Arquivo da tag: ver Messi em campo

MESSI faz passeio em campo e dá novo Show pelo Barça

O bicampeão da Fórmula 1, Sebastian Vettel, e sua namorada estavam nas arquibancadas do Camp Nou. Mas em dias de jogos do Barcelona, todos os olhares se voltam para o craque argentino Lionel Messi. Isso é incontestável.

MESSI entra em campo… precisa dizer mais ?

MESSI deu mais um show e, com quatro gols, comandou a goleada de virada por 5 a 1 sobre o Valencia, neste domingo, pela 24ª rodada do Campeonato Espanhol. O também hermano Pablo Piatti abriu o placar para os visitantes, enquanto Xavi fechou o placar nos acréscimos.

Messi comemora gol do Barcelona contra o Valencia (Foto: AP)
Messi segue encantando todo o Planeta Bola e está a 13 gols de se tornar o maior artilheiro do Barça (AP)

Estatísticas impressionam

MESSI, que chegou aos 27 gols na competição, apenas um atrás do português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, também atingiu importante marca, tornando-se o mais jovem a atingir 200 jogos em Campeonatos Espanhóis – com 24 anos e 240 dias de idade. Esta também foi a segunda vez em sua carreira que fez 4 gols num só confronto – a primeira havia sido diante do Arsenal, pelas quartas de final da Liga dos Campeões de 2009/2010.

Messi marca gol do Barcelona sobre Diego Alves do Valencia (Foto: Getty Images)

MESSI venceu Diego Alves no segundo gol e em outra três oportunidades: brasileiro teve boa atuação (Getty)

Na atual temporada, o astro acumula 42 gols em 40 jogos, com direito ainda a 19 assistências, e está próximo de quebrar novo recorde. Com 222 gols no total, a diferença para César, o maior artilheiro da história do clube, é de apenas 13 tentos. A expectativa é de que ele alcance o topo dos goleadores catalães até maio, quando terão fim todos os campeonatos de 2011/2012.

Desta forma, os catalães voltam a ficar a dez pontos do líder Real Madrid na tabela de classificação (61 a 51). Restam agora 15 partidas, entre elas o Superclássico no Camp Nou – e 45 pontos em jogo –, o que ainda alimenta as esperanças de um tricampeonato por parte do time comandado por Josep Guardiola.

Vettel no Camp Nou durante jogo do Barcelona (Foto: EFE)

Vettel e a namorada foram ofuscados pelo show de Messi no Camp Nou (Foto: EFE)

Lionel Messi, ou “a pulga” – como o apelidou alguém da imprensa – por ser baixinho e impossível detê-lo… Benza Deus !

E mais uma vez, deu Lionel MESSI… Saraváaaaaa !!!

Essa é a diferença do gênio para o craque, da estrela para o cometa. Messi não diviniza o banal, desembaraça o divino. Amplia o repertório, não permite um mínimo de descuido e desatenção do torcedor. Qualquer lance dele cheira a milagre. Ele não corre, aparece; ele não chuta, coloca; ele fundiu balé com futebol de salão.

Essas são palavras do genial mago das Palavras, o poeta gaúcho Fabrício Carpinejar, em análise sobre o impressionantemente sensacional LIONEL MESSI, excepcional jogador argentino que tem dado ao mundo algumas das mais belas partidas do futebol mundial.

Ontem, 9 de janeiro, a FIFA revelou, em solenidade oficial, quem os analistas de futebol do mundo inteiro apontam como o Melhor Jogador de Futebol de 2011. E mais uma vez deu Lionel Messinós tínhamos certeza disso.

Foi só aguardar os telejornais para confirmar o que o coração já cantava há tempos…

Seu pé esquerdo é uma centopeia delirante. Comprova que os canhotos não surgiram para a mendicância técnica. São reis do ilusionismo. É um centroavante completo e um meia esplêndido, concilia o talento magnético na condução da bola e o oportunismo de matador. Impossível marcá-lo. Há algo de maduro em seu rosto, lampejo de tigre, e só tem 23 anos.

Repare que nem comemora o gol, acena, agradece com sinal da cruz. Sua comemoração nunca é explosiva, parece que não quer diminuir o lance com coreografias animadas; só aceita dançar com a bola, não trai sua parceira de tango.

Deseja o lance seco, curto, sem música de fundo. O futebol essencial, o futebol pelo futebol.

Messi congelou o tempo para encobrir e botou o tempo a correr novamente ao arrematar. A bola sobe com efeito, como se zombasse das mãos do arqueiro. Não há jogo de corpo do atacante, mas jogo de corpo da bola. A bola joga para Messi.

Argentino de talento inegavelmente excepcional para o futebol, Lionel Messi torna-se o único (ao lado do francês Michel Platini) a ser O Melhor do Mundo pela terceira vez consecutiva… Como diz Carpinejar, “a bola joga para Messi”…

VIVAAAAAAAAAAA  MESSIIIIIIIIIIII !!!

Que Deus o conserve assim. Este esportista fundamental, jogador excepcional e cidadão aguerridamente exemplar.

Que MESSI sirva cada vez mais de exemplo, não só pelas jogadas geniais que cria – com a sabedoria de quem conhece profundamente o ofício, e a grandeza de quem sabe que a humildade é o primeiro passo para o êxito -, mas pela sua atuação elegante, tranquila e pacificadora, sem nenhum tipo de empáfia, nos gramados e nas ruas onde trafegam pessoas de todos os quadrantes.

Que venham mais e mais estádios e gramados onde Lionel MESSI possa fazer as torcidas do mundo inteiro se impressionar e vibrar com suas jogadas magníficas, e onde seus dribles mágicos possam mais e mais contribuir para a beleza do futebol-arte, encantando até quem não aprecia o esporte mas o sabe um raro e dignissimo exemplar do melhor que já se viu em campo em muitas décadas.

E novamente nos valemos de CARPINEJAR para exaltar a grandiosidade colossal de MESSI :

Futebol-arte é um milagre. É quando todo o time desemboca num único jogador, e ele passa a ser todo o time.  Não que os outros não existam, os outros são ele e mais ele e mais ele e mais ele…

Ele: aquele que não corre, aparece; não chuta, coloca.

Futebol-arte é quando parece que o torcedor já viveu muito numa única partida e está encabulado. Tenso. Parece que não merece tanto, pagou por um jogo e recebeu um espetáculo. 

É quando um gol já é uma goleada. Quando um drible já é um gol.

Futebol-arte é quando a bola só aceita beijo na boca. Não admite amadores, pede delicadeza maliciosa. Futebol-arte é quando a bola só responde pelo apelido. Feita para ser asa mais do que pata, ser pluma mais do que couro. É preciso bater sem machucar, tocar embaixo para subi-la, sussurrar em seus ouvidos como um amante desinibido.

Convencer a bola que é um balão, uma janela, uma meia-lua, um chuveirinho.

A bola nos pés de um artista é um pássaro durante o chute, um peixe dentro do gol.