Arquivo da tag: ver MESSI jogando

E mais uma vez, deu Lionel MESSI… Saraváaaaaa !!!

Essa é a diferença do gênio para o craque, da estrela para o cometa. Messi não diviniza o banal, desembaraça o divino. Amplia o repertório, não permite um mínimo de descuido e desatenção do torcedor. Qualquer lance dele cheira a milagre. Ele não corre, aparece; ele não chuta, coloca; ele fundiu balé com futebol de salão.

Essas são palavras do genial mago das Palavras, o poeta gaúcho Fabrício Carpinejar, em análise sobre o impressionantemente sensacional LIONEL MESSI, excepcional jogador argentino que tem dado ao mundo algumas das mais belas partidas do futebol mundial.

Ontem, 9 de janeiro, a FIFA revelou, em solenidade oficial, quem os analistas de futebol do mundo inteiro apontam como o Melhor Jogador de Futebol de 2011. E mais uma vez deu Lionel Messinós tínhamos certeza disso.

Foi só aguardar os telejornais para confirmar o que o coração já cantava há tempos…

Seu pé esquerdo é uma centopeia delirante. Comprova que os canhotos não surgiram para a mendicância técnica. São reis do ilusionismo. É um centroavante completo e um meia esplêndido, concilia o talento magnético na condução da bola e o oportunismo de matador. Impossível marcá-lo. Há algo de maduro em seu rosto, lampejo de tigre, e só tem 23 anos.

Repare que nem comemora o gol, acena, agradece com sinal da cruz. Sua comemoração nunca é explosiva, parece que não quer diminuir o lance com coreografias animadas; só aceita dançar com a bola, não trai sua parceira de tango.

Deseja o lance seco, curto, sem música de fundo. O futebol essencial, o futebol pelo futebol.

Messi congelou o tempo para encobrir e botou o tempo a correr novamente ao arrematar. A bola sobe com efeito, como se zombasse das mãos do arqueiro. Não há jogo de corpo do atacante, mas jogo de corpo da bola. A bola joga para Messi.

Argentino de talento inegavelmente excepcional para o futebol, Lionel Messi torna-se o único (ao lado do francês Michel Platini) a ser O Melhor do Mundo pela terceira vez consecutiva… Como diz Carpinejar, “a bola joga para Messi”…

VIVAAAAAAAAAAA  MESSIIIIIIIIIIII !!!

Que Deus o conserve assim. Este esportista fundamental, jogador excepcional e cidadão aguerridamente exemplar.

Que MESSI sirva cada vez mais de exemplo, não só pelas jogadas geniais que cria – com a sabedoria de quem conhece profundamente o ofício, e a grandeza de quem sabe que a humildade é o primeiro passo para o êxito -, mas pela sua atuação elegante, tranquila e pacificadora, sem nenhum tipo de empáfia, nos gramados e nas ruas onde trafegam pessoas de todos os quadrantes.

Que venham mais e mais estádios e gramados onde Lionel MESSI possa fazer as torcidas do mundo inteiro se impressionar e vibrar com suas jogadas magníficas, e onde seus dribles mágicos possam mais e mais contribuir para a beleza do futebol-arte, encantando até quem não aprecia o esporte mas o sabe um raro e dignissimo exemplar do melhor que já se viu em campo em muitas décadas.

E novamente nos valemos de CARPINEJAR para exaltar a grandiosidade colossal de MESSI :

Futebol-arte é um milagre. É quando todo o time desemboca num único jogador, e ele passa a ser todo o time.  Não que os outros não existam, os outros são ele e mais ele e mais ele e mais ele…

Ele: aquele que não corre, aparece; não chuta, coloca.

Futebol-arte é quando parece que o torcedor já viveu muito numa única partida e está encabulado. Tenso. Parece que não merece tanto, pagou por um jogo e recebeu um espetáculo. 

É quando um gol já é uma goleada. Quando um drible já é um gol.

Futebol-arte é quando a bola só aceita beijo na boca. Não admite amadores, pede delicadeza maliciosa. Futebol-arte é quando a bola só responde pelo apelido. Feita para ser asa mais do que pata, ser pluma mais do que couro. É preciso bater sem machucar, tocar embaixo para subi-la, sussurrar em seus ouvidos como um amante desinibido.

Convencer a bola que é um balão, uma janela, uma meia-lua, um chuveirinho.

A bola nos pés de um artista é um pássaro durante o chute, um peixe dentro do gol.

MESSI Coleciona Elogios no Mundo Todo

Craque argentino segue fazendo novos e mais encantados torcedores a cada jogo… 

‘Messi supera todos os mitos’ e é o maior da história em clubes, diz jornal espanhol

por ESPN.com.br

Nunca houve em toda a história do futebol um jogador como tantas conquistas por um clube, em tão pouco tempo de carreira, como o argentino Lionel Messi. Quem afirma isso é o jornal madrilenho Marca, historicamente considerado alinhado ao Real Madrid.  

Em reportagem em destaque no site da publicação, o protagonista do quarto título europeu do Barcelona é apontado como já maior do que nomes Pelé, Maradona, Di Stéfano e Cruyff, pelo menos em relação a seu desempenho em clube.

 

De acordo com a publicação, aos 23 anos, Messi já faz parte do seleto grupo de “cinco reis da história do futebol”, ao lado dos quatro já citados. A diferença, no entanto, seria sua desempenho com o Barcelona: até aqui, ele já conquistou 15 títulos com a camisa azul-grená. Pelé, pelo Santos, com a mesma idade, havia levantado 13 troféus, na conta do Marca.Outra lenda argentina, Alfredo Di Stéfano, atual presidente de honra do Real Madrid, tinha sido campeão apenas três vezes aos 23 anos. O holandês Johan Cruyff, que também fez história com a camisa do Barça, tinha seis títulos com essa idade, mesmo número de conquistas de Maradonaaos 23. 

Para o craque Maradona, Messi é ‘fantástico’ e de ‘outra cátedra de futebol’

A reportagem do Marca lembra que “vários jornais argentinos, como o Olé”, já assinalam Messi como “o maior futebolista de todos os tempos”. O ex-técnico da seleção da Argentina, César Luis Menotti, diz o Marca, afirmou em entrevista em abril deste ano que o craque do Barcelona “é o quinto rei da história do futebol”, justamente ao lado dos quatro personagens destacados na matéria.

 

“Em nível de clubes, nada iguala seus registros, e sua única assinatura pendente é conquistar êxitos com a seleção argentina”, completa o diário espanhol.

Di Stéfano, Pelé, Messi, Maradona e Cruyff: os maiores da história para o jornal Marca

Di Stéfano, Pelé, Messi, Maradona e Cruyff: os maiores da história para o jornal Marca
(Crédito da imagem: Montagem ESPN).