Arquivo da tag: UEPB

Noite de abertura do Comunicurtas, que vem cheio de atrações, e revelando novo talento campinense

Saí de Fortaleza no comecin da manhã de domingo e antes das sete o avião tocava rumo a Salvador, pra de lá então, depois de algumas horas, fazer a rota até Campina Grande.

A chegada na cidade paraibana foi supimpa ! Desembarquei no começo da tarde e tive no voo a companhia do diretor Ives Albuquerque aplacando meu medo de avião… Alegria avistar, ainda de longe, quando aguardava minhas malas apontarem na esteira, o rosto de meu amado convidante.

Ira de Guadalupe, André da Costa Pinto e Cíntia de Oliveira: gente que faz o Comunicurtas…

Anfitrião de primeira, André da Costa Pinto estava no aeroporto, como sempre, cercado por gente de sua adorável equipe como as queridas Cintia de Oliveira e Fabíola Rodrigues. No hotel, o reencontro com minha queridamiga Aninha – cineasta Ana Célia Gomes -, e mais tarde com outra parceira do Bem, Carol Torquato Ledo, e com o querido fotógrafo Wagner Pina. 

Campina Grande conta visíveis progressos e está ainda mais bonita à noite. No cardápio, deliciosas massas do “Spoleto”, e vem muito mais coisa boa por aí. O fotógrafo Walter Antunes e a cantora Luama Socio já estão por aqui. Os demais convidados chegam logo mais. A semana de CINEMA na cidade paraibana promete bastante auê e alegrias multicoloridas. Desde já, PARABÉNS à UEPB e a este aguerrido CineastArtista, André da Costa Pinto, um eterno e, cada vez mais, Queridooooo !

André da Costa Pinto: um dínamo que o Teatro deu ao Cinema… Queridooooo !
De presente deste menino cineasta inquieto-talentoso-indormido e eletrificante ANDRÉ DA COSTA PINTO – apaixonante desde a primeira vista -, ganhei uma mochila ultra hiper chic fashion… fui às nuvens rapidinho. Logo eu, que amo bolsas, inda mais da cor telha. Pasmem !
Foi isso mesmo que ganhei de André: uma estilosa mochila na minha cor predileta, criação de um jovem, talento, ousado e criativíssimo artista visual e estilista de acessórios, por nome Belarmino.
* Para os que sabem de André da Costa Pinto, é fácil supor ter sido ele quem descobriu e agora revela o promissor artista que acabo de conhecer, com satisfação, em Campina Grande. O nome dele é Belarmino.
Ana Célia Gomes e André da Costa Pinto: amizade longa e parceria profícua…
É preciso carregar alma de Artista e ter sensibilidade de ourives para descobrir,  em breves momentos e poucas linhas, o cerne da artisticidade que irrompe em pequenos gestos e decisivas posturas diante do cotidiano.  André tem este perfil, por isso traz sempre consigo esses condões de luz que contagiam e prospectam novas panorâmicas criativas.
É tão charmoso e bonito este Belarmino, tão afetuoso,  singelo e, criador de maravilhas com coisas impensadas, que resolvi chamá-lo Belê. Ele é a própria imagem da beleza, da originalidade, da fecundidade fashionista a expandir-se por várias plataformas, as quais vai imaginando e concretizando em finas iguarias, a serem  reveladas ao público do COMUNICURTAS em exposição que será aberta terça, na segunda noite do concorrido festival.

É de Belarmino (BELÊ) a incrível mochila que já faz parte das relíquias de meu guarda-acessórios. Em breve, postarei fotos aqui pra você, leitor amigo, conferir.

Imagine de que material é feita a mochila….

De um material que todo mundo acredita servir apenas para embalar o cimento que serve de invólucro a tantas construções.

Em breve, falo mais sobre as incríveis criações de Belarmino por aqui e mostro fotos pra você, leitor amigo, pra quem este Aurora de Cinema é dedicado.

ComuniCurtas: Selecionados serão divulgados semana que vem

 André da Costa Pinto, idealizador e coordenador-geral, avisa: semana que vem, serão divulgados os filmes concorrentes desta edição e serão abertas as inscrições para palestras e oficinas.
 
O AURORA DE CINEMA vai participar do Festival e integrar a cobertura diária de Imprensa do COMUNICURTAS para informar seus muitos leitores.

André Costa revela Tudo que Deus criou… e faz bonito pelo Cinema em Campina Grande

 
Aproxima-se o grande dia do lançamento: o super aguardado filme de André da Costa Pinto – Tudo que Deus criou – tem pré-estreia nacional neste sábado, na paraibana Campina Grande, onde foi filmado.
 
As primeiras cenas foram rodadas ainda em 2009, tendo a Universidade Estadual de Campina Grande como realizadora. Tudo que Deus Criou é o primeiro longa-mentragem do cineasta, produtor, professor de Cinema e idealizador do Festival ComuniCurtas, André da Costa Pinto, dos premiados curtas Amanda e Monick e A Encomenda do Bicho Medonho.
 
A produção é fruto de uma parceria entre o diretor André da Costa Pinto e o produtor Adriano Lírio – ambos bastante premiados nos últimos anos por seus trabalhos na área audiovisual.
 
O elenco tem nomes de vasta estrada na cena artística nacional: Letícia Spiller, Guta Stresser, Maria Gladys, Paulo Vespúcio e Cláudio Jaborandy. Mas vale ressaltar: a maior parte do elenco é composta por atores da própria Campina Grande, todos eles ex-alunos de Aandré Costa, como o estreante Paulo Phillipe, que faz o protagonista Miguel.
 
Letícia Spiller em grande momento de atuação…
 
Amor, tristeza, dor, melancolia e momentos de extrema delicadeza compõem o filme, que tem roteiro do próprio André Costa. O filme é uma parceria da Medonho Produções com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que vem sendo pródiga em fomentar o audiovisual em suas hostes, sobretudo depois da chegada revolucionante de André da Costa Pinto aos quadros da UEPB.
 
Tudo que Deus criou foi inteiramente rodado em Campina Grande, principalmente nas ruas João Pessoa e Félix Araújo, no centro da cidade, e tem a aplaudida assinatura de João Carlos Beltrão na fotografia, e a da cantora e compositora Val Donato na trilha sonora.
 
 
A pré-estreia nacional acontece este sábado no Hotel Garden, em Campina Grande, às 20h, com sessão especial para convidados da UEPB e imprensa, contando com a participação de todo o elenco. Dia seguinte (26), no mesmo local, haverá duas sessões especiais, às 15 e às 17h, gratuitas e abertas a todos os interessados.
 

André da Costa Pinto mostra TUDO QUE DEUS CRIOU em Campina Grande

No próximo dia 25, será lançado o primeiro longa-metragem inteiramente rodado em Campina Grande. A direção é de André da Costa Pinto com produção da Universidade Estadual da Paraíba

Letícia Spiller: papel antológico no filme de André da Costa Pinto

ANDRÉ DA COSTA PINTO é ex-aluno da Universidade Estadual da Paraíba, onde fez jornalismo, teatro e cinema, e de lá criou o Festival COMUNICURTAS, hoje um dos mais importantes festivais de curtas-metragens do país.

De aluno a professor, André ganhou o carinho, o apoio e a cumplicidade de uma legião de amigos, que o acompanham e fazem coro com suas múltiplas e meritórias iniciativas culturais. Na UEPB, André ministrou diversos cursos de Teatro, criou cursos para ensinar como se produz para cinema, ensinou a criação de documentários, educou o olhar e a sensibilidade de muitos jovens que hoje seguem os passos do indormido mestre. Contou, muitas das vezes, com o apoio e a solidariedade da professora Marlene Alves, que veio a ser Reitora da UEPB e no ComuniCurtas do ano passado saudou André como “O Glauber Rocha de Campina Grande”.

Ano passado, foi um ano decisivo e André conseguiu o compromisso oficial da Reitoria da UEPB (através de entusiásticas palavras da Reitora Marlene Alves no palco do SESC, na noite de encerramento do VI ComuniCurtas) de que a Universidade iria implantar o Curso Superior de Cinema. E assim foi: o edital para as inscrições ao concurso para professor estão abertas.

André conversa com Guta Stresser durante as filmagens, sob o olhar atento de Maria Gladys…

Agora, André da Costa Pinto caminha para dar um de seus mais importantes passos: o lançamento oficial de seu primeiro longa-metragem, roteiro assinado por ele e baseado em fatos reais.

Inteiramente rodado em Campina Grande, Tudo que Deus criou teve suas filmagens iniciadas em 2009 com a presença de nomes do quilate de Letícia Spiller, Guta Stresser, Maria Gladys, Cláudio Jaborandy, e Paulo Vespúcio. O longa marca também a estreia do jovem Paulo Phillipe no cinema. A fotografia é assinada por João Carlos Beltrão, conhecido bam-bam-bam paraibano do métier.

Letícia Spiller interpreta personagem cega no filme (Foto: Iramaya Rocha/Divulgação)
Letícia Spiller interpreta personagem cega no filme
(Foto: Iramaya Rocha/Divulgação)

A primeira exibição de TUDO QUE DEUS CRIOU será especial para convidados e está marcada para 25 de fevereiro, no Garden Hotel. No dia seguinte, serão promovidas duas exibições gratuitas para a população, às 15h e às 17h.

Paulo Vespúcio, Letícia Spiller e André da Costa Pinto num intervalo das filmagens…

Segundo André, a trama é baseada na história real de um jovem que, entre dificuldades e traumas, precisa ajudar a sustentar a família. A maior parte das cenas foi ambientada no bairro Rosa Mística.

André da Costa Pinto ficou nacionalmente conhecido quando roteirizou e dirigiu o curta-metragem A Encomenda do Bicho Medonho, aprovado na primeira edição do edital do projeto Revelando os Brasis. Em seguida, André realizou Amanda e Monick, firmando seu nome definitivamente entre os precoces iluminados no gramado do audiovisual. Os dois trabalhos foram bem premiados em festivais e com Amanda & Monick André revelou ao mundo sua inteligência refinada e a singular sensibilidade para transformar em cinema uma história simples mas cercada de preconceitos e barreiras no cotidiano da pequena cidade de Barra de São Miguel (a terra natal do diretor, no interior paraibano).

André da Costa Pinto: com acentuada vocação artística, diretor vai marcar o panorama do Cinema de forma muito intensa com Tudo que Deus criou

Agora ANDRÉ DA COSTA PINTO convida para o lançamento de TUDO QUE DEUS CRIOU.

E podemos antecipar: Em Tudo que Deus Criou, onde as luzes se acendem para iluminar o Infinito e criar ilusões de Cinema, há sempre uma energia muito luminosa, forte, intensa e poderosa que vem lá de Campina Grande, e atende pelo nome de André da Costa Pinto. 

Documentário de Campina Grande flagra vítima da chuva

Ele queria ser vendedor de sapato e foi ator em documentário sobre trabalho infantil

Menino de 10 anos sofria preconceito por trabalhar como catador de lixo.
menino morto chuva PB (Foto: Wagner Pina/Curta Quando Eu Crescer/Divulgação)

Deyvison, de beleza morena e sorriso cativante, catava lixo para ajudar a família a sobreviver e foi arrastado pela chuva na Paraíba
(Foto:Wagner Pina/Quando Eu Crescer/Divulgação)

O menino José Deyvison Fernandes, de 10 anos, que morreu na Paraíba vítima das fortes chuvas que atingiram o estado desde o fim de semana, é o personagem principal do documentário Quando eu crescer, que trata do  preconceito sofrido por crianças que trabalham.

O filme foi lançado na noite de ontem no Sesc de Campina Grande sob clima de luto, segundo o diretor Emmanuel Dias, aluno do premiado cineasta André da Costa Pinto (idealizador e coordenador-geral do festival ComuniCurtas de Cinema, que acontece todos os agostos em CG). O garoto foi levado pela enxurrada quando sua casa desabou durante a chuva de domingo (17), mas o corpo foi encontrado somente na quarta-feira.

“Precisávamos de uma criança que tinha que ajudar a família trabalhando e sofria preconceito por isso. A diretora da escola do Deyvison nos apresentou a ele, pois ele trabalhava diariamente em um lixão para ajudar a mãe com recursos, e sofria preconceito dos colegas da escola”, afirma Dias ao G1.
 

Quando eu crescer (Foto: Divulgação)
Cartaz do documentário “Quando eu  crescer”
 
Segundo ele, o menino era chamado de “Zé do Grude” pelos colegas e pedia sempre à diretora ajuda para fugir das brincadeiras ruins dos alunos da escola.

“Ele era muito carinhoso, sempre sorria. Dizia que gostava de trabalhar para ajudar a família. Tudo o que ele tinha até hoje era proveniente do lixo, pois ele vivia no lixão no bairro de Mutirão, onde morava”, acrescenta o diretor estreante.

Deyvison dizia que, quando fosse adulto, gostaria de ser vendedor de sapatos. “Desde a primeira vez que perguntei para ele o que ele queria ser quando crescer, ele respondeu que gostaria de ser vendedor de sapatos. Explicava que, como sapatos eram caros, ele iria ganhar muito dinheiro”, afirma Emmanuel Dias.

As chuvas, que deixaram mais de 8 mil desabrigados e dois mortos na Paraíba, derrubaram a casa de Deyvison na madrugada de domingo (17). Com o desmoronamento, o garoto e a mãe foram arrastados pelas águas.  A mãe foi resgatada com vida ainda no domingo, mas o filho continuava desaparecido até a quarta-feira, quando a Defesa Civil do estado confirmou que o corpo havia sido localizado.

menino morto chuva PB (Foto: Wagner Pina/Curta Quando Eu Crescer/Divulgação)
Dayvison, durante as filmagens (Foto: Wagner Pina/Quando Eu Crescer)

“A mãe está na casa das lideranças da comunidade e é muito pobre, também trabalhava no lixão. Ela se sente culpada pela morte do filho, pois, quando a água arrastou eles, ela segurou por um momento nas mãos de Deyvison, e depois teve que soltar, devido à correnteza”, diz o diretor.

“O Deyvison era um menino simples, fechado no início. Nunca tinha visto uma câmera e um microfone antes, ficou com medo no início e não queria gravar. Mas aos poucos ele foi se entrosando com o grupo”, afirma o diretor. Emmanuel é aluno do Curso de Extensão em Produção de Documentário da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), pelo qual produziu o filme em que o garoto atua.

Além de Deyvison, houve outra morte pelas chuvas na Paraíba: uma criança de dois meses, vítima do desabamento de uma casa em Puxinanã.

Tahiane Stochero Do G1, em São Paulo 

ComuniCurtas 6 Será Lançado Amanhã

Amanhã, 7 de abril, acontece a cerimônia de lançamento da VI edição do COMUNICURTAS Festival Audiovisual de Campina Grande, idealizado e comandado pelo cineasta André da Costa Pinto.

O concorrido festival terá como cenário as dependências do SESC Centro, a exemplo do que aconteceu ano passado. A cerimônia de lançamento marca o início das inscrições para as Mostras Competitivas do Festival e o lançamento do site www.comunicurtas.com.br.

As Mostras são: Mostra Competitiva Tropeiros da Borborema – vídeos produzidos por realizadores naturalizados paraibanos, e filmes rodados na Paraíba de até 20 minutos. Mostra Competitiva Brasil – trabalhos de até 20 minutos produzidos em qualquer estado do país. Mostra Competitiva Estalo – trabalhos de até um minuto de duração, produzidos por realizadores naturalizados paraibanos. Mostra Competitiva A idéia é… –  aberta a todos os profissionais, estudantes e agências publicitárias da Paraíba. Mostra Competitiva Tropeiros do Telejornalismo: tele-reportagens com até 5 minutos de duração, abordando qualquer conteúdo.

Este ano, o ComuniCurtas terá como novidade uma Mostra de Cinema Argentino. E as personalidades homenageadas pela Paraíba são os cineastas Marcus Vilar e Torquato Joel em reconhecimento às suas obras e pela contribuição ao audiovisual. Já em âmbito nacional, o homenageado é o cineasta Hilton Lacerda. Além das tradicionais premiações: Prêmio Rômulo e Romero de Cinema; Prêmio Luiz Custódio de Folkcomunicação, e o prêmio “João Carlos Beltrão de Melhor Plano Cinematográfico”.

 O ComunicurtasUEPB incentiva produções cinematográficas regionais, bem como  produções televisivas e de agências de publicidade e propaganda da Paraíba. Todas as produções participantes das Mostras Competitivas concorrem ao Prêmio Machado Bittencourt. Este ano, o festival será realizado de 29 de agosto a 3 de setembro.

O ComuniCurtas é uma realização UEPB – DECOM – CCSA e conta com apoio do Moinho de Cinema da PB e do SESC – Centro.

Inscrições ComuniCurtas 5

As inscrições às Mostras Competitivas do ComuniCurtas, o Festival Audiovisual de Campina Grande – PB, prosseguem até 5 de junho. Regulamento e ficha de inscrição em www.comunicurtas.com.br.

Dentre as Mostras, competitiva Tropeiros da Borborema: serão aceitos vídeos produzidos por realizadores naturalizados paraibanos, filmes rodados na Paraíba de até 20 minutos. Mostra Competitiva Brasil para trabalhos de até 20 minutos produzidos em qualquer estado do país. Mostra Competitiva Estalo: Para trabalhos de até um minuto de duração produzidos por realizadores naturalizados paraibanos.

Mostra Competitiva A idéia é… : aberta a todos os profissionais, estudantes e agências publicitárias da Paraíba. Mostra Competitiva Tropeiros do Telejornalismo: serão aceitas tele-reportagens com até 5 minutos de duração, abordando qualquer conteúdo.
Idealizado pelo jovem cineasta André Costa, o ComuniCurtas incentiva produções cinematográficas regionais e nacionais, bem como as produções televisivas e de agências de publicidade e propaganda do Estado da Paraíba. Todas as produções participantes das Mostras Competitivas concorrem ao Prêmio Machado Bittencourt

O Festival, em sua quinta edição, homenageia o diretor de fotografia paraibano, João Carlos Beltrão, grande referência para a nova geração de cineastas paraibanos. João receberá o prêmio Machado Bittencourt em reconhecimento a sua obra e pela contribuição que tem dado ao audiovisual no Estado.

Este ano, o ComuniCurtas acontece de 23 a 27 de agosto. O Festival é uma realização UEPB – DECOM – CCSA e conta com o apoio do Moinho de Cinema da PB e do SESC – Centro.