Arquivo da tag: universidade federal

Dia de celebrar Cultura & Música no rádio cearense

Programa completa 6 anos no ar pela Universitária FM numa parceria com o Centro Cultural Banco do Nordeste…

A e Nelson ao mic

Jornalistas Nelson Augusto e Aurora Miranda Leão na locução…

São 6 anos no ar. Sempre nas tardes de segunda. E por isso, esta tarde, o programa Cultura & Música será especial.

???????????????????????????????

Atriz e produtora Denise Dumont numa das entrevistas do C & M…

Tudo começou precisamente no dia 7 de agosto de 2007, às 16h, no estúdio principal da rádio Universitária FM, emissora pertencente à Universidade Federal do Ceará, com 30 anos de atuação, e há muitos anos considerada uma referência importante no dial cearense por apostar na música brasileira de todas as épocas, e veicular, sobretudo, o que não se costuma ouvir nas rádios comerciais.

Antonieta e nós

Calé Alencar, a atriz Antonieta Noronha, Aurora e Nelson Augusto

É na Universitária FM – hoje dirigida pelo jornalista Nonato Lima (notável profissional do Rádio) – que o ouvinte pode ouvir o melhor da música brasileira, com ênfase para os artistas que não são ligados à indústria fonográfica, conhecer pessoas com ideias interessantes e construtivas sobre vários temas, refletir sobre ideias em diversas áreas, acompanhar entrevistas que a grande mídia não destaca, desfrutar do prazer de ouvir relíquias como Pixinguinha, Lupicinio Rodrigues, Adoniran Barbosa, Vinícius de Moraes, a Bossa Nova, Paulinho Boca de Cantor, Luiz Gonzaga, Lauro Maia, Humberto Teixeira, João Bosco, Luiz Melodia, Xangai, The Beatles, e tantos outros.

???????????????????????????????

Nelson Augusto e Aurora Miranda Leão conversam com Bené Fonteles…

Nesse viés, brotou a ideia do programa Cultura & Música, produzido pelo cantor e músico Calé Alencar com apresentação dos jornalistas e radialistas Aurora Miranda Leão e Nelson Augusto.

A Calé e Nels

Nelson Augusto, Calé Alencar e Aurora Miranda Leão: o trio Cultura & Música

Veiculado às segundas-feiras, das 16 às 17 horas, pela Universitária FM, o programa Cultura & Música comemora 6 anos de atividades HOJE, 5 de agosto. Por isso, hoje, vamos entrevistar o gerente do Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza, Ricardo Pinto, que vai falar sobre a bem sucedida política de apoio à cultura implementada pelo Banco do Nordeste, e a mudança de endereço do Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza para o atual Centro de Referência do Professor (antigo Mercado Central), resultado de parceria entre o Banco do Nordeste e a Prefeitura de Fortaleza.

A Nels e Ricardo

Nelson Augusto, Aurora M. Leão e Ricardo Pinto numa das audições C & M

Macalé (2)

Nelson Augusto, Aurora Miranda Leão e Jards Macalé no estúdio da FM Universitária…

CULTURA & MÚSICA

O programa Cultura & Música (C & M), que estreou no rádio cearense a 7 de agosto de 2007, na Universitária FM, tem patrocínio do Centro Cultural Banco do Nordeste, e também pode ser acompanhado por este blog, pelo site da Universitária FM e pelo site NELSONS.

Anicetos 6

Aurora Miranda Leão registrando em vídeo a presença dos Irmãos Aniceto no programa Cultura & Música…

Tendo por objetivo divulgar a agenda de Arte & Cultura dos centros culturais instalados pelo Banco do Nordeste em Fortaleza, Juazeiro do Norte e Sousa (alto sertão paraibano), o programa também divulga atividades de outros equipamentos culturais, além de abrir espaço para entrevistas e divulgação da produção musical, priorizando a cena artística nordestina e suas conexões com a música, o teatro, o cinema, a dança, a cultura popular, e demais atividades onde cultura e arte sejam a força motriz.

C&M 13.8.07 Haroldo Serra 007

O ator e diretor de Teatro, Haroldo Serra, foi o segundo entrevistado do Cultura & Música

Organizado em módulos, o Cultura & Música conta com os quadros Agenda do Centro Cultural Banco do Nordeste, Arte em Conversa, A Hora do Rei do Baião, Pelas Ruas que Andei, O Assunto é Cinema, Chão Sagrado, Conexão Nordeste, Espelho Cristalino, Como é Bom Poder Tocar um Instrumento, e Música para Ler – cada um deles abordando com criatividade uma faceta da cultura brasileira -, além de mostrar, ao final de cada audição, uma versão especial da canção Asa Branca, composição dos imortais parceiros nordestinos Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira – clássico da música, tido popularmente como Hino da Região Nordeste.

Evaldo e nós

Em dia de entrevista com o festejado compositor Evaldo Gouveia…

A cada nova audição do Cultura & Música são sorteados com os ouvintes, através de ligação para o estúdio, produtos culturais (Livros, CDs e DVDs) viabilizados com apoio cultural do Banco do Nordeste, resultando numa maior interação com os ouvintes. Nestes 6 anos, foram 3 sorteados a cada audição e muitos contatos com o programa através do telefone e também da internet, já tendo sido registrados ouvintes em países como Argentina, Uruguai, Itália, Finlândia e até em San Petersburg, na Rússia.

???????????????????????????????

Roqueiros cearenses tem espaço garantido no Cultura & Música

No programa que vai ao ar hoje, o músico e diretor do CCBN, Ricardo Pinto, falará também sobre os outras unidades do Centro Cultural Banco do Nordeste, em processo de implantação nas cidades de Teresina (PI) e Vitória da Conquista (BA); sobre o Programa de Cultura Banco do Nordeste em parceria com o BNDES, e ainda sobre os editais de ocupação dos Centros Culturais mantidos pelo Banco do Nordeste.

Henilton no ar

Henilton Menezes (MinC), Nelson Augusto e Aurora Miranda Leão

Contando com apoio do acervo da Casa da Memória Equatorial, o programa Cultura & Música é produzido pelo cantor, compositor e produtor musical Calé Alencar, sendo um dos mais bem sucedidos na programação da Universitária FM, e recebe todo apoio da direção da rádio e de sua valorosa equipe profissional.

Fotos Fev 8 068

Nelson Augusto e Aurora M. Leão entrevistam o fotógrafo e cineasta Tibico Brasil, à época titular do Centro Cultural Banco do Nordeste…

equipe

A equipe completa do Cultura & Música

Jornada de Cinema no Festival da Fronteira

O IV Festival Internacional de Cinema de Fronteira convida para a I  Jornada de Estudos de Cinema da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), abrindo espaço para a participação e a  troca de experiências acadêmicas.

A Jornada vai acontecer dia 22 de novembro e constará de apresentações orais em forma de comunicação ou  relatos de experiência, e uma mesa-redonda, resultando em publicação.

A inscrição é feita mediante submissão (até 5 de novembro) e aceite de resumos, conforme o regulamento, o qual pode ser solicitado  através do e-mail  jornadacinema@gmail.com.

A abertura da Jornada se dará com a mesa-redonda História e Crítica do Cinema Brasileiro Hoje, contando com a participação do renomado teórico Jean-Claude Bernardet (USP), e da jornalista Ivonete  Pinto (UFPEL). A mesa será mediada pelo professor Tiago Lopes, da UniSinos.

Enquanto isso, prosseguem abertas às inscrições para a mostra de curtas-metragens: até dia 31 pelo site: www.festivaldafronteira.com

Quem faz a Jornada de Estudos de Cinema da Unipampa 

Jean-Claude volta a Bagé para conversar e destrinchar questões da Sétima Arte…

  • Jean-Claude Bernardet:  Jornalista, escritor, roteirista, ator, professor de Cinema, está nesta área há mais de 40  anos. Um dos principais críticos do país, é autor de vários  livros sobre cinema e de três romances. Coautor do roteiro do clássico O caso dos irmãos Naves, do cineasta Luís Sérgio Person, e Um céu de estrelas, de Tata Amaral. Produziu, em parceria com o escritor Fernando Bonassi, o roteiro de Através da janela, também da cineasta Tata Amaral. Como ator, está em alguns filmes, a exemplo de Filmefobia, de Kiko  Goifman.

A gaúcha Ivonete Pinto estará na Jornada de Cinema de Bagé

  • Ivonete Pinto: Jornalista, Doutora em Cinema pela ECA/USP, com tese sobre Abbas  Kiarostami, orientada pelo professor Jean-Claude Bernardet. Atua como  crítica de cinema, co-editora da revista Teorema, e docente do curso de Cinema e Animação da Universidade Federal de  Pelotas, e do curso de Especialização em Cinema  da Unisinos. Preside a ACCIRS (Associação de Críticos de Cinema  do RS) e é vice-presidente da ABRACCINE. Escreveu os livros “A Mediocridade” (Ed.Sulina), “Descobrindo o  Irã” (Ed. Artes e Ofícios) e “Samovar nos Trópicos” (Ed. Artes e  Ofícios).

Tiago Ricciardi Correa Lopes – Professor dos cursos de graduação em Desenvolvimento de Jogos  Digitais, Comunicação Digital, Publicidade e Realização Audiovisual na  Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), é graduado em  Publicidade pela ESPM, e Mestre em Ciências da Comunicação pela  UNISINOS.   Coordena, desde 2009, o Grupo de  Estudos em Narrativas Interativas, vinculado ao curso de Jogos Digitais  da Unisinos, onde desenvolve projetos relacionados ao uso de  técnicas de Role Playing Games (RPGs) para a construção de universos  ficcionais narrativos, e também no desenvolvimento de jogos que fazem uso de tecnologias móveis, como celulares e navegadores GPS.

Cinema e Educação em Seminário na capital gaúcha

Discutir diferentes possibilidades e benefícios do uso do audiovisual no processo de aprendizagem na escola é objetivo principal

O Seminário Nacional Sobre Cinema e Educação vai acontecer dias 19 e 20 no Centro Cultural Usina do Gasômetro – 3º andar, sendo uma das ações que  marca o início da quarta edição do Programa de Alfabetização Audiovisual,  projeto desenvolvido pela Prefeitura de Porto Alegre, através da Secretaria  Municipal de Cultura e da Secretaria Municipal de Educação, em parceria com a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e financiamento do Ministério da Educação/ Programa Mais Educação.

Este Seminário pretende constituir um importante espaço de reflexão sobre o tema, e terá um desdobramento a partir da publicação das falas dos painelistas convidados, as quais darão origem ao primeiro número dos Cadernos de Alfabetização Audiovisual, a ser lançado em 2013.

O seminário está estruturado em torno de três mesas, que vão reunir algumas das principais  autoridades no assunto do país, além de contar com a participação do uruguaio Ricardo Casas, diretor do Divercine – Festival Internacional de Cinema para Crianças e  Jovens, considerado o maior festival do  gênero na América Latina (acontecendo desde 1992 na capital uruguaia).

A Usina do Gasômetro, que vai sediar o Seminário Cinema e Educação em POA…

O Seminário Nacional Sobre Cinema e Educação tem entrada franca, mediante inscrições prévias pelo telefone (51) 3289-8134. Os  participantes que tiverem 100% de presença receberão certificado.

MESAS DE DEBATE

ESCOLA E AUDIOVISUAL NO BRASIL (19 de outubro,  sexta-feira, às 19h)

Painelistas:

Adriana FresquetProfessora adjunta  da Faculdade de Educação da UFRJ, membro do Programa de Pós-Graduação em  Educação (FE/UFRJ), coordena o projeto de pesquisa “Currículo e Linguagem  Cinematográfica na Educação” e o programa de extensão “Cinema para Aprender e  Desaprender” CINEAD, que desenvolve projetos de introdução ao cinema com  professores e estudantes de Educação Básica dentro e fora da escola. Coordena  com Hernani Heffner (MAM-Rio) a coleção Cinema e Educação, co-edição da  Booklink-LISE/UFRJ, e com Inés Teixeira a Rede KINO: Rede Latino-Americana de  Educação, Cinema e Audiovisual.

Marília Franco – Graduada em  cinema, Mestre e Doutora em Artes pela Universidade de São Paulo (USP). É  professora assistente doutor do Departamento de Cinema Rádio e TV da Escola de  Comunicações e Artes – USP. Ministrou cursos em Portugal, Espanha, Cuba e  Venezuela. Foi diretora docente da Escuela Internacional de Cine y TV em Cuba.  Criou e dirigiu a TV USP – CNU-SP. Atua também na área de preservação  audiovisual através do CPCB – Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro,  tendo sido presidente da 1a. diretoria da ABPA – Associação Brasileira de  Preservação Audiovisual (2011/12).

Mediação: Maria  Carmen Barbosa


EXPERIÊNCIAS DE DEMOCRATIZAÇÃO DO AUDIOVISUAL (20 de  outubro, sábado, às 9h)

Painelistas:

Ivana BentesPesquisadora na área de Comunicação e Cultura com ênfase nas  questões relativas ao papel da comunicação, da produção audiovisual e das novas  tecnologias na cultura contemporânea, professora e pesquisadora da linha de  Tecnologias da Comunicação e Estéticas do Programa de Pós-Graduação em  Comunicação da UFRJ. É Doutora em Comunicação pela UFRJ, coordenadora do Pontão  de Cultura Digital da ECO/UFRJ, ponto de articulação de ações em Cultura  Digital. Atualmente desenvolve as pesquisas:  “Estéticas da Comunicação:  Novos Modelos Teóricos no Capitalismo Cognitivo” (pesquisa CNPQ) e   “Periferia Global”  sobre o imaginário e as ações vindas das favelas e  periferias no audiovisual brasileiro e no cenário global e suas redes de  articulação. É diretora da Escola de Comunicação da  UFRJ.

Cavi Borges – Cineasta e produtor carioca, dirigiu  20 curta-metragens e 4 longas e produziu outros 60 curtas e 15 longas com os  quais ganhou 117 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Fundou a   Cavídeo, inicialmente uma locadora que se tornou referência no Rio de  Janeiro pelo seu acervo de filmes e que depois se tornou produtora e  distribuidora de filmes. Em 2008 ganhou o prêmio de Jovem Empreendedor do Cinema  Brasileiro, indo para Londres representar o Brasil na etapa mundial. Em  2009 realizou o projeto Mateus, o Balconista, série de filmes  para celular que se transformou em uma série na Internet, migrou para a  televisão e se tornou o primeiro longa metragem realizado para os  celulares: Vida de  Balconista. Em 2010 dirigiu o  curta metragem  A Distração  de Ivan,que foi exibido na  Semana da Crítica do Festival de Cannes. Atualmente está dirigindo o longa  documental  Cidade de Deus – 10 Anos  Depois.

Moira  Toledo – Doutora em Cinema pela ECA/USP, dirigiu diversos curtas-metragens e  documentários para a TV Cultura, além de vídeos educativos. Atuou como educadora  e colaboradora pedagógica em projetos como o Projeto Perifa e as Oficinas  Kinoforum, entre outros. Atuou no Canadá, como curadora do aLucine – Toronto  Latino Film and Video Festival, em 2003, onde participou também como júri em  2005 e 2006. Coordena, desde 2004, o projeto Formação do Olhar do  Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, desenvolvido na  periferia da capital paulista, e é supervisora pedagógica das Oficinas Tela  Brasil (realizadas pela cineasta Laís Bodanzky).

Mediação: Felipe  Diniz


INFÂNCIA E AUDIOVISUAL  (20 de outubro, sábado, às 14h)

Liliana SulzbachJornalista e mestre em Ciência Política pela UFRGS. Estudou  Ciências da Comunicação na Freie Universität Berlin. Sócia-diretora da Tempo  Porto Alegre, foi coordenadora de produções e do Núcleo de Cinema e Televisão da  Zeppelin Filmes, de 1996 a 2008. Coordenadora Nacional do INPUT (International  Public Television Conference) de 2001 a 2004. Trabalhou como produtora  independente para a Hamburger Kino Kompanie/Hamburgo, M.Schmiedt Produções,  Spiegel TV Alemanha, onde participou de alguns longas-metragens e realizou  inúmeros filmes documentários. Suas principais obras  audiovisuais são A Invenção da Infância, O Branco, O  Cárcere e a Rua e a série Sonho de Guri. Recentemente lançou o  documentário A Cidade.

Luiza  LinsFoi produtora do  Programa A Escola TV, do  Governo de Santa Catarina, e de vários outros programas educativos. Em 2002,  criou a empresa Lume Produções Culturais. Idealizou e realizou a primeira Mostra  de Cinema Infantil de Florianópolis recebendo Moção de Aplauso da Câmera de  Vereadores de Florianópolis e  Medalha de Mérito Cultural Cruz e Souza. Foi  homenageada no Festival de Atibaia em 2011 pelo trabalho realizado. Foi  vencedora, por duas vezes, do Edital Curta Criança, do Ministério da Cultura.  Participou na equipe de curadoria infantil da Programadora Brasil/MinC em  2008/2009 Em 2012 recebeu o Prêmio Pontinho de Cultura do Ministério da Cultura  pelo trabalho de divulgação e circulação de filmes infantis brasileiros. Realiza  mostras de cinema para crianças em várias cidades catarinenses e de todo  Brasil.

Ricardo Casas – Criou, em 1992, e dirige, desde então, o  Festival Internacional de Cinema para Crianças e Jovens – Divercine, evento que  ocorre anualmente no Uruguai. Em 2003, foi jurado convidado pelo Festival  Internacional de Cinema de Berlim (Berlinale), na seção Kinderfilmfest (Cinema  para Crianças). No mesmo ano cria o IMAN –Instituto Audiovisual para Crianças e  Jovens, do Uruguai. Criou e programou, em 2005, o I Festival Internacional de  Animação “Anima Salto”, na cidade de Montevidéu (Uruguai). Em 2006 integrou o  Júri Oficial do Festival Internacional de Cinema Jovem Pamplona (Espanha), onde  recebeu o Prêmio “Educatif” por seu trabalho com o Divercine. No mesmo ano  dirige o programa para TV Nacional, feito para crianças e com crianças, chamado A Banda. Em 2007, recebeu a distinção Amigo do Cinema Infantil no  Festival de Florianópolis.

Mediação: Marcus Mello

Inscrições ao Festival de Cinema da Fronteira

Abertas inscrições ao Festival de Cinema que acontece em Bagé (RS).

Realizadores tem até dia 31 deste mês para inscrever seus trabalhos.

Este ano, o festival contará com dois eventos acadêmicos: a I Jornada de Estudos de Cinema – realização da Universidade Federal do Pampa, Unipampa -, e o Semináro Internacional de Cultura Visual – promoção do Instituto Federal Sul Riograndense (IFSul).

O teórico, pesquisador, roteirista, crítico e homem de Cinema, Jean-Claude Bernadet já confirmou presença.

Saiba mais: www.festivaldafronteira.com

Cachoeira quer ver Documentários…

Até 15 de setembro, cineastas podem inscrever seus documentários de curta, média e longa-metragem no III CachoeiraDoc – Festival de Documentários de Cachoeira, que acontecerá de 4 a 8 de dezembro, no Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), na cidade de Cachoeira.

O Festival busca fomentar a cultura do documentário através da exibição de filmes, oficinas, debates e ciclo de conferências. Os interessados devem enviar vídeos produzidos a partir de 2011, em qualquer formato, incluindo vídeos feitos por câmeras em celulares e câmeras digitais, e em película 16 mm e 35 mm.

O Festival vai acontecer na cidade histórica de Cachoeira, onde foi lançado em 2010. Nas duas edições anteriores, cerca de 4.500 pessoas assistiram a um total de 85 filmes documentários (73 nacionais). Na Mostra Competitiva Nacional, ao todo, foram inscritos 356 filmes de todas as regiões do país. Entre os 43 selecionados, 13 eram médias ou longas-metragem, e 30eram  curtas.

Mais: www.cachoeiradoc.com.br

Uma peça para aplaudir de pé…

Tirei uma tarde de quarta, deixei os compromissos com a escrita de lado, botei um vestido e uns colares, salpiquei umas gotinhas de perfume, e marquei com uns amigos. Fomos assistir a uma peça de teatro, em cartaz no Sesc Iracema, ali vizinho ao Dragão do Mar.
Um lugar para ficar em pé é o nome do espetáculo e, de fato, quase ficamos em pé, tamanho era o público que resolveu fazer o mesmo que eu e meus amigos: sentar para ver, ouvir e conhecer mais teatro. Em cena, alunos da primeira turma do recém-criado Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal do Ceará, ou, como é melhor dito por eles, primeira turma de Teatro do Instituto de Cultura e Arte da UFC, o ICA/UFC.


Pois bem, é o próprio professor que assina a montagem do espetáculo, o chileno Hector Briones, que explica o trabalho como um exercício. Tem razão: Um lugar para ficar em pé é mesmo um exercício cênico, baseado nas obras-primas do clássico Samuel Beckett, romancista e dramaturgo irlandês, um dos mais emblemáticos dramaturgos do Teatro Contemporâneo. Mas cabe ressaltar: Que poderoso exercício !

Fiquei tão bem impressionada com o que vi que preciso dizer isso em público. E contribuir, ainda que de forma singela, com um possível aumento de espectadores na plateia deste grupo coeso e vontadoso que atua e se desfolha em muitas cenas e personagens para tornar crível, dramático, intenso e aplaudível este Um lugar para ficar em pé.
Há muitos anos não via na cena teatral de Fortaleza atores com tanta gana de estar em cena, tanta entrega ao ofício e tão salutar capacidade expressiva. Não vou destacar nenhum nome em especial, embora haja momentos onde um ou outro ator se sobressaia. Porém, um dos grandes trunfos do trabalho desta turma do ICA/UFC é justamente ter realizado seu ofício com este sentido de grupo, de coletividade. Em Um lugar para ficar em pé todos os atores tem iguais chances de mostrar seu potencial e expressar-se na plenitude de sua disciplina e vocação, valendo-se de um texto inquietante e voraz, dentro de um conjunto cênico harmonioso para o qual cooperam, na mesma medida, a luz, o som, a dramaturgia, a composição espacial, o figurino, a encenação. E é isso o que se espera de um espetáculo que chega ao palco como exercício de formação de uma turma estudante de teatro: ninguém mais, nenhum menos, todos juntos, de braços e emoções dadas, atuando em prol do sentido maior, qual seja a expressão pretendida para o texto escolhido conforme uma direção que se dedicou para criar um espetáculo coeso, forte, importante e necessário para quem quer começar (ou prosseguir) fazendo teatro, e fazendo bem, na certeza de que cada um, com suas potencialidades, senões, somas e verdades é um pilar fundamental para a construção do trabalho ofertado ao público. E o público tem entendido isso, felizmente. Se a estreia foi boa, a apresentação seguinte derrubou a mística de que ‘o segundo dia é péssimo’.

O exercício teatral dirigido por Briones é uma tragicomédia com momentos de riso intenso e outros de reflexão, introspecção, questionamentos existenciais densos, como sói acontecer com a profunda e marcante dramaturgia de Samuel Beckett. A atuação dos atores fornece ao espectador todas essas nuances de intenção, torna-se crível e promove adesão, e isto é alicerce para um espetáculo tornar-se consistente. Ademais, a boa performance dos atores insere-se num contexto onde tudo funciona bem: a composição tempo-espaço é plausível, a iluminação acentua gestos e expressões quando esta é a intenção do texto, bem como sublinha outros tantos onde o riso da plateia acontece instantaneamente. A trilha – e que trilha magnífica ! – é de uma beleza intensa, emoldurando os quadros nos quais a dramaturgia se costura em volteios de sensibilidade, intensidade, gestos, expressões, e figurinos colaboradores para a atmosfera a ser alcançada no desenrolar do espetáculo. Portanto, estão de PARABÉNS todos os que estão em cena – e são 15 atores, se a memória não me trai -, o professor-diretor Hector Briones, o operador de luz, e toda a equipe que ajudou  a construir este exercício-espetáculo em cartaz no SESC Iracema, em Fortaleza, o qual ainda este mês sobe ao palco do Theatro José de Alencar.

UM LUGAR PARA FICAR EM PÉ é bem mais que um exercício para ajudar a formar grandes atores. É um Espetáculo de Exercício que merece ser visto, aplaudido e recomendado, como o faz agora este AURORA DE CINEMA referendando este belo, instigante, criativo e vigoroso espetáculo teatral ao qual aplaudimos de pé.

De tal modo ficamos impressionados com Um Lugar para Ficar em Pé que bateu imediata vontade de voltar à cena e pisar de novo no palco, tanta é a capacidade instigadora dos atores postos em cena e tal é a intensidade da magia que assola os que já foram mordidos pelo ‘cupim’ do Teatro: o bichinho invasivo e imortal vai crescendo por dentro, incansável, atento e indormido, e, diante de um espetáculo com poder de arrebatar, ele surge, mais uma vez, forte, pulsante, contaminando e bradando: “é lá que eu quero estar, o palco também é meu lugar !”

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO
UM LUGAR PARA FICAR EM PÉ

“Tudo desde sempre. Nunca outra coisa. Nunca ter tentado. Nunca ter falhado. Não importa. Tentar outra vez. Falhar outra vez. Falhar melhor”.

DRAMATURGIA – SAMUEL BECKETT
DIREÇÃO: HECTOR BRIONES
Canto para a cena: Consiglia Latorre
Figurino: Natália Lima
Orientação de figurino: Yuri Yamamoto
Iluminação: Wallace Rios
Gravação de áudio: Maurício Rodrigues
Projeto gráfico: Caroline Veras
Ilustração: Diego Landin
Produção: Primeira turma de Teatro do ICA/UFC

ELENCO: Altemar Di Monteiro, Aristides de Oliveira, Aurélio Barros, Bruno Martins, Caroline Veras, Débora Frota, Denilson Almeida, Diego Landin, Flávio Gonçalves, Gilvamberto Félix, Hylnara Anny, Jéssica Teixeira, Josélia de Sousa, Kevin Balieiro, Larissa Alves, Marcos Evangelista, Nádia Fabrici, Natália Lima, Nelson Albuquerque e Wesley Umbelino.

Sérgio Penna vai ministrar oficina para Atores no CineCE

Inscrições estão abertas. Aulas são gratuitas e vagas limitadas

Somente até a próxima sexta, interessados podem inscrever-se para o Workshop de Interpretação para Cinema com o professor Sérgio Penna. Serão disponibilizadas 30 vagas e o workshop será realizado dias 2 e 3 de Junho, das 10h as 13h e de 14h00 as 18h00, no Instituto de Cultura e Arte  da Universidade Federal do Ceará – UFC.

 

Sérgio Penna é preparador de atores para cinema e televisão, além de professor convidado na disciplina de Direção de Atores da ECA-USP; Escuela Internacional de Cine y TV – Cuba e Academia Internacional de Cinema-SP. 

Os participantes terão a oportunidade de conhecer o processo da preparação de elenco dos filmes “Bicho de Sete Cabeças”, “Chega de Saudade” e “As Melhores Coisas do Mundo”, de Laís Bodansky; “Carandiru”, de Hector Babenco; “Antônia”, de Tata Amaral; “Não Por Acaso”, de Phillippe Barcinski; “Contra Todos” e “Quanto Dura o Amor?”, de Roberto Moreira; “Lula o Filho do Brasil”, de Fábio Barreto; “Bróder”, de Jeferson De; “Bruna Surfistinha”, de Marcus Baldini; “Heleno”, de José Henrique Fonseca; “Faroeste Caboclo”, de René Sampaio; “Gonzaga de Pai para Filho”, de Breno Silveira; e das novelas “Aquele Beijo”, de Miguel Falabella com direção de Cininha de Paula; e “Gabriela” de Walcyr Carrasco com direção de Mauro Mendonça Filho; ambas para a Rede Globo.

O programa do curso terá como foco o naturalismo e a verdade do ator em cena, destacando-se a respiração e o movimento como reveladores de estados de emoção, memória corporal, imersão na dramaturgia, o ator-autor e suas contribuições para a mise-ens-cène, tempo real, disponibilidade, concentração e verticalidade. Haverá uma parte prática e outra teórica, a partir de análise detalhada da interpretação dos atores nos filmes para os quais Penna trabalhou e em material de making of pessoal.

 

Sérgio Penna com o elenco do filme Bróder, de Jeferson De…

Destaque também para suas preparações individuais com os atores Carolina Ferraz (Amanda em O Astro), Marcelo Serrado (Crô em Fina Estampa) e Cláudia Abreu (Chayenne em Cheias de Charme), bem como a parceria de 10 anos com o ator Rodrigo Santoro, em sua carreira nacional e internacional na TV e cinema, incluindo os filmes “Che”, de Steven Soderbergh; “La Leonera”, de Pablo Trapero; “I Love You Philip Morris” (O Golpista do Ano), de Glenn Ficarra e John Requa; e “There Be Dragons”, de Roland Joffé.

 Sergio Penna47 por Sergio Penna - preparação de atores para cinema 

Workshop de Interpretação para Cinema – com Sérgio Penna

Inscrições até 25 de maio

30 vagas

realização : dias 2 e 3 de Junho

Horário: das 10h as 13h e de 14h00 as 18h00

Local: ICA – Instituto de Cultura e Arte  da Universidade Federal do Ceará – UFC

Av. Carapinima, 1615 – Benfica

contato: oficinas@cineceara.com (85)  3264. 3877 

• 22º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema

Data: 1º a 8 de junho de 2012

Local: Theatro José de Alencar – Fortaleza (CE)

Site oficial: http://cineceara.com / cineholliudy.wordpress.com

Inscrições ao 35o Festival Guarnicê

A Universidade Federal do Maranhão, por meio do Departamento de Assuntos Culturais da Pró-Reitoria de Extensão, com apoio de organizações públicas e privadas, promoverá de 10 a 16 de junho, em São Luís, o 35º Festival Guarnicê de Cinema, com o objetivo de incentivar a realização de filmes em curta, média e longa-metragem; fomentar o aparecimento de novos realizadores; difundir a produção audiovisual, bem como favorecer o intercâmbio entre países ibero-americanos e de língua portuguesa. Toda a programação será gratuita.
 
 

Selecionados do Cine Ceará serão divulgados em maio

22ª edição do Festival IberoAmericano vai acontecer de primeiro a 8 de junho 

Cento e cinco longas-metragens foram inscritos para o Cine Ceará, segundo a Associação Cultural Cine Ceará, organizadora do festival. O destaque ficou por conta do número de filmes brasileiros, com alta de cerca de 6% em relação ao ano de 2011, reforçando o bom momento da produção audiovisual.

O Cine Ceará, que é ibero-americano – ou seja, contempla países da América Latina e o Caribe, Portugal e Espanha – recebeu inscrições de 15 países. Os estrangeiros representam aproximadamente 37% dos inscritos (39 longas). 

“Em termos absolutos, o total de longas inscritos é praticamente o mesmo do ano passado, mas, como tivemos uma semana a menos no prazo para inscrição este ano, podemos considerar que houve um acréscimo, em termos proporcionais”, comenta o diretor executivo do festival, Wolney Oliveira. Para ele, “a surpresa foi o crescimento de títulos argentinos, país que tem se destacado no cenário mundial, com obras de grande qualidade. Foram 16 inscritos.” 

Entre os curtas, a competição é nacional. Nesse formato, o Cine Ceará recebeu 331 pedidos de inscrição, cerca de 7% a mais do que os 309 de 2011. Ao todo, serão selecionados 8 longas e 12 curtas para a disputa do Troféu Mucuripe. Em maio, serão divulgados os títulos escolhidos.

O 22° Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará, através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura e do Ministério da Cultura, através da Secretaria do Audiovisual. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e conta com patrocínio de empresas públicas e privadas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (SIEC) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

Cine Ceará abre inscrições. Festival será em junho

Abertas as inscrições à 22ª edição do Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema. As inscrições de longas e curtas-metragens podem ser feitas até 31 de março. O regulamento completo do festival, organizado pela Associação Cultural Cine Ceará, está disponível em http://cineceara.com 

Concorrem ao Troféu Mucuripe filmes inscritos como longa (divididos em filme, direção, fotografia, edição, roteiro, som, trilha sonora original, direção de arte, ator, atriz e prêmio da crítica) e curta (filme, direção, roteiro, produção cearense e prêmio da crítica). 

Os curtas devem ter sido realizados por produtores e/ou diretores brasileiros, ou radicados no país há mais de três anos, e podem ter até 20 minutos de duração, em qualquer formato. Devem ainda ser obras concluídas a partir de janeiro de 2011 e não podem ter participado de processos seletivos nas edições anteriores do Cine Ceará.  Já os longas devem ter duração mínima de 70 minutos, finalizados a partir de 2010 por produtores e/ou diretores ibero-americanos (países da América Latina e o Caribe, Portugal e Espanha), em formatos profissionais. 

Petrus Cariry foi o grande vencedor ano passado com o longa “Mãe e filha”…

Os prêmios da crítica para melhor curta e longa serão concedidos por um júri formado por membros da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema. Para o melhor longa, conforme o júri oficial, será concedido prêmio especial no valor de U$10.000,00 (dez mil dólares). Haverá ainda a entrega do Troféu Mucuripe de melhor curta da mostra Olhar do Ceará, para o qual haverá um júri de estudantes das universidades de Fortaleza. 

O 22° Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará por meio da Secretaria da Cultura, e do Ministério da Cultura através da Secretaria do Audiovisual. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e conta com patrocínio de empresas públicas e privadas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (SIEC) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).