Arquivo da tag: ver e fazer cinema em Santos

Vencedores do CURTA SANTOS

Encerrada sábado, 17 de setembro, a nona edição do Curta Santos – Festival Santista de Curtas Metragens. No costumeiro clima de encerramento, a noite contou com algumas surpresas e música pra acompanhar a animação dos vencedores.

A seguir, os vencedores nas categorias Olhar Brasilis e Olhar Caiçara.

Olhar Brasilis

Ficção: O Céu no Andar de Baixo (mais un prêmio para o belo filme de Leonardo Cata Preta)

Documentário: A Dama do Peixoto, mais um para Allan Ribeiro e Douglas Soares

Direção: Claudio Marques e Marília Huges por Carreto, e Daniel Ribeiro por Eu Não Quero Voltar Sozinho

O trio de Eu não quero voltar sozinho: trabalho afinado e de muitas sutilezas…

Ator: Luri Saraiva e Sérgio Sartório por A Menor Distância entre Dois Pontos

ELOÍNA, a querida Dona NINA, que tive a honra de conhecer em Campina Grande: trabalho exponencial em A Fábrica dá prêmio ! E o AURORA DE CINEMA está feliz pelo merecido reconhecimento a um talento genuíno…  VIVA  Dona Nina !!!

Atriz: Eloína Duvoision Ferreira por A Fábrica

Fotografia: André Chesini por A Fábrica

Montagem: Douglas Soares e Allan Ribeiro por A Dama do Peixoto

Roteiro: Breno Nina e Elias Guerra por A Menor Distância Eentre Dois Pontos

Som: Matheus Dantas por Carreto

Andrew Knoll, de A Fábrica, um dos concorrentes vencedores…

Prêmio Especial do Júri: Braxília

Videoclipe Brasilis

Performance: Jumbo Elektro pelo videoclipe Dylan Sings Bowie

Direção: Carlon Hardt pelo videoclipe Planos

Melhor Videoclipe: Planos da banda Match

Olhar Caiçara 

Ficção: Iolanda e Xico 

Documentário: Aloha – ótimo filme, prêmio merecido !

Direção: Marco T. Alves por Drama de um Cotidiano Real

Ator: Eduardo Chagas por Ulisses

Atriz: Carolina Monnet e Gláucia Franchi por A Janela Poética

Fotografia: Maurício Jordy e Fabrício Valverde por Do Porquê ou Para Quê Contar Histórias

Montagem: Waltuir por Iolanda e Xico

Roteiro: Marco T. Alves por Drama de um Cotidiano Real

Som: Pedro Moreira por BNH 001

Etty Fraser, uma das atrizes homenageadas…

Prêmio Especial do Júri: Funcionário Zumbi

Videoclipe Caiçara

Performance: Maguila pelo videoclipe Minha Família 

Direção: Ricardo Santini e Kennedy Lui pelo videoclipe Dois Copos d’Água 

Melhor Videoclipe: Dois Copos d’Água da banda Zebra Zebra

Outras informações: www.curtasantos.com.br

 

CURTA SANTOS para Todas as Mulheres do Mundo

 
Noite de Abertura terá Christiane Torloni, Elke Maravilha, Laís Bodanzky, Etty Fraser, Nydia Licia, Nuno Leal Maia e Thiago Cóstackz
 
A nona edição do Curta Santos – Festival Santista de Curtas-Metragens será responsável, mais uma vez, por levar a Santos um elenco notável de personalidades do cinema brasileiro, as quais serão homenageadas por seus trabalhos. Todos estarão na Gala de Abertura do evento, noite do próximo dia  13 de setembro, 20 h, no Teatro do Sesc (Avenida Conselheiro Ribas, 136 – Aparecida). 
 
 
Na edição que homenageia as mulheres do cinema, Para Todas as Mulheres do Mundo, o festival concentra boa parte de suas homenagens a elas. Para começar, o Troféu Lilian Lemmertz será entregue à atriz Christiane Torloni. Atualmente protagonista da novela FINA ESTAMPA, Christiane tem extensa carreira no cinema, tendo trabalhado com diretores como Bruno Barreto, Walter Hugo Khouri e Guilherme de Almeida Prado.
 
 
A patronesse desta 9ª edição é a atriz Etty Fraser, com mais de 50 nas telas e palcos do pais. Em 1965, Etty estava no filme “São Paulo S.A.”, de Luís Sérgio Person. Também esteve em “Diabólicos Herdeiros” (1971), de Geraldo Vietri, e “O Homem do Pau-Brasil” (1982), de Joaquim Pedro de Andrade. Na televisão, a atriz passou por quase todas as emissoras brasileiras.
 
Quem leva o Troféu Chico Botelho, entregue a jovens cineastas que contribuem para o enriquecimento do cinema brasileiro, é a diretora Laís Bodanzky. Responsável por filmes como “As Melhores Coisas do Mundo” (2010), “Bicho de Sete Cabeças” (2001) e “Chega de Saudade” (2008).
 
 
A atriz, diretora e produtora Nydia Licia será a Dama das Artes do 9º Curta Santos. A homenagem será na Gala de Abertura. No currículo, Nydia acumula mais de 70 trabalhos no teatro brasileiro, nos palcos e bastidores, além de presenças marcantes no cinema e na televisão.
 
Responsável por trabalhos de destaque na mídia, o artista plástico Thiago Cóstackz vai receber o Troféu Maurice Legeard por abraçar as causas sociais e ambientais e pela fundação do Museu de Arte Contemporânea Sustentável, marcado pelo pioneirismo no Brasil e no Rio Grande do Norte.
 
Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias, ONG responsável por promover o desenvolvimento profissional, sociocultural e pessoal de muitos jovens brasileiros por meio do audiovisual, é o projeto premiado com o Troféu Maurice Legeard, durante a Gala de Abertura, pela responsabilidade social em levar Cultura a pessoas carentes.
 
 
 
A mestre de cerimônias da Gala de Abertura é Elke Maravilha. Com extensa carreira no cinema, na TV e até na moda, ao longo da vida, ELKE é uma consagrada rompedora de paradigmas e surpreende sempre. São mais de 20 filmes. Começou em 1970 em O Salário Mínimo, do grande pioneiro Adhemar Gonzaga. Ano passado, voltou às telas no mais recente longa de Arnaldo Jabor, A Suprema Felicidade.
 
Calçada da Fama
 
Durante a programação do Festival, o ator santista Nuno Leal Maia será homenageado com uma estrela, na tradicional Calçada da Fama do Cine Roxy.
 
 
 
Ex-jogador de futebol, NUNO estudou artes cênicas na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Participou de quase 40 filmes, e ficou conhecido pelas produções da época da pornochanchada e pelos papéis marcantes em telenovelas.NUNO também estará na abertura do CURTA SANTOS.  
 
Mais sobre o tema
 
Desde seu surgimento, o cinema retratou a mulher de forma especial. No início, como fetiche do mundo masculino: fatal, heroína, devoradora de homens. Depois, a figura feminina emancipou-se e passou a buscar seu espaço próprio. Assim, o Festival pretende homenagear “todas as mulheres do mundo”: das atrizes às filósofas, das pensadoras às operárias, do planeta Terra à Mãe Natureza.
 
O filme de Domingos Oliveira, protagonizado pela inesquecível Leila Diniz, deu o mote para o CURTA SANTOS 2011
 
O verde é a cor da nona edição e, por meio dele, o Festival abre mais um assunto para reflexão: a sustentabilidade. Desta vez, partindo do princípio do “olhar feminino”, pretende trabalhar a responsabilidade social e o desenvolvimento sustentável, por intermédio do audiovisual. O subtema visa a aguçar a discussão sobre o crescimento econômico prejudicial ao meio ambiente – e incentivar a participação ativa do público em ações que zelam pelo futuro da região e do planeta.
 
O Festival
 
O 9º Curta Santos – Para Todas as Mulheres do Mundo – contará com cinco dias de programação totalmente gratuita. Além de romper paradigmas, rever conceitos e estimular novos caminhos para o audiovisual – premissas adotadas desde a primeira edição –, o Festival objetiva oferecer ao público sessões de curtas, médias e longas-metragens (os dois últimos, em mostras não-competitivas) com produções de qualidade, que estão fora do circuito comercial. Mesas-redondas, oficinas e debates com profissionais da área sustentam a proposta.
 
 
Em oito anos de trajetória, o Festival já contou com a participação de grandes nomes do cinema nacional, como José Wilker, Matheus Nachtergaele, Paulo César Pereio, Paulo José, Ney Latorraca, Ana Lúcia Torre, Dira Paes, Betty Faria, Leona Cavali, Sergio Mamberti, Bete Mendes e Eva Wilma, além de cineastas como Carlos Manga, Carla Camurati, Zita Carvalhosa, Eliane Caffé, Ewaldo Mocarzel, Jose Mojica Marins, Beto Brant, Lírio Ferreira, Carlos Reichenbach, Allan Fresnot, Tata Amaral, Allan Sieber e Toni Venturi, dentre outros.
 

Matheus Nachtergaele, no CURTA SANTOS 2009, ao lado de seu saudoso idealizador, o amado TONINHO DANTAS, tendo à frente a jornalista Aurora Miranda Leão… boas lembranças e muita saudade…