Arquivo da tag: universidade católica

CURTA VAZANTES: nosso jeito de Ser CINEMA

Distrito cearense ganha Mostra de Cinema

Alô turma do Audiovisual: Já é possível comemorar mais uma conquista !

O projeto 1ª Mostra Curta Vazantes – Cinema em Comunidade, criado pelos amigos, parceiros de cinema e jornalismo, LEO Tabosa (gestor cultural da Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP) e Aurora Miranda Leão, acaba de ser contemplado pelo Programa de Cultura Banco do Nordeste / BNDES – Edição 2012.

O projeto nasceu ano passado, de muitas conversas e encontros entre Leo Tabosa e Aurora Miranda Leão, ambos encantados por cinema e interessados em atuar ainda de forma mais intensa na área. Juntando vontades, experiências e intenções, e prospectando boas perspectivas, eles criaram esta significativa mostra audiovisual, contando, desde a primeira hora, com todo apoio do Reitor da UNICAP, Padre Pedro Rubens, que nasceu em Vazantes.

 

O primeiro passo foi ir ao pequeno distrito de Aracoiaba, a pouco mais de uma hora de Fortaleza, conhecer a localidade, seus moradores, suas demandas, se familiarizar com seu espaço geográfico, as potencialidades e saberes de seus habitantes, e conhecer o que é feito ali através de um importante projeto, chamado Fé & Alegria

A visita de Leo Tabosa e Aurora Miranda Leão a Vazantes foi em julho de 2011. Ambos saíram de lá muito bem impressionados: o projeto Fé & Alegria é tocado por uma Fundação que vem transformando, positivamente, o cotidiano do lugar.

Com variadas atividades de inserção da comunidade no mercado de trabalho, aprimorando o potencial criativo de crianças e jovens, e dando condições para a melhoria da qualidade de vida de seus moradores, a Fundação Fé & Alegria do Brasil vem fazendo pela comunidade de Vazantes – e em parceria com seus habitantes -, um trabalho por demais relevante.

Conhecer este trabalho de perto foi fundamental para que os amigos Leo Tabosa e Aurora Miranda Leão chegassem à formatação do projeto Mostra CURTA VAZANTES, em boa hora aprovado pelo edital BNB-BNDES.

Casa de Cultura em Vazantes: cenário para fomentar novos talentos e dar visibilidade a quem já faz Arte…

Ambos, Leo Tabosa e Aurora Miranda Leão, deixaram a ensolarada localidade cearense certos de que incluir Vazantes no mapa audiovisual do Ceará e, portanto, do Brasil, era um passo decisivo que precisava ancorar em Vazantes.

Diversidade e riqueza cultural de Vazantes vai chegar ao ambiente do Cinema…

E assim foi. Da visita ao distrito cearense, Leo e Aurora saíram cheios de ideias, conversaram muito, somaram sonhos, reuniram forças e criaram o projeto agora aprovado pelo edital BNB-BNDES.

O Padre Pedro Rubens, grande incentivador da Mostra Audiovisual, é autor de livro com histórias pitorescas de Vazantes…

Leo Tabosa convidou o artista pernambucano JAVA, um fantástico desenhista de Recife, e lhe traçou um panorama do que ele e Aurora pretendiam para Vazantes. Não demorou para Java criar a bela e eloquente logomarca, agora um atraente cartão de visitas para a Mostra de Cinema Curta Vazantes.

A Mostra deve semear na comunidade o gosto pelo audiovisual e despertar novos olhares para o cotidiano, através de uma diversificada grade de filmes a serem exibidos em praça pública. Além disso, seus idealizadores pretendem que a Mostra CURTA VAZANTES possa contribuir para a inclusão, promoção social, e acesso cultural dos moradores de baixa renda do distrito de Vazantes (e localidades vizinhas) num ambiente mais próspero.

Que nasça a partir da exibição de filmes, troca de experiências com realizadores, encontro com moradores de outras cidades, realização de oficinas e debates capazes de promover uma saudável troca de ideias entre pessoas de universos semelhantes, muitas vezes distanciadas apenas por questão de oportunidades.

Como costuma dizer o Padre Pedro Rubens, autor do belo Lugar onde os pássaros cantam e as pessoas contam histórias,

“Vazantes não é um lugar, é um jeito de ser “…

Agora, caminhando para a Mostra CURTA VAZANTES, que vai acontecer no primeiro semestre de 2013, podemos afirmar:

Vazantes será nosso jeito de Ser CINEMA…

Ainda a respeito da Páscoa…

Páscoa é travessia de esperança

Pedro Rubens, Reitor da Universidade Católica de Pernambuco
 
 
 
A vida tem seus ritos e as experiências vitais supõem ritos de passagem: seja a iniciação a uma nova etapa da vida, seja a experiência de alguém que perdeu um ente querido ou que precisa redesenhar o seu cotidiano depois de um infarto, da notícia de um câncer ou de portador de HIV, realidades com as quais terá que conviver. Testemunhar a vida depois de uma experiência de morte, eis uma maneira de fazer uma “virada pascal”, para usar o título sugestivo da celebração que fizemos na Unicap, dia 11 deste mês. Páscoa é, primordialmente, passagem, assim como a vida é, fundamentalmente, travessia: na Páscoa, a tradição bíblica recorda a travessia do povo pelo deserto, rumo à terra prometida, cuja memória é celebrada anualmente de geração em geração; na simbologia cristã, Jesus personificou as experiências de seu povo em sua vida, paixão, morte e ressurreição; por isso dizemos que Ele é nossa Páscoa. Celebrar cada ano a Páscoa de Jesus Cristo, é fazer a memória do Crucificado de Nazaré, profeta de um povo sofredor e esperançoso; um povo messiânico que guardou a memória de uma Aliança com Deus, mas também fez o exame de suas próprias infidelidades; e, até hoje, as comunidades cantam fervorosamente: “também sou teu povo, Senhor, e estou nessa estrada, cada dia mais perto, da terra esperada”. É essa esperança teimosa da ressurreição – da vida que vence a morte – que celebramos na Semana Santa e, de certa forma, é o que desejamos aos nossos parentes e amigos quando dizemos “Feliz Páscoa”. Mas como interpretar o sentido da Páscoa aqui e agora? Entre tantas possibilidades, uma pista de atualização.

Recentemente, de 26 a 28 de março, realizamos na Unicap, em parceria com a Fundação Imitatio, o Simpósio Internacional René Girard. Além de dialogarmos com pensadores importantes, lançamos uma série de livros, em português, com o nome de “Biblioteca René Girard”, na presença de alguns de seus autores. Dia 29, juntamente com alguns participantes, fomos à avant-première da Paixão de Cristo, na Nova Jerusalém. Entre uma cena e outra, refletia sobre a atualidade das reflexões antropológicas de Girard a respeito da lógica sacrificial, patente tanto no tempo de Jesus quanto nas nossas sociedades atuais. O drama da Paixão de Cristo desmascara o desejo humano compulsivo de sacrificar vítimas para legitimar o poder, o status e as ideias vigentes: de alguma forma, as sociedades parecem necessitar de “bode expiatório” para expurgar sua culpa e externar sua violência primordial, segundo o desejo mimético (Girard); mas, Jesus Cristo teria rompido com o esquema sacrificial, não reagindo com violência à condenação que o levou à morte, quebrando a corrente da violência e da vingança.

 
 
Inspirados nos relatos bíblicos, o texto da Nova Jerusalém acentua ainda mais o complô do poder instituído, tanto político quanto religioso, na condenação de Jesus. O silêncio surpreendente do Mestre de Nazaré contrasta com a quantidade de argumentos dos chefes, alimentados pela inveja, sedentos de vingança e justificados pela lógica sacrificial. Assistimos, portanto, na Paixão de Cristo, a memória de um processo injusto e o drama de um inocente condenado sem processo legal, resultando na condenação à morte. Há dois milênios essa memória do crucificado é narrada em comunidades, não para “punir” os algozes ou fomentar vingança, mas para resgatar o direito à verdade da vítima que não se defendeu; isso é importante, inclusive para que não fiquemos cegos ou surdos a outros processos igualmente injustos em nosso tempo presente; a memória é fundamental não apenas para reconciliar o passado, mas para alimentar a esperança. A paixão de Jesus, nesse sentido, é paradigma de tantas “paixões” da humanidade, assim como a sua condenação e a sua morte fazem pensar em uma sociedade humana que não merecerá esse adjetivo enquanto promover o sacrifício de inocentes. Ecoa em mim um trecho da Paixão segundo a Nova Jerusalém: por um lado, uma voz sentencia que “Jesus foi condenado pelo poder de Pilatos; quem quiser salvar um inocente, apresse-se!”; por outro, algumas vozes repetem: “Não há mais tempo…”

A Páscoa, paradoxalmente, retoma esse imperativo do tempo passado como ousadia de uma esperança presente e futura: ainda é tempo de fazer a memória dos que morreram impunemente, sejam vítimas da ditadura militar quanto aquelas da escravidão e das secas do Nordeste; ainda é tempo de empenhar nossos esforços para evitar mais sacrifícios e propor um futuro novo àqueles contemporâneos que tiveram sua infância negada, seus direitos cassados, sua vida comprometida pelo descaso e pela injustiça. Relativizemos alguns de nossos pontos divergentes, façamos um pacto pela vida, pois ainda há tempo para a esperança. Na visão cristã, “os sofrimentos são como dores de parto” na gestação de um novo mundo possível e esperança de uma humanidade nova. E “a esperança não decepciona porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações” pelo Espírito do Ressuscitado. Feliz Páscoa!

 
* Os grifos em AZUL são iniciativa desta Redatora.