Arquivo da tag: Wagner Moura

KIKITOS consagram Nordeste em Gramado

BLOG AURORA DE CINEMA direto do Festival de Gramado

Maranhão, Pernambuco e Bahia foram os grandes vencedores em Gramado…

O NORDESTE mandou muito bem em Gramado e marcou muitos gols durante a 41ª Edição do mais popular festival de cinema do país. Além das belas e merecidas homenagens aos atores baianos Othon Bastos (que tem 80 anos e 75 filmes na carreira), e Wagner Moura (consagrado no Teatro, na TV e no Cinema, com vários filmes, mas sobretudo com TROPA DE ELITE), o festival homenageou também as 3 décadas do filme ‘Sargento Getúlio’, do cearense Hermano Penna, consagrando três importantes filmes produzidos e filmados no Nordeste. A programação constava de 16 curtas nacionais, seis longas estrangeiros, e oito longas brasileiros. Com a Curadoria elogiadísisma por conta da qualidade dos filmes exibidos, o festival consagrou um curta e dois longas nordestinos: Acalanto, curta de Arturo Sabóia, é do Maranhão, baseado em obra do escritor moçambicano Mia Couto, e levou 6 KIKITOS, sendo um deles o de MELHOR ATRIZ para a Diva Negra LEA GARCIA.

A estatueta mais popular e mais cobiçada do Cinema Brasileiro, o KIKITO…

Os KIKITOS para Acalanto foram MELHOR FILME para o júri popular, Melhor Filme Júri Oficial, Melhor Diretor para Arturo Sabóia, Direção de Arte para Rogério Tavares,  Trilha-sonora para Luiz Oliviéri, e, como já dissemos antes, MELHOR ATRIZ para Lea Garcia.

Tatuagem, filme de Hilton Lacerda, rodado no eixo Recife-Olinda, foi consagrado em Gramado…

Já o longa TATUAGEM, do roteirista HILTON LACERDA (que já ganhou diversos prêmios no BR e no exterior com o belo filme FEBRE DO RATO, do cineasta Claudio Assis), arrastou 4 KIKITOS e revelou novos talentos do teatro pernambucano e levou os Kikitos de Melhor trilha musical, de autoria do Dj Dolores; MELHOR LONGA para a Crítica, e Melhor Filme para o júri técnico, consagrando o monumental ator IRANDHIR SANTOS como MELHOR ATOR do Festival.

Conforme previu o blog Aurora de Cinema, Irandhir Santos sagrou-se MELHOR ATOR…

O outro longa que veio do Nordeste e ganhou 3 KIKITOS foi o belo A Coleção Invisível, com roteiro do francês-baiano Bernard Attal, do baiano Sérgio Machado, e da cearense Iziane Mascarenhas.

Este filme tem na ficha técnica um nome muito querido deste blog Aurora de Cinema: o de Elson Rosário, cineasta e competente produtor de elenco, que esteve em Gramado coordenando entrevistas, ciceroneando a equipe, e contribuindo para a boa repercussão do filme baiano.

Clarice Abujamra, Vladimir Brichta e Walmor Chagas no filme A Coleção Invisível

A Coleção Invisível, vencedor este ano do Festival Itinerante da Língua Portuguesa – FESTIN -, realizado em abril, em Lisboa, levou os troféus de Melhor Ator Coadjuvante – para o saudoso Walmor Chagas; Melhor Atriz Coadjuvante para Clarice Abujamra; e Melhor Filme para o Júri Popular, dividindo este último troféu com o filme longa-metragem de animação gaúcho, Até que a Sbórnia nos Separe, de Otto Guerra e Ênio Torresan Júnior.

IMG_9589

Arturo Sabóia, Léa Garcia e Aurora Miranda Leão…

Gramado terá Glória, Wagner e Bruta Flor do Querer

Glória Pires e Wagner Moura serão as grandes personalidades homenageadas

Glória Pires receberá o Troféu OSCARITO na noite de abertura…

Wagner Moura receberá o troféu Cidade de Gramado na noite de sábado…

E vamos a mais um filme brasileiro que está na mostra competitiva da 41a edição do Festival de Cinema de Gramado:

A BRUTA FLOR DO QUERER -longa de baixo-orçamento realizado pelos diretores Andradina Azevedo e Dida Andrade, a ser exibido na terça, dia 13, às 21:30h, no Palácio dos Festivais.

A Bruta Flor do Querer conta a história de Diego (Dida Andrade), jovem recém-formado em cinema, que após algumas glórias durante a faculdade, se vê filmando casamentos e fazendo pequenos bicos para sobreviver. Seu sonho de virar um diretor de cinema se torna distante visto sua realidade e um mercado hostil. A decepção com sua vida profissional o faz querer algo especial. Diego se apaixona platonicamente por Diana, uma menina que trabalha num sebo, mas ele não tem coragem de falar com ela. Ao londo do filme, Diego enfrenta uma crise profunda causada pelos fantasmas da sua vida profissional e amorosa, enquanto tenta fazer seu primeiro longa-metragem.

A Bruta Flor do Querer é um projeto independente e de baixíssimo-orçamento, filmado em cerca de dois meses na cidade de São Paulo com recursos de alguns patrocinadores e dos diretores. O filme será lançado nos cinemas em 2014. Andradina e Dida realizaram juntos três curtas. Dois desses já foram exibidos no Festival de Gramado.

Os Diretores:

Andradina Azevedo e Dida Andrade se formaram em cinema pela FAAP em 2009 e juntos produziram e dirigiram três curtas-metragens: PARA QUE ME AMES (2008), que ganhou os prêmios de Melhor Vídeo, Atriz e Curta Universitário no 16° Gramado Cine Vídeo, Melhor Filme e direção no 16° Festival Mix Brasil, e Melhor Filme no 4º Festival da Chapada dos Guimarães; O CAPITÃO CHAMAVA CARLOS(2010), prêmios de Melhor Direção de Fotografia e Direção de Arte no 18° Festival MIX Brasil; Menção Honrosa no FBCU – Festival Brasileiro de Cinema Universitário -; e entrou na seleção oficial do 33° Festival de Havana; A TRISTE HISTÓRIA DE KID-PUNHETINHA (2012), foi selecionado para o 16° Festival Santa Maria de Feira, de Portugal e para o 40° Festival de Cinema de Gramado. Recebeu prêmio de melhor curta universitário no Cinefestivale Jaguaribe.

Alem de cineastas, Andradina é músico e Dida ator e diretor de teatro.

Ficha técnica

Brasil, 16 anos, 76 min

Direção: Andradina Azevedo e Dida Andrade

Empresa Produtora: Filmes da Lata

Produtor Executivo: Andradina Azevedo, Dida Andrade, Bia Vilela

Roteiro: Andradina Azevedo e Dida Andrade

Elenco: Diana Mota, Dida Andrade, Andradina Azevedo, Danilo Grangheia, João Federici, Sue Nhamandu, Daniele Rosa, Nara Lobo, Clara Andrezzo, Arua Maroni e Fernanda Galvão.

Direção de Fotografia: Gallo Rivas

Direção de Arte: Mariana Barauna

Trilha Musical: Marcelo Rivas

Montagem: Pedro Silva

* A noite de abertura do Festival de Cinema de Gramado terá o lançamento oficial no país do filme ‘Flores Raras’, novo longa do diretor Bruno Barreto, protagonziado por Glória Pires e Miranda Otto. O longa de Bruno Barreto conta a história de amor real entre a poetisa norte-americana Elizabeth Bishop (Miranda Otto) e a arquiteta carioca Lota Macedo Soares (Glória Pires).

* Em Gramado, hospede-se no SKY Hotel, que vai hospedar o blog Aurora de Cinema durante a 41a edição do Festival de Cinema de Gramado…

Wagner Moura de volta em novo filme

A Busca estreia em março e já tem site oficial

 A Busca 1

O filme A Busca, protagonizado por Wagner Moura, ganhou um site oficial incomum. Utilizando uma nova forma de navegação (chamada de parallax), o site apresenta os elementos da identidade visual do cartaz se desconstruindo na navegação de múltiplos backgrounds que parecem se mover, em velocidades diferentes ao conteúdo, numa linguagem não linear de ação e movimento que remete ao conceito do filme. Por ser desenvolvida em HTML5, a navegação diferenciada continuará idêntica em tablets e smartphones, e o conteúdo não será prejudicado em nenhuma dessas plataformas. Esse tipo de experimentação digital é inédito entre os sites de filmes nacionais.

A Busca 2

A Busca já marca presença na internet desde o final do ano passado –  quando participou do Festival do Rio (eleito Melhor Filme pelo Júri Popular) e Mostra São Paulo – contando com redes sociais como o Facebook, o Tumblr e o Youtube. Também será disponibilizado um aplicativo social onde, conectado pelo Facebook, o visitante poderá deixar recados para um amigo no site oficial, integrando um grande mural público de recados.

A Busca 3

O filme é uma produção da O2 Filmes, com coprodução da Globo Filmes, dirigido por Luciano Moura e tem distribuição pela parceria Downtown Filmes, Paris Filmes e RioFilme. Além de Wagner Moura, o elenco conta com Mariana Lima, Brás Moreau Antunes e participação especial de Lima Duarte. A estreia está agendada para 15 de março.
Trailer do filme: http://youtu.be/CX-hyid1ENQ
Site oficial: http://abuscaofilme.com.br

Fan page: http://facebook.com/filmeabusca

Youtube: http://youtube.com/filmeabusca

Tumblr do Pedro: http://pedrogadelha.tumblr.com

Fellini, o novo papel de Wagner Moura no cinema…

Consagrado internacionalmente pelo filme Tropa de elite, o ator baiano Wagner Moura foi convidado para viver Federico Fellini no longa independente Fellini Black and White (Fellini em Preto e Branco, em tradução livre), a ser dirigido e roteirizado por Henry Bromell, produtor da série “Homeland”.

O elenco deve incluir ainda Terrence Howard, Peter Dinklage (“Game of Thrones”) e William H. Macy (“Shameless”).

O filme contará trechos da vida de Fellini em Los Angeles, em 1957, na primeira viagem do cineasta aos Estados Unidos para assistir ao Oscar. Na ocasião, o diretor desapareceu por 48 horas e quase não conseguiu ir à cerimônia.

O roteiro conta o que pode ter acontecido nos dois dias de sumiço. Depois, o diretor voltou para a Itália e dirigiu filmes como La Dolce Vita (1960) e (1963).

Combinando memórias pessoais, fantasias e sonhos, Fellini construiu uma visão crítica da sociedade, tendo servido de referência para alguns dos cineastas mais aclamados da atualidade.

Diretores como Woody Allen, David Lynch, Girish Kasaravalli, David Cronenberg, Stanley Kubrick, Martin Scorsese, Tim Burton, Pedro Almodóvar, Terry Gilliam e Emir Kusturica confessam ter sidos profundamente influenciados pela obra do italiano.

  Tazio Secchiaroli/Coleção David Secchiaroli  
Federico Fellini durante as filmagens de "Oito e Meio", em 1963
Federico Fellini durante as filmagens de “Oito e Meio”, em 1963

Wagner Moura vai atuar e coproduzir novo longa de Heitor Dhália

Wagner Moura vai coproduzir novo longa onde terá papel marcante…

O diretor Heitor Dhalia está a mil por hora com a pré-produção do seu novo longa Serra Pelada. Wagner Moura será coprodutor e protagonista do filme, que quer mostrar a febre do ouro na região do Pará nos anos 70: “Estou até com medo, é um desafio muito grande por ser uma mega produção, longe do eixo e na região amazônica. Vai ser um épico”, diz Heitor.

As locações ainda estão sendo acertadas, mas já é certo que o filme será rodado em Paraopeba (MG), Marabá, e na própria área do garimpo, a Serra Pelada. O  elenco deve ser fechado semana que vem e o nome mais forte é o do músico Seu Jorge, super cotado para contracenar com Wagner.

Seu Jorge vai voltar ao cinema em novo filme de Heitor Dhália…

As filmagens começam em julho, e o lançamento está previsto para o primeiro semestre de 2013: “Quero levá-lo para o Festival de Cannes”, afirma Heitor Dhália.

Fortaleza e Berlim são Futuro nas lentes de Karim Aïnouz

Depois de produções com temáticas femininas, como o longa “O Céu de Suely” (2006) e a série de televisão “Alice” (2008), Karim Aïnouz começa a filmar dia 27 Praia do Futuro que trata de estereótipos masculinos, como a paixão por máquinas e velocidade.

“Vai ser filme de macho”, disse o diretor cearense à Folha, em tom de brincadeira.

A entrevista foi feita num restaurante no alternativo Kreuzberg, bairro turco de Berlim, primeira locação do filme. Fortaleza, onde Aïnouz nasceu, será a outra.

Dez anos depois de lançar o premiado Madame Satã (2002), Aïnouz dirige pela primeira vez no exterior.

“Eu cheguei a ter alguns convites, mas não achava que estava preparado nem queria fazer por fazer. ‘Praia do Futuro’ é um filme afetivo, rodado em lugares em que vivi ou vivo, então acho que agora faz sentido”, contou.

Aïnouz morou em Berlim em 2004 e, desde 2008, ele divide seu tempo entre São Paulo e a capital alemã. O filme tem roteiro dele e de Felipe Bragança.

A história se passa em dois momentos. O primeiro se situa em 2004, quando o salva-vidas cearense Donato (Wagner Moura) resgata o turista alemão Konrad (Clemens Schick), na praia do Futuro, em Fortaleza. Em seguida, ambos vão para Berlim.

O outro se passa em 2012, quando o irmão de Donato, Ayrton (Jesuita Barbosa), um entusiasta das motocicletas, sai em busca do irmão.

  Joe Dilwortth/Divulgação  
Jesuita Barbosa (esq.) e Wagner Moura integrarão elenco de "Praia do Futuro", novo filme de Karim Aïnouz (centro)
Jesuita Barbosa (esq.) e Wagner Moura integrarão “Praia do Futuro”, novo filme de Karim Aïnouz

BRIC

Diferentemente da situação de “Terra Estrangeira” (1996), longa de Walter Salles e Daniela Thomas, quando imigrantes brasileiros viviam, em geral, como subempregados, Praia do Futuro deve refletir o novo momento do país.

“Estamos em 2012, diante da força do Bric [bloco econômico formado por Brasil, Rússia, Índia e China], e o Donato vai ser um brasileiro que fala alemão e tem um bom emprego”, explica Karim.

Os principais personagens do filme são baseados em heróis de quadrinhos e séries de TV. O salva-vidas foi inspirado no Aquaman, e o irmão no piloto Speed Racer.

“Eu quero fazer um filme de ação e aventura, bagunçar um pouco a ideia de filme de autor [de produções mais intelectualizadas e com total autonomia do diretor]. Pode até ser abusado dizer, mas quero algo tipo James Bond.”

Orçado em cerca de R$ 6,3 milhões, Praia do Futuro será uma coprodução Brasil-Alemanha com cinco semanas de filmagens em Berlim e outras duas em Fortaleza.

Em seguida, ainda no primeiro semestre, Karim organiza o lançamento de “O Abismo Prateado” no Brasil. O filme, que liga o Ceará a Alemanha, deve ser lançado em 2013.

* Matéria de FABIO CYPRIANO, da Folha
ENVIADO ESPECIAL A BERLIM

Atores brasileiros dignificam nosso Cinema

O Aurora de Cinema reproduz judicioso texto do jornalista Ricardo Calil porque desvenda lado relevante da produção audiovisual brasileira

Geração de atores garante futuro do cinema brasileiro

Algum tempo atrás, Selton Mello deu uma entrevista para o Canal Brasil dizendo algo como: “No futuro, as pessoas vão se dar conta de que o cinema brasileiro do começo dos anos 2000 foi marcado por uma geração de jovens atores”. Não lembro exatamente que nomes ele citou, mas certamente Wagner Moura, Lázaro Ramos, Matheus Nachtergaele, Caio Blat, Daniel de Oliveira e o próprio Selton deveriam estar entre eles.
 

A frase me voltou à cabeça ao assistir à impecável performance de Lázaro em “Amanhã Nunca Mais”, que chega aos cinemas nesta sexta-feira. Seria apenas a temporã e competente estreia em longa-metragem de Tadeu Jungle, que renovou a linguagem da TV brasileira nos anos 80, mas a interpretação de Lázaro leva o filme a outro patamar. Ele torna crível não apenas seu personagem – um anestesista incapaz de dizer não, vivendo um dia de pesadelo urbano em São Paulo –, mas tudo que ele toca.

Se olharmos para trás, veremos que vários outros filmes brasileiros recentes foram ou salvos da mediocridade ou tiveram um salto de qualidade graças ao trabalho desses atores. O que seria dos dois “Tropas de Elite”, de “VIPs”, de “O Homem do Futuro” sem Wagner Moura? De “Bróder” sem Caio Blat? De “Jean Charles” sem Selton? E assim por diante. Suas atuações são, sem exceção, superiores ao próprio filme. De certa forma, eles são co-autores dessas obras.

No cinema argentino, há um rosto oficial: Ricardo Darín. No brasileiro, há cinco ou seis. Eles deram a cara do cinema brasileiro pós-retomada, mais do qualquer diretor, talvez até mais do que qualquer temática (globochanchada, filme de favela) ou qualquer estética (televisiva, publicitária).

E ainda há uma série de atores e atrizes que pode se juntar a esse grupo quando tiver mais papeis de protagonista – de Irandhir Santos a Cauã Raymond, de Leandra Leal a Hermilla Guedes –, todos muito jovens. Além dos muitos diretores estreantes que chegaram à tela nestes últimos dois anos, essa geração de atores é uma promessa muito concreta de futuro para o cinema brasileiro.

WAGNER MOURA Vai Filmar com Matt Damon e Jodie Foster

 

 
 O sensacional ator WAGNER MOURA, orgulho de nossas telas e palcos, vai estrear em grande estilo nas telonas de Hollywood.
 
WAGNER vai interpretar um vilão no longa Elysium e terá como colegas de elenco estrelas como Matt Damon e Jodie Foster

Com direção do sul-africano Neil Blomkamp, as filmagens estão agendadas para julho e terão como locações o Canadá e o México.

Genilson Coutinho/Divulgação 

WAGNER MOURA no dia do lançamento do filme VIP’S, no Rio, presenteado com uma miniatura sua… 

Wagner Moura: Cada Vez Mais, de Cinema

 

Wagner Moura na pré-estreia de VIPS em Sampa, nesta segunda-feira

A maturidade do cinema brasileiro contemporâneo passa pelo nome de Wagner Moura. Selton Mello divide as atenções, mas Moura tem o amparo do público e das bilheterias: desde 2007, quando estreou o primeiro Tropa de Elite, seus filmes foram vistos por cerca de 14 milhões de espectadores e faturaram por volta de R$ 125 milhões. Nenhum outro artista nos últimos anos, nem mesmo favoritos das telas como Xuxa ou Renato Aragão, pode se gabar disso.

Em entrevista para divulgar “Vips”, que estreia na próxima sexta, Wagner Moura,  disse não ter nenhum problema com o sucesso, pelo contrário: quer ser visto. E não só pelos brasileiros, já que a partir de julho estará filmando em Hollywood, ao lado de Matt Damon e Jodie Foster.

“Sou um artista que quer se comunicar com as pessoas”, disse o ator. “Meu trabalho foi feito para as pessoas assistirem, sem que isso seja um demérito, sem que eu tivesse que abaixar meu senso de qualidade, meu senso estético. Shakespeare existiu como um dos maiores artistas de todos os tempos, mas popular em sua essência.”

A partir disso, seria fácil imaginar o ator na televisão, mas seu último papel foi na novela Paraíso Tropical, há quatro anos, justamente quando “Tropa” entrou em cartaz, e ele não mostra qualquer disposição de voltar aos folhetins tão cedo. “A novela é uma coisa de tempo, você precisa passar um ano inteiro fazendo, tem que estar com muita disposição. Além disso, o cinema brasileiro está vivendo um momento muito bom. Acho que VIPS’ se insere num contexto extraordinário, que é de filmes de qualidade, com bons roteiros, bem produzidos, com bons atores e que querem ganhar público, achar um lugar no mercado.”

 

Wagner Moura em VIPS, que estreia nesta sexta

“Tenho muito bode desse negócio de que filme bom precisa ser um negócio cabeçudo para 17 pessoas assistirem, e que filme pra agradar o público precisa ser uma droga, ser um filme bobo”, continuou o ator. “Acho significativo o ‘Tropa de Elite 2’ ser o maior sucesso da história do cinema nacional porque ele se enquadra nisso, reúne uma dimensão política enorme, tem substância e as pessoas mesmo assim foram lá e assistiram. O espectador não é um idiota, que só quer ver porcaria, e nem o crítico só vai respeitar um negócio porque é hermético. Talvez o Brasil, por ter uma herança do Cinema Novo, do cinema político, tenha deixado essa sensação de que filme bom tem de ser difícil, não pode se comunicar. Digo isso não em oposição ao cinema de experimentação, que acho ótimo e precisa ser feito. Mas acho que não é só ele que merece ser aplaudido pela crítica e pelo público.”

Moura também disse se sentir confortável com o fato de, sozinho, já conseguir atrair público para o cinema, responsabilidade geralmente exclusiva a galãs ou astros infantis. “Acho bom existirem atores que chamem o público para o cinema. Eu vou ver os filmes que o Selton faz, por exemplo, porque gosto do trabalho dele. A mesma coisa com Sean Penn, Al Pacino. Isso faz parte. O fato de ter um ator que leve o público também é significativo desse momento do cinema brasileiro.”

O convite para o primeiro trabalho de destaque em Hollywood, segundo Moura, foi consequência de sua exposição nas telas do país. “Estou indo fazer esse trabalho por causa do ‘Tropa de Elite’, principalmente, mas também pela história que tenho aqui.”

O filme em questão se chama Elysium e tem direção do sul-africano Neill Blomkamp, o mesmo de Distrito 9, indicado ao Oscar no ano passado. O ator comentou que “Tropa” e “Distrito” são esteticamente parecidos, pelo “viés político”, e que aceitou o papel de um vilão pela qualidade do roteiro, que se passa 100 anos no futuro. “É um personagem muito bom, que eu aceitaria se fosse feito aqui ou em qualquer lugar. É muito legal mesmo.”

Ao lembrar do passado, Wagner Moura contou ter saudade de um certo sentimento “selvagem” da juventude, mas não troca isso pela experiência. “Entendi melhor como funciona o mecanismo do cinema, jogo melhor com a parafernália toda. Me tornei um ator rodado, tanto que já me deu vontade de dirigir um filme.”

 

Vanessa da Mata e Wagner Moura no set do videoclipe dirigido pelo ator

A estreia atrás das câmeras acontece com o clipe de Te Amo, de Vanessa da Mata, que será veiculado em breve. Rodado em 35mm, o vídeo é protagonizado pela bailarina Marilena Ansaldi, tem figurino do estilista Ronaldo Fraga, fotografia de Lula Carvalho (“Tropa 2″, Budapeste”) e montagem de Daniel Rezende (“Cidade de Deus”). “O que me dá tesão de dirigir é poder reunir vários profissionais legais e deixar eles trabalharem. Estou feliz.”

São dois os projetos como diretor de longa-metragem, a exemplo, mais uma vez, de Selton Mello (que dirigiu Feliz Natal e finaliza O Palhaço). O primeiro, segundo ele, “muito pessoal, como geralmente são os primeiros filmes”, ainda ganha forma e está apenas em um caderno, escrito a mão, com caneta esferográfica. O outro é a adaptação de um livro, não-revelado, através de Rodrigo Teixeira, da RT Features, produtor famoso por ter comprado os direitos de sucessos recentes como as biografias de Tim Maia e de Lobão.

Enquanto as ideias não se concretizam, Wagner Moura continua a toda como ator. No segundo semestre, estreia O Homem do Futuro, de Cláudio Torres, mistura de comédia e ficção científica. Nesta semana, ele começa as filmagens de A Cadeira do Pai. Primeiro longa do diretor Luciano Moura, o filme conta a história de um casal de médicos que está se separando e precisa lidar com o sumiço do filho de 13 anos, que foge de casa. Ainda no elenco, estão Mariana Lima (“A Suprema Felicidade”) e Lima Duarte.

Além disso, tem ao menos mais dois projetos encaminhados: a superprodução Serra Pelada, de Heitor Dhalia, diretor que está atualmente em Hollywood filmando com Amanda Seyfried; e a adaptação do livro Viúvas da Terra, sobre política agrária no Brasil, com direção de Henrique Goldman (“Jean Charles”). Isso sem contar as novas propostas que recebe semanalmente. A televisão, realmente, ficou para trás.

* Por Marco Tomazzoni

VIP’S em Trailler e Blog…

VIPs, filme de Toniko Melo, vencedor do Festival do Rio 2010, já tem trailer oficial e blog com conteúdos exclusivos.

Com WAGNER MOURA de protagonista, VIP’S tem tudo para fazer carreira vitoriosa nas salas de todo o país. A produção é da O2 Filmes e a estréia está marcada pra 25 de março. 

VIPs é uma história de ficção inspirada no livro de Mariana Caltabiano VIPs – Histórias Reais de Um Mentiroso, sobre a vida de Marcelo da Rocha Nascimento, que ficou conhecido por aplicar inúmeros golpes, sendo o mais conhecido o de passar-se por Henrique Constantino, filho do dono da companhia aérea Gol, durante o carnaval do Recife.  

 

Link para download do trailer: http://wtrns.fr/aUoVr5VD2XOY0r

 

Através do blog do filme, o público poderá conhecer as várias personalidades assumidas por Marcelo, personagem interpretado por Wagner Moura.  Além disso, estão disponíveis conteúdos exclusivos, informações sobre os bastidores, as filmagens e entrevistas.

 

Endereço  do blog : www.vipsofilme.com.br/blog

  

SINOPSE 

Desde pequeno, Marcelo Nascimento da Rocha tem muita dificuldade de viver com sua identidade. Seu maior prazer é imitar as pessoas e se passar pelos outros. Alimentando o sonho de aprender a voar e tornar-se piloto como o pai, Marcelo foge da casa da mãe e começa a maior aventura de sua vida, cada vez se passando por uma pessoa diferente. Até dar o maior golpe de sua vida: fazer-se passar pelo empresário Henrique Constantino, filho do dono da companhia aérea Gol, em uma grande festa no Recife. 

 FICHA TÉCNICA

 Direção: Toniko Melo
Produção: Fernando Meirelles, Paulo Morelli, Bel Berlinck

Argumento: Toniko Melo e Bráulio Mantovani, A.C.

Roteiro: Bráulio Mantovani, A.C. e Thiago Dottori, A.C.
Direção de Fotografia: Mauro Pinheiro Jr., ABC

Direção de Arte: Frederico Pinto

Produção de Elenco: Cecília Homem de Mello

Montagem: Gustavo Giani
Música: Antonio Pinto
Supervisão de Pós Produção: Hugo Gurgel

Supervisão de Edição de Som: Alessandro Laroca

Mixagem: Armando Torres Jr.

Som Direto: Romeu Quinto, ABC