Arquivo da tag: Vamos ao Teatro !

Analu Prestes é EMILY no Teatro

Emily

EMILY…
A partir de quinta, 7 de março
Teatro Poeirinha
Direção e adaptação Eduardo Wotzic
Cenário e direção de arte  Analu Prestes
Figurino   Rita Murtinho.
Luz  Fernanda Mantovani
Foto Renato Krueger

ANALU PRESTES, atriz de talento reconhecido e contagiante sensibilidade, sob a direção de Eduardo Wotzic, numa montagem que fala antes mesmo de ter estreado: programa obrigatório para quem gosta de TEATRO…

DJIN Sganzerla prossegue temporada de O Belo Indiferente

 
Hoje é sábado, dia de Teatro.
 
PORQUE HOJE É SÁBADO, é dia de ver DJIN SGANZERLA no TEATRO.
 
VAMOS AO TEATRO, porque O BELO é INDIFERENTE.
 
Vamos ao Teatro e vamos conferir DJIN SGANZERLA, a bela nada indiferente, em direção dupla comandada pela mãe, a querida e festejada atriz HELENA IGNEZ, e o ator e artista visual, ANDRÉ GURREIRO LOPES.
 
HOJE TEM DJIN SGANZERLA retornando ao palco do Teatro dos Satyros, em São Paulo, às 21h, com a aplaudida montagem de O Belo Indiferente, premiada ano passado pela excelência de sua montagem, que teve fundamental apoio do SESC de São Paulo. 
 
 
 
O espetáculo faz agora a sua terceira temporada por conta do mega sucesso que foi a primeira, ainda no ano passado. Por conta disso, DJIN ficou em cartaz também em janeiro, e agora volta na terceira temporada da peça, um clássico de Jean Cocteau. Um espetáculo de alta qualidade, conforme você pode conferir na crítica Aurora de Cinema: https://auroradecinema.wordpress.com/criticas-teatro-cinema-e-musica/djin-sganzerla-em-atuacao-primorosa/
 
 
 
A novidade boa é que, em agosto, O BELO INDIFERENTE fará temporada de 6 semanas no Rio de Janeiro.
 
Portanto, hoje é noite de Teatro com DJIN SGANZERLA e O BELO INDIFERENTE !
 
 
VAMOS AO TEATRO e VAMOS CONVIDAR OS AMIGOS !
 
 
TEATRO É BOM PARA QUEM FAZ e PARA QUEM ASSISTE !

As rosas amarelas sobem ao palco com Mazé Figueiredo

 

O espetáculo Quando as rosas amarelas se tornam marrons, projeto aprovado em edital do Centro Cultural Banco do Nordeste, estreia no próximo dia 28 em Fortaleza, tendo como palco o Teatro Antonieta Noronha, no centro da cidade.

 O texto é de autoria do ator e diretor Walden Luiz e tem direção de
 Wagner Pereira, contando com o seguinte elenco: Walden Luiz, Mazé Figueiredo (proponente do projeto), Zerivaldo Beserra e Lorenna Aletéia.

Walden Luiz e Mazé Figueiredo em cena: Teatro Cearense estreia mais um espetáculo…

A pequena temporada será dias 28, 29 e 30 deste junho, às 19.30h, no Teatro Antonieta Noronha, Rua Pereira Filgueiras, nº 4, por traz do Paço Municipal, com entrada franca.


Walden Luiz está completando 50 anos atuando no teatro cearense, enquanto Mazé Figueiredo, a incansável atriz, produtora, divulgadora e coralista, que é funcionária aposentada do Banco do Nordeste, completa uma dezena de peças atuando de forma ininterrupta. Haja fôlego ! 

Vamos ao Teatro ! Vamos ver Quando as rosas amarelas se tornam marrons !

 

Berinjela de graça, toda sexta, em Santa Tereza

Madame NoAr: garantia de boas risadas no Teatro

A atriz Mazé Figueiredo estará esta tarde e amanhã, em dois horários, encenando a comédia Madame NoAr no Centro Cultural Banco do Nordeste, em Fortaleza, com entrada franca.

A direção é da também atriz Leuda Bandeira e o texto é de Nícolas Almeida.

As apresentações são QUINTA e SEXTA,  23 e 24 de fevereiro, às 15h e às 18h – a entrada é gratuita mas recomenda-se chegar ao Centro Cultural Banco do Nordeste com uma hora de antecedência.

Este espetáculo é mais um trabalho artístico possibilitado pelo edital Cultura da Gente, ação meritória do Banco do Nordeste em prol da criação artística de seus funcionários. Quem responde pelo Cultura da Gente é Rosana Virgínia, uma querida e dedicada funcionária do CCBN, incentivadora dos colegas e entusiasta dos belos frutos que vem sendo gerados pelo edital.

O Aurora de Cinema já esteve na platéia de Madame NoAr  – uma ardilosa vidente, boa de ver e ouvir – e recomenda: o trabalho é um bom momento do teatro cearense, com competente direção de Leuda Bandeira e atuação primorosa de Mazé Figueiredo.

Vamos ao Teatro ! E vamos aplaudir Madame NoAr, uma comédia para agradar a gregos, troianos, cearenses e plateias de todas as cores, credos e palcos do país.

Eduardo Wotzik convida para Breve Encontro

“Sabe quem se separou ?”… Esta é boa !

Comédia de Carmen Salles estreou novo espaço teatral carioca, o Teatro Pinheiro Guimarães

* Quem dá a dica é minha querida amiga Bernadete Duarte… e se Berna recomenda, é porque vale !

VAMOS AO TEATRO !

SABE QUEM SE SEPAROU ?

Após dois anos reunindo fatos, fofocas e devaneios sobre divórcio e separação, Carmen Salles realizou esta dupla estréia: como autora e atriz. Utilizando seus vinte anos de experiência no jornalismo e a influência de sua antiga professora Maria Clara Machado, Carmen criou um texto leve e irônico que toca em questões fundamentais da mulher dos dias de hoje: o fantasma da traição, a inveja feminina, a busca pelo misticismo, as transas mal sucedidas e os problemas que as separadas precisam resolver sozinhas.


Será que alguém consegue passar por tudo isso sem enlouquecer ? Talvez a pergunta que toda recém-separada se faça seja, ao menos em parte, respondida nesse alegre espetáculo, o qual consegue mostrar: bom humor é sempre uma
saída.

A COMÉDIA

Com uma estrutura simples e elegante, o espetáculo investe na figura cativante da atriz que, enquanto divide suas histórias com a platéia, se transforma em diversos personagens: mulheres carentes, histéricas, místicas, corajosas; pai se santo, médico sedutor, cartomante, sexóloga, pastor evangélico, e motorista são alguns deles.

Embora seja um monólogo voltado para o universo feminino, a irreverência de SABE QUEM SE SEPAROU ? atinge igualmente todo tipo de público, independente de sexo ou idade. A duração é de 55 minutos.

Sinopse

A comédia aborda as loucuras do universo feminino a partir da vida da personagem Maria dos Prazeres: uma mulher que pensa estar sendo traída, mas teme a separação. Em função desse dilema, Prazeres procurará todo tipo de ajuda, vivenciando situações extremamente engraçadas. 

Serviço:

Texto e Interpretação: Carmen Salles

Direção: Fernando Maatz e Aramis David Correia

Teatro Pinheiro Guimarães, rua Silveira Martins 153 – Catete

Tita & Nic: De volta, A Comédia

6 ATORES INTERPRETANDO 2500 PERSONAGENS

CARRI COSTA – DENIS LACERDA – PERLA CAVALCANTE – SOLANGE TEIXEIRA – DIEGO MESQUITA e JESUÍTA BARBOSA

13 ANOS DE SUCESSO, 800 APRESENTAÇÕES, MAIS DE 800 MIL ESPECTADORES.

NUNCA UMA COMÉDIA CEARENSE FOI TÃO LONGE QUANTO TIRA & NIC!

DIA 21 (DOMINGO) AS 19h00

PROMOÇÃO IMPERDIVEL: ACESSE

 http://www.baratocoletivo.com.​br/barato/829

E COMPRE NO CARTÃO POR MENOS DA METADE DO PREÇO

Enfim, A Biografia de RUBENS CORRÊA

Rubens Corrêa, um Salto para Dentro da Luz, livro de Sergio Fonta (Coleção Aplauso, Editora Imprensa Oficial de São Paulo, 600 p.) Lançamento: HOJE na Livraria Travessa / Leblon, às 19h. 

PORQUE  RUBENS CORRÊA MERECE NOSSA ETERNA SAUDADE e ADESÃO  

 

 

                 O Legado da Paixão

 

Rubens Corrêa foi um dos maiores atores do Brasil, talvez o maior. Para alguns esta afirmação pode parecer um exagero, mas não é: ele foi mesmo. Quem o assistiu em cena nunca mais o esqueceu. Diário de um louco, que ele interpretou com 33 anos, Marat-Sade (em São Paulo e depois Rio) ainda nos anos 60, O assalto, O arquiteto e o imperador da Assíria, Hoje é dia de rock, O beijo da mulher-aranha, mais que tudo Artaud! e O futuro dura muito tempo, seu último trabalho antes de retomar Artaud! até o fim de seus dias, todos estes trabalhos-ícones, entre dezenas de outros, transformaram-se num legado apaixonado de quem amou o teatro como poucos.

Nascido em Aquidauana, Mato Grosso do Sul, em 23 de janeiro de 1931 e morto em 22 de janeiro de 1996 no Rio de Janeiro, Rubens Corrêa construiu sua carreira ao lado do diretor e também ator Ivan de Albuquerque, cujo impulso definitivo veio com a inauguração do Teatro Ipanema, onde a dupla emplacou seus maiores sucessos. Mas Rubens não se limitou ao teatro e, embora não fosse o seu chão, realizou belos trabalhos também em cinema, como Na boca da noite e Álbum de família, entre outros, e na televisão, em novelas como Partido alto, Kananga do Japão e Pantanal, em Especiais como O bispo do rosário ou seriados como Decadência, de Dias Gomes, na Rede Globo, seu último trabalho em tv. Além disso, dirigiu inúmeros espetáculos com enorme sensibilidade, além de fazer a trilha sonora para vários deles. Amou o teatro, a poesia, a música, a vida e o ser humano. Um nome para não esquecer. Agora ficará para sempre lembrado também em livro.

O ator, dramaturgo e diretor Sergio Fonta conheceu Rubens Corrêa nos anos 70, bem jovem, quando começava sua caminhada, ainda como repórter, trabalhando no Jornal de Ipanema e no Jornal de Letras. Entrevistou-o diversas vezes durante a vida mas, desde a primeira vez, surpreendeu-se com seu carisma, sua inteligência e sua generosidade. Mais impactado ainda ficou quando assistiu à montagem histórica de O arquiteto e o imperador da Assíria, no Teatro Ipanema, em que Rubens contracenava com José Wilker, então surgindo como ator: acabou repetindo a dose por oito vezes mais.

Na introdução de Um salto para dentro da luz, Sergio Fonta fala da emoção daquele momento:

“ – O que dizer das atuações de Rubens, senhor do seu espaço, comandante irrevogável, dilacerado e definitivo, e de Wilker, pleno como o Arquiteto? Dois belos momentos de teatro. E o que dizer da inesquecível trilha sonora criada por Cecília Conde? E da encenação com direito a pietás, missas mozartianas e um enorme e misterioso chapéu branco de mulher”?

O trabalho de pesquisa de Fonta durou mais de um ano. Além da escrita do próprio livro em si, colheu dezenas de depoimentos e entrevistas com todos os que conviveram com Rubens no teatro, na tv ou no cinema, entre eles, Sérgio Britto, Ary Coslov, Julia Lemmertz, Emiliano Queiroz, Caíque Botkay, Ivone Hoffmann, Ricardo Blat, Fauzi Arap, Evandro Mesquita, Cristina Pereira, Thelma Reston, José Wilker, Nildo Parente, Maria Padilha, Walter Lima Júnior, Jacqueline Laurence, Rosamaria Murtinho e  Tizuka Yamasaki.

“ – Espero ter contribuído para a preservação da memória deste grande ator, diz Fonta. Seu universo é tão vasto, suas amizades tão permanentes, pois todos os que deram seus depoimentos conservam intactos seu sentimento por ele, que, talvez, fosse necessário mais um livro sobre ele, tanta a admiração e a saudade de quem o conheceu ou o viu num palco”.

 

Rubens Corrêa, um Salto para Dentro da Luz, será lançado no dia 24 de janeiro, próxima segunda-feira, na Livraria Travessa do Shopping Leblon, a partir das 19h. 

Algumas declarações sobre Rubens Corrêa para o livro Um salto para dentro da luz, de Sergio Fonta 

Emiliano Queiroz:

“RUBENS CORRÊA, um homem bom e generoso. Um artista BELO, um encantador de almas”.

 Rosamaria Murtinho: 

“Rubens deixou como legado o amor a um ideal, o amor ao teatro. A procura do texto bom para mostrar ao público. Ele sempre nivelou por cima. Sempre procurou coisa boa, espetáculo bom. E o público ia. Sempre”.

 

Maria Padilha: 

“Arte e ética juntos são imbatíveis! Esse, para mim, é o maior legado que o Rubens deixou”.

Júlia Lemmertz: 

Além de ser um ator incomparável, era uma criatura linda, dava vontade de ficar por perto dele e conversar muito”.

Sergio Britto: 

“Eu sempre disse que nós, atores, tentamos dialogar como os personagens à nossa frente. Sempre achei que o Rubens dialogava mais alto, sem exageros, ele dialogava com Deus. As suas falas adquiriam dimensão maior. Não eram meras palavras de um texto, era um ser humano tentando a comunicação maior. Esse é o Rubens Corrêa que merece ser lembrado”.

* Foi com grande alegria que soube, há mais de um ano, que Sérgio Fonta trabalhava na feitura desta biografia do ator RUBENS CORRÊA e, por causa disso, eu e Sérgio trocamos figurinhas desde então. Uma enorme e saudável alegria saber que ele se debruçava sobre vida e obra deste Mestre Querido de todos os Palcos e Telas, uma satisfação imensa partilhar este lançamento auspicioso de hoje com você, leitor amigo. Mais uma meritória iniciativa da Imprensa Oficial de São Paulo.

Esta redatora teve a honra e a alegria de entrevistar RUBENS CORREA, de vê-lo algumas vezes, sempre MAGNÂNIMO, em cima do palco, e ademais, a imensa Glória de ser aluna do Ator-Entidade, o Ator-Soberano, o Ator de todos os papéis e pra quem qualquer APLAUSO será, sempre, merecido.

Saudades enormes de Rubens Corrêa !

Kieekegaard em Extrada no Teatro

DSC_0004 6

 

ciaCULTURAVIVA apresenta:

EXTRADA DA REEXISTÊNCIA

Dias 29 e 30 de Outubro

large_box_top.gif

O ser humano é espírito, Mas o que é espírito?

Espírito é o self. Mas o que é o self?

Sören Kierkegaard

Outubro de 2010

Caro amigo

  

Atualmente, vivemos numa época em que pelo surgimento de novas tecnologias, a massificação da comunicação e a automatização dos meios de produção possibilitam o aumento da produtividade como nunca antes na história. É neste cenário que, segundo Jair Ferreira dos Santos, poeta e autor do livro “O que é pós-moderno”, na atualidade “o sujeito vive sem projetos, sem ideais, a não ser cultuar sua auto-imagem e buscar a satisfação aqui e agora.” O ser humano, portanto, experimenta uma profunda crise existencial na atualidade, como resultado da impossibilidade de se responder aos questionamentos mais profundos da existência. Leia mais 

  

É nesse contexto que a cia.CULTURAVIVA  tem o prazer de convidá-lo assitir a peça de teatro:

 

EXTRADA DA REEXISTÊNCIA

Uma peça inspirada na obra “O Desespero Humano” de Soren Kieekegaard, livroO DESEPERO HUMANO 3 em que o filósofo precursor do existencialismo realiza uma avassaladora análise da consciência humana, pela ótica do desespero.

  

Neste email  você vai encontrar todas as infomações sobre a peça e suas apresentações. Boa leitura!

large_box_bottom.gif
 

EXTRADA DA REEXISTÊNCIA 

EXTRADA_COLAGEM1

O TEMA da peça propõe uma reflexão sobre o sentido da vida, abordando  de maneira poética a crise existencial do ser humano, pela exposição dos seu conflitos interiores. Inspirado no livro “O desespero humano” de Kierkegaard, o texto da peça expõe dialéticamente o ser humano em sua busca pelo sentido de existência, fragmentado em dois personagens centrais que interagem com outros personagens que representam personificações de valores da pós-modernidade.

 

O NOME da peça foi escolhido pela sua capacidade de gerar múltiplas interpretações sonora e visualmente. O prefixo “extra” remete à idéia de algo que está além, algo extraordinário. Portanto o que significaria uma Extrada? Reexistência remete sonoramente à idéia de resistência “cultural” e visualmente à idéia de renascimento. Tirem sua próprias conclusões!

 

A ESTRUTURA da peça é baseda em 4 atos nos quais há conexão entre as linguagens artísticas. A Extrada da Reexistência é composta pela interação entre músicas, danças, representações teatrais, recitativos poéticos e projeção de vídeos, assemelhando-se estéticamente a um grande sarau.

 

A ESTÉTICA da arte contemporânea é um dos traços marcantes da peça. Muitas vezes as linguagens artísticas atuam simultaneamante promovendo a multiplicidade de expressões. 

 

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS

 

SEXTA-FEIRA dia 29,  teremos a participação especial de RICARDO BRAGA, filósofo, biólogo, biomédico e secretário de Cultura da cidade de Holambra,  trazendo uma reflexão final sobre a temática da peça.

 

SÁBADO dia 30, contaremos com a participação especial de GERSON BORGES, poeta, compositor e arte-educador, trazendo uma reflexão final sobre a temática da peça.

http://www.gersonborges.com/avolta.htm

 

Contaremos com a participação especial do grupo vocal KOL Brasilis, sob a regência de Obadias de Deus.

http://www.youtube.com/watch?v=jZalALre520 

 

Você pode ver os ensaios gravados acessando no link abaixo:www.ciaculturaviva.blogspot.com 

INFORMAÇÕES GERAIS 

EXTRADA DA REEXISTÊNCIA 

Datas: 29 e 30 de outubro

Local: Teatro Santos Dumont – Av. Goiás 1111 – São Caetano. Tel: (11) 4221-5312
Bilheteria: aberta a partir das 17:00

Ingressos:
R$20,00 (inteira)
R$10,00 (meia)

Ponto de venda

Rua Visconde de Inhaúma 878, Vila Gerty, SCS. Tel: (11) 4238-6833