Arquivo da tag: teatro

Thadeu Vivas celebra parceria com Oswaldo Montenegro no Teatro

Artista envolvido com música desde criança – o pai é um importante nome da Música Brasileira -, produção de teatro, dramaturgia e realização audiovisual, THADEU VIVAS une a paixão pelas letras, a música e o teatro, e convida para Leitura Dramatizada que acontece amanhã no Teatro Glauce Rocha, no Rio.

ENTRE UMA BALADA & UM BLUES sobe ao palco do Glauce Rocha amanhã. A música-tema é uma parceria entre Oswaldo Montenegro e Thadeu Vivas.

Thadeu show

O Teatro fica na avenida Rio Branco, coração central da capital carioca, e o espetáculo tem ENTRADA FRANCA.

Thadeu Vivas vai estrear ao mesmo tempo como autor, ator e diretor. É uma ousadia própria dos que sabem que a paixão pode e deve superar qualquer medo do risco. É um mergulho num universo que Thadeu conhece, estuda, ama e no qual quer se aventurar cada vez mais. E qualquer artista que resolve sobrepor-se às incertezas naturais do mergulho cênico, já merece a cumplicidade do público, a adesão da classe e o caloroso APLAUSO do Blog Aurora de Cinema.

Thadeu pç

Portanto, amanhã, 2 de outubro, é noite de ir ao Teatro conferir o espetáculo de Thadeu Vivas – ENTRE UMA BALADA & UM BLUES -, às 19h, no palco do Teatro Glauce Rocha.

Vamos ao TEATRO !

Thadeu só

Confira aqui a música-tema do espetáculo, música de Oswaldo Montenegro e letra de Thadeu Vivas:

Osw toca

http://www.youtube.com/watch?v=-3xpQnJJjAA&feature=share

Djin Sganzerla e André Guerreiro Lopes em texto de Strindberg

Atriz paulista, filha dos cineastas Rogério Sganzerla e Helena Ignez, sobe ao palco em mais um grande texto, desta vez em mostra do SESC que homenageia o dramaturgo August Strindberg

De 10 a 14, sempre às 21h, no SESC Ipiranga…

Vamos ao Teatro !

DJIN SGANZERLA e ANDRÉ GUERREIRO LOPES são dois Artistas do Maior Quilate e um trabalho deles é sempre garantia de profissionalismo e bom espetáculo. este aurora de cinema recomenda.

Deborah Finocchiaro viaja o país com Solos e Bem Acompanhados

Atriz de farto talento, impressionante sensibilidade e carisma, Deborah Finocchiaro percorre o país ganhando aplausos, prêmios e mais tarimba pra sua incrível performance cênica…

A Companhia de Solos & Bem Acompanhados, de Porto Alegre, segue mostrando sua performance em  mais uma turnê nacional através do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz.

Os espetáculos são Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario  Quintana e Pois é, Vizinha… apresentados em cinco cidades,  sendo a primeira etapa realizada em agosto nas cidades de Teresina e  Parnaíba, no Piauí.

Na segunda etapa, este mês, as apresentações serão em Palmas (TO), e  Natal e Santa Cruz, no Rio Grande do Norte.

Mostra Companhia de Solos & Bem Acompanhados
ETAPA TOCANTINS 13 e 14 de outubro de  2012
13/10 – 20h Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario  Quintana
14/10 – 19h Pois é,  Vizinha…
Teatro SESC  Palmas
Centro de Atividades do SESC – 502 Norte – Palmas/TO – (63) 3212.9954
Após os  espetáculos, bate papo com a plateia.
ETAPA Rio Grande do Norte – 17 a 22 de  outubro de 2012
SANTA  CRUZ
17/10 – 20h Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario  Quintana
18/10 – 20h Pois é,  Vizinha…
Teatro  Candinha Bezerra
Centro – Santa Cruz/RN – (84)  9651.2112
NATAL
20/10 – 20h Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario  Quintana
21/10 -20h Pois é,  Vizinha…
22/10 – das 18h às  22hOficina Espontaneidade e Desenho no  Espaço
Casa da  Ribeira
Rua Frei Miguelinho, 52 – Ribeira – Natal/RN – (84)  3211.7710
Assista aos  clipes das peças:
Companhia de Solos & Bem Acompanhados já  percorreu diversos estados brasileiros e também a Argentina. Em sua trajetória,  contabiliza 32 prêmios, sendo 6 de Melhor Espetáculo, 17 de Melhor Atriz, um de Melhor Direção, e ainda Melhor Cenário, Trilha, Texto Adaptado e 2 como Melhor  Artista de Teatro. O espetáculo Pois é,  Vizinha… está há 19 anos em cartaz e soma mais de 200.000 espectadores e mais de 10 prêmios. A peça  é uma adaptação do texto Una Donna Sola, de Franca Rame e Dario Fo  (Prêmio Nobel de literatura 1997). O premiado Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario  Quintana estreou em junho de 2006, dentro  das comemorações oficiais do centenário do poeta Mário Quintana, e vem  participando de temporadas, projetos e festivais nacionais e  internacionais.
Leia alguns comentários  da etapa Piauí (realizada em agosto de  2012)
Sobre Sobre Anjos & Grilos
“ Um raio fulminante de luzes e dramaturgia varreu o  solo do palco do Theatro 4 de Setembro, em Teresina, na noite do dia 07 de  agosto de 2012… esteve cheia de graça, alegria e virtuose mimetizada entre  obra e artista quintaniano, a atriz Deborah Finocchiaro que não deixou sobra de  não entendimento, nem sombra de falha de compreensão das falas de Mario… A  iluminação grave para feitos e efeitos de técnica invejável… Sons, luzes,  imagens animadas, signos e siglas poéticos, emblemas e ilustrações de natureza  criativa em mímesis da humanidade experimentada, um luxo de concentrado ato  dramático eficaz… Definem para acertos de contas, a performance inteira de  Deborah Finoccchiaro, em poeta feito forma vívida, e a equipe fechada que assina  como Companhia de Solos & Bem Acompanhados…”
Maneco Nascimento, ator, radialista e  jornalista  – Blog do Maneco – http://www.vooz.com.br /  manekonascimento.blogspot.com , 08/08/2012 – Teresina/PI
A beleza esteve em Teresina ! Faço referência ao  espetáculo “Sobre Anjos & Grilos”, ancorado na poética de Mario Quintana e com a vibrante performance de Deborah Finocchiaro. Delicadeza e profundidade  pisaram no palco. O poeta ganhou uma representação cênica afinada com o encanto da sua poesia. O solo de uma atriz bem acompanhado dos poemas e textos de um  poeta subvertedor e transcendente… O teatro está  vivo !
Francisco Junior, Dr. em Sociologia e Professor da UFPI – 08/08/2012 – Teresina/PI
Sobre Pois é, Vizinha…
“… O público não arredou um instante do denso e divertido enredo… Deborah Finocchiaro não só demonstra ser uma excelente  atriz, como também despende pique para não deixar dúvida de que reconhece a  terra em que está pisando… Nessa divertida comédia para fundo crítico exasperado, ela consegue metralhar informações com uma dinâmica concentrada em que não se perde qualquer fio da informação. Direta, humorada, sinuosa quando necessário, lacônica por exigência da dramaturgia, a  personagem encontra na atriz, e vice versa, uma afinidade teatral muito precisa… “Pois é, vizinha…” atrai a atenção, mesmo que  pelo riso, a uma discussão sobre violência contra a mulher. A atriz se despoja a trazer essa chaga social de forma empertigada e crítica em filtro tragicômico. Seu recado fixa ao riso e à reflexão. O ator convidado, Tito Grando, está muito à vontade e declina sua atuação sem que se confunda as  personagens da sua pauta de contracena… Deborah e sua personagem encantam, chocam, comovem e  deixam um exemplo de teatro para rir e pensar…  A Cia. de  Solos & Bem Acompanhados cumpre seu papel no roteiro e pauta do teatro  brasileiro. Sabe das coisas de Baco e Téspis.”
Maneco Nascimento, ator, radialista e  jornalista  – Blog do Maneco – http://www.vooz.com.br /  manekonascimento.blogspot.com , 11/08/2012 – Teresina/PI
Deborah Finocchiaro: uma atriz admirável, com total domínio da cena
Sobre Anjos & Grilos – O Universo  de Mario Quintana 

Textos e Poemas – Mário Quintana / Concepção, Roteiro e Atuação – Deborah Finocchiaro / Direção – Deborah Finocchiaro e Jessé Oliveira / Imagens – Zoravia Bettiol / Trilha Sonora Original – Chico Ferreti (Com exceção das músicas Ecogliter, de Laura Finocchiaro e Franco Junior, e trechos das músicas Baleada Noturna, de Lory Finocchiaro, 4ª Sinfonia de Mahler e Concertos de Brandenburgo n° 4 e 5 de Johann S. Bach) / Voz em OffPaulo José / Iluminação – Fabrício Simões e Jessé  Oliveira / Figurino – Raquel Cappelletto / Programação Visual – Ricky Bols / Operação de luz e  Responsável técnico – Leandro Roos Pires / Operação de Som e Imagens – Zé Derli Rodrigues / Programação Gráfica – Ricky Bols

 

Deborah Finocchiaro como ‘A Vizinha’: 19 anos em cartaz e 17 troféus de Melhor Atriz… ela mereceeee !

Pois é, Vizinha…

Texto – Dario Fo e  Franca Rame / Tradução (do original Una Donna  Sola) – Roberto  Vignati  / Direção, Adaptação e Atuação – Deborah Finocchiaro / Ator convidado – Zé Derli Rodrigues / Cenografia – Rafael Silva / Iluminação – Fabrício Simões e Leandro Roos Pires / Operação de luz – Leandro Roos Pires / Operação de som – Vitor Leal  / Figurino – Cléria Finocchiaro / Projeto gráfico – Eloar Guazelli Filho e  Cléo Magueta 

Mostra Companhia de Solos & Bem Acompanhados

Produção Executiva – Daniela Lopes e Deborah  Finocchiaro / Assessoria de Imprensa – Bebê Baumgarten / Produção  Local – Antoniel Ribeiro (PI), Ana Carolina de Aguiar (TO), Henrique Fontes e Mariana Hardi  (RN) / Assessoria de Imprensa Local – Biá Boakari (PI), Ana  Carolina de Aguiar (TO), Casa da  Ribeira (RN)

Assessoria de Comunicação  Digital e Assistência de Produção – Vitor Leal / Projeto  Gráfico – Sandro Ka / Gerenciamento de Projeto – Deborah Finocchiaro

Produção e  Realização – Companhia de Solos & Bem  Acompanhados

Este projeto foi contemplado com o  Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2011

* DEBORAH FINOCCHIARO é uma Artista Querida, que conheci no final dos anos 90, no Festival de Teatro Isnard Azevedo, realizado na adorável Florianópolis.  Em Deborah, chamou-me a atenção, de pronto, a simpatia contagiante, a inteligência vibrante e a atriz vulcânica em cena, dividindo-se em diferentes nuances sensórias, numa mesma personagem. A ‘Vizinha’ de Dario Fo e Franca Rame – que vira também na versão com Marília Pera – foi destaque naquele festival de teatro de Floripa. E a grande prova do acerto do público ao aderir ao espetáculo, e do festival, ao premiá-lo, é a trajetória que Pois é, Vizinha vem cumprindo de lá pra cá.
Fico feliz em saber da permanência aguerrida de Deborah Finocchiaro em palcos pelo Brasil e noutros países, e mais ainda em saber de seu sucesso junto ao público e à crítica. Tenho certeza que muito mais ainda há de vir. E, mesmo de longe, aplaudo a querida Débora Finocchiaro com efusão !
A Deborah Finocchiaro e sua Companhia de Solos & Bem Acompanhados meu aplauso efusivo e meus votos de vida longa, sempre com muito público, palcos diversos, e muito mais troféus e adesões, no Brasil e em qualquer parte do Planeta.

Oficinas gratuitas de Cinema em MUQUI

Atenção, pessoal de MUQUI e cidades capixabas vizinhas:

Oportunidade ótima, rara e oportuna ! Vai ficar de fora desta ?

Léo Alves, estudante de Jornalismo, empenhado na realização do FECIM…

Entendendo o audiovisual como importante ferramenta no processo pedagógico, o 1º Festival de TV e Cinema Independente de Muqui (FECIM) vai realizar oficinas audiovisuais para alunos e professores das escolas do município.

GRATUITAS, as oficinas acontecerão dias 10 e 11 deste outubro no Teatro Neném Paiva. Para participar, alunos e professores podem inscrever-se a partir desta segunda, dia 1º de outubro, na Secretaria de Educação de Muqui, localizada no centro da cidade. Mais informações: www.fecim.com.br

Imagem inline 1

* O AURORA DE CINEMA estará na cobertura jornalística oficial do FECIM, que tem na Coordenação-Geral o jovem produtor Léo Alves

Vestido de Noiva, ainda e sempre… Nelson Rodrigues e o Teatro

Peça mais conhecida de Nelson Rodrigues ganha análise do escritor SÉRGIO FONTA

Leandra Leal brilhou na versão Vestido de Noiva de Gabriel Villela, em 2009

A conferência de SÉRGIO FONTA está marcada para o próximo dia 21 de agosto, terça-feira, a partir das 16h, com entrada franca.

Julinha Lemmertz ao lado do escritor Sérgio Fonta, autor de ótima biografia do ator Rubens Corrêa…

A Academia Luso-Brasileira de Letras, através de seu Presidente Francisco dos Santos Amaral Neto convida para Conferência com o ator/diretor e escritor SÉRGIO FONTA – que comanda o programa TRIBO DO TEATRO, toda sexta, às 12:30h, na rádio Roquette Pinto -, que vai comentar a obra de um dos Dramaturgos Brasileiros mais importantes de todos os tempos, o pernambucano NELSON RODRIGUES.

Nelson Rodrigues, um dos dramaturgos mais festejados do país…

A atual montagem de Vestido de Noiva pelo grupo Os Satyros: em cartaz até domingo no Teatro Cacilda Becker (SP). Direção Rodolfo García Vázquez e Helena Ignez como Madame Clecy.

Marília Pera: Madame Clecy na versão cinematográfica de Vestido de Noiva

A obra a ser destrinchada por Sérgio Fonta é a mais popular de Nelson, a emblemática Vestido de Noiva, que ganha sucessivas montagens em todas as partes do país, já tendo também chegado ao cinema e à tela da TV Globo.

Tônia Carrero e Suzana Vieira na versão de Vestido de Noiva para a TV Globo – Programa APLAUSO, 1979…

Considerada marco inicial do moderno teatro brasileiro, encenada pela primeira vez em 1943 com direção do polonês Ziembinski, Vestido de Noiva causa polêmica desde sua primeira montagem. Segundo o professor e crítico Sábato Magaldi, grande estudioso de Teatro, esta faz parte de uma série de peças psicológicas do dramaturgo, com uma linguagem forte que transporta para o palco a profunda angústia presente nos textos do autor, capaz de chocar e emocionar o público há gerações pelo modo cru e abrupto de retratar a realidade velada da classe média carioca.

Uma das montagens de Vestido de Noiva em 1965…

A trama acontece através de ações simultâneas, as quais vão-se desenhando em três planos – realidade, alucinação e memória.

Versão dos Sátyros: Ivam Cabral, Helena Ignez e Cléo De Páris (foto: André Stéfano)

VESTIDO DE NOIVA é a peça que deu início ao processo de modernização do teatro brasileiro

Essa era a segunda peça escrita por Nelson. O autor trabalhava como jornalista, profissão que herdara do pai, e procurava, naquele período, uma fonte de sustento complementar. Seu primeiro trabalho para os palcos, A Mulher sem Pecado, tinha como pretensão conseguir o sucesso obtido por outras produções da época, como A Família Lero-Lero, comédia do cearense Raimundo Magalhães Júnior.

O grupo Os Comediantes na revolucionária versão de Vestido de Noiva, 1943

De acordo com os estudiosos, embora a peça de Nelson fosse obra de valor artístico muito superior a de Magalhães Júnior, ao estrear, em 1942, não obteve a simpatia do público e resultou em fracasso de bilheteria. Um ano depois, Vestido de Noiva iria revolucionar o teatro brasileiro através da lendária montagem sob a direção do polonês Zbigniew Marian Ziembinski, que chegara ao Brasil cerca de dois anos antes. E aqui, pela primeira vez, foi então usado o hoje muito conhecido Método de encenação do russo Stanislavski, através do qual é o próprio ator quem empresta aos personagens suas emoções pessoais para então criar uma outra persona através de sua própria vivência, suas experiências, sua memória afetiva.

Ziembinski deu nova forma ao texto de Nelson. Seu rigor na encenação  com a exigência de ensaios constantes, e a transmissão de novas diretrizes em termos de interpretação elevou a concepção brasileira de teatro a novos níveis.

Yoná Magalhães como Alaíde na versão de Vestido de Noiva, em 1965…

A representação de VESTIDO DE NOIVA, conforme a divisão em 3 planos, desenvolve-se em três atos, cuja relação não é exatamente cronológica, a não ser no plano da realidade, o qual acompanha a degradação do estado de saúde de Alaíde e a aniquilação consequente dos outros dois planos.

A versão dirigida por Gabriel Villela em 2009 com Leandra Leal, Marcello Antony e Vera Zimmermann…

 A palestra de SÉRGIO FONTA intitula-se VESTIDO DE NOIVA: NELSON RODRIGUES EM TRÊS ÂNGULOS DE HISTÓRIA e acontece na próxima terça, com ENTRADA FRANCA.

SERVIÇO

Luciana Braga e Malu Mader em uma das versões de Vestido de Noiva

Conferência VESTIDO DE NOIVA: NELSON RODRIGUES EM TRÊS ÂNGULOS DE HISTÓRIA

Com o escritor SÉRGIO FONTA

ONDE:  Academia Luso-Brasileira de Letras
(Confederação das Academias de Letras do Brasil)

Endereço: rua Teixeira de Freitas, 5 / 3º andar, Lapa , RJ
perto da Estação Metrô/Cinelândia (saída Passeio)

Horário: 16h

ENTRADA FRANCA

Marcello Antony como Pedro e Leandra Leal como Alaíde em montagem dirigida por Gabriel Villela…

Última chance para ver Djin Sganzerla em O Belo Indiferente

É logo mais, às 21h, no Teatro dos Satyros 1, em São Paulo, a última apresentação do espetáculo O BELO INDIFERENTE, estrelado pela querida atriz Djin Sganzerla, que por este trabalho vem recebendo rasgados elogios da crítica e uma sucessão de aplausos.

A peça é um clássico de Jean Cocteau e tem direção de André Guerreiro Lopes e Helena Ignez.

A equipe do espetáculo, montado graças ao patrocínio SESC, está em excursão com a peça pelas unidades do SESC do interior ~paulista, seguindo em agosto para temporada de 6 semanas no Rio.

Confira trailer do espetáculo: http://www.youtube.com/watch?v=7GGaoQfz74s 

 
 
DJIN Sganzerla: atuação exponencial, em primorosa montagem do clássico de Cocteau…

Uma peça para aplaudir de pé…

Tirei uma tarde de quarta, deixei os compromissos com a escrita de lado, botei um vestido e uns colares, salpiquei umas gotinhas de perfume, e marquei com uns amigos. Fomos assistir a uma peça de teatro, em cartaz no Sesc Iracema, ali vizinho ao Dragão do Mar.
Um lugar para ficar em pé é o nome do espetáculo e, de fato, quase ficamos em pé, tamanho era o público que resolveu fazer o mesmo que eu e meus amigos: sentar para ver, ouvir e conhecer mais teatro. Em cena, alunos da primeira turma do recém-criado Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal do Ceará, ou, como é melhor dito por eles, primeira turma de Teatro do Instituto de Cultura e Arte da UFC, o ICA/UFC.


Pois bem, é o próprio professor que assina a montagem do espetáculo, o chileno Hector Briones, que explica o trabalho como um exercício. Tem razão: Um lugar para ficar em pé é mesmo um exercício cênico, baseado nas obras-primas do clássico Samuel Beckett, romancista e dramaturgo irlandês, um dos mais emblemáticos dramaturgos do Teatro Contemporâneo. Mas cabe ressaltar: Que poderoso exercício !

Fiquei tão bem impressionada com o que vi que preciso dizer isso em público. E contribuir, ainda que de forma singela, com um possível aumento de espectadores na plateia deste grupo coeso e vontadoso que atua e se desfolha em muitas cenas e personagens para tornar crível, dramático, intenso e aplaudível este Um lugar para ficar em pé.
Há muitos anos não via na cena teatral de Fortaleza atores com tanta gana de estar em cena, tanta entrega ao ofício e tão salutar capacidade expressiva. Não vou destacar nenhum nome em especial, embora haja momentos onde um ou outro ator se sobressaia. Porém, um dos grandes trunfos do trabalho desta turma do ICA/UFC é justamente ter realizado seu ofício com este sentido de grupo, de coletividade. Em Um lugar para ficar em pé todos os atores tem iguais chances de mostrar seu potencial e expressar-se na plenitude de sua disciplina e vocação, valendo-se de um texto inquietante e voraz, dentro de um conjunto cênico harmonioso para o qual cooperam, na mesma medida, a luz, o som, a dramaturgia, a composição espacial, o figurino, a encenação. E é isso o que se espera de um espetáculo que chega ao palco como exercício de formação de uma turma estudante de teatro: ninguém mais, nenhum menos, todos juntos, de braços e emoções dadas, atuando em prol do sentido maior, qual seja a expressão pretendida para o texto escolhido conforme uma direção que se dedicou para criar um espetáculo coeso, forte, importante e necessário para quem quer começar (ou prosseguir) fazendo teatro, e fazendo bem, na certeza de que cada um, com suas potencialidades, senões, somas e verdades é um pilar fundamental para a construção do trabalho ofertado ao público. E o público tem entendido isso, felizmente. Se a estreia foi boa, a apresentação seguinte derrubou a mística de que ‘o segundo dia é péssimo’.

O exercício teatral dirigido por Briones é uma tragicomédia com momentos de riso intenso e outros de reflexão, introspecção, questionamentos existenciais densos, como sói acontecer com a profunda e marcante dramaturgia de Samuel Beckett. A atuação dos atores fornece ao espectador todas essas nuances de intenção, torna-se crível e promove adesão, e isto é alicerce para um espetáculo tornar-se consistente. Ademais, a boa performance dos atores insere-se num contexto onde tudo funciona bem: a composição tempo-espaço é plausível, a iluminação acentua gestos e expressões quando esta é a intenção do texto, bem como sublinha outros tantos onde o riso da plateia acontece instantaneamente. A trilha – e que trilha magnífica ! – é de uma beleza intensa, emoldurando os quadros nos quais a dramaturgia se costura em volteios de sensibilidade, intensidade, gestos, expressões, e figurinos colaboradores para a atmosfera a ser alcançada no desenrolar do espetáculo. Portanto, estão de PARABÉNS todos os que estão em cena – e são 15 atores, se a memória não me trai -, o professor-diretor Hector Briones, o operador de luz, e toda a equipe que ajudou  a construir este exercício-espetáculo em cartaz no SESC Iracema, em Fortaleza, o qual ainda este mês sobe ao palco do Theatro José de Alencar.

UM LUGAR PARA FICAR EM PÉ é bem mais que um exercício para ajudar a formar grandes atores. É um Espetáculo de Exercício que merece ser visto, aplaudido e recomendado, como o faz agora este AURORA DE CINEMA referendando este belo, instigante, criativo e vigoroso espetáculo teatral ao qual aplaudimos de pé.

De tal modo ficamos impressionados com Um Lugar para Ficar em Pé que bateu imediata vontade de voltar à cena e pisar de novo no palco, tanta é a capacidade instigadora dos atores postos em cena e tal é a intensidade da magia que assola os que já foram mordidos pelo ‘cupim’ do Teatro: o bichinho invasivo e imortal vai crescendo por dentro, incansável, atento e indormido, e, diante de um espetáculo com poder de arrebatar, ele surge, mais uma vez, forte, pulsante, contaminando e bradando: “é lá que eu quero estar, o palco também é meu lugar !”

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO
UM LUGAR PARA FICAR EM PÉ

“Tudo desde sempre. Nunca outra coisa. Nunca ter tentado. Nunca ter falhado. Não importa. Tentar outra vez. Falhar outra vez. Falhar melhor”.

DRAMATURGIA – SAMUEL BECKETT
DIREÇÃO: HECTOR BRIONES
Canto para a cena: Consiglia Latorre
Figurino: Natália Lima
Orientação de figurino: Yuri Yamamoto
Iluminação: Wallace Rios
Gravação de áudio: Maurício Rodrigues
Projeto gráfico: Caroline Veras
Ilustração: Diego Landin
Produção: Primeira turma de Teatro do ICA/UFC

ELENCO: Altemar Di Monteiro, Aristides de Oliveira, Aurélio Barros, Bruno Martins, Caroline Veras, Débora Frota, Denilson Almeida, Diego Landin, Flávio Gonçalves, Gilvamberto Félix, Hylnara Anny, Jéssica Teixeira, Josélia de Sousa, Kevin Balieiro, Larissa Alves, Marcos Evangelista, Nádia Fabrici, Natália Lima, Nelson Albuquerque e Wesley Umbelino.

DJIN Sganzerla prossegue temporada de O Belo Indiferente

 
Hoje é sábado, dia de Teatro.
 
PORQUE HOJE É SÁBADO, é dia de ver DJIN SGANZERLA no TEATRO.
 
VAMOS AO TEATRO, porque O BELO é INDIFERENTE.
 
Vamos ao Teatro e vamos conferir DJIN SGANZERLA, a bela nada indiferente, em direção dupla comandada pela mãe, a querida e festejada atriz HELENA IGNEZ, e o ator e artista visual, ANDRÉ GURREIRO LOPES.
 
HOJE TEM DJIN SGANZERLA retornando ao palco do Teatro dos Satyros, em São Paulo, às 21h, com a aplaudida montagem de O Belo Indiferente, premiada ano passado pela excelência de sua montagem, que teve fundamental apoio do SESC de São Paulo. 
 
 
 
O espetáculo faz agora a sua terceira temporada por conta do mega sucesso que foi a primeira, ainda no ano passado. Por conta disso, DJIN ficou em cartaz também em janeiro, e agora volta na terceira temporada da peça, um clássico de Jean Cocteau. Um espetáculo de alta qualidade, conforme você pode conferir na crítica Aurora de Cinema: https://auroradecinema.wordpress.com/criticas-teatro-cinema-e-musica/djin-sganzerla-em-atuacao-primorosa/
 
 
 
A novidade boa é que, em agosto, O BELO INDIFERENTE fará temporada de 6 semanas no Rio de Janeiro.
 
Portanto, hoje é noite de Teatro com DJIN SGANZERLA e O BELO INDIFERENTE !
 
 
VAMOS AO TEATRO e VAMOS CONVIDAR OS AMIGOS !
 
 
TEATRO É BOM PARA QUEM FAZ e PARA QUEM ASSISTE !

Mazé Figueiredo volta ao teatro com O Show da Vida

Espetáculo musical será apresentado sexta à noite no Teatro Dragão do Mar, em Fortaleza…

O espetáculo musical O Show da Vida, de autoria de Walden Luís,  conta  histórias de vida a partir de quadros, nos quais a música, o canto e a dança,
mesclados com o falar nordestino, revelam passagens do cotidiano do povo do Nordeste, mostrando-o em sua simplicidade, ao mesmo tempo com traços de alegria e de bravura.

O expoente do musical é um coro feminino, somado a um elenco talentoso, formado por mulheres que harmonizam com habilidade três artes: dança, música e teatro, mostrando que a beleza da existência está nas coisas simples do dia-a-dia.

No espetáculo, Mazé Figueiredo faz três papéis: uma mulher do povo, uma Mãe de Santo e uma Cigana…

Neste milênio tão conturbado, essas mulheres, longevas e artistas, encontram na arte o caminho para se manterem pró-ativas, lançando um produto cultural
diferenciado no mercado, com qualidade e profissionalismo, desmistificnado a relação terceira idade x improdutividade.

A intenção é fazer com que o espectador enxergue, após ver o espetáculo, o quanto há vida na Terceira Idade e o quanto ela pode ser produtiva e saudável.

Mazé em cena como mãe de santo: fôlego em papéis diversificados…

No folder do espetáculo, o elenco e a produção agradecem a :
Fundação Waldemar de Alcântara, CUCA Che
Guevara, Escola Municipal D. Helder Câmara, CEJA
Professor José Neudson Braga, Lar Torres de Melo e
a todos que de alguma forma contribuíram para a
realização deste trabalho.

O Show da Vida é um projeto do Coral Vozes de Outono, aprovado no III Mecenato da Secult/2011, e que tem apoio da COELCE, volta a ser apresentado nesta sexta, às 20h, no teatro do Centro Cultural Dragão do Mar.

ENTRADA FRANCA

A atriz Mazé Figueiredo (aqui em cena com Aurora Miranda Leão) sobe ao palco em vários papéis, em espetáculo dirigido pela atriz Leuda Bandeira…

Vale a pena conferir ! Mazé Figueiredo é atriz de talento, versátil, e de intensa atuação nos palcos cearenses.

Berinjela de graça, toda sexta, em Santa Tereza