Arquivo da tag: ter

Viva CARPINEJAR, nosso MESSI da Literatura !

Comecei a ler os escritos do poeta gaúcho Fabrício Carpinejar há alguns anos, meio por acaso, ao pesquisar coisas na web para minhas postagens aqui, e textos para sites e revistas para os quais assino matérias.

O encanto pela escrita de CARPINEJAR foi imediato. E de uns textos aqui, outros versos ali, de repente me vi, constantemente, em busca das palavras do poeta.

Hoje, sou sua FÃ, surpreendida positivamente a cada dia com seus escritos, impressionada cotidianamente com sua versatilidade e impressionante capacidade de expressar-se e, ao fazê-lo, conseguir tocar de forma inequívoca o coração de todos quanto o lêem, e já somos milhares… até quando diz estar apenas fazendo prosa, ou nas suas postagens no twitter, ou apenas respondendo entrevistas, CARPINEJAR é um Mestre da Palavra.

Nasceu Poeta e parece ter o invejável destino de encharcar o mundo com o reluzente cristal da diafania.

Chego a pegar carona em seu texto sobre o genial artilheiro argentino do Barcelona, Lionel MESSI, e digo que ‘Carpinejar não procura as palavras para escrevê-las, as palavras dançam no imaginário de Carpi procurando a chance de ser por ele descobertas e traduzidas em poemas’.

Deixo com você, leitor amigo, mais um texto do Poeta, de quem sou fã de primeira hora, e a quem Aplaudo com carinho, gratidão e profunda admiração.

Salve CARPINEJAR ! Viva a Poesia que consegue prosear com tantos leitores ao mesmo tempo, e os versos que conseguem transbordar emoção e contagiar pela profundidade, beleza e propriedade com o qual são ditos.

FALO EU TE AMO FÁCIL, FÁCIL

Nada acontece por acaso.

Em tudo há um porquê.

Era para a gente se encontrar.

… Apague essas frases, largue o curso preparatório de noivos.

Amor não é uma fatalidade, é algo que inventamos, é a responsabilidade de definir, de assinar, de honrar a letra.

Colocamos a culpa no destino para não assumirmos o controle, tampouco sustentarmos nossas experiências e explicarmos nossas falhas.

Amar é oferecer nossas decisões para o outro decidir junto, é alcançar o nosso passado para o outro lembrar junto, mas jamais significa se anular.

É vulnerabilidade consciente. É fraqueza avisada.

É entregar nossa solidão ciente de que é irreversível, podendo nos ferir feio, podendo nos machucar fundo.

Não existe nada mais horrível e mais lindo.

Ninguém nos mandou estar ali, ninguém nos obrigou a nos aproximar daquela pessoa, ninguém nos determinou a começar uma relação.

Não teve um chefão, um mafioso, um tirano, um ditador nos ordenando namorar.

Foi você que optou. Assuma até o fim que é sua obra, inclusive o fim. Assuma que sua companhia é resultado direto do seu gosto, sendo canalha ou santa. Não adianta se iludir e tirar o pé. Não vale fingir e mentir freios.

Amor não é hipnose, passe, incorporação. É você querendo o melhor ou pior para sua vida. É você roteirizando e dirigindo as cenas.

Aquele que tem receio de se declarar não se deu conta de que é o próprio diretor do filme, e que a tela vai mostrar o sucesso e o fracasso de sua imaginação.

Por isso, não tenho medo de dizer “eu te amo” desde o início. O amor aumenta para quem diz “eu te amo”.

Se vou errar, eu é que errei. Se vou acertar, sou eu que acertei. Se vou me danar, o inferno será meu.

Falo “eu te amo” já no segundo encontro. Já para assustar. Já para avisar quem manda. Já para estabelecer as regras do jogo.

Falo no calor da hora ou no moletom do entardecer. Amor não surge do além, amor se cria da insistência.

A precipitação é uma farsa. Não há como me adiantar e me atrasar em sentimento que eu mesmo realizo. É bobagem negacear prazos, esperar amadurecer limites.

Exponho minha paixão fácil, fácil. Nem precisa perguntar.

Aprendo a amar amando, para entender que a maior declaração ainda não é o “eu te amo”. É quando alguém confessa: “Não consigo mais viver sem você”.

Mas isso não é amor, é coragem.

* FABRÍCIO CARPINEJAR

Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 31/12/2012 e 1/01/2013
Porto Alegre (RS), Edição N° 17299

Cena antológica consagra pico de audiência à Avenida Brasil

Carminha (Adriana Esteves) ficará nas mãos de Nina (Débora Falabella)

Desde sexta, quando a personagem de Adriana Esteves descobre que Nina (vivisa por Débora Falabella) é a mesma Rita, que ele odiava desde pequenina e de quem pensava ter-se livrado através de umas e outras que ela aprontou pra cima da adversária, a novela AVENIDA BRASIL (TV Globo, 21h) vem dominando ainda mais a atençã odo público e da imprensa. O capitulo de sábado, em que Carminha passa um ‘chega pra lá’ quase defintivo em Nina, teve a magistral cena do quase enterro de Nina/Rita. A cena é, indubitavelmente, das mais criativas, bem realizadas e dramaturgicamente brilhante. APLAUSOS para João Emanuel Carneiro, sua trupe de colabores (do texto à realização na telinha), e ao seu magnânimo elenco.

Mas hoje, quando sabia-se que Nina voltaria a encontrar Carminha, o público respondeu em peso ao ‘chamado’ da trama e a novela teve seu maior índice de audiência, ultrapassando os 44 pontos – até então, ainda não alcançado.

Números divulgados pelo Ibope dão conta de que AVENIDA BRASIL reinou  absoluta na noite, alcançando 44,5 pontos. A segunda colocação ficou com o SBT, 6 pontos, seguida de 5 pela Record. Até então, o índice mais alto da novela era o de 43 pontos.

A expressiva (e merecida) audiência deve-se a essa torcida que vem ganhando contornos bem nítidos entre o público: a audiência quer ver a vitória de Nina e sabe que, até isso acontecer, ainda irá se surpreender muito.

Cauã Reymond esteve no programa do Faustão domingo e afirmou que a novela agora tem ‘cenas secretas’ sendo gravadas. Ou seja, para algumas cenas, o sigilo é total, e só entra no estúdio os atores cujos personagens estejam envolvidos.

A TV Globo quer evitar – em muito boa hora – que comecem a vazar notícias de próximas cenas, e o destrinchar de acontecimentos seja revelado, coisa que, quando acontece, causa muigta chateação em quem assiste à novela com emoção de telespectador fiel, e quer acompanhar o desenrolar da trama via tevê. Do contrário, melhor seria ler fotonovelas, já que a telenovela – assim como os filmes, mas sobretudo o gênero obra aberta televisiva, foi criado para se assistir via telinha, e não ficar conhecendo a trama via revistas, sites, ou comentários de colegas.

Você que não viu, mas quer checar a grande cena que foi ao ar hoje, cesse o site da Globo – www.globo.com – e confira. Amanhã, a cena continua, e haja competência.

A chegada de Carminha em casa, sozinha, crente que lá vai encontrar os empregados Lúcio e Janaína… e a personagem vai adentrando a casa, tudo no escuro, e, de repente, apenas um facho de luz acende e ela vê a ‘desaparecida’ Nina sorridente, e ainda ameaçando-a, e quando Nina diz pra ela acender a luz, Carminha acende e tem a surpresa inesperada… francamente, foi um show de Dramaturgia e Realização. Uma cena antológica, já nos arquivos das melhores cenas de telenovelas do país.

Resumindo: AVENIDA BRASIL está Sensacionallllllll !!!

Webjet NUNCA MAIS !

COMPANHIA AÉREA DESRESPEITA PASSAGEIROS E AMEAÇA ATÉ COM POLÍCIA

Vejam só como as coisas por aqui caminham de mal a pior quando se trata de funcionamento de companhias aéreas.

Um grupo de amigos cineastas de Recife deveria ter embarcado ontem, às 17:30, em voo da companhia WebJet Fortaleza-Recife… somente agora eles conseguiram adentrar uma aeronave…

Helena Ignez: ‘Tudo que eu fiz como diretora, eu aprendi no Set…’

AURORA DE CINEMA direto do I Nossas Américas, Nossos Cinemas

Atriz e cineasta conta o que leva alguém a ser ator: “É como se no íntimo sobrasse espaço para outras almas”

Ela afirma que existem bons filmes em todos os gêneros ‘porque o filme não deve estar preso a rótulos nenhuns nem a correntes nenhumas. O bom filme tem que ser verdadeiro. E a gente sente quando o filme é verdadeiro, quando não foi feito pra enganar.

Helena Ignez começou no teatro, na Bahia, e logo depois seguiu para o Rio e juntou-se a um grupo onde estavam os dramaturgos Vianninha e Armando Costa:  “Ensaiávamos peças e apresentávamos na periferia do Rio e na Paraíba” E deixa escapar uma certa tristeza e/ou desencanto: ‘filmes nossos nunca foram exibidos em Cuba…’, afirma, ao mesmo tempo, que “uma revolução pessoal, do comportamento, profundo, isso é que eu acredito que existe em mim com mais força”. Afinal, foi esta atriz que um dia acabou presa numa farmácia em Porto Alegre, no auge dos anos sombrios, simplesmente porque estava de minissaia e isso ainda não era permitido – “era simplesmente uma minissaia, mas ela era ‘perigosa’”.

O sentido libertário, da expressão sem preconceitos ou discriminações, perpassa toda a vida, carreira, e maneira de estar no mundo desta atriz tão importante quanto necessária. Por ter um sentido autoral profundo, é fácil perceber a própria Helena Ignez em suas obras, e as obras criadas por ela são como monumentos vivos, construídos com o sentimento de quem sabe estar produzindo páginas relevantes para a cultura do Brasil na esperança de ver dias melhores chegando. Foi dessas reflexões que Helena Ignez tirou uma frase lapidar de seu filme de estréia, Canção de Baal:

“Ela é adúltera, tem que levar porrada” – esta fala é de um camponês, dirigida à mulher na peça BAAL, do dramaturgo Bertold Brecht, e foi ouvindo-a que Helena sentiu os primeiros insigths pra criação de seu roteiro. Acho que o ser Mulher é como um índio, eu me sinto um índio.

As coisas são tão complicadas ou pouco entendidas que Martim Gonçalves, o antropólogo baiano, autor de livros importantes e pessoa respeitada nos meios acadêmicos (homem que culturalizou o jovem baiano), criador de um movimento bacana em Salvador, ‘foi expulso de lá pelos estudantes de esquerda e o Partido Comunista… eles escreveram em todas as paredes: “Sai veado”. Foi nesta época que eu me solidarizei com Martim, resolvi sair de Salvador, e fui trabalhar no Rio’.

AC – Que motivos lhe levaram a querer ser atriz e garantem sua permanência no ofício do teatro e do cinema ?

HI – Talvez uma necessidade de ser outro, de compreender o outro, é uma vivência a mais que se busca ao procurar a emoção do teatro e do cinema. É como se no íntimo sobrasse espaço para outras almas, se não você vai ficar triste, e isso é vital. O que eu quero é conhecer melhor as pessoas. Eu não tenho vontade de me destacar não, em nada. Eu acho que todos nós somos destaque e merecemos atenção.

AC – Olhando toda a sua trajetória, como avalia a forma como você se insere no panorama artístico brasileiro ?

HI – Talvez o meu mérito seja reconhecer o mérito dos trabalhos que eu fiz, e considero todos muito importantes, eles são pontos de iluminação na minha vida, como por exemplo, o primeiro trabalho, o curta-metragem O Pátio, onde fui dirigida por Glauber Rocha… Meu intuito é fazer como diretora com o mesmo ímpeto com que fiz como atriz. Porque bons atores fazem bons filmes. E o que me interessa no cinema é justamente este poder de transformar, que vai contra o estereótipo da masculinidade. Se isso não fosse possível, eu não teria o menor prazer em fazer cinema.

Ney e Helena em cena de Luz nas Trevas

Sobre a escolha de Ney Matogrosso para protagonizar Luz nas Trevas (segundo longa da diretora que vem angariando elogios por onde passa), ela diz que não foi fácil, pois queria um ícone, um homem de 70 anos, que soubesse cantar, que ultrapassasse a figura do “Bandido”: Teria que ser um bandido original, teria que ser um homem do mesmo naipe do Ney, porque eu sabia que as comparações e cobranças seriam muitas. O Luz é um filme que custou R$ 2 milhões de reais, vencedor em 4 editais. Foram minhas filhas Paloma Rocha e Sinai Sganzerla que sugeriram o nome de Ney Matogrosso para o filme. E a escolha foi muito acertada: Ney Matogrosso está muito bem como o ‘bandido’.

Mulher que conquista pela simplicidade, charme, elegância, inteligência refinada e sensibilidade aguçada, Helena é também uma mulher cujo oxigênio é matéria de encantaria, o que a faz uma mulher apaixonada e apaixonante. O amor, amizade, cumplicidade, afeto, sentido de admiração e saudade de todos os momentos vividos ao lado do grande e eterno amor (o cineasta Rogério Sganzerla), está presente em todas as entrelinhas: “Quem me inspirou mais, como cineasta, ainda me interessa e vai me inspirar vida afora foi e é Rogério Sganzerla”.

Difícil não encher os olhos de lágrimas sentindo a emoção escoar pelas palavras de Helena Ignez : “Me encantei com o cinema dele, sua energia impressionante e a inteligência fora do comum de Rogério Sganzerla…”

Em São Paulo, foi lançado esta semana o documentário Mr. Sganzerla, que tornou-se possível graças à imensa generosidade de Helena Ignez, que cedeu todo o material de arquivo. O filme, dirigido por Joel Pizzini, foi o vencedor do É Tudo Verdade deste ano, e será o filme de abertura da primeira edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Cinema de Curitiba, que começa hoje na capital paranaense. 

Ideias e frase lapidares de HELENA IGNEZ 

“Rogério Sganzerla é um cineasta que ainda precisa ser muito estudado para ser compreendido em sua plenitude. Ainda há muito a se descobrir sobre ele”.

“Acho que um filme não pode ser desclassificado porque foi feito com uma técnica menor, com menos dinheiro e menos condições técnicas. As idéias não pertencem às técnicas”.

“Um diretor de cinema não pode desconhecer ou menosprezar o Teatro. É indispensável ! Os grandíssimos diretores de Cinema tem uma boa relação com o Teatro. Cito por exemplo o caso de um ator como João Miguel: ele vai sempre além do que o roteiro lhe dá. Se o ator não tiver seu ABC, seus signos, seus códigos próprios, ele não consegue avançar, ir mais além”.

Para os que estão começando na carreira ou pretendem ingressar na área do Audiovisual, a recomendação de Helena Ignez é simples e clara: “Ler, ler muitíssimo, sobretudo os pensadores do Cinema.

E para finalizar nosso bate-papo, HELENA IGNEZ cita uma frase do antropólogo Eduardo Viveiros de Castro, que é fonte inspiradora para o novo longa da diretora, intitulado RALÉ:

“Vamos indigenizar o Brasil e reinventar esta história”.

Helena Ignez na noite em que foi homenageada no I Encontro Nossas Américas, Nossos Cinemas, realizado em Sobral, no sertão cearense…

Junho tem sétimo CineMUBE

Cine MuBe recebe inscrições de curtas e médias

Abertas até 31 de maio as inscrições  à 7ª Edição do Cine MuBe –  Vitrine Independente, que acontece em São Paulo, entre 28 e 30 de junho.

O festival será composto por dois dias de exibições, com obras escolhidas pela curadoria, e ainda uma mostra competitiva, que também terá a participação do público na escolha do melhor curta e melhor média-metragem. Para competir, os filmes deverão ter entre 26 a 60 minutos (média) e até 25 minutos (curta). Mais informações: www.facebook.com/cinemubevitrine