Arquivo da tag: suzana vieira

Mateus Solano dá show como FÉLIX e é já candidato a Melhor Ator

Novela de Walcyr Carrasco tem capítulo marcante com picos de audiência e show de atuação de Mateus Solano e Antônio Fagundes

Ele é um Ator cheio de qualidades e pouco mais de 12 anos de carreira. Estreou na TV na minissérie MAYSA, vivendo o personagem verídico do jornalista Ronaldo Bôscoli, e foi só aparecer em cena pra conquistar nossa adesão imediata. Além de revelar de cara um grande talento, Mateus Solano é, ademais, bonito, charmoso e cheio de empatia. Difícil não sintonizar com ele à primeira vista.

Depois veio a difícil tarefa de assumir os gêmeos Miguel e Jorge na novela Viver a Vida, onde fazia dois personagens bem distintos. Um deles, era namorado da personagem da bela Alinne Moraes, e ambos – de tão talentosos e belos – foram alçados ao topo do pico de interesse da novela de Manoel Carlos. Já ali, Mateus (devidamente emparelhado com Alinne) roubou literalmente a cena.

Depois veio a trama das 19h, Morde & Assopra, de Walcyr Carrasco, em 2011, na qual ele contracenava com a querida Adriana Esteves, e mais uma vez revelava sua extremada capacidade de interpretar, e lapidava seu charme e carisma.

Mateus Solano costuma dizer: “Eu não queria entrar nesse time (dos galãs), porque meu time é o dos atores, no qual jogo no ataque há 12 anos. Sou de um time maior, no qual o galã é apenas uma das infinitas possibilidades”,

Em ótima hora, o ator ganhou do mesmo Walcyr Carrasco o papel de Félix em Amor à Vida, interessante novela das 21h na qual interpreta o filho do casal César e Pilar (vividos por Fagundes e Suzana Vieira), e, desde o início da trama, MATEUS SOLANO vem arrasando na pele de um personagem difícil, de extremas sutilezas de gestos e intenções ‘mascaradas’, um personagem homossexual sem coragem de assumir-se pelas circunstâncias morais e sociais nas quais se acha inserido por conta de seu contexto familiar e profissional.

O personagem Félix anda ‘bombando’ nas redes sociais com página na mais acessada das redes, o Facebook, denomida Félix Bicha Má…E as ‘tiradas’ de Félix são tão sarcasticamente bem humoradas que a adesão às frases criadas – e muitas vezes ditas por Félix na trama – ganham milhares de curtidas e são compartilhadas sucessivamente… um luxo para um personagem alcançar tamanha empatia. Coisas para atores de talentos descomunais, como Mateus Solano e Adriana Esteves, por exemplo (esta ‘bombou’ com sua personagem Carminha, da novela Avenida Brasil), que ganham qualidade 3D com os ótimos textos que triplicam suas virtudes e exacerbam suas capacidades de conquistar o público e a crítica, graças aos antenados e exímios criadores dos textos das novelas globais.

Pois no capítulo desta quinta, a novela deve ter batido recordes de audiência e exigiu de MATEUS SOLANO muito mais do que ele já vinha fazendo até aqui, tal a necessidade de desdobrar-se em filigranas de sensibilidade para alcançar toda a grandeza, intensidade e profundidade das cenas nas quais o casamento de Félix e da mulher Edith (vivida com maestria pela atriz Bárbara Paz) tem seu momento supremo de conflito e contradita. Os dois resolvem se separar não sem antes ‘lavarem muita roupa suja’ e deixarem evidente pra família – reunida em jantar na casa dos pais de Félix e Paloma (personagem da atriz Paola Oliveira) – a condição de traição que abala o casal. Ao mesmo tempo em que Edith descobriu a traição do marido Félix com um antigo caso de amor (com o modelo ‘Anjinho’), ela escancara pro marido que também o traiu, para se vingar, e o traiu na própria cama, até então do casal.

Mateus Solano e Fagundes em momentos cruciais de Amor à Vida

Tudo isso foi revelado – ao público e à família – durante um jantar que se pretendia de feliz convivência entre a família. E os desdobramentos dessas revelações foram verdadeiros achados de defesa da condição de aceitação da homossexualidade, de negação aos preconceitos que cercam à sexualidade, de respeito às diferenças, de afirmação do Amor como um sentimento além, através e independente de qualquer condição adversa.

A novela Amor à Vida foi então, neste capítulo de quinta-feira, 1 de agosto, um verdadeiro show de dramaturgia, de direção competente, e de grandes atores esbanjando talento, verdade, coerência e dedicação compromissada e amorosa aos personagens que assumiram.

Mateus e Bárbara Paz: atores respondem por momentos tensos em Amor à Vida

Assim, o blog Aurora de Cinema tem orgulho de PARABENIZAR a todos os que fazem a trama atual das 21h da TV Globo e, muito especialmente, aos atores principais envolvidos nas cenas do capítulo de hoje nas quais a homossexualidade de Félix foi revelada e ‘dissecada’ através de diversas facetas – na relação dele com a mãe, a avó, com a irmã, o filho, a mulher e a sogra, os funcionários de casa… e com o pai.

Mas nesse ponto o capítulo terminou e o grande encontro entre Félix e o pai – SOLANO e FAGUNDES – ficou pro capítulo desta sexta, quando deverá haver o aguardado embate entre os personagens de dois monstros da nossa Teledramaturgia: Antônio Fagundes e Mateus Solano.

Mateus Solano, Bárbara Paz, Antônio Fagundes, Suzana Vieira e Paolla Oliveira compõem o núcleo central da família-mater de Amor à Vida

Vestido de Noiva, ainda e sempre… Nelson Rodrigues e o Teatro

Peça mais conhecida de Nelson Rodrigues ganha análise do escritor SÉRGIO FONTA

Leandra Leal brilhou na versão Vestido de Noiva de Gabriel Villela, em 2009

A conferência de SÉRGIO FONTA está marcada para o próximo dia 21 de agosto, terça-feira, a partir das 16h, com entrada franca.

Julinha Lemmertz ao lado do escritor Sérgio Fonta, autor de ótima biografia do ator Rubens Corrêa…

A Academia Luso-Brasileira de Letras, através de seu Presidente Francisco dos Santos Amaral Neto convida para Conferência com o ator/diretor e escritor SÉRGIO FONTA – que comanda o programa TRIBO DO TEATRO, toda sexta, às 12:30h, na rádio Roquette Pinto -, que vai comentar a obra de um dos Dramaturgos Brasileiros mais importantes de todos os tempos, o pernambucano NELSON RODRIGUES.

Nelson Rodrigues, um dos dramaturgos mais festejados do país…

A atual montagem de Vestido de Noiva pelo grupo Os Satyros: em cartaz até domingo no Teatro Cacilda Becker (SP). Direção Rodolfo García Vázquez e Helena Ignez como Madame Clecy.

Marília Pera: Madame Clecy na versão cinematográfica de Vestido de Noiva

A obra a ser destrinchada por Sérgio Fonta é a mais popular de Nelson, a emblemática Vestido de Noiva, que ganha sucessivas montagens em todas as partes do país, já tendo também chegado ao cinema e à tela da TV Globo.

Tônia Carrero e Suzana Vieira na versão de Vestido de Noiva para a TV Globo – Programa APLAUSO, 1979…

Considerada marco inicial do moderno teatro brasileiro, encenada pela primeira vez em 1943 com direção do polonês Ziembinski, Vestido de Noiva causa polêmica desde sua primeira montagem. Segundo o professor e crítico Sábato Magaldi, grande estudioso de Teatro, esta faz parte de uma série de peças psicológicas do dramaturgo, com uma linguagem forte que transporta para o palco a profunda angústia presente nos textos do autor, capaz de chocar e emocionar o público há gerações pelo modo cru e abrupto de retratar a realidade velada da classe média carioca.

Uma das montagens de Vestido de Noiva em 1965…

A trama acontece através de ações simultâneas, as quais vão-se desenhando em três planos – realidade, alucinação e memória.

Versão dos Sátyros: Ivam Cabral, Helena Ignez e Cléo De Páris (foto: André Stéfano)

VESTIDO DE NOIVA é a peça que deu início ao processo de modernização do teatro brasileiro

Essa era a segunda peça escrita por Nelson. O autor trabalhava como jornalista, profissão que herdara do pai, e procurava, naquele período, uma fonte de sustento complementar. Seu primeiro trabalho para os palcos, A Mulher sem Pecado, tinha como pretensão conseguir o sucesso obtido por outras produções da época, como A Família Lero-Lero, comédia do cearense Raimundo Magalhães Júnior.

O grupo Os Comediantes na revolucionária versão de Vestido de Noiva, 1943

De acordo com os estudiosos, embora a peça de Nelson fosse obra de valor artístico muito superior a de Magalhães Júnior, ao estrear, em 1942, não obteve a simpatia do público e resultou em fracasso de bilheteria. Um ano depois, Vestido de Noiva iria revolucionar o teatro brasileiro através da lendária montagem sob a direção do polonês Zbigniew Marian Ziembinski, que chegara ao Brasil cerca de dois anos antes. E aqui, pela primeira vez, foi então usado o hoje muito conhecido Método de encenação do russo Stanislavski, através do qual é o próprio ator quem empresta aos personagens suas emoções pessoais para então criar uma outra persona através de sua própria vivência, suas experiências, sua memória afetiva.

Ziembinski deu nova forma ao texto de Nelson. Seu rigor na encenação  com a exigência de ensaios constantes, e a transmissão de novas diretrizes em termos de interpretação elevou a concepção brasileira de teatro a novos níveis.

Yoná Magalhães como Alaíde na versão de Vestido de Noiva, em 1965…

A representação de VESTIDO DE NOIVA, conforme a divisão em 3 planos, desenvolve-se em três atos, cuja relação não é exatamente cronológica, a não ser no plano da realidade, o qual acompanha a degradação do estado de saúde de Alaíde e a aniquilação consequente dos outros dois planos.

A versão dirigida por Gabriel Villela em 2009 com Leandra Leal, Marcello Antony e Vera Zimmermann…

 A palestra de SÉRGIO FONTA intitula-se VESTIDO DE NOIVA: NELSON RODRIGUES EM TRÊS ÂNGULOS DE HISTÓRIA e acontece na próxima terça, com ENTRADA FRANCA.

SERVIÇO

Luciana Braga e Malu Mader em uma das versões de Vestido de Noiva

Conferência VESTIDO DE NOIVA: NELSON RODRIGUES EM TRÊS ÂNGULOS DE HISTÓRIA

Com o escritor SÉRGIO FONTA

ONDE:  Academia Luso-Brasileira de Letras
(Confederação das Academias de Letras do Brasil)

Endereço: rua Teixeira de Freitas, 5 / 3º andar, Lapa , RJ
perto da Estação Metrô/Cinelândia (saída Passeio)

Horário: 16h

ENTRADA FRANCA

Marcello Antony como Pedro e Leandra Leal como Alaíde em montagem dirigida por Gabriel Villela…