ 70 e podem ser comprados na Avenida Presidente Antonio Carlos, 515/641.

Na arquibancada numerada do Setor 9, o preço é R$ 350 e os ingressos estão à venda na Central Liesa de Atendimento, na Rua da Alfândega, 25, lojas B e C.

EU TAMBÉM SOU CARIOCA

Minha carioquice tem raízes profundas e intensas… 

Porque os melhores dias de minha infância passei nas terras de Vinícius, ao lado de meus pais, meu três manos queridos e minha amiga de todas as horas, a fantástica Niete. Lá, entre as sombras frondosas da pacata General Glicério, eu e meus manos vivemos o auge das primeiras brincadeiras com os primos; descobrimos como era andar de elevador e morar em apartamento, coisa rara pra quem nascera em casa ampla de muitos quartos e pés de sirigüela, goiaba e coqueiro no quintal; e tivemos a companhia sempre agradável dos tios que nos levavam para conhecer os lugares mais bacanas da cidade de que mamãe sempre nos contava, de encantos mil, qual Pão de Açúcar, Corcovado, Quinta da Boa Vista, Vista Chinesa, sem faltar nossa ida aos antigos estúdios da Rede Tupi e TV Globo para acompanhar de perto a gravação de programas de auditório (embora a idade não me permitisse entrar em nenhum deles) e chegar mais perto dos artistas.

Porque o Rio me trouxe a família, uma família onde não faltavam primos e tios de todas as idades, um Natal sempre de mesa farta e os réveillons mais charmosos dos meus olhos;

//                                     
Porque adoro tomar chá matte gelado, a qualquer hora do dia ou da noite, de preferência acompanhado de biscoito Globo. Porque minha graça sintoniza com a irreverência do humor inteligente de Mauro Rasi, Miguel Paiva, Tim Rescala, Pedro Cardoso e a turma dos Cassetas; e porque no Rio sempre encontro apaixonados cidadãos cariocas, como o baianísimo Jorge Salomão, o paulista Matheus Nachtergaele e a paraense Rosamaria Murtinho de todos os palcos.
                            

Porque conhecer o Rio foi como penetrar numa canção cheia de Bossa e Nova graça, conjunção que até hoje nos enleva a alma e faz lembrar o barquinho vai, a tardinha cai; ou do carioquíssimo hino ao Tom – rua Nascimento e Silva, 107, você ensinando pra Elizeth as canções de Canção do Amor Demais

… e porque tenho ademais a sorte e a alegria de ter amigos tão cariocas como Bernadete Duarte, Alice (Cinédia) Gonzaga, Maria Letícia, Luiz Carlos Lacerda, Denise Del Cueto, Valério Fonseca, Allan Ribeiro, Lea Garcia e Carminha Araújo …
                 
Porque o Rio, que não é só de janeiro mas de todos os meses onde a sintonia com a alegria seja mais mais forte, é a cidade onde me sinto mais à vontade, quase pé-no-chão no quintal de casa; cidade que me apresentou Lamartine Babo e suas deliciosas marchinhas do carnaval de todos os tempos… e os mais lindos hinos de futebol do mundo, mesmo sendo eu botafoguense – como Vinícius e João Moreira Salles -, e não Flamengo como o carioquíssimo paraibano Herbert Vianna.

Porque o Rio me trouxe Vinícius de Moraes e Vininha me trouxe a Ipanema, de toda garota, e do cronista Artur da Távola, que com sua maneira sincera, inteligente e refinada de ser carioca me fez ainda mais cativa da Cidade Maravilhosa;
                                                    

Porque adoro ir pra praia e cair na água e quando estou no Rio me sinto personagem de um cartão postal do qual posso dispor a toda hora, em qualquer clima, com todos os matizes que a brejeirice carioca torna moda pro mundo quando assume as passarelas de nosso olhar embriagado por tanta beleza;

Porque ser carioca não é questão de batistério- nome por demais formal pra rimar com quem nasce abençoado pela imagem cravada no Corcovado. Ser carioca é questão de pulsação, não exige nacionalidade, bairrismo nem formalidade. Ser carioca é caminhar como quem anda de mãos dadas com o ar e encontrar, a cada esquina ou beira-mar, mais um motivo para afirmar: “É melhor ser alegre que ser triste, a alegria é a melhor coisa que existe, é assim como a luz no coração…”

 Saravá, Vininha !
                      

Sou carioca porque não me canso de olhar  a Lagoa Rodrigo de Freitas nem consigo parar de me embevecer cada vez que trafego no sentido São Conrado-Flamengo, num adorável pris-du-vie pela fascinante orla carioca;

          

Sou carioca porque me encanto a cada vez que olho a Ilha Fiscal ou lembro da beleza das ilhas Cagarras e não deixo de passar pela feira da Praça XV e a Feira Hippie de Ipanema, de onde é quase impensável sair sem carregar muitas sacolas. Penso, ademais que quem vai ao Rio e não fica completamente estarrecido ante tamanha disponibilidade do Criador com a criação de lugar tão belo e magiar, deve mesmo ter nascido sem samba no pé e nem bom sujeito é.

Sou carioca porque sou Santa Tereza e seu bondinho tornando os Arcos da Lapa paisagem art-noveau; porque sou Catete, Glória, Laranjeiras, Botafogo, Flamengo e todos os bairros que me fazem a infância bater mais fundo e apressam o compasso do meu coração;

 

 
Em passeio feliz pelo centro da capital carioca, esta jornalista (outubro de 2008)…

Sou carioca porque é tão fácil embarcar na poesia encravada da Cinelândia do Odeon, do Amarelinho e do imponente Teatro Municipal e porque adoro baixar no Largo da Carioca, onde o verão do Rio é mais forte que no mar, e não saio de lá sem dar uma passada na praça Tiradentes – pra conferir o lugar onde morou a maestrina Chiquinha Gonzaga e onde estão abrigados dois teatros históricos, o Carlos Gomes e o João Caetano, defronte ao belo prédio do Real Gabinete Português de Leitura. E, claro, no entorno da Carioca, apressar o passo e dar uma passadinha no Saara pra deixar cair umas moedinhas pelo comércio popular mais serelepe do país, depois afastar o cansaço e o calor com uma passadinha no tradicional Bar Luís, onde meu pai aprendeu a sorver chopp com meu querido avô Miranda e minha frenética vó Virgínia, nosso adorados e saudosos Juju e Noquinha.

Sou carioca porque o Rio recupera todas as minhas energias: basta olhar a marina da Glória, a Vermelha praia da Urca, ou a linda enseada de Botafogo – vontade de ficar lá pra sempre.


                                
Sou carioca porque o Rio parece uma cidade sempre pronta a desfraldar uma festa, por qualquer motivo banal, desde que a descontração, a graça e o intuito de fazer alguém feliz esteja em evidência.

Sou carioca sobretudo porque no Rio me sinto uma brasileira do mundo, alma cosmopolita, recheada de dons artísticos, plena de paixão e efervescente de energia pra fazer tocar e dançar todos os ritmos numa só voz, como em uníssono a saudar:

 

Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil

Cidade Maravilhosa, coração do meu Brasil !

Enfim, SOU CARIOCA PORQUE QUERO !